Cena da primeira sequência do novo 'Vingadores': gente demais

Cena da primeira sequência do novo ‘Vingadores’: gente demais

Sem borda - 03 estrelas

Fugiu do controle

Desde que Tony Stark (Robert Downey Jr) apareceu na cena extra de O Incrível Hulk (2009) e um entrelaçamento dos filmes da Marvel começou a surgir, eu, como leitor de quadrinhos senti a vibração de algo grande por vir, mas também um medo. O medo era de que se repetisse no cinema o que já ocorre nas HQs: uma obsessão tão grande pela continuidade (no caso, como elemento para levar o leitor a comprar a edição seguinte, na origem, e várias outras revistas da editora, atualmente) que ficou quase impossível um leitor novo embarcar de primeira nas histórias de hoje sem ficar completamente perdido. Pois afinal chegou-se perigosamente perto disso em Vingadores – Era de Ultron (Avengers – Age of Ultron, Estados Unidos, 2015).

O novo Vingadores começa parecendo uma parte 2 de um filme que não tem parte 1. É um início bagunçado, com os heróis no meio de uma batalha para invadir uma base da Hydra. Rapidamente sabemos que é mais uma, que nessa está o centro de Loki, que com ele dá pra desenvolver uma inteligência artificial, que Tony Stark já tinha planos pra isso… Vemos Stark dando início ao processo, Ultron ganhando vida e forma, decidindo que o melhor para o mundo é a erradicação dos humanos e atacando os Vingadores.

Muita informação atirada na cara do espectador atabalhoadamente, provavelmente deixando meio perdido quem não está a par da “parte 1”. Essa “parte 1” existe, claro: está espalhada pelas várias produções anteriores do Marvel Studios envolvendo o Homem de Ferro, o Capitão América (Chris Evans) e o Thor (Chris Hemsworth), incluindo o seriado Agentes da Shield.

A Marvel no cinema resolveu usar os filmes do supergrupo como o ponto em que tudo se encontra para depois se ramificar outra vez. Ok, funcionou às mil maravilhas no primeiro filme. Mas agora há gente demais como pouco a fazer e o que ficou bem distribuído da primeira vez se tornou desequilibrado e impossível de lidar agora.

O Falcão (Anthony Mackie), por exemplo, de tão boa figura em Capitão América 2 – O Soldado Invernal (2014), é só um figurante de luxo aqui. E o que dizer do Mercúrio (Aaron Taylor-Johnson), desperdiçado de maneira incompreensível (ainda mais com o mesmo personagem, em outra versão, roubando a cena em X-Men – Dias de um Futuro Esquecido, 2014)?

O primeiro Vingadores tinha, entre suas muitas qualidades, o fato de que era “sem-vergonha”: sabia nāo ter espaço para os dramas pessoais de seus personagens (já explorados nos filmes solo) e não almejava ser mais que uma matinezona de milhões e milhões de dólares. E cumpriu admiravelmente bem essa função. É curioso, então, que o segundo filme, já que começa tão bagunçado na ação, tenha entre seus pontos positivos justamente o contrário disso: o drama e a exploração do fator humano dos super-heróis.

É ótima a cena da festa, no começo, e a revelação depois da intimidade do Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), personagem que nāo tem um filme pra chamar de seu e tratar disso lá. Como também é um grande momento aquele em que a Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen) mexe com os medos íntimos e as lembranças dolorosas dos heróis. É, junto com o Visão (Paul Bettany), uma nova personagem muito bem aproveitada pelo filme. Da mesma forma, é dado um destaque emocional bem-vindo à Viúva Negra e ao Hulk, também entre os “sem-filme” (vamos ignorar aquele filme com Edward Norton, ok?).

Vale o registro, também, do climax do filme que, apesar de ser uma batalha monumental barulhenta e cheia de efeitos, ainda reserva atenção especial ao ato de proteger e salvar pessoas. Em um tempo em que alguns filmes de super-heróis estão mais interessados na destruição em larga escala no que nisso, é bom ver um blockbuster que se preocupa em manter o foco no que faz de um herói um herói.

Vingadores – Era de Ultron. Avengers – Age of Ultron. Estados Unidos, 2015. Direção: Joss Whedon. Elenco: Robert Downey Jr, Chris Evans, Chris Hemsworth, Mark Ruffalo, Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Elizabeth Olsen, Paul Bettany, Aaron Tayor-Johnson, Samuel L. Jackson, Don Cheadle, Anthony Mackie, Cobie Smulders, Hayley Atwell, Julie Delpy, Idris Elba, Linda Cardellini, Stellan Skasgard, Andy Serkis. Voz no original: James Spader.

Anúncios