TICK, TICK… BOOM!
⭐⭐⭐½
Diário de Filmes 2022: 9
Onde ver: Netflix.

Boneca russa de musicais

Um musical dentro de um musical dentro de um musical. Lin-Manuel Miranda usa e abusa da metalinguagem para contar a história de um momento capital na vida do compositor Jonathan Larson, então um jovem que vive a pressão e a angústia de terminar um musical que pode significar seu sucesso na Broadway – ou o fim precoce de sua carreira.

Acontece que o próprio Larson contou essa história: Tick, Tick… Boom! é originalmente um monólogo em que ele falava à plateia sobre esses dias tumultuados. O que o filme faz é ampliar o show para Larson ser acompanhando por uma banda e alguns outros cantores, e alternar essa apresentação de palco com flashbacks da trama. A combinação frenética desses níveis narrativos renderam ao filme uma indicação ao Oscar de melhor montagem.

A urgência com que Larson vive o momento é bem defendida por Andrew Garfield (também indicado ao Oscar e que não cantava quando foi contratado para o papel) e está refletida no título, que é tristemente profético – o compositor morreu aos 36 anos, às vésperas da estreia de seu musical que seria um marco geracional: Rent.

Lin-Manuel Miranda é, ele próprio, um criador de sucesso na Broadway: é o autor de Hamilton, um fenômeno pop. Neste mesmo ano, compôs as canções de Encanto, da Disney. Em Tick, Tick… Boom!, faz uma homenagem a uma de suas inspirações, aproveitando que Larson já tinha feito esse trabalho autobiográfico.

Muito emocional, o filme deixa transparecer essa admiração do diretor por seu personagem real, composta através de uma arquitetura de boneca russa.

Tick, Tick… Boom!, 2021.
Direção: Lin-Manuel Miranda. Roteiro: Steven Levenson, baseado no musical de palco de Jonathan Larson. Elenco: Andrew Garfield, Alexandra Shipp, Robin de Jesus, Vanessa Hudgens.