You are currently browsing the monthly archive for dezembro 2015.

Audrey Hepburn em "A Princesa e o Plebeu"

1 – AUDREY HEPBURN, por A Princesa e o Plebeu

Posteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1954, por Sabrina; 7ª em 1956, por Guerra e Paz; 2ª em 1957, por Cinderela em Paris e por Amor na Tarde; 10ª em 1959, por Uma Cruz à Beira do Abismo e por A Flor que Não Morreu; 12ª em 1960, por O Passado Não Perdoa; 1ª em 1961, por Bonequinha de Luxo e por Infâmia; 7ª em 1963, por Charada; 9ª em 1964, por My Fair Lady e por Quando Paris Alucina; 3ª, em 1966, por Como Roubar um Milhão de Dólares; 8ª em 1967, por Um Caminho para Dois e por Um Clarão nas Trevas; 16ª em 1976, por Robin e Marian

A aparição impactante e encantadora de Audrey Hepburn para o mundo em A Princesa e o Plebeu garantiu o Oscar daquele ano e o alto do pódio na nossa lista. Sua princesa que tira um dia de folga em Roma, corta o cabelo, vive aventuras e se apaixona é inesquecível. Uma estreia como poucas. O que enobrece a vitória é o pódio completado por uma Cyd Charisse impressionante com suas pernas intermináveis em A Roda da Fortuna e Marilyn Monroe triplamente no ano em que virou uma estrela – com destaque para a cena icônica em que, tão sinuosa quanto engraçada, canta as qualidades dos diamantes. E olha que o ano ainda teve Deborah Kerr no beijo mais famoso do cinema, Ava Gardner, Grace Kelly, Rita Hayworth… Primeira aparição: Audrey Hepburn, Harrie Andersson, Deborah Kerr, Jean Simmons, Alida Valli, Lauren Bacall, Jennifer Jones. Última aparição: Gloria Grahame, Jean Peters, Rita Hayworth, Única aparição: Donna Reed, Jane Russell, Setsuko Hara, Gene Tierney. Brasileiras na lista: nenhuma.

Cyd Charisse em "A Roda da Fortuna"

2 – CYD CHARISSE, por A Roda da Fortuna

Anteriormente em Musas retroativas1ª em 1952, por Cantando na ChuvaPosteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1954, por A Lenda dos Beijos Perdidos; 5ª em 1955, por Dançando nas Nuvens; 20ª em 1956, por Viva Las Vegas; 1ª em 1957, por Meias de Seda; 5ª em 1958, por A Bela do Bas-Fond.

Marilyn Monroe em "Os Homens Preferem as Louras" Marilyn Monroe em "Torrentes de Paixão" Marilyn Monroe em "Como Agarrar um Milionário"

3 – MARILYN MONROE, por Os Homens Preferem as Louras, por Torrentes de Paixão e por Como Agarrar um Milionário

Anteriormente em Musas retroativas: 4ª em 1952, por O Inventor da Mocidade, por Almas Desesperadas, por Só a Mulher Peca, por Travessuras de Maridos e por Páginas da Vida. Posteriormente em Musas retroativas: 3ª em 1954, por O Mundo da Fantasia e por O Rio das Almas Perdidas; 1ª em 1955, por O Pecado Mora ao Lado; 4ª em 1956, por Nunca Fui Santa; 3ª em 1957, por O Príncipe e a Corista; 2ª em 1959, por Quanto Mais Quente Melhor; 11ª em 1960, por Adorável Pecadora; 2ª em 1961, por Os Desajustados; 1ª em 1962, por Something’s Got to Give.

Harriet Andersson em "Mônica e o Desejo" Harriet Andersson em "Noites de Circo"

4 – HARRIET ANDERSSON, por Mônica e o Desejo e por Noites de Circo

Posteriormente em Musas retroativas: 10ª em 1961, por Através do Espelho.

Deborah Kerr em "A um Passo da Eternidade"

5 – DEBORAH KERR, por A um Passo da Eternidade

Posteriormente em Musas retroativas: 15ª em 1955, por Pelo Amor de Meu Amor; 18ª em 1956, por O Rei e Eu e por Chá e Simpatia; 10ª em 1957, por Tarde Demais para Esquecer e por O Céu É Testemunha; 17ª em 1959, por Crepúsculo Vermelho.

Ava Gardner em "Mogambo"

6 – AVA GARDNER, por Mogambo

Anteriormente em Musas retroativas5ª em 1952, por As Neves do KilimanjaroPosteriormente em Musas retroativas: 10ª em 1954, por A Condessa Descalça; 16ª em 1957, por E Agora Brilha o Sol; 11ª em 1958, por A Maja Desnuda.

Donna Reed em "A um Passo da Eternidade"

7 – DONNA REED, por A um Passo da Eternidade

Grace Kelly em "Mogambo"

8 – GRACE KELLY, por Mogambo

Anteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1952, por Matar ou Morrer. Posteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1952, por Matar ou Morrer; 1ª em 1954, por Janela Indiscreta, por Disque M para Matar, por Amar É Sofrer e por Tentação Verde; 2ª em 1955, por Ladrão de Casaca; 2ª em 1956, por Alta Sociedade e por O Cisne.

Gina Lollobrigida em "Pão, Amor e Fantasia" Gina Lollobrigida em "O Diabo Riu por Último"

9 – GINA LOLLOBRIGIDA, por Pão, Amor e Fantasia e por O Diabo Riu por Último

Anteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1952, por Fanfan la TulipePosteriormente em Musas retroativas: 8ª em 1959, por Salomão e a Rainha de Sabá; 9ª em 1961, por Quando Setembro Vier; 14ª em 1971, por A Quadrilha da Fronteira.

Rita Hayworth em "Salomé" Rita Hayworth em "A Mulher de Satã"

10 – RITA HAYWORTH, por Salomé e por A Mulher de Satã

Anteriormente em Musas retroativas: 13ª em 1952, por Uma Viúva em Trinidad.

Janet Leigh (O Preço de um Homem) janet Leigh em "Que Delícia o Amor" Janet Leigh em "Houdini, o Homem Miraculoso"

11 – JANET LEIGH, por O Preço de um HomemQue Delícia o Amor e por Houdini, o Homem Miraculoso

Anteriormente em Musas retroativas17ª em 1952, por ScaramouchePosteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1958, por A Marca da Maldade; 11ª em 1960, por Psicose.

Jean Simmons em "O Manto Sagrado" Jean Simmons em "Papai Não Quer" Jean Simmons em "A Rainha virgem"

12 – JEAN SIMMONS, por O Manto Sagrado, por Papai Não Quer e por A Rainha Virgem

Posteriormente em Musas retroativas: 15ª em 1954, por Desirée, o Amor de Napoleão; 8ª em 1958, por Da Terra Nascem os Homens;  7ª em 1960, por Spartacus e por Entre Deus e o Pecado.

Marilyn Monroe e Jane Russell em "Os Homens Preferem as Louras"  Jane Russell em "Um Romance em Paris"

13 – JANE RUSSELL, por Os Homens Preferem as Louras e por Um Romance em Paris

Jean Peters em "Anjo do Mal"

14 – JEAN PETERS, por Anjo do Mal

Anteriormente em Musas retroativas: 14ª em 1952, por Viva Zapata.

Gloria Grahame em "Os Corruptos"

15 – GLORIA GRAHAME, por Os Corruptos

Anteriormente em Musas retroativas: 16ª em 1952, por Assim Estava Escrito e por O Maior Espetáculo da Terra.

Alida Valli em "Nós, as Mulheres"

16 – ALIDA VALLI, por Nós, as Mulheres

Posteriormente em Musas retroativas: 8ª em 1954, por Sedução da Carne.

Setsuko Hara em "Era uma Vez em Tóquio"

17 – SETSUKO HARA, por Era uma Vez em Tóquio

Lauren Bacall em "Como Agarrar um Milionário"

18 – LAUREN BACALL, por Como Agarrar um Milionário

Posteriormente em Musas retroativas: 17ª em 1955, por Rota Sagrenta; 19ª em 1956, por Palavras ao Vento; 5ª em 1957, por Teu Nome É Mulher.

Gene Tierney em "Nunca Me Deixes Ir"

19 – GENE TIERNEY, por Como Agarrar um Milionário

Jennifer Jones em "O Diabo Riu por Último" Jennifer Jones em "Quando a Mulher Erra"

20 – JENNIFER JONES, por O Diabo Riu por Último e por Quando a Mulher Erra

Posteriormente em Musas retroativas: 7ª em 1955, por Suplício de uma Saudade; 14ª em 1957, por Adeus às Armas.

 


LEIA MAIS:

Musas de 1952 <<
>> Musas de 1954

Liza Minnelli puxou a mãe, Judy Garland, em talento (em problemas também, mas isso é outra história). Infelizmente, ela apareceu para o cinema quando os grandes musicais já tinham saído de cena. Mas ainda deu tempo deu tempo de um trabalho para marcar época: Cabaret (1972), de Bob Fosse, pelo qual ganhou o Oscar de melhor atriz.

O que entra na quinta, o que fica até quarta e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande e Patos).

Star Wars - O Despertar da Força - cartaz

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘STAR WARS – O DESPERTAR DA FORÇA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 3D leg, 2D dub, 3D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub, 3D leg, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub, 3D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D leg, 3D dub])

Pré-estreia em JP:
– ‘ALVIN E OS ESQUILOS – NA ESTRADA’ (Cinépolis Manaíra [2D dub], diariamente; Cinespaço MAG [2D dub], diariamente; Cinesercla Tambiá [2D dub], diariamente; Cinépolis Mangabeira [2D dub], diariamente)

Só até quarta em JP:
– ‘A VISITA’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘HOTEL TRANSILVÂNIA 2’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘AWAKE – A VIDA DE YOGANANDA’ (Cinespaço MAG [2D leg])
– ‘O PRESENTE’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])

Continuam em JP:
– ‘DÍVIDA DE HONRA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘JOGOS VORAZES – A ESPERANÇA: O FINAL’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘NO CORAÇÃO DO MAR’ (Cinépolis Manaíra [3D leg, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘OLHOS DA JUSTIÇA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]
– ‘PEGANDO FOGO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘BEM CASADOS’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port])
– ‘TUDO QUE APRENDEMOS JUNTOS’ (Cinépolis Manaíra [2D em port])
– ‘TERRA DE MARIA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘O REINO GELADO 2’ (Cinépolis Mangabeira [3D dub], apenas sábado e domingo)
– ‘QUARTO DE GUERRA’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘O ÚLTIMO CAÇADOR DE BRUXAS’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘VICTOR FRANKENSTEIN’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])

 

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘STAR WARS – O DESPERTAR DA FORÇA’ [3D leg, 2D dub, 3D dub]

Pré-estreia em CG:
– ‘ALVIN E OS ESQUILOS – NA ESTRADA’ [2D dub], diariamente

Só até quarta em CG:
– ‘A VISITA’ [2D dub]
– ‘O PRESENTE’ [2D leg, 2D dub]
– ‘O REINO GELADO 2’ [2D dub]

Continuam em CG:
– ‘JOGOS VORAZES – A ESPERANÇA: O FINAL’ [2D dub]
– ‘NO CORAÇÃO DO MAR’ [2D dub]
– ‘BEM CASADOS’ [2D em port]
– ‘VICTOR FRANKENSTEIN’ [2D dub]

 

PATOS (Cine Guedes)

Entra quinta em Patos:
– ‘STAR WARS – O DESPERTAR DA FORÇA’ [3D dub]

Pré-estreia em Patos:
– ‘ALVIN E OS ESQUILOS – NA ESTRADA’ [2D dub], diariamente

Só até quarta em Patos:
– ‘JOGOS VORAZES – A ESPERANÇA: O FINAL’ [3D dub]
– ‘NO CORAÇÃO DO MAR’ [3D dub]
– ‘O REINO GELADO 2’ [3D dub]

Continuam em Patos:
– ‘COMO SOBREVIVER A UM ATAQUE ZUMBI’ [2D dub]

 

 

 

 

REMÍGIO (Cine RT)

O cinema está em manutenção

O top 5 até agora

O top 5 até agora

Filmes de três meses foram liberados para a votação no X Melhores do Ano, mas o quórum ainda é pequeno. Assim, poucos filmes alcançaram até agora o quórum mínimo de seis notas. Destes, o top 5 registra as produções que passearam pela temporada de prêmios referente a 2014. O líder é o Oscar de roteiro adaptado, o vice é o Oscar de melhor filme. Em terceiro, um filme que não ganhou Oscar, mas tem um Globo de Ouro de atriz de comédia. Seguem o Oscar de melhor ator e o de edição de som. Muita água ainda vai rolar.

O top 5 até agora:

O Jogo da Imitação – 3,75
Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância – 3,666
Grandes Olhos – 3,5
A Teoria de Tudo – 3,5
Sniper Americano – 3

Para votar, pegue a lista de cada mês, cole nos comentários com as notas 0 a 5 para os filmes que você viu.

Listas disponíveis em três locais: aqui no blog, no meu álbum de fotos no Facebook, no álbum de fotos da página do Boulevard.

Marília Pêra com o troféu Oscarito no Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara)

Marília Pêra com o troféu Oscarito no Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara)

Em agosto deste ano, tive a honra de estar presente à coletiva de imprensa dada por Marília Pêra no Festival de Gramado. Ela seria homenageada pelo festival naquela mesma noite – um momento bonito, em que ela foi surpreendida pela presença dos três filhos, que foram entregar o Troféu Oscarito.

Fiz duas ou três perguntas: perguntei sobre Carmen Miranda e sobre Jogo de Cena. O texto – em que optei por tópicos para o mínimo de espaço possível para as minhas palavras e o máximo para as de Marília – foi publicado no Caderno 2 do Correio da Paraíba do dia seguinte. Segue aqui o texto, neste dia triste em que essa diva da atuação brasileira nos deixou, pouco menos de quatro meses após aquele dia.

***

Gramado, RS – Em um festival de poucas estrelas no tapete vermelho, Marília Pêra brilhou absoluta. Ela foi homenageada com o Troféu Oscarito na noite de terça, aplaudida de pé por um Palácio dos Festivais lotado. Marília ganhou dois Kikitos em sua carreira: por Bar Esperança (1983) e Anjos da Noite (1987). Ela foi surpreendida pela presença de seus três filhos (Ricardo Graça Mello, Esperança Motta e Nina Morena), que entregaram o troféu. Mais cedo, ela conversou com os jornalistas.

Início no teatro – “Comecei na tragédia. Medeia, aos 4 anos. Morria todo dia (risadas da plateia). Claro, minha mãe me matava (mais risadas). Era a madame (Henriette) Morrineau: com ciúme do meu pai, ela matava os filhos. Eu era a menina que morria estrangulada todos os dias”.

Novo disco – “Estou gravando um disco agora pela Biscoito Fino. Um disco de músicas românticas, que deverá se transformar num docudrama musical. Achei que seria O Fino da Fossa, músicas tristes, mas durante as reuniões foi mudando”.

Carmen Miranda (Marília interpretou Carmen, que morreu há 60 anos, diversas vezes)– “A primeira vez que cantei Carmen Miranda, eu era bailarina do Carlos Machado no México. E havia lá uma vedete chamada Vera Regina e ela fazia um pot-pourri da Carmen Miranda. E ela precisou voltar ao Brasil. E o Carlos Machado falou pro Juan Carlos Berardi, o coreógrafo: ‘Vê se alguma dessas meninas aí afina’. Aí, era eu mesmo. E eu cantei pela primeira vez, em 1963. E depois, em 1972, fiz A Pequena Notável, um texto de Ary Fontoura com direção de Mauricio Sherman… E de lá pra cá interpretei Carmen Miranda… mil vezes. Quando ela morreu, eu tinha 11 anos. Eu estava saindo do balé e fui ao velório dela, fui vê-la. Tenho essa ligação com ela”.

Hector Babenco – “Ele queria em O Rei da Noite que fossem o Paulo (José) e a Dina (Sfat). A Dina não podia, não sei porquê. Então ele queria a Darlene Glória, queria um mulherão. E o Paulo sugeriu o meu nome. Então, ele aceitou, mas eu não era bem o que ele queria. Ele não me tratava mal… mas ele não me tratava. Depois, declarou que só foi perceber o meu trabalho depois do filme montado. Já quando me chamou pro Pixote ele sabia muito bem o que queria”.

Ser atriz – “Eu tinha a paixão. Eu queria. Queria porque era um meio de sobrevivência e queria porque era a minha alegria, a minha felicidade. O Zé Mayer disse uma coisa tão bonita: nessa profissão você não tem limite. Você pode fazer o que você quiser, sendo ator. Você pode sentir todas as emoções do universo. Isso é uma liberdade sem fim, se você pensa assim”.

Jogo de Cena (no filme de Eduardo Coutinho, mulheres dão depoimentos e atrizes os repetem) – “É a diferença entre o que você é e o que você finge que é. O Coutinho queria que a gente no filme interpretasse ‘nada’. É muito difícil. A gente tinha de ser o que a outra pessoa tinha confessado, sem interpretar. Quando a gente interpretava, ele interrompia. Eu tive medo, fiquei com taquicardia. Todo aquele filme eu fiz com o coração na boca. Nem sei o que eu acho de mim no filme”.

Ópera – “Eu me mato para ver a Anna Netrebko onde ela estiver, é a maior cantora lírica atualmente. Gosto muito da grandiosidade da ópera. Tudo que se vê em Broadway é nada diante do que as óperas fazem”.

PERFIL:

– Marília Pêra nasceu no Rio de Janeiro, em 1943

– Vem de uma família de atores: seus pais eram Manuel Pêra e Dinorah Marzullo, que integravam a companhia teatral de Henriette Morineau.A avó, Antonia Marzullo, também era atriz.

– A partir dos 14 anos, foi bailarina, participando de musicais e teatro de revista.

– Sua estreia na TV foi em Rosinha do Sobrado, em 1965.

– No cinema, estreou como bailarina em uma chanchada com Oscarito e Sonia Mamede. Com um personagem, a estreia foi em O Homem que Comprou o Mundo (1968), de Eduardo Coutinho

– Em 1968, estava no elenco da peça Roda Vida, de Chico Buarque, e foi presa pela ditadura.

– Como diretora, estreou em 1978, com a peça infantil A Menina e o Vento. Seu grande sucesso na função é O Mistério de Irma Vap, com Ney Latorraca e Marco Nanini, que ficou 12 anos em cartaz, de 1986 a 1998.

Páginas

Sigam-me os bons (no Twitter)