Igual, mas diferente

A pupila e o mestre: quem ensina quem?

Quem conhece a obra de Woody Allen sabe que a velha piada de que ele faz sempre o mesmo filme não corresponde à verdade. Mas no ritmo de um filme por ano (este é seu 40º), ideias são naturalmente revisitadas e pensamentos reafirmados. Tudo Pode Dar Certo (Whatever Works, Estados Unidos, 2009), a volta de Woody a Nova York após quatro filmes na Europa, usa elementos que o cineasta já usou e os mistura e modifica para criar um novo filme.

Ancorado na relação acidental entre Boris (Larry David), um ex-professor de física grosseiro e que não vê sentido na vida, e Melody (Evan Rachel Wood), uma garota do interior muitos anos mais nova e um QI bem menor, o filme mostra como esse encontro totalmente casual influi drasticamente em suas vidas e nas de todos em volta. A sorte, mais uma vez, como em Ponto Final – Match Point (2005). Woody também já usou a relação professor-pupila como assunto amoroso (em Manhattan, 1979, Hannah e Suas Irmãs, 1986, e Maridos e Esposas, 1993), mas desta vez o professor também tem a aprender.

E o recurso de falar para a câmera já apareceu em filmes como Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), mas repare como as pessoas na rua estranham como Larry David fala com a plateia neste filme. O que poderia ser só um recurso de estilo é amarrado com extrema esperteza no desfecho, numa saborosa cumplicidade entre personagem e público.

David, no caso, assume “o papel” de Woody no filme: neurótico, hipocondríaco (tipos que Allen gosta de interpretar na tela), mas muito mais rude, desagradável. Melody – com um sotaque impagável – é a jovem que vem fazê-lo reencontrar o prazer de viver, que vem suavizá-lo, mesmo contra a vontade dele.

É um filme leve e sem grandes pretensões, mas com uma visão de mundo bastante clara. É uma obra com algo a dizer: veja como Woody sempre trata em seus filmes do passo seguinte, mostrando que o fim de um relacionamento é dureza, mas não o fim do mundo.

É isso o que está em Tudo Pode Dar Certo, em meio a muitas piadas muito engraçadas, divididas entre os imprompérios de Boris e as tentativas de Evan de explicar o que sente usando teorias da física que ouviu dele – os melhores momentos do filme. Uma delícia.

Tudo Pode Dar Certo (Whatever Works). Estados Unidos, 2009. Direção: Woody Allen. Elenco: Larry David, Evan Rachel Wood, Patricia Clarkson, Ed Begley Jr., Henry Cavill, Jessica Hecht.

Anúncios