You are currently browsing the monthly archive for fevereiro 2016.

Ah, o Oscar é uma festa chata e longa, blá-blá-blá. Pra mim, nunca foi. Sempre me diverti e acho que alguns grandes momentos compensam os muitos “pro meu pai, pra minha mãe e pra você” dos discursos. Vamos a 10 dos meus momentos preferidos da cerimônia do Oscar (e que fique claro que alguns eu li sobre e depois pude vê-los via YouTube. Não sou tão velho).

10. MICHAEL MOORE: ‘QUE VERGONHA, SENHOR BUSH’

Em 2002, todos já esperavam a vitória de Tiros em Columbine como melhor documentário. O suspense estava no discurso que o combativo cineasta Michael Moore faria. E ele não decepcionou: ‘Fazemos não-ficção em um um tempo em que temos resultados eleitorais fictícios, que elegeram um presidente fictício, que nos manda para uma guerra por motivos fictícios. Que vergonha, Senhor Bush!’. Depois de sair do palco, o apresentador Steve Martin emendou: ‘Michael Moore foi visto sendo colocado no porta-malas de um carro ali fora’.

9. A COMÉDIA DE BLAKE EDWARDS 

Em 2004, o cineasta Blake Edwards (de, entre outros, os filmes da série A Pantera Cor-de-Rosa) foi homenageado com um Oscar honorário. Entrou no palco de cadeira de rodas, por causa da perna engessada. E…

8. KAZAN CAUSA CONTROVÉRSIA

A decisão da Academia de conceder um prêmio pelo conjunto da obra ao grande Elia Kazan, em 1999, foi polêmica porque muita gente não perdoou o cineasta por ter dedurado colegar ao Comitê de Atividade Antiamericanas, na asquerosa caça às bruxas do macartismo, nos anos 1950. Teve gente que aplaudiu de pé, gente que aplaudiu (mas não de pé) e gente que cruzou os braços.

7. STANLEY DONEN SAPATEANDO

Um dos mestres dos musicais americanos, Stanley Donen foi premiado por um Oscar honorário em 1997. Ele não só agradeceu: cantou e sapateou “cheek to cheek” com a estatueta. Maravilha!

6. O NÚMERO DE ABERTURA DE HUGH JACKMAN

Os números de musicais de abertura do Oscar variam de qualidade, mas o de 2009 surpreendeu: muita gente não conhecia o talento para musicais de Hugh Jackman (mestre de cerimônias naquele ano). Ele apresenta os indicados do ano em um antológico número “sem recursos”.

6. DAVID NIVEN E O HOMEM NU

Foi em 1974. David Niven era o mestre de cerimônias e estava apresentando Elizabeth Taylor quando um homem nu passa correndo pelo palco. Niven não perdeu o rebolado: “Não é fascinante pensar que, provavelmente, a única risada que este homem vai conseguir em sua vida é por tirar a roupa e mostrar suas deficiências?”. E Liz, quando entra: “Um ato muito difícil para entrar na sequência”.

5. INGRID BERGMAN SE DESCULPA COM VALENTINA CORTESE

Em 1975, Ingrid Bergman ganhou seu terceiro Oscar, o de coadjuvante por Assassinato no Orient Express. Mas muita gente achava que Valentina Cortese deveria vencer, por A Noite Americana. Ingrid também.

3. A AMÉRICA PEDE PERDÃO A CHAPLIN

Nos anos 1950, Charles Chaplin (Charles Chaplin!) foi praticamente escorraçado da América no período da infame caça às bruxas do macartismo. 20 anos depois, em 1972, ele retorna, para, emocionadíssimo, ser homenageado com um Oscar pelo conjunto da obra e receber uma das maiores ovações da história do prêmio. Era uma maneira da América pedir perdão a um dos maiores cineastas da história.

2. WOODY ALLEN HOMENAGEIA NOVA YORK

Woody Allen já ganhou quatro Oscars e foi indicado outras 16 vezes, mas nunca compareceu à cerimônia. Quando os prêmios eram entregues às segundas, a desculpa brincalhona dele é de que segunda era justamente a noite em que tocava clarinete com sua banda de jazz. Mas ele esteve presente em uma cerimônia, pela primeira e única vez: a de 2002, ano em que o Oscar prestou uma homenagem a Nova York após os atentados de 11 de setembro. E Allen deu um show, fazendo uma brilhante apresentação de stand-up: “Quando me ligaram e disseram que era da Academia, entrei em pânico imediatamente achando que queriam meus Oscars de volta”.

 

1.  A RECUSA DE MARLON BRANDO

Era a volta por cima de Marlon Brando. Depois de ter que fazer um teste para o papel de Don Corleone em O Poderoso Chefão, seu segundo Oscar de melhor ator em 1973. Mas o controverso ator não estava lá. Em seu lugar, mandou a índia Sacheen Littlefeather (que depois, soube-se, era uma atriz interpretando uma índia) recusar a estatueta em seu nome e ler uma declaração sua protestando contra a maneira como os nativos americanos eram tratados pela indústria cinematográfica.

Spotlight

Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Brian d’Arcy James, Michael Keaton e John Slattery

por Renato Félix

Muitas vezes as pessoas parecem esperar que um grande filme seja sempre inventivo na sua forma ou grandioso na sua emoção. Mas, na verdade, a grandeza pode estar na sabedoria de adequar sua narrativa ao que o seu conteúdo precisa. É por aí que vai Spotlight – Segredos Revelados, filme que concorre a seis Oscars, incluindo melhor filme.

O diretor Tom McCarthy prefere não inventar muito e dedicar toda a atenção à colocar sua trama no foco principal: o grupo de repórteres do Boston Globe que, no começo dos anos 2000, investiga os recorrentes casos de abusos de crianças por parte de padres, mas principalmente as ações que a Igreja Católica tomou para abafar os escândalos.

O “Spotlight” do título é o nome desse grupo, uma unidade praticamente independente dentro da redação do Globe. Com liberdade e sobretudo tempo para escarafunchar documentos, arquivos e interrogar todas as fontes de que precisam, os personagens de Michael Keaton, Mark Ruffalo, Rachel McAdams e Brian d’Arcy James vão se surpreendendo com algo que achavam ser alguns episódios isolados.

Um elenco muito bem ajustado, com Mark Ruffalo construindo cuidadosamente um tipo e destaques também para Liev Schreiber e Michael Keaton. Rachel McAdams não está mal, mas sua indicação para o Oscar demonstra, na verdade mais a força do próprio filme com a Academia do que a da sua interpretação isoladamente.

Sóbrio, Spotlight vai driblando a tentação do dramalhão, que surge a cada bater de porta no filme. Embora a natural comparação seja com Todos os Homens do Presidente (1976), o filme (os dois filmes, na verdade) lembra um pouco os trabalhos de Howard Hawks, nos quais o principal motor é que os profissionais devem fazer aquilo que devem fazer.

Há uma diferença importante também: Todos os Homens do Presidente lidava com a corrupção política, algo que não passa nem perto do melodrama; Spotlight lida com um assunto muito mais propenso às lágrimas e personagens perdendo o controle.

McCarthy (que é co-autor da história de Up – Altas Aventuras), pelo jeito, sabe que a história que conta já tem impacto suficiente – horror mesmo – para chocar qualquer um e abdicou de dourar a pílula. É também um elogio ao trabalho duro e de formiguinha do bom jornalismo impresso.

Sem borda - 04 estrelas

Spotlight – Segredos Revelados. Spotlight. EUA, 2015. Direção: Tom McCarthy. Elenco: Mark Ruffalo, Michael Keaton, Rachel McAdams, Liev Schreiber, Brian d’Arcy James, Stanley Tucci, John Slattery, Billy Crudup.

Regresso-14

por Renato Félix

Pode-se dizer qualquer coisa do mexicano Alejandro González Iñarritu, menos que ele é um diretor acomodado.Desde Amores Brutos (2000), ele sempre foi pautado pela busca em realizar filmes únicos, singulares. Às vezes fica só na pretensão, como em Babel (2006). Mas parece ter achado o ponto, com grandes acertos em seus dois últimos filmes. Ano passado, Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância (2014) ganhou o Oscar de melhor filme. Agora é O Regresso (2015) que vai tentar repetir o prêmio – e é um filme ainda melhor que Birdman.

Iñarritu parte da história real do caçador e explorador Hugh Glass que, em 1823, é brutalmente atacado por um urso, deixado para trás à beira da morte pelos companheiros (principalmente Fitzgerald,  o personagem de Tom Hardy, ótimo), sem suprimentos ou armas, mas sobrevive e atravessa o rigoroso inverno em um longa jornada busca de vingança. Uma história sobre obstinação que já parece inacreditável por si só. Até já havia rendido um filme: Fúria Selvagem (1971), com Richard Harris.

Aqui, o papel é de Leonardo DiCaprio, que dá tudo de si no personagem e mais uma vez entrega um admirável trabalho. Sua atuação foi acrescida de uma série de desafios na composição de Glass – de comer o fígado cru de um bisão sendo vegetariano a aprender a falar duas línguas indígenas, a fazer uma fogueira e técnicas de cura ancestrais. O resultado de seu trabalho está à altura da grandeza do filme, compondo perfeitamente com o que está ao seu redor, sem precisar brigar para não ser sufocado pela produção.

Já são famosas as opções de Iñarritu e do diretor de fotografia (também mexicano) Emmanuel Lubezki de filmar em temperaturas abaixo de zero e de usar só luz natural, o que limitou o tempo de filmagem a algumas horas por dia. A questão é: valeu a pena?

A primeira imagem na floresta já responde. A fotografia é um espanto, meio difusa, mas de longo alcance, valorizada pelos movimentos de câmera intricados e planos-sequência vertiginosos, que certamente não facilitaram nada o trabalho geral. Lubezki deve ganhar seu terceiro Oscar seguido (já levou por Gravidade e Birdman; se vencer de novo, ele será o único diretor de fotografia a conseguir esse tricampeonato na história do prêmio).

Essa combinação evoca Terence Malick e Andrei Tarkovsky, certamente com menos profundidade existencial, mas com uma narrativa mais precisa, firme e contundente. Vale destacar a trilha de Ryuichi Sakamoto, que contribui para a construção de um trabalho em diversos momentos hipnótico. Com ela, esta jornada violenta do homem contra a natureza se torna algo que namora o sublime.

Sem borda - 05 estrelas

O Regresso. The Revenant. Estados Unidos, 2015. Direção: Alejandro González Iñarritu. Elenco: Leonardo DiCaprio, Tom Hardy, Domhnall Gleeson. 

O que entra hoje, o que ficou só até quarta e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Remígio).

Pé no freio com relação a grandes estreias. Para se ter uma ideia, o blockbuster da vez é Deuses no Egito, no qual não levo a menor fé (nem tem média no Rotten Tomatoes, prova de que o estúdio escondeu o filme da imprensa por nos EUA). Sobrou de curioso só Bruna Lombardi em Amor em Sampa e a estreia do diretor de 2 Coelhos em Hollywood no policial com videntes Presságios de um Crime.

No fim, destaque mesmo é para a programação do Cine Bangüê, iniciando seus longas cobrando ingresso. São seis filmes espalhados pelos próximos sete dias e na próxima semana, uma programação um pouco confusa. Vamos esperar para ver se, depois desse período experimental, o cinema vai estabilizar em um ou dois filmes por semana ou se vai seguir nesse estilo.

O que estamos perdendo (filmes que estreiam no Brasil nesta quinta, mas não na Paraíba): Orgulho e Preconceito e Zumbis, do livro de sucesso que parodia Jane Austen; o suspense filipino Do que Vem Antes; o elogiado nacional Ela Volta na Quinta; o documentário A Paixão de JL; e o húngaro White God.

02.25 - Estreias

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘AMOR EM SAMPA’ (Cinespaço MAG [2D em port]; Cinespaço Mangabeira [2D em port])
– ‘COMO SER SOLTEIRA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D em port])
– ‘DEUSES DO EGITO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 3D leg, 3D dub]; Cinespaço MAG [3D leg, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub, 3D dub]; Cinespaço Mangabeira [3D dub, 3D leg])
– ‘PRESSÁGIOS DE UM CRIME’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub])

Especial em JP:
– ‘O RAPTO DO HARÉM’ (Cinespaço MAG [2D leg]), festival Ópera na Tela, apenas terça
– ‘O ÚLTIMO CINE DRIVE-IN’ (Cine Bangüê [2D em port]), programação especial de abertura, apenas sex. e dom.)
– ‘JAUJA’ (Cine Bangüê [2D leg]), programação especial de abertura, apenas qui. e sab. e ter.)
– ‘NICK CAVE – 20.000 DIAS NA TERRA’ (Cine Bangüê [2D em port]), programação especial de abertura, apenas qui. e ter.)
– ‘CALIFÓRNIA’ (Cine Bangüê [2D em port]), programação especial de abertura, apenas sab., seg. e qua.)
– ‘BATGUANO’ (Cine Bangüê [2D em port]), programação especial de abertura, apenas sex. e seg.)
– ‘O MENINO E O MUNDO’ (Cine Bangüê [2D em port]), programação especial de abertura, apenas dom.)

Só até quarta em JP:
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub])

Continuam em JP:
– ‘O REGRESSO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘DEADPOOL’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)
– ‘CINCO GRAÇAS’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘A GAROTA DINAMARQUESA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg])
– ‘HORAS DECISIVAS’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘13 HORAS – OS SOLDADOS SECRETOS DE BENGHAZI’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘BONECO DO MAL’ (Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub)
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port])
– ‘UM SUBURBANO SORTUDO’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port])

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘DEUSES DO EGITO’ [3D leg, 3D dub]

Continuam em CG:
– ‘O REGRESSO’ [2D leg, 2D dub]
– ‘DEADPOOL’ [2D leg, 2D dub]
– ‘HORAS DECISIVAS’ [2D dub]
– ‘BONECO DO MAL’ [2D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]
– ‘UM SUBURBANO SORTUDO’ [2D em port]

PATOS (Cine Guedes)

Entra quinta em Patos:
– ‘DEUSES DO EGITO’ [3D dub]

Só até quarta em Patos:
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

Continuam em Patos:
– ‘DEADPOOL’ [2D dub]
– ‘A 5ª ONDA’ [2D dub]

 

 

 

REMÍGIO (Cine RT)

 

Continua em Remígio:
– ‘DEADPOOL’ [2D dub]

FILME:

Golpe de Mestre-11

Golpe de Mestre, de George Roy Hill

As outras indicações: Os Três Mosqueteiros, de Richard Lester; Caminhos Perigosos, de Martin Scorsese; A Noite Americana, de François Truffaut; O Exorcista, de William Friedkin

DIRETOR

George Roy Hill (Golpe de Mestre)

As outras indicações: Richard Lester (Os Três Mosqueteiros); Martin Scorsese (Caminhos Perigosos); François Truffaut (A Noite Americana); William Friedkin (O Exorcista)

ATOR

Golpe de Mestre-17

Paul Newman (Golpe de Mestre)

As outras indicações: Oliver Reed (Os Três Mosqueteiros); Harvey Keitel (Caminhos Perigosos); Richard Dreyfuss (Loucuras de Verão); Robert Redford (Golpe de Mestre)

ATRIZ

Exorcista-19

Ellen Burstyn (O Exorcista)

As outras indicações: Liv Ullman (Cenas de um Casamento); Margot Kidder (Irmãs Diabólicas); Linda Blair (O Exorcista); Diane Keaton (Dorminhoco)

ATOR COADJUVANTE

Jean-Pierre Aumont (A Noite Americana)

As outras indicações: Charlton Heston (Os Três Mosqueteiros); Paulo César Pereio (Toda Nudez Será Castigada); Max von Sydow (O Exorcista); Robert De Niro (Caminhos Perigosos)

ATRIZ COADJUVANTE

Valentina Cortese (A Noite Americana)

As outras indicações: Faye Dunaway (Os Três Mosqueteiros); Eileen Brennan (Golpe de Mestre); Nathalie Baye (A Noite Americana); Britt Ekland (O Homem de Palha)

CRÉDITOS DE ABERTURA

Caminhos Perigosos

As outras indicações: A Noite AmericanaCom 007 Viva e Deixe MorrerGolpe de MestreIrmãs Diabólicas

FILME BRASILEIRO DO ANO

Toda Nudez Será Castigada, de Arnaldo Jabor

por Renato Félix

FILME:

ET-23

E.T., o Extraterrestre, de Steven Spielberg

As outras indicações: Blade Runner – O Caçador de Andróides, de Ridley Scott; Fanny & Alexander, de Ingmar Bergman; Tootsie, de Sydney Pollack; Victor ou Victoria, de Blake Edwards

Quem ganhou, na verdade: Gandhi, de Richard Attenborough

DIREÇÃO:

Fanny e Alexander-07-filmagem

Ingmar Bergman (Fanny & Alexander)

As outras indicações: Ridley Scott (Blade Runner – O Caçador de Andróides); Steven Spielberg (E.T., o Extraterrestre); Sidney Pollack (Tootsie); Blake Edwards (Victor ou Victoria)

Quem ganhou, na verdade: Richard Attenborough (Gandhi)

ATOR:

Tootsie-04

Dustin Hoffman (Tootsie)

As outras indicações: Harrison Ford (Blade Runner – O Caçador de Andróides); Steve Martin (Cliente Morto Não Paga); Gerard Depardieu (Danton – O Processo da Revolução); Ben Kignsley (Gandhi)

Quem ganhou, na verdade: Bem Kingsley (Gandhi)

ATRIZ:

Escolha de Sofia-04

Meryl Streep (A Escolha de Sofia)

As outras indicações: Ewa Fröling (Fanny & Alexander); Jessica Lange (Frances); Jessica Lange (Tootsie); Julie Andrews (Victor ou Victoria)

Quem ganhou, na verdade: Meryl Streeo (A Escolha de Sofia)

ATOR COADJUVANTE:

Blade Runner-05

Rutger Hauer (Blade Runner – O Caçador de Andróides)

As outras indicações: Kevin Kline (A Escolha de Sofia); Sean Penn (Picardias Estudantis); Charles Durning (Tootsie); Robert Preston (Victor ou Victoria)

Quem ganhou, na verdade: Louis Gosset Jr. (A Força do Destino)

ATRIZ COADJUVANTE:

Tootsie-15

Teri Garr (Tootsie)

As outras indicações: Lesley Ann Warren (Victor ou Victoria); Daryl Hannah (Blade Runner – O Caçador de Andróides); Dee Wallace (E.T., o Extraterrestre); Glenn Close (O Mundo Segundo Garp)

Quem ganhou, na verdade: Jessica Lange (Tootsie)

 

CRÉDITOS DE ABERTURA:

Victor ou Victoria

As outras indicações: Conan, o Bárbaro; O Fundo do Coração; O Mundo Segundo Garp; Tootsie

FILME BRASILEIRO DO ANO:

Pra Frente Brasil

Pra Frente, Brasil, de Roberto Farias

Bangue_foto Rafael Passos

Foto de Rafael Passos do novo Bangüê por dentro: ainda faltava a tela, não falta mais

por Renato Félix

Em 1992, 1993, por aí, eu ia ao Cine Bangüê uma vez por semana, praticamente sem saber nada sobre o filme em cartaz. Aqui em João Pessoa, ele era a balsa de uma cinema off-Hollywood em anos onde só haviam três cinemas (de rua) na cidade: o Municipal, o Plaza (já rendido aos filmes pornô) e o Tambaú.

Naqueles dias eu estava começando na universidade e frequentava a Gibiteca Henfil, no Espaço Cultural. Eram meu primeiros anos como cinéfilo, descobrindo o que a história do cinema me reservava. Essa combinação deve ter me feito descobrir a existência do cinema do Espaço Cultural (não me lembro como foi).

Ainda por cima, era baratinho. E, para quem está achando que eram só filmes indecifráveis, no fim de semana à tarde havia uma programação de cinema infantil que me fez assistir a Bambi (1942) e Cinderela (1950) no cinema e rever A Pequena Sereia (1989). E foi no Bangüê que assisti a filmes como Cinema Paradiso (1988) e The Commitments (1991).

Meus amigos Ulisses Xavier e Heleno Bernardo foram diretores lá, cuidando da programação. Um novo Bangüê será inaugurado daqui a pouco, o que me traz à memória algumas histórias vividas lá.

Como a sessão de Dogma, de Kevun Smith. Dizia-se que a esposa de Luciano Wanderley não permitiria que aquele filme que tirava sarro de ícones do Cristianismo fosse exibido nos cinemas dele (i.e. os outros três da cidade). Sugeri a alguém (me lembro assim) que o Bangüê devia aproveitar e passar.

Resultado: sessão lotada, a maior fila que vi para entrar naquele cinema de uns 600 lugares. Meu amigo João Carlos Beltrão dizia que eram os fãs querendo ver Alçanis Morissette interpretando Deus.

Houve um tempo em que foi criada uma comissão de convidados para elaborar a programação. Me lembro de perturbar uma amiga que integrava esse time dizendo que Casablanca havia sido relançado no Brasil em cópia nova e que o Bangüê tinha que trazer o filme.

E trouxe mesmo. Cinema cheio pra ver Rick e Ilsa em tela grande.

Depois fiz parte de uma nova turma de consultores e foi a época em que outros clássicos passaram lá: Noites de CabíriaBonequinha de Luxo entre eles. Uma maravilha.

Mas o Bangüê acabou arrefecendo. Era um cinema grande demais pata um público, em geral, mínimo. Fazia um frio de lascar.Houve algumas tentativas de retomada que não vingaram.

Em uma dessas vezes, o filme que reabriu o Bangüê foi Dogville, que havia sido solenemente ignorado pelo circuitão local, que já tinha se mudado para os shoppings. Outra dessas retomadas foi com a folclórica sessão de A Festa da Menina Morta na qual, diz-se, cenas fortes não agradaram muito as autoridades presentes.

Isso teria abreviado a nova vida do cinema na ocasião. Não sei. Mas sei que o insolúvel problema de som da sala era um obstáculo que parecia intransponível. Não havia reforma do sistema de som ou visita de especialista da Dolby que desse jeito.

Dependendo do lugar em que sentássemos, ouvíamos mais ou menos bem ou não ouvíamos nada. Me lembro de uma sessão de Edifício Master em que fui embora por não entender absolutamente nada do que era dito. Considerando que é um documentário com uma série de entrevistas, imagina o problema.

Hoje, neste momento, um novo Bangüê (ainda com trema, como está no letreiro) está sendo inaugurado. Muitos anos depois da promessa de que uma nova sala, menor, seria construída – aliás, desculpa que foi dada para a demolição da pista de skate do Espaço Cultural, que muita gente não perdoa até hoje.

Enfim, um novo Bangüê. Menor, antenado às novas tecnologias e, esperamos, com um bom som. Que alie as necessidades de espaço exibidor do efervescente cinema paraibano com uma programação integrada ao circuitão que nos dê o que não costumamos ter.

Já avançamos bastante nesse aspecto. O Cinespaço do MAG dá algum espaço ao cinema off-Hollywood (poderia ser mais). O Cinépolis do Manaíra abriu uma sessão de cinema de arte bem interessante (poderiam ser mais sessões). O Bangüê tem que ser, por vocação, um passo além desses dois.

Saiu o trailer de O Escaravelho do Diabo! Um dos livros fundamentais da minha infância, de Lúcia Machado de Almeida na Série Vagalume, o filme é dirigido por Carlo Milani na sua estreia em longas. A trama é um suspense: ruivos começam a ser mortos em uma cidadezinha. O aviso vem pelo Correio: um escaravelho. Torço bastante para que seja bom e o trailer cria uma boa expectativa. A estreia nacional é em 14 de abril.

A seguir, os meus melhores filmes de 2015, apenas entre os que estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa. Antes, como em todo ano, a numeralha em torno do circuitão pessoense.

– 163 filmes estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa em 2014 (419 estrearam no Brasil, segundo o levantamento da Abraccine). É um a menos que no ano passado, pertinho do recorde de 2007 (165), marca de antes do fechamento do primeiro multiplex do MAG. O Boulevard faz esse acompanhamento desde 2006.

– A participação do cinema brasileiro foi de 25,76% dos filmes em cartaz, só um pouco menor que no ano passado, quando chegou a 26,8%, melhor marca desde que começamos a contar. Em números brutos, são 42 este ano contra 44 em 2014. Em 2013, foram 32.

Divertida Mente

Raiva, Nojinho, Alegria, Medo e Tristeza: confusão de sentimentos

1 – DIVERTIDA MENTE, de Pete Docter

A Pixar deu uma aula de emoção dentro da mente de uma pré-adolescente. Acompanha ao mesmo tempo a vida dessa menina cujo mundo vira de cabeça para baixo quando a família se muda de cidade e suas emoções básicas personificadas. Tudo vira uma bagunça quando a Alegria e a Tristeza somem da sala de comando. O lance genial é justamente descobrir a beleza e a importância da Tristeza na vida de todos nós. Crítica no Boulevard

Que Horas Ela Volta

Camila Mardila e Regina Casé: filha e mãe que pensam diferente

2 – QUE HORAS ELA VOLTA?, de Anna Muylaert

Conseguiu combinar algo dificílimo no cinema brasileiro: a crítica social e o drama de personagens que conquistam o espectador. Regina Casé lembra a grande atriz que é como a Val, empregada em uma casa rica, que recebe a filha que vai prestar o vestibular. A outra mentalidade da moça, que não se acha inferior a ninguém, sacode a vida de patrões e empregados e ajuda o filme a colocar em xeque uma herança social incômoda . Crítica no Boulevard

Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorancia

Michael Keaton e a sombra dele mesmo o atormentando

3 – BIRDMAN (OU A INESPERADA VIRTUDE DA IGNORÂNCIA), de Alejandro González Iñarritu

O falso plano-sequência único (construído a partir de diversos planos-sequência de verdade e efeitos visuais) é de embasbacar. Mas além disso o filme transpira a angústia de seu protagonista e possui grandes interpretações de todo o elenco (Michael Keaton, Edward Norton e Emma Stone à frente) para um mergulho na necessidade e perigos de fazer arte.

Daisy Riodley, John Boyega (e BB8): filme confia (e faz bem em confiar) nos novos personagens

Daisy Ridley, John Boyega e BB-8 sustentam muito bem o filme

4 – STAR WARS – O DESPERTAR DA FORÇA, de J.J. Abrams

Com cerca de meia hora já adentradas do episódio VII de Guerra nas Estrelas, o espectador pode se dar conta de que nenhum dos personagens clássicos apareceu ainda e ele está acompanhando apenas as aventuras do novos rostos da série (Daisy Ridley, John Boyega, Adam Driver e, claro, o andróide BB-8). Um início corajoso que compensa muito uma rendição excessiva à trilogia original na repetição de certas situações. No fim, há um equilíbrio admirável entre essa herança que nos fez esquecer a trilogia-prelúdio e esperar ansiosamente pelo que o futuro reserva. Crítica no Boulevard

Mad Max - Estrada da Fúria-08

5 – MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA, de George Miller

É incrível pensar que, 30 anos depois, a franquia Mad Max voltaria com o mesmo diretor e uma disposição de se reinventar radicalmente. Semelhante ao segundo filme, o personagem principal é metido em uma situação onde ele é quase testemunha: a fuga de mulheres usadas como reprodutora pelo líder de uma cidade que detém o poder através da posse de um líquido precioso. O que nos anos 1980 era a gasolina, refletindo a crise do petróleo, agora é água. As fugitivas são lideradas por uma feroz Charlize Theron com um braço só. A trama se resume a uma gigantesca fuga sobre rodas pelo deserto, uma estilizada ode ao movimento com o visual alucinado do qual Miller é mestre. Diário de filmes no Boulevard

Pequeno Principe-2015-05

6 – O PEQUENO PRÍNCIPE, de Mark Osborne

Em geral, a decisão de dividir a história original com uma atual, sobre uma garotinha adultizada pela mãe e que conhece seu vizinho, um velho aviador, seria de torcer o nariz. Mas a verdade é que a nova história se alimenta bem do conto de Saint Exupèry e visualmente o filme acerta muito ao separar a animação digital para a nova história e o stop-motion para a trama do livro. E ainda há trilha irrestistível, com canções de Camille.

Mistress America-12

7 – MISTRESS AMERICA, de Noah Baumbach

Em geral, a decisão de dividir a história original com uma atual, sobre uma garotinha adultizada pela mãe e que conhece seu vizinho, um velho aviador, seria de torcer o nariz. Mas a verdade é que a nova história se alimenta bem do conto de Saint Exupèry e visualmente o filme acerta muito ao separar a animação digital para a nova história e o stop-motion para a trama do livro. E ainda há a trilha irresistível, com canções de Camille.

Perdido em Marte

8 – PERDIDO EM MARTE, de Ridley Scott

Não é de hoje que Hollywood é fascinada com a paisagem marciana. E Scott não deixa de usar o que pode dessa paisagem em um filme que também se arrisca e acerta ao passar um tempo considerável apenas com Matt Damon em cena. O bom humor de seu personagem faz não só sua vida menos difícil como ajuda também o espectador nessa travessia.

 

Conto da Princesa Kaguya-04

9 – O CONTO DA PRINCESA KAGUYA, de Isao Takahata

A história da princesinha que nasce em um broto de bambu e é encontrada por um lavrador é contada por delicadeza ímpar nessa produção do Studio Ghibli. Um dos filmes mais bonitos do ano.

Ponte dos Espioes-10

10 – PONTE DOS ESPIÕES, de Steven Spielberg

No auge da guerra fria, o advogado de uma companhia de seguros é jogado dentro de uma trama em que precisa defender um espião soviético capturado nos EUA e depois negociar sua troca por outro, americano, preso na Alemanha Oriental. A recriação de um clima paranoico dos dois lados e descobrir a humanidade no “inimigo” são alguns dos méritos desse thriller.

<< Meus melhores filmes de 2014
>> Meus melhores filmes de 2016

MAIS RETROSPECTIVA 2015

O que entra amanhã, o que fica só até hoje e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Remígio).

Semana agitada, com cinco estreias. Duas delas, filmes indicados ao Oscar? A Garota Dinamarquesa (quatro categorias, incluindo melhor ator) e Cinco Graças (filme de língua não inglesa). E uma verdadeira debandada: nove filmes saem de cartaz em João Pessoa. Entre eles, a re-estreia de O Menino e o Mundo, que já sabemos que voltará no Banguê.

O que estamos perdendo (filmes que estreiam no Brasil nesta quinta, mas não na Paraíba): O Quarto de Jack, indicado ao Oscar de melhor filme; o colombiano O Abraço da Serpente, indicado ao Oscar de filme estrangeiro (que chegou a ser anunciado para entrar em cartaz, mas voltaram atrás); O Lobo do Deserto, da Jordânia, mais um indicado a filme de língua não inglesa; o brasileiro A Vizinhança do Tigre, vencedor da Mostra de Cinema de Tiradentes em 2014.

02.18 - Estreias

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘CINCO GRAÇAS’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘A GAROTA DINAMARQUESA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg])
– ‘HORAS DECISIVAS’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ’13 HORAS – OS SOLDADOS SECRETOS DE BENGHAZI’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘BONECO DO MAL’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)

Especial em JP:
– ‘AÍDA’ (Cinespaço MAG [2D leg]), festival Ópera na Tela, apenas terça

Só até quarta em JP:
– ‘O MENINO E O MUNDO’ (Cinépolis Manaíra [2D em port])
– ‘AS MEMÓRIAS DE MARNIE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]), qui. a dom.
– ‘O BOM DINOSSAURO’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘A 5ª ONDA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis angabeira [2D dub])
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘A ESCOLHA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘TIRANDO O ATRASO’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘CAÇADORES DE EMOÇÃO – ALÉM DO LIMITE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘EPA! CADÊ O NOEL?’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])

Continuam em JP:
– ‘O REGRESSO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)
– ‘DEADPOOL’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub])
– ‘UM SUBURBANO SORTUDO’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port)
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port])

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘HORAS DECISIVAS’ [2D dub]
– ‘BONECO DO MAL’ [2D dub]

Só até quarta em CG:
– ‘A 5ª ONDA’ [2D dub]
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ [2D dub]
– ‘TIRANDO O ATRASO’ [2D dub]
– ‘CAÇADORES DE EMOÇÃO – ALÉM DO LIMITE’ [2D dub]

Continuam em CG:
– ‘O REGRESSO’ [2D leg, 2D dub]
– ‘DEADPOOL’ [2D leg, 2D dub]
– ‘UM SUBURBANO SORTUDO’ [2D em port]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

PATOS (Cine Guedes)

Entra quinta em Patos:
– ‘A 5ª ONDA’ [2D dub]

 

Continuam em Patos:
– ‘DEADPOOL’ [2D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

REMÍGIO (Cine RT)

Entra quinta em Remígio:
– ‘DEADPOOL’ [2D dub]

Só até quarta em Remígio:
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ [2D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

top 10 - 02.10

Estava tudo tranquilo para Mad Max – Estrada da Fúria, mas vieram os filmes de junho e, entre eles, Divertida Mente. O filme de George Miller continua à frente, mas a distância para o segundo colocado, que era um tranquilo 0,324 agora caiu para 0,087. Vamos aguardar as próximas notas.

Veja a seguir as médias dos 28 filmes que alcançaram o quórum de seis notas até agora. Se você não votou, ainda pode. Se você votou, mas só depois viu algum filme para o qual deu “não vi”, pode voltar lá e acrescentar sua nota retroativa. Exerça seu dever cívico no 10º Melhores do Ano! No fim do post, os links para votar.

Mad Max – Estrada da Fúria – 4,687
Divertida Mente – 4,6
A História da Eternidade – 4,363
O Sal da Terra – 4,25
Casa Grande – 4,166

Mapas para as Estrelas – 4
Cássia Eller – 4
Ida – 3,9
O Jogo da Imitação – 3,875
Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância – 3,8

Grandes Olhos – 3,75
Kingsman – Serviço Secreto – 3,5
A Teoria de Tudo – 3,476
Para Sempre Alice – 3,466
Sniper Americano – 3,357

Entre Abelhas – 3,333
Branco Sai, Preto Fica – 3,285
Cinderela – 3,142
Vingadores – Era de Ultron – 3
Chappie – 3
Busca Implacável 3 – 3
Os Pinguins de Madagascar – 3

Um Santo Vizinho – 2,714
A Entrevista – 2,333
Caminhos da Floresta – 2,272

O Destino de Júpiter – 1,875
Loucas pra Casar – 1,857
Cinquenta Tons de Cinza – 1,777

Você pode votar de três maneiras:

– Acesse o álbum de fotos na minha página no Facebook. Para cada mês, há uma foto com a lista dos filmes.
– Acesse o álbum de fotos na página do Boulevard do Crepúsculo no Facebook. Também há uma foto para cada mês.
– Ou acesse a página da votação no blog. Lá estão todas as listas.

O que entra hoje, o que ficou só até ontem e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Remígio).

Na ressaca de carnaval, só duas estreias por aqui: Deadpool, abrindo a temporada de super-herois em JP, CG e Patos, e a comédia nacional Um Suburbano Sortudo, em JP e CG. E bastante coisa que estreia no Brasil hoje acabou de fora do circuito aqui.

Antes, vale destacar a re-estreia de O Menino e o Mundo. A animação brasileira foi anunciada semana passada, mas a cópia não chegou. Está prometido para entrar em cartaz no sábado.

O que estamos perdendo (filmes que estreiam no Brasil nesta quinta, mas não na Paraíba): Brooklin, indicado ao Oscar de melhor filme e atriz; A Garota Dinamarquesa, indicado aos Oscars de ator e atriz coadjuvante; A Ovelha Negra, filme da Islândia vencedor da mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes; e o drama catalão História da Minha Morte.

02.11 - Estreias

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘DEADPOOL’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)
– ‘UM SUBURBANO SORTUDO’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port)

Re-estreia em JP:
– ‘O MENINO E O MUNDO’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]), sab. e de seg. a qua

Especial em JP:
– ‘AÍDA’ (Cinespaço MAG [2D leg]), festival Ópera na Tela, apenas terça

Ficaram só até quarta em JP:
– ‘SPOTLIGHT – SEGREDOS REVELADOS’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘A GRANDE APOSTA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘JOY, O NOME DO SUCESSO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘REZA A LENDA’ (Cinépolis Manaíra [2D em port])
– ‘ALVIN E OS ESQUILOS – NA ESTRADA’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])

Continuam em JP:
– ‘O REGRESSO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)
– ‘AS MEMÓRIAS DE MARNIE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]), qui. a dom.
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinespaço MAG [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub])
– ‘O BOM DINOSSAURO’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port])
– ‘A 5ª ONDA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘A ESCOLHA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘TIRANDO O ATRASO’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘CAÇADORES DE EMOÇÃO – ALÉM DO LIMITE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘EPA! CADÊ O NOEL?’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘DEADPOOL’ [2D leg, 2D dub]
– ‘UM SUBURBANO SORTUDO’ [2D em port]

Ficaram só até quarta em CG:
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ [2D dub]
– ‘O BOM DINOSSAURO’ [3D dub]

Continuam em CG:
– ‘O REGRESSO’ [2D leg, 2D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]
– ‘A 5ª ONDA’ [2D dub]
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ [2D dub]
– ‘TIRANDO O ATRASO’ [2D dub]
– ‘CAÇADORES DE EMOÇÃO – ALÉM DO LIMITE’ [2D dub]

PATOS (Cine Guedes)

Entra quinta em Patos:
– ‘DEADPOOL’ [2D leg, 2D dub]

Ficaram só até quarta em Patos:
– ‘O BOM DINOSSAURO’ [3D dub]
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ [2D dub]

Continuam em Patos:
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

REMÍGIO (Cine RT)

Continuam em Remígio:
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ [2D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

007 O Espiao que Me Amava-abertura

Os elaborados créditos de abertura da série James Bond são uma tradição tão forte que nem a repaginada da era Daniel Craig os derrubaram (em comparação, lembremos que o tiro no olho-cano de revólver que sempre abriu os filmes foi escanteado para o final na era Craig, até Spectre devolvê-lo ao começo). É um top 10 das aberturas, não das músicas-tema. Então, a música é levada muito em conta, claro, mas também elementos como originalidade, bom humor quando for o caso, visual e narrativa. Os créditos de abertura sempre têm uma boa dose de abstração, o que deixa tudo ainda mais subjetivo.

10 – 007 CONTRA A CHANTAGEM ATÔMICA (1965)

O quarto filme da série iniciou uma tradição: as aberturas com silhuetas femininas nuas, criadas por Maurice Binder (que havia ficado de fora dos dois filmes anteriores, mas voltou aqui e exigindo o nome nos créditos). Aqui, como faria depois Somente para Seus Olhos, o tom é submarino evocando as sequências embaixo d’água que o público assistiria no filme. A música-tema é cantada por Tom Jones, com um instrumental bem bondiano.

9 – 007 CONTRA O SATÂNICO DR. NO (1962)

O primeiro filme da série tem uma abertura bem no estilo dos anos 1960: predominantemente gráfica, com os créditos interagindo (no ritmo e visual) com as bolinhas piscando. Inclui também o icônico tiro inicial desenhado por Maurice Binder (a cena antes dos créditos só viria a partir do segundo filme) e o antológico tema da série composto por Monty Norman. No meio, há uma quebra meio brusca para uns temas caribenhos, já que o plot principal do filme é na Jamaica.

8 – 007 A SERVIÇO SECRETO DE SUA MAJESTADE (1969)

A abertura mais psicodélica da série, bem no espírito do final dos anos 1960. É visível também a preocupação em minimizar a mudança do ator principal (Sean Connery havia saído e era a estreia de George Lazenby, que acabou fazendo só esse mesmo) usando imagens dos vilões e bondgirls dos filmes anteriores. Também é a terceira e última abertura apenas com trilha instrumental (as outras foram a dos dois primeiros filme). E é mais uma de Maurice Binder.

7 – 007, O ESPIÃO QUE ME AMAVA (1977)

A abertura do terceiro 007 com Roger Moore, de Maurice Binder, absorve a autoparódia do filme. As silhuetas agora fazem uma espécie de ginástica olímpica (destaque para a evolução na barra formada pelo cano do revólver) e há elementos soviéticos, evocando o romance entre Bond e a espiã russa no filme. Há uma bela imagem inicial, com as mãos capturando o para-quedas de Bond. E a música é uma das melhores da série toda: “Nobody does it better”, com Carly Simon.

6 – 007 – CASSINO ROYALE (2006)

A repaginada que a série recebeu em 2006 refletiu na abertura. Não há mulheres, com a exceção de uma discretíssima aparição do rosto de Eva Green. Ao invés disso, muito tiro, muita luta e muito sangue. Um tom muito mais claro que o usual também, com essa ambientação no mundo do baralho e seus elementos. Daniel Kleinman, que desenhou os créditos, integrou, depois de 43 anos, a sequência do tiro à abertura, se aproximou da pop art e usou muito a imagem de Daniel Craig para reforçá-lo como o novo Bond. A música, ótima, é “You know my name”, com Chris Cornell.

5 – 007 CONTRA GOLDFINGER (1964)

Uma das imagens famosas do filme é a morte de Shirley Eaton com o corpo pintado de dourado. A abertura (de Robert Brownjohn) aproveita a ideia: o corpo da atriz e modelo Margaret Nolan pintado de dourado, nos quais são projetadas cenas deste e dos dois filmes anteriores da série. Na música-tema (foi a primeira vez que a abertura ganhou uma canção como tema), a inigualável Shirley Bassey. No vídeo abaixo, a vinheta do tiro está incluída, mas, como quase sempre, há uma sequência entre ela e os créditos.

4 – 007 CONTRA GOLDENEYE (1995)

Fazia seis anos que não Bond não dava as caras nas telas, quando veio a estreia de Pierce Brosnan no papel. Junto com ele, a estreia de Daniel Kleinman, diretor de clipes e vídeos de shows, como designer dos créditos de abertura (substituindo Maurice Binder, que morreu em 1991). Ele segue a herança de Maurice Binder (principalmente no que diz respeito à silhueta feminina), mas aposta firme nos efeitos por computador: os símbolos soviéticos, já que o filme tem relação com o fim da guerra fria. A música-tema tem Tina Turner cantando música de Bono & The Edge. No vídeo, a vinheta do tiro está incluída, mas, como quase sempre, há uma sequência entre ela e os créditos.

3 – 007 NA MIRA DOS ASSASSINOS (1985)

Maurice Binder de cabeça nos anos 1980. O som dançante do Duran Duran na trilha e detalhes coloridos explodindo do fundo negro: o batom, a arma, uma mulher dançando no fogo (claro). As mulheres esquiadoras são uma imagem bonita, mas o que se sobressai é a sensação divertida de não se levar a sério.

2 – 007 – O AMANHÃ NUNCA MORRE (1997)

Como no anterior, Daniel Kleinman se inspira fortemente no tema do filme: aqui, o mundo da comunicação e da computação e mulheres e armas, claro. São belas imagens, muita produção digital e a música bem bondiana cantada por Sheryl Crow. O visual também prefere imagens em negativo e sensação de raio-x.

Antes do primeiro lugar, algumas enções honrosas: Com 007 Só Se Vive Duas Vezes (1967) e seus temas japoneses (de Maurice Binder); Moscou contra 007 (1963), com os créditos (de Robert Brownjohn) projetados na pele feminina; Com 007 Viva e Deixe Morrer (1973), de Maurice Binder, com os temas vudu e Paul McCartney cantando.

1 – 007 – OPERAÇÃO SKYFALL (2012)

Deu tudo certo na abertura de Skyfall, a sexta com design de Daniel Kleinman. Partindo do momento final da cena pré-créditos (baleado sobre um trem, Bond desaparece sob a água), somos encaminhados no que às vezes parece uma experiência subconsciente de 007 à beira da morte (principalmente um certo conflito consigo mesmo: tiros nas sombras e nos espelhos), outras vezes a antecipação de elementos que o espectador só vai ver mais à frente (o vilão vivido por Javier Bardem, a Skyfall do título). Isso com um ponto de vista que está indo sempre para a frente (ou mais para dentro). Há mais símbolos sinistros de morte (túmulos, sangue e caveiras, que podem tanto remeter ao desenrolar da primeira sequência quanto ao que vem pela frente) mais do que as tradicionais armas e mulheres. Coroando tudo, a espetacular canção de Adele, num estilo muito bondiano.

O que entra amanhã, o que fica só até hoje e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Remígio).

A semana traz a estreia de O Regresso em JP e CG, indicado a 12 Oscars. Com isso, temos os três principais concorrentes do Oscar de melhor filme em cartaz ao mesmo tempo em JP, pouco menos de um mês antes da premiação (os outros são A Grande ApostaSpotlight – Segredos Revelados). Um notável avanço com relação aos últimos anos, em que o vencedor só estreava aqui depois da cerimônia. A isso devemos incluir dois indicados ao Oscar de animação: a volta de O Menino e o Mundo e a estreia de As Memórias de Marnie, do Studio Ghibli.

O que estamos perdendo (filmes que estreiam no Brasil nesta quinta, mas não na Paraíba): O Filho de Saul (húngaro, favorito ao Oscar de filme de língua não inglesa e vencedor do Globo de Ouro na categoria); Tangerine (independente americano).

02.04 - Estreias

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘O REGRESSO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D leg, 2D dub)
– ‘AS MEMÓRIAS DE MARNIE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘A ESCOLHA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘EPA! CADÊ O NOEL?’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘TIRANDO O ATRASO’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])

Re-estreia em JP:
– ‘O MENINO E O MUNDO’ (Cinépolis Manaíra [2D em port])

Especial em JP:
– ‘A FLAUTA MÁGICA’ (Cinespaço MAG [2D leg]), festival Ópera na Tela, apenas terça
– ‘SUPERBOWL’ (Cinespaço MAG [2D em port]), transmissão ao vivo, apenas domingo

Só até quarta em JP:
– ‘TRUMBO – LISTA NEGRA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘CREED, NASCIDO PARA LUTAR’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘SABOR DA VIDA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘ATÉ QUE A SORTE NOS SEPARE 3’ (Cinépolis Manaíra [2D em port])

Continuam em JP:
– ‘SPOTLIGHT – SEGREDOS REVELADOS’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘A GRANDE APOSTA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘JOY, O NOME DO SUCESSO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ (Cinépolis Manaíra [3D dub]; Cinespaço MAG [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub])
– ‘O BOM DINOSSAURO’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub, 3D dub])
– ‘REZA A LENDA’ (Cinépolis Manaíra [2D em port])
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port]; Cinépolis Mangabeira [2D em port])
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ (Cinépolis Manaíra [2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘A 5ª ONDA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– ‘CAÇADORES DE EMOÇÃO – ALÉM DO LIMITE’ (Cinépolis Manaíra [3D leg, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub, 3D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub])
– ‘ALVIN E OS ESQUILOS – NA ESTRADA’ (Cinesercla Tambiá [2D dub])

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘O REGRESSO’ [2D leg, 2D dub]
– ‘TIRANDO O ATRASO’ [2D dub]

Só até quarta em CG:
– ‘REZA A LENDA’ [2D em port]
– ‘ALVIN E OS ESQUILOS – NA ESTRADA’ [2D dub]

Continuam em CG:
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ [2D dub]
– ‘O BOM DINOSSAURO’ [3D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ [2D dub]
– ‘A 5ª ONDA’ [2D dub]
– ‘CAÇADORES DE EMOÇÃO – ALÉM DO LIMITE’ [2D dub, 3D dub]

PATOS (Cine Guedes)

Continuam em Patos:
– ‘O BOM DINOSSAURO’ [3D dub]
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]
– ‘PAI EM DOSE DUPLA’ [2D dub]

REMÍGIO (Cine RT)

Entra quinta em Remígio:
– ‘SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME’ [2D dub]

 

Continuam em Remígio:
– ‘OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME’ [2D em port]

Páginas

Sigam-me os bons (no Twitter)