Robocop - 1987 - 02

17 de julho, há 30 anos: Estreia, em 1987, o filme RoboCop, o Policial do Futuro, de Paul Verhoeven. O filme de ficção científica se passa em uma Detroit futurista onde um policial abatido em combate é combinado a partes mecânicas e eletrônicas para combater o crime. Foi o primeiro filme 100% hollywoodiano do holandês Verhoeven (o anterior, Conquista Sangrenta, de 1985, era uma co-produção com países europeus). O filme teve duas continuações no cinema (1990 e 1992), duas séries de TV (1994/1995 e 2000/2001), duas séries animadas (1988 e 1998/1999) e uma refilmagem (2014), esta dirigida pelo brasileiro José Padilha.

Anúncios

Turma do Charlie Brown - 01

16 de julho, há 40 anos: Estreia, em 1977, o filme A Turma do Charlie Brown. Rebatizado anos depois na TV a cabo como Corra por Sua Vida, Charlie Brown, é o terceiro longa-metragem animado estrelado pelos personagens criados por Charlie M. Schulz para a tira Peanuts. Os primeiros são Charlie Brown e Snoopy (1968) e Volte para Casa, Snoopy (1972). A animação segue o estilo dos especiais animados de cerca de 25 minutos vinham sendo produzidos para a TV desde 1965. O filme não tem trilha musical de Vince Guaraldi, responsável pelo acento jazzístico da trilha dos especiais, porque o músico morreu meses antes de a produção começar.

Gianni Versace

15 de julho, há 20 anos: Morre, em 1997, aos 50 anos, o estilista italiano Gianni Versace. Ele foi o fundador de uma das mais famosas grifes de moda, que leva seu sobrenome, lançando também perfumes, maquiagens e acessórios. Versace era amigo de
celebridades e aproximou as indústrias da moda e da música. Morreu assassinado na porta de sua casa, em Miami, pelo assassino em série Andrew Cunanan, que se matou dias depois sem ter revelado os motivos para o crime. A história do assassinato será dramatizada em uma das próximas temporadas de American Crime Story.

Johnny Bravo

14 de julho, há 20 anos: É lançada, em 1997, a série animada Johnny Bravo, a segunda produzida pelo canal Cartoon Network. Criada por Van Partible, é centrada em um rapaz musculoso e muito autoconfiante que tenta conquistar mulheres, mas sem sucesso. A série teve quatro temporadas (1997, 1999/2000, 2000/2001 e 2004), e 67 episódios O personagem é inspirado em Elvis Presley e tem o penteado de Brad Pitt em Johnny Suede (1991).

Harrison Ford

13 de julho, 75 anos: Nasce, em 1942, o ator americano Harrison Ford. Um dos atores mais populares de todos os tempos, estrelando duas das franquias de maior sucesso do cinema: Star Wars (como Han Solo, aparecendo em quatro filmes) e Indiana Jones (no papel-título, também em quatro filmes). Também protagonizou outros filmes importantes, como Blade Runner, o Caçador de Andróides (1982) e A Testemunha (1985).

Lua de Fel-11

12 de julho, há 25 anos: É lançado, em 1992, o filme Lua de Fel, do cineasta polonês Roman Polanski. No filme, um americano em cadeira de rodas conta a um jovem inglês, casado há pouco, a história de seu relacionamento com a esposa, um vulcão sexual. Peter Coyote e Hugh Grant interpretam os maridos; Emmanuelle Seigner e Kristin Scott Thomas, as esposas. O filme ficou notório por sua intensidade erótica.

Gershwin

11 de julho, há 80 anos: Morre, em 1937, aos 38 anos, o compositor e pianista americano George Gershwin. É um dos principais nomes da música nos EUA, navegando entre criações clássicas (como “Rhapsody in blue”, “An american in Paris”, a ópera Porgy and Bess) e canções populares, muitas delas com letras do irmão Ira (“Love is here to stay”, “They can’t take that away from me”). Sua música foi usada em diversos musicais clássicos de Hollywood e ele também compôs diretamente para alguns deles, como Vamos Dançar? (1937), com Fred Astaire e Ginger Rogers, de onde saiu sua única indicação ao Oscar, por “They can’t take that away from me”). Sinfonia de Paris  (1951), Oscar de melhor filme, é um dos longas composto só de canções de Gershwin. Morreu em consequência de um tumor no cérebro.

Jackson do Pandeiro-05

10 de julho, há 35 anos: Morre, em 1982, aos 62 anos, o cantor, compositor e instrumentista paraibano Jackson do Pandeiro. Conhecido como o “rei do ritmo”, ele gravou seu primeiro grande sucesso apenas aos 35 anos, em 1953: “Sebastiana”, de Rosil Cavalcanti. Com Almira Carrilho fez uma dupla de sucesso e foi casado de 1956 a 1967. Navegando no forró e samba e seus gêneros aparentados, emplacou sucessos que o tornaram um dos músicos nordestinos mais influentes: “Chiclete com banana”, “O canto da ema”, “Um a um” e “Cantiga do sapo”. Jackson morreu em Brasília, dias depois de passar mal no aeroporto quando voltava de um show na cidade.

Donna Summer

9 de julho, há 40 anos: Alcança o primeiro lugar na parada da Billboard, em 1977, a canção “I feel love”, de Donna Summer. Foi a primeira canção gravada inteiramente com uma base de sintetizador a conseguir o feito. A música, de Giorgio Moroder e Pete Bellotte com letras de Donna, é do disco I Remember Yesterday, o quinto da cantora. Ela lançaria mais um em 1977, Once Upon a Time, um dos seus grandes sucessos.

Glow - 2017 - 01

Lindas garotas da luta livre: “Glow”

Coluna Cinemascope (#41). Correio da Paraíba, 5/7/2017 

Mulheres, ringue, anos 1980

por Renato Félix

Antes dessa moda dos vale-tudos e UFC, houve a luta livre, o telecatch. Não cheguei a ver os áureos tempos de Ted Boy Marino e companhia, mas era espectador de um programa americano do gênero, que o SBT exibia lá nos anos 1980. Esses programas combinavam lutas e encenações, os lutadores encarnavam personagens e havia muito mais fantasia que escoriações e sangue.

Lembro até hoje de personagens desse programa. O Sr. Maravilha, a dupla Abelhas Assassinas e, claro, Hulk Hogan, que já era o maioral absoluto ali.

Por isso, parece algo absolutamente natural que os anos 1980 sejam a ambientação da ótima série Glow, que estreou há poucos dias  na Netflix. Mas, mais do que isso, é uma ambientação verdadeira, porque existiu mesmo uma série chamada Glow – Gorgeous Ladies of Wrestling (“Garotas bonitas da luta livre”), que colocava mulheres no ringue, entre 1986 e 1989.

As lutadoras/ atrizes interpretavam personagens como Liberty, Colonel Ninotchka, Zelda the Brain e por aí vai. A série da Netflix meio que reconta como surgiu o show original, com personagens mais ou menos baseados nos verdadeiros nomes. Agora temos Liberty Bell, Zoya the Destroya, Britannica, Beirut the Mad Bomber…

A série consegue reproduzir bastante do aspecto de diversão do período e transita pelo terreno espinhoso do comentário sobre o papel reservado às mulheres no meio artístico naquela época. Alison Brie, ótima atriz da série Mad Men, abre Glow lendo falas fortes para um teste, mas é advertida: “Você está lendo a fala do homem”. A da mulher é tipo “A sua esposa está na linha 2”.

A luta livre, por mais aproveitadora que pareça ser da figura feminina, é, para aquelas personagens, naquele contexto, a oportunidade de desenvolver um trabalho artístico e de ter um reconhecimento. Glow é bem carinhosa com suas personagens, apesar dos golpes da vida.

<< Anterior: Filmando e fazendo história

Patativa do Assare

8 de julho, há 15 anos: Morre, em 2002, aos 93 anos, o compositor, cantor e poeta popular cearense Patativa do Assaré. Inspiração Nordestina, de 1956, é seu primeiro livro, mas o início de sua carreira foi bem antes, ainda adolescente, declamando poemas e fazendo repentes em festas e no rádio. Em 1979, lançou o primeiro disco, em que declama os próprios poemas, como “Triste partida” e “Lamento de um nordestino”.

007 o Espiao que Me Amava - 03

7 de julho, há 40 anos: É exibido em pré-estreia, em 1977, o filme 007, o Espião que Me Amava. É o 10º filme protagonizado pelo espião britânico James Bond, e o terceiro com Roger Moore no papel. É um dos que melhor dosou os elementos de ação e comédia que caracterizou a fase de Moore como o personagem. A bondgirl era a americana Barbara Bach e a canção-tema foi “Nobody does it better”, com Carly Simon.

 

Rocco e Seus Irmaos - 03

ROCCO E SEUS IRMÃOS
Sem borda - 05 estrelas

Não sou o maior dos admiradores do cinema de Visconti. Não gosto de Sedução da Carne (1954), nem de Morte em Veneza (1971). Mas gosto demais de O Leopardo (1963) e, principalmente, de Rocco e Seus Irmãos. Há muitos anos, eu não o revia, no entanto. Ele não deixa o melhor dos sentimentos ao sair dele.

Visconti não alivia ao contar a história da família Parondi. A chegada com esperanças na mudança do sul pobre da Itália para Milão, metrópole do norte do país, está sempre à sombra dos problemas e com cheiro de tragédia. A intranquilidade é evidenciada no contraste entre os dois irmãos que protagonizam o filme: Rocco (Alain Delon) e Simone (Renato Salvatore).

O filme é dividido em capítulos mais ou menos centrados em cada um dos cinco irmãos, mas o bondoso e correto Rocco e o egoísta e malandro Simone dominam a cena. O conflito explode quando eles se envolvem com a mesma mulher, a prostituta Nadia (Annie Girardot).

Visconti quebra as expectativas quando coloca Rocco, que seria o pilar moral do filme, em situações onde precisa escolher entre a família e “o que é certo”. Ele é empurrado pela trama a fazer escolhas que vão engasgando o espectador que se envolve com a história.

É uma espiral descendente, com Nadia no centro dela. Um dos irmãos mais jovens, Ciro (Max Cartier) acaba ganhando corpo do meio pro fim do filme (que não me lembrava como é longo: 2h57 de duração) ao se tornar um contraponto para Rocco, até o momento mais decisivo para a unidade da família Parondi.

Com bela fotografia em preto-e-branco de Giuseppe Rotunno (principalmente na muito impressionante cena entre Rocco e Nadia na catedral de Milão) e música de Nino Rota, Rocco e Seus Irmãos ainda traz um pouco o gosto do neo-realismo, que Visconti frequentou nos anos 1940, mesmo o diretor já tendo abraçado produções com mais dinheiro e de época nos anos 1950. Mas o que se sobressai é a questão central: até onde ser bom é bom?

Rocco e Seus Irmãos. Rocco i Suoi Fratelli/ Rocco et Ses Frères. Itália/ França, 1960.  Direção: Luchino Visconti. Elenco: Alain Delon, Renato Salvatori, Annie Girardot, Katina Paxinou, Roger Hanin, Suzy Delair, Claudia Cardinale.

 

Quarrymen - 1957

6 de julho, há 60 anos: Conhecem-se, em 1957, os cantores, compositores e multi-instrumentistas John Lennon e Paul McCartney, que seriam fundadores e líderes dos Beatles. Lennon tinha 16 anos e McCartney, 15, quando Paul viu uma apresentação da banda de John, The Quarrymen, em uma festa na St. Peter’s Church, em Liverpool (a foto do post é desse show, cerca de 15 minutos antes de John e Paul se conhecerem). Ivan Vaughan, membro da banda, apresentou os dois e McCartney tocou três músicas no violão. Duas semanas depois, entraria para a banda e depois levaria George Harrison, formando-se a base do que mais tarde viria a ser os Beatles, banda de rock mais importante da história.

Katy Jurado - Matar ou Morrer

5 de julho, há 15 anos: Morre, em 2002, aos 78 anos, a atriz mexicana Katy Jurado. Ela começou sua carreira em seu país natal, em 1943, em uma era dourada para o cinema mexicano. A partir de 1951, começou a trabalhar em Hollywood, principalmente em faroestes. O maior deles foi Matar ou Morrer (1952), que rendeu a ela um Globo de Ouro, o primeiro para uma latina. Foi indicada ao Oscar por Lança Partida (1954).

 

kylie 2

4 de julho, há 30 anos: É lançado, em 1987, o single “The loco-motion”, que lançou também a carreira em discos da cantora, compositora, dançarina e atriz australiana Kylie Minogue. A canção era uma regravação da música de Gerry Goffin e Carole King, originalmente lançada em 1962 por Little Eva. Em seguida, Kylie lançou “I should be so lucky”. Hoje ela é a artista da música de maior sucesso da Austrália.

 

João Saldanha

3 de julho, há 100 anos: Nasce, em 1917, o jornalista, escritor e técnico gaúcho de futebol João Saldanha. Apelidado por Nélson Rodrigues como “João Sem Medo”, foi um dos mais importantes jornalistas esportivos do Brasil. Como treinador, esteve à frente do Botafogo campeão carioca de 1957 e da Seleção Brasileira nas eliminatória para a Copa de 1970. Morreu em Roma, em 1990, cobrindo a Copa do Mundo.

James Stewart

2 de julho, há 20 anos: Morre, em 1997, aos 89 anos, o ator americano James Stewart. Um dos grandes nomes do cinema americano, muitas vezes interpretando o perfil perfeito do homem bom e honesto, ele era um preferido de diretores como Frank Capra (que o dirigiu em três filmes, o mais importante sendo A Felicidade Não Se Compra, 1946), Alfred Hitchcock (quatro filmes, entre eles Janela Indiscreta, 1954, e Um Corpo que Cai, 1958) e Anthony Mann (oito filmes, entre eles Winchester 73, de 1950). Fez outros grandes filmes com outros grandes cineastas, como O Homem que Matou o Facínora (1962), com John Ford, e Núpcias de Escândalo (1940), com George Cukor, com o qual ganhou o Oscar.

Dando sequência a essa retrospectiva atrasada do que esteve em cartaz nos cinemas de João Pessoa, faço a primeira de uma nova lista: das atuações que considerei melhores em 2016. Resolvi também que não vou separar por atores e atrizes porque, como disse o Chris Rock, “não é atletismo”.

Elle - 04

1 – ISABELLE HUPPERT (Elle)

Huppert engrandece papéis que não são tão grandes e agiganta os papéis maiores, que é o caso em Elle. Ela é Michèle Leblanc, violentada em sua própria casa por um mascarado invasor. Depois, ela vai se preparando para o retorno do agressor – de seu próprio jeito. É, sem dúvida, uma das maiores atrizes do nosso tempo.

Regresso-05

2 – LEONARDO DICAPRIO (O Regresso)

DiCaprio só faltou comer o pão que o diabo amassou para esse papel: um caçador que é atacado por um urso e deixado para morrer na floresta por seus companheiros. Mas sobrevive e se arrasta por quilômetros e quilômetros, no inverno, para se vingar. Uma jornada visceral para o personagem e para o ator.

Aquarius - 01

3 – SÔNIA BRAGA (Aquarius)

O Brasil reencontrou-se com uma grande Sônia Braga no filme de Kléber Mendonça Filho. Ela contribui decisivamente para que este filme seja ainda melhor que o anterior do diretor, o já muito elogiado O Som ao Redor. Aqui, Sônia constrói uma grande personagem que ancora as ações e fascina o espectador.

Filho de Saul - 01

3 – GÉZA RÓHRIG (Filho de Saul)

Uma experiência de narrativa bem particular, a produção húngara é quase toda registrada em close do personagem principal ou de seu ponto de vista subjetivo. É claro que isso exige um trabalho intenso de atuação de seu ator principal. O húngaro Róhrig, que também é poeta corresponde plenamente em seu primeiro (e aparentemente até agora único) longa.

Chegada - 03

5 – AMY ADAMS (A Chegada)

A grande injustiça do Oscar deste ano foi a não inclusão de Amy Adams entre as indicadas a melhor atriz. Ela interpreta muito bem a personagem de uma linguista com uma missão inédita e decisiva para a humanidade, enquanto lida com seus dramas pessoais.

Carol - 06

6 – CATE BLANCHETT (Carol)

Cate já é um monumento da arte da atuação. Em Carol, ela entrega de novo um grande personagem: a mulher da alta roda que se apaixona por uma balconista. Mas são os anos 1950, ela é casada e tem que pôr na balança a possibilidade de o marido ficar com a guarda do filho.

Trumbo - 06

7 – BRYAN CRANSTON (Trumbo – Lista Negra)

Cranston tem a difícil missão de ir encontrando no cinema personagens que falam jus ao status de grande ator que adquiriu na série Breaking Bad. Conseguiu um ponto com a cinebiogragfia de Dalton Trumbo, roteirista de Hollywood que foi perseguido nos EUA dos anos 1950 por ser comunista e ganhou um Oscar sem ninguém saber.

null

8 – MARK RUFFALO (Spotlight – Segredos Revelados)

Um ator consistente, que sempre entrega atuações muito boas, Ruffalo construiu um tipo particular e com certa sutileza no Mike Rezendes, o jornalista interpretado por ele em Spotlight. Ruffalo poderia muito bem ter ganhado o Oscar.

Chocolate - 2015 - 04

9 – OMAR SY (Chocolate)

Depois de Intocáveis, Omar Sy se tornou um astro na França e bastante conhecido fora dela. Em seus filmes seguintes por aqui, continuou entregando ótimas atuações, a bordo de muito carisma. Em Chocolate, ele interpreta o primeiro palhaço negro da França e tem a oportunidade de atuar em números clássicos de circo.

Oito Odiados-07

10 – JENNIFER JASON LEIGH (Os Oito Odiados)

Jennifer Jason Leigh entrou para o time de atores de quem Tarantino fez o mundo lembrar como são bons. Ela está por aí desde o começo dos anos 1980, em aparições sempre eficientes seja em Picardias Estudantis (1982) ou Mulher Solteira Procura… (1992). Em um filme cheio de gente em quem não se pode confiar, ela é desde o começo uma das mais perigosas.

— MAIS RETROSPECTIVA 2016:

Pernalonga - What_s Opera, Doc-02

1º de julho, há 60 anos: É lançado, em 1957, o curta animado Vai de Ópera, Velhinho? (What’s Opera, Doc?), de Chuck Jones. Estrelado por Pernalonga e Hortelino, numa paródia do estilo e temáticas das óperas de Wagner (em especial, O Anel dos Nibelungos, mas há trechos que remetem a O Holandês Voador entre outras obras do compositor alemão), o desenho animado foi eleito o melhor de todos os tempos, em 1994, em uma eleição com mil membros da indústria de cinema de animação. Também foi o primeiro curta de animação eleito para preservação pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Além de ser um dos três únicos curtas em que Hortelino derrota Pernalonga, é o último com o personagem troca-letras dirigido por Jones.

 

Sigam-me os bons (no Twitter)

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Cenas da Vida

Páginas

Estatísticas

  • 1,259,820 hits