Os filmes mais vistos
Os filmes que ninguém viu
Filmes com mais notas 5
Filmes com mais notas zero
Os eleitores que mais viram filmes
Os eleitores mais (e menos) felizes

Regulamento
Sorteio

1º - "A Separação", de Asghar Farhadi

1º – “A Separação”, de Asghar Farhadi – média 4,666

Primeiro filme em língua não inglesa a ser eleito pela nossa assembleia o melhor exibido nos cinemas pessoenses. Não tanto pelo refinamento no gosto dos nossos cinéfilos, abertos a cinematografias de outros países, mas principalmente porque estes filmes copmeçaram a ter uma chance em nossos cinemas – em cartaz, mesmo, ou em mostras e festivais. A Separação, drama familiar iraniano com surpreendentes tintas de suspense policial, ganhou Globo de Ouro e Oscar de filme de língua não inglesa. Liderou a eleição desde a lista de fevereiro e só levou um susto perto do final.

2º - "O Artista", de Michel Hazanavicius

2º – “O Artista”, de Michel Hazanavicius – média 4,615

O filme francês que ganhou o Oscar de melhor filme em 2012 perdeu por um pouquinho, mas mostrou que a experiência do filme mudo não foi um estranhamento – pelo contrário, agradou muito a maioria dos nossos eleitores. E olhe que foi o segundo filme mais visto do ano (empatado com Intocáveis e Os Vingadores – The Avengers), perdendo aí só para Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge.

3º - "Raul - O Início, o Fim e o Meio", de Walter Carvalho

3º – “Raul – O Início, o Fim e o Meio”, de Walter Carvalho – média 4,555

Um cineasta paraibano chegou ao terceiro lugar na nossa eleição. Mas Raul também é a melhor colocação de um filme brasileiro e de um documentário na nossa eleição. Certamente, não só o carisma do próprio Raul Seixas e suas canções, mas também a maneira vigorosa de Waltinho contar a história foi responsável pelo pódio.

4º - "Polissia", de Maïwenn

4º – “Polissia”, de Maïwenn – média 4,5

O segundo filme francês da lista foi exibido no Festival Varilux. É um filme coral, mostrando o cotidiano de policiais que trabalham para divisão de proteção à infância em Paris. Como teve poucas sessões, foi pouco visto, mas seu posicionamento na lista mostra que merece ser conferido. É também o melhor colocado de uma diretora mulher este ano.

5º - "O Porto", de Aki Kaurismäki

5º – “O Porto”, de Aki Kaurismäki – média 4,4

Mais um exemplo da variedade que emergiu da nossa votação este ano, o filme é de um diretor finlandês com pouquíssimos filmes lançados no Brasil. Aqui, passou dentro da mostra Noite de Estreia.

6º - "Intocáveis", de Olivier Nakache e Eric Toledano

6º – “Intocáveis”, de Olivier Nakache e Eric Toledano – média 4,384

Mais um filme francês, grande sucesso de bilheteria no mundo todo. Houve quem torcesse o nariz para a comédia algo rasgada sobre um milionário tetraplégico e seu cuidador da periferia, mas a aclamação foi muito maior. Ele passou primeiro no Festival Varilux, mas depois entrou para valer em cartaz – e terminou sendo o segundo filme mais visto do ano (empatado com O Artista e Os Vingadores – The Avengers).

7º - "Moonrise Kingdom", de Wes Anderson - média 4,352

7º – “Moonrise Kingdom”, de Wes Anderson – média 4,352

Anderson combinou seu estilo muito particular a uma história de amor infantil e agradou muito. Ficou só uma semana em cartaz e já em dezembro, mas tempo suficiente para escalar um lugar no top 10. É o melhor americano na lista.

8º - "Incêndios", de Denis Villeneuve

8º – “Incêndios”, de Denis Villeneuve – média 4,285

O filme do canadense Denis Villeneuve só foi exibido aqui na mostra Noite de Estreia. Mais um pouco visto que fica como sugestão pela ótima colocação na nossa eleição.

9º - "Melancolia", de Lars von Trier

9º – “Melancolia”, de Lars von Trier – média 4,266

Agora o diretor é dinamarqueês: Lars von Trier, que teve seu Melancolia exibido na mostra Noite de Estreia. Os cinéfilos corresponderam a esse conto trágico de fim do mundo.

10º - "Trabalhar Cansa", de Marco Dutra e Juliana Rojas - média 4,25

10º – “Trabalhar Cansa”, de Marco Dutra e Juliana Rojas – média 4,25

10º - "E Agora Onde Vamos?", de Nadine Labaki - média 4,25

10º – “E Agora Onde Vamos?”, de Nadine Labaki – média 4,25

10º - "As Aventuras de Pi", de Ang Lee - média 4,25

10º – “As Aventuras de Pi”, de Ang Lee – média 4,25

Empate triplo no décimo lugar. O brasileiro Trabalhar Cansa é outro da mostra Noite de Estreia. E Agora Onde Vamos? é outro do Festival Varilux. E As Aventuras de Pi foi um dos grandes vencedores do Oscar deste ano. Vale lembrar mais duas adições para a variedade de nacionalidades dos diretores do top 10 deste ano: a libanesa Nadine Labaki e o taiwanês Ang Lee.

13º – Cópia Fiel – 4,142
14º – A Invenção de Hugo Cabret – 4,12
15º – 007 – Operação Skyfall – 4,095
16º – Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge – 4,037
17º – Em um Mundo Melhor – 4
Pina – 4
O Garoto de Bicicleta – 4
Um Divã para Dois – 4

– 20 filmes terminaram com média 4 ou acima, um recorde da nossa eleição. Ano passado, foram só 13. Nos outros anos: em 2007, foram 11; em 2008, 12; em 2009, 10; em 2010, 17.

– 136 filmes conseguiram o quórum mínimo, 38 não conseguiram o mínimo de quatro notas.

– Continuações este ano, em geral, sofreram com as notas. Uma exceção foi 007 – Operação Skyfall, melhor desempenho de um James Bond (lembrando que nossa eleição começou em 2006). O terceiro Batman, no entanto, sofreu para manter a média acima de 4 – enquanto seu antecessor foi eleito o melhor filme de 2008. Ainda assim, foi o melhor filme de super-heróis do ano, superando Os Vingadores – The Avengers.

21º – Os Vingadores – The Avengers – 3,961
22º – Os Descendentes – 3,954
23º – Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres – 3,909
24º – Precisamos Falar sobre o Kevin – 3,866
25º – Frankenweenie – 3,846
26º – Um Conto Chinês – 3,769
27º – Drive – 3,75
Uma Garrafa no Mar de Gaza – 3,75
Os Mercenários 2 – 3,75
30º – O Hobbit – Uma Jornada Inesperada – 3,736

31º – O Impossível – 3,692
32º – À Beira do Caminho – 3,666
33º – Românticos Anônimos – 3,636
34º – Gainsbourg, o Homem que Amava as Mulheres – 3,625
Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo – 3,625
36º – Tudo pelo Poder – 3,6
A Árvore do Amor – 3,6
Vou Rifar Meu Coração – 3,6
39º – O Espião que Sabia Demais – 3,598
40º – As Aventuras de Tintim – 3,59

41º – Projeto X – Uma Festa Fora de Controle – 3,571
42º – A Pele que Habito – 3,565
43º – Para Roma, com Amor – 3,555
44º – A Música Segundo Tom Jobim – 3,5
O Exótico Hotel Marigold – 3,5
Um Evento Feliz – 3,5
Ted – 3,5
48º – Valente – 3,45
49º – Madagascar 3 – Os Procurados – 3,416
50º – Looper – Assassinos do Futuro – 3,4

51º – John Carter – 3,375
52º – Tão Forte e Tão Perto – 3,352
53º – Balada de Amor e Ódio – 3,333
54º – Histórias Cruzadas – 3,294
55º – J. Edgar – 3,285
A Delicadeza do Amor – 3,285
Era uma Vez Eu, Verônica – 3,285
58º – Dredd – 3,272
59º – A Dama de Ferro – 3,266
60º – Inverno da Alma – 3,25
Heleno – 3,25
Busca Implacável 2 – 3,25
Hotel Transilvânia – 3,25

– O ano passado já havia sido fraco para animações (Rango tinha ficado em 15ºlugar), este foi ainda mais difícil: Frankenweenie foi a mais bem votada do ano, num modesto 25º lugar. Depois, As Aventuras de Tintim só aparece em 40º e Valente em 48º.

– Mais uma continuação que não inspirou o mesmo que os anteriores: O Hobbit – Uma Jornada Inesperada amargou apenas o 30º lugar.

– Alguns diretores que marcam a história do cinema não conseguiram grande expressão. Com dois filmes este ano, Spielberg não passou do 40º, com As Aventuras de Tintim. Almodóvar ficou em 42º com A Pele que Habito. Woody Allen, vencedor do ano passado, ficou logo atrás com Para Roma, com Amor. E Nélson Pereira dos Santos atrás dos dois com A Música Segundo Tom Jobim. Clint Eastwood viu seu J. Edgar ficar só em 55º.

– A torcida local também não fez efeito. Vários atores paraibanos estão em Era uma Vez Eu, Verônica, mas o filme ficou só em 55º.

64º – Inquietos – 3,2
Piratas Pirados – 3,2
Os Infratores – 3,2
67º – Jogos Vorazes – 3,19
68º – Gonzaga – De Pai pra Filho – 3,187
69º – 360 – 3,181
70º – Xingu – 3,166
Na Estrada – 3,166

72º – Cavalo de Guerra – 3,153
73º – Plano de Fuga – 3,142
Prometheus – 3,142
Paranorman – 3,142
76º – Cosmópolis – 3,133
77º – A Origem dos Guardiões – 3,125
78º – Poder sem Limites – 3,111
79º – Sherlock Holmes – O Jogo de Sombras – 3,045
80º – O Espetacular Homem-Aranha – 3,041

81º – Dois Coelhos – 3
Como Água – 3
Americano – 3
84º – A Perseguição – 2,875
85º – Homens de Preto 3 – 2,866
86º – Magic Mike – 2,857
87º – Anjos da Lei – 2,8
88º – Paraísos Artificiais – 2,785
89º – O Legado Bourne – 2,769
90º – À Toda Prova – 2,75
Aliyah – 2,75
O Monge – 2,75

– Aqui começam a aparecer não só filmes que tiveram uma avaliação mediana, mas também os que dividiram opiniões. O nacional Dois Coelhos teve sete notas 4, mas também quatro 2 e um 0. Magic Mike teve um 5 e um 4, mas também  duas notas 1.

– Mais continuações que não convenceram: o segundo Sherlock Holmes ficou em um medíocre 79º. O Espetacular Homem-Aranha (não é uma continuação, mas, enfim) não passou do 80º. Homens de Preto 3 ficou só em 85º. E O Legado Bourne, em 89º.

93º – Protegendo o Inimigo – 2,714
O Corvo – 2,714
Paris-Manhattan – 2,714
96º – A Era do Gelo 4 – 2,7
O Ditador – 2,7
98º – Sombras da Noite – 2,692
99º – Jovens Adultos – 2,6
Diário de um Jornalista Bêbado – 2,6
Resident Evil 5 – Retribuição – 2,6

102º – O Lorax – Em Busca da Trúfula Perdida – 2,571
103º – Branca de Neve e o Caçador – 2,529
104º – De Pernas pro Ar 2 – 2,5
105º – Chernobyl – 2,4
106º – Os Penetras – 2,333
107º – Fúria de Titãs 2 – 2,285
108º – O Vingador do Futuro – 2,266
109º – À Beira do Abismo – 2,25
Reis e Ratos – 2,25
Aqui Embaixo – 2,25
A Entidade – 2,25

113º – American Pie – O Reencontro – 2,222
E Aí… Comeu? – 2,222
115º – 12 Horas – 2,125
Amanhecer – Parte 2 – 2,125
117º – Guerra É Guerra – 2,111
O que Esperar Enquanto Você Está Esperando – 2,111
119º – A Mulher de Preto – 2,09
120º – Filha do Mal – 2
Anjos da Noite – O Despertar – 2
O Pacto – 2
Área Q – 2
124º – Espelho, Espelho Meu – 1,916
Abraham Lincoln, o Caçador de Vampiros – 1,916
126º – Battleship – A Batalha dos Mares – 1,888 

– Mais filmes que dividiram opiniões: Sacha Baron Cohen é sempre caso de “amo” ou “odeio”: seu O Ditador teve dois 5 dos fãs fiéis, mas também cinco 2 e um 1. Até Resident Evil 5 entra nessa: três notas 4, duas notas 1.

– Na briga particular das Brancas de Neve, se deu melhor Branca de Neve e o Caçador (103º, 2,529), à frente de Espelho, Espelho Meu (124º, 1,916). Melhor, ou ‘menos pior’…

– O maior sucesso de bilheteria do cinema nacional na virada do ano, De Pernas pro Ar 2 não ficou nem entre os 100 melhores. E Aí… Comeu? só ficou em 113º.

Os dez piores do ano:

127º – A Hora da Escuridão – 1,833
Possessão – 1,833
129º – Adeus Berthe ou o Enterro da Vovó – 1,8
Atividade Paranormal 4 – 1,8
131º – Alvin e os Esquilos 3 – 1,666
132º – As Aventuras de Agamenon, o Repórter – 1,428
133º – Cada um Tem a Gêmea que Merece – 1,166
134º – Motoqueiro Fantasma – Espírito de Vingança – 1
135º – A Saga Molusco – Anoitecer – 0,6
136º – Billi Pig – 0,25

– Pela primeira vez, o “título” de pior do ano ficou com um nacional: Billi Pig, do outrora prestigiado cineasta de Brasília José Eduardo Belmonte.

– Os eleitores não perdoaram comédias brasileiras rasteiras (Agamenon), mais continuações fuleiras (Motoqueiro Fantasma II?? Sério?) e faz tempo que não têm paciência com filmes-paródia sem noção (A Saga Molusco – Anoitecer, segundo pior do ano, e único outro filme com média abaixo de 1, coisa bem difícil de conseguir).

– Também sobrou pra filme europeu. Adeus Berthe, do Festival Varilux, não passou de 1,8, enquanto outros do mesmo evento entraram no top 10.