"O Dia em que a Terra Parou", 1951

"Um Rosto na Multidão", 1957

"Bonequinha de Luxo", 1961

"O Indomado", 1963

Minha lembrança de Patricia Neal e sua voz rouca será sempre como a 2-E, a mulher que sustentava o escritor vivido por George Peppard em Bonequinha de Luxo – e que depois é rejeitada por ele. Ou dizendo as imortais palavras “Gort, Klaatu barada niktu” em O Dia em que a Terra Parou. Dez anos separam um filme e outro e dois anos depois de Bonequinha, ela ganhou um Oscar de melhor atriz por O Indomado. Ao auge, seguiu-se o drama: grávida, ela foi vítima de três derrames em 1965 e ficou em coma por três semanas – o cume de uma seqüência de tragédias pessoais que atingiram dois de seus filhos anos antes. Semiparalisada, e após uma operação no cérebro, ela teve que aprender a falar, andar e a ler de novo e ficou com problemas de memória. Teve sua filha e retomou a carreira em 1968.

Packard (EUA), 20 de janeiro de 1926 – Edgardtown (EUA), 8 de agosto de 2010

Anúncios