O ano do circuitão em João Pessoa e Campina Grande seguiu a média dos anos anteriores. 140 filmes entraram em cartaz nas 13 salas de João Pessoa (vários, também nas quatro de Campina).

São dois a menos que em 2009, mas números bem abaixo do registrado entre 2006 e 2008 (161, em 2006; 165, em 2007; e 162, em 2008), anos em que o cinema do MAG Shopping ainda funcionava. O número pode voltar a melhorar se as novas salas de lá com a inauguração das novas salas de lá nesta sexta. No ano que vem, a gente conversa.

Foram 18 filmes nacionais em 2010 (14,28% do total), mantendo a tendência de queda em números absolutos (foram 24, em 2007; 22, em 2008; 20 em 2009). O ano também marcou a discreta aposentadoria do Cine Bangüê para exibições regulares – no Espaço Cultural, elas passaram a acontecer no Espaço Cine Digital. Isso melhorou o quadro de filmes não falados em inglês ou português: de um, no ano passado, para nove.

Aí vai a lista dos melhores filmes exibidos nos cinemas paraibanos em 2010 (publicada no dia 2 de janeiro de 2011, no Correio da Paraíba):

1 - "A Origem", de Christopher Nolan

Se o cinema é como um sonho, nenhum filme foi mais cinema que este em 2010. Ele levou o espectador ao mundo do insconsciente em uma trama intrincadíssima, uma complexidade ilusória, visual delirante e realista ao mesmo tempo e ainda criou um antológico clímax de mais de meia hora de duração. Critica no Boulevard

2 - "Toy Story 3", de Lee Unkrich

A Pixar fecha a década com outra obra-prima, transitando entre filmes de prisão, de horror, e arrancando lágrimas de quem se identificou com o rapaz que se despede de seus brinquedos. Crítica no Boulevard

3 - "Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora É Outro", de José Padilha

Poucas continuações são tão lógicas e menos repetitivas do que a trajetória do Capitão nascimento. O filme político do ano. Crítica no Boulevard

4 - "Amor sem Escalas", de Jason Reitman

Viver no ar é viver sem amarras para o personagem de George Clooney. Brilhante metáfora sobre as bagagens de cada um e ainda um comentário sobre a crise americana. Crítica no Boulevard

5 - "A Rede Social", de David Fincher

A história da criação do Facebook não só mostra como surgiu nossa mania por redes sociais. É também um belíssimo trabalho sobre a solidão crônica e como alguém pode sabotar suas próprias relações não virtuais. Crítica no Boulevard

6 - "Entre os Muros da Escola", Laurent Cantet

Em tom de documentário, uma classe é mostrada como o microcosmo francês, com todos os seus dilemas étnicos.

7 - "Ilha do Medo", de Martin Scorsese

Se aproveitando do modelo do filme noir, Scorsese faz uma investigação sobre a mente humana e um exercício de estilo que remete até ao cinema mudo. Crítica no Boulevard

8 - "Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1", de David Yates

Na reta final, a franquia ganhou ares de filme de guerra, usa metáforas nazistas para falar de intolerância e experimenta ousadias temáticas e narrativas. Crítica no Boulevard

9 - "Guerra ao Terror", de Kathryn Bigelow

Desacreditado por todos, revelou-se o melhor filme a tratar da Guerra do Iraque em tons psicológicos: o vício pela adrenalina empurrando um detonador de bombas para cada vez mais perto da morte. Crítica no Boulevard

10 - "As Melhores Coisas do Mundo", de Laís Bodanzky

O mundo dos adolescentes, mostrado com uma sensibilidade toda especial pela diretora. Crítica no Boulevard

Mais dez de 2010:

11 – Ponyo – Uma Amizade que Veio do Mar
12 – InvictusCrítica no Boulevard
13 – Os Homens que Não Amavam as Mulheres
14 – Como Treinar o Seu Dragão
15 – Homem de Ferro 2Crítica no Boulevard
16 – Tudo Pode Dar CertoCrítica no Boulevard
17 – Atração Perigosa
18 – Julie & Julia
19 – Abraços Partidos
20 – 5x Favela – Agora por Nós Mesmos

Melhores do ano: 2009

Mais retrospectiva 2010:

O cinema da década
As musas de 2010
Os títulos mais esdrúxulos de 2010
50 filmes que não foram exibidos em 2010

Anúncios