Coluna Cinemascope (#6). Correio da Paraíba, 26/10/2016

quarto-de-jack

“O Quarto de Jack” (2015)

Passaram longe

por Renato Félix

Todo ano eu faço uma lista inglória: 50 filmes que estrearam no Brasil, mas que não passaram nos cinemas de João Pessoa. Sempre há um punhado de filmes que, por uma razão ou por outra, acabaram ficando de fora do nosso circuito. A gente sabe o funil da distribuição é algo sério e questões como o número de salas no Brasil, o marketing predatório das grandes empresas em torno dos blockbusters e até mesmo falta de visão e coragem para apostar em determinados títulos acabam influenciando nisso.

Uma parcial mostra que não falamos só de filmes europeus ou “difíceis”. O Quarto de Jack, Oscar de melhor atriz para Brie Larson e que entrou em cartaz no país em fevereiro, passou longe do nosso circuito. No “engarrafamento” do Oscar, naquele período, sobrou para ele, mesmo sendo um dos principais premiados da temporada.

Ser um diretor de prestígio também não garante exibição por aqui. Nem se forem dois. Ave, César!, mais recente filme dos Irmãos Coen, estreou no Brasil em abril, mas o paraibano não pôde ver no cinema essa comédia nos bastidores do cinema dos anos 1950. E olha que o ator principal é George Clooney!

Imagine, então, a dificuldade de um projeto como a trilogia As Mil e uma Noites, do português Miguel Gomes. As partes 2 e 3 foram lançadas no Brasil em maio, mas João Pessoa não viu nenhuma das três no cinema.

É verdade também que a situação melhorou muito de uns anos para cá. O Cinépolis Manaíra ganhou uma sessão de cinema de arte, o Cinespaço MAG colocou em cartaz quase todos os filmes do Festival Varilux e o Cine Banguê voltou este ano com uma programação de fôlego. Pode ser difícil fazer a lista no fim do ano.

FOTO: O Quarto de Jack (2015)

<< Anterior: Lista, pra que te quero?
>> Próxima: Super-heróis, lado B

Anúncios