Kubrick, um dos maiores diretores do mundo, em ação

Só um lembrete: uma nova edição do meu curso de História do Cinema começa sábado (a data mudou para segunda, dia 19, às 19 horas), no Zarinha Centro de Cultura. 115 anos de sonhos, idéias, avanços técnicos, polêmicas e arte serão passados em revista em 10 encontros que serão verdadeiros passeios: tudo é ilustrado com cenas dos principais filmes, autores e movimentos cinematográficos.

O objetivo, além de ser uma boa introdução em si mesma, é abrir horizontes. Mostrar que há sempre um pouco mais além do que se conhece e que se arriscar pode render boas surpresas. Desde que uma câmera dos irmãos Lumière filmou trabalhadores saindo de uma fábrica e um trem chegando a uma estação, o cinema não parou de avançar e se diversificar.

Mais informações no site do Zarinha.

Programa

– O impacto da invenção do cinematógrafo;

– David W. Grifftih e o nascimento da linguagem – e sua aplicação através dos tempos: os planos, do geral ao close; os movimentos de câmera; o roteiro; a fotografia; a montagem.

– O cinema mudo após Griffith.

– A reinvenção da montagem no cinema soviético: Sergei M. Eisenstein.

– O desenvolvimento da comédia: Charles Chaplin.

– O expressionismo alemão: F.W. Murnau e Fritz Lang.

– A difícil adaptação aos novos tempos: o cinema aprende a falar.

– O surgimento da tradição verbal clássica americana: Howard Hawks, Billy Wilder.

– A revolução de Cidadão Kane, de Orson Welles.

– O neorealismo italiano: Roberto Rossellinni, Vittorio De Sica.

– A nouvelle vague francesa: François Truffaut, Jean-Luc Godard.

– O existencialismo sueco: Ingmar Bergman.

– O revisionismo dos anos 1960 e 1970 nos Estados Unidos: de Hitchcock a Scorsese e Spielberg.

– Os novos cinemas fora de Hollywood: China, Irã, América Latina.

– O documentário.

– O cinema de animação e a evolução dos efeitos especiais.

– Uma breve história do cinema brasileiro.

Anúncios