Star Wars - Os Ultimos Jedi - 32

Daisy Ridley e Mark Hamill: ela é a protagonista

STAR WARS – OS ÚLTIMOS JEDI
Sem borda - 04 estrelas

Passagem de bastão

por Renato Félix

Na sua origem, a saga Star Wars é uma colcha de retalhos de referências. Aos antigos seriados de cinema de Flash Gordon dos anos 1930,  a filmes japoneses de samurai, a faroestes e filmes de capa-e-espada da Hollywood clássica. A trilogia original é bem isso e, agora, ela própria é uma fonte de referências. E, assim, na nova trilogia, do qual Star Wars – Os Últimos Jedi (2017) é o novo capítulo,  a série faz referência principalmente a si mesma.

Assim, qualquer razoável iniciado em Star Wars vai encontrar ecos de episódios passados por todo o novo filme (como já acontecia em O Despertar da Força, 2015, o filme anterior). Desde o começo em alta voltagem com uma batalha espacial, visto antes em Ataque dos Clones (2002), ao muitos elementos e situações que citam diretamente O Retorno de Jedi (1983). Ou na busca por um mestre distante e há muito isolado, vista em O Império Contra-Ataca (1980).

O segundo filme desta nova trilogia também reafirma que os grandes personagens clássicos não são os protagonistas: são, na verdade, um forte apoio para os novos rostos. Sim, Luke Skywalker (Mark Hamill) está de volta e tem alguns grandes momentos reservados a ele, mas seu principal papel é encaminhar Rey (Daisy Ridley) nas artes jedi. O filme, e isso é ainda mais claro que em O Despertar da Força, é uma passagem de bastão.

Uma parte considerável do filme se detém nos esforços de Rey para convencer Luke a sair da toca e ajudar a Resistência, em vias de ser erradicada. Enquanto Luke tem sua crise com o passado e suas crenças, ela tem diálogos à distância com seu grande inimigo, Kylo Ren (Adam Driver), um recurso dramático muito bem conduzido.

A trama se separa em dois outros núcleos dramáticos: em um, a General Leia (Carrie Fisher) precisa conduzir a fuga da Resistência, acossada pelas forças da Primeira Ordem, e domar a impetuosidade de seu melhor piloto, Poe (Oscar Isaac, que ganha mais espaço); no outro, Finn (John Boyega) e uma nova personagem, Rose (Kelly Marie Tran), vão a um planeta-cassino à procura de um decodificador para ajudar a despistar a Primeira Ordem.

Nesse segmento, aparecem umas pequenas tintas políticas. Rose aponta o dedo para aquela elite, afirmando que “ninguém ganha tanto dinheiro assim se não for com a guerra”.  Comentários sociais que vão reverberar nos belos momentos finais do filme.

A sequência também serve ao (lento) desenvolvimento do personagem de Boyega e introduz o de Benicio del Toro, um malandro pouco confiável, mas com uma visão de mundo bem-vinda a Star Wars.

A saga sempre se banhou na maniqueísmo, contrapondo um lado claramente bom e outro claramente mau. Ao conduzir a história, George Lucas procurou borrar essas fronteiras em O Retorno de Jedi (1983) ao tratar da redenção de Darth Vader e, desajeitadamente, na trilogia-prelúdio, ao narrar a queda de Anakin Skywalker.

Mas derrapou feio quando sua sanha revisionista mudou, em 1997, a cena em que Han Solo atira a sangue-frio e à traição no caçador de recompensas Greedo, em Guerra nas Estrelas (1977). Lucas não resistiu à tentação de “desborrar” a fronteira, primeiro fazendo Solo “atirar depois” e, depois, “atirar ao mesmo tempo”.

DJ, o personagem de Del Toro, em certo momento rouba a nave de um comerciante de armas, de quem tanto os vilões da Primeira Ordem quanto os mocinhos da Resistência usaram os serviços. Um tímido, mas eloquente, tom de cinza em uma saga que prima pelo preto no branco.

O filme tem momentos de visual arrebatador (principalmente a luta na sala vermelha e o combate no planeta coberto de sal) e humor (em situações inesperadas, inclusive). Também contraria um artifício narrativo tradicional na série, que é ignorar o fato de que o som não se propaga no espaço para gerar mais emoção nos combates espaciais. Desta vez, em uma cena chave (envolvendo a sempre ótima Laura Dern), o diretor Rian Johnson optou por retirar o som e gerar a emoção pela ausência dele.

Parênteses: O fato de que cinemas tiveram que colocar avisos para que a plateia soubesse que isso é de propósito faz pensar a que ponto de emburrecimento chegou uma parcela do público dos cinemas. Fecha parênteses.

E, algo que faz diferença tanto em como o filme foi feito quanto como ele é assistido, Os Últimos Jedi marca a despedida de Carrie Fisher.

A atriz morreu em dezembro de 2016, cerca de um ano antes da estreia do filme. Mas já tinha filmado todas as suas cenas para Os Últimos Jedi. O filme, então, e a plateia minimamente informada são conscientes o tempo todo dessa despedida. Não dá para não ter atenção sobre como Leia é tratada e como o filme resolveu ou não seu desfecho na trama.

Há outras coisas, mas isso, sem dúvida, tornou a experiência de Os Últimos Jedi diferente.

Star Wars – Os Últimos Jedi. Star Wars – The Last Jedi. EUA, 2017. Direção: Rian Johnson. Elenco: Daisy Ridley, Mark Hamill, Adam Driver, John Boyega, Oscar Isaac, Carrie Fisher, Anthony Daniels, Gwendoline Christie, Benicio del Toro, Laura Dern. Voz: Frank Oz. Em captura de movimento: Lupita Nyong’o, Andy Serkis.

* Versão estendida da crítica publicada no Correio da Paraíba, em 20/12/2017

Anúncios
Roda Gigante 2

Justin Timberlake, Kate Winslet e Juno Temple: tragédia pairando no ar

ROGA GIGANTE
Sem borda - 04 estrelas

A roda viva traçada por Woody Allen

por Renato Félix

Em determinado momento de Roda Gigante, o salva-vidas Mickey (Justin Timberlake), que quer ser escritor, dá a Carolina (Juno Temple), a jovem que está se escondendo do marido gangster, um livro que analisa o teatro de Eugene O’Neill. É a senha da inspiração de Woody Allen para sua nova crônica das tragédias humanas: o ótimo Roda Gigante (2017).

O’Neill faz parte de um time de dramaturgos americanos que exploraram as entranhas das famílias americanas e suas relações. Sua peça mais conhecida é Longa Jornada Noite Adentro, um texto de 1941, que o dramaturgo manteve lacrada em um cofre com instruções para ser montada apenas após sua morte (provavelmente por retratar as disfunções de sua própria família em 1912). Ele morreu em 1953 , a primeira montagem é de 1956 e rendeu um Pulitzer póstumo a O’Neill.

O filme de Woody Allen se passa nos anos 1950, década da morte de O’Neill e da montagem póstuma. As tragédias criadas por nós mesmos, que se tornam prisões das quais alguns não conseguimos escapar, são os temas deste novo filme. Mas nem Mickey e nem Carolina são os grandes protagonistas de Roda Gigante. Este papel cabe a Ginny, mais um grande personagem feminino de Woody Allen e mais uma grande interpretação feminina em um de seus filmes: Kate Winslet.

Ginny é uma garçonete que vive em Coney Island e cujo marido que ela não ama, Humpty (Jim Belushi), trabalha no carrossel do histórico parque de diversões do lugar – ambiente que ela odeia e que a deixa com constantes dores de cabeça. O casal vive ainda com Richie (Jack Gore), filho do primeiro casamento de Ginny, e que tem um estranho impulso incendiário.

É uma vida quase miserável para Ginny, mas duas coisas acontecem: ela começa um caso com Mickey que devolve a ela o prazer de viver; e Carolina, filha de Humpty, reaparece, pedindo abrigo para se esconder, depois de ter delatado o marido. Quando Carolina também se interessa por Mickey e ele por ela, Ginny vê sua tábua de salvação para fora daquela vida afundar passo a passo.

A tragédia está pairando no ar. E a irresistível vontade de Richie de colocar fogo nas coisas pode ser uma metáfora de que uma hora essas pequenas fogueiras podem sair do controle.

É visualmente um dos filmes mais bonitos de Woody Allen – fotografia formidável de Vittorio Storaro, que usa de maneira impressionante o visual de parque de diversões como fundo melancólico para dramas humanos, assim como a luz dos neons, da noite, do entardecer.

A fotografia é beneficiada pela opção de Allen de usar menos os planos sequência de que tanto gosta: os longos diálogos sem cortes, muitas vezes com um dos personagens falando fora do enquadramento. Os diálogos aparecem em plano e contraplano mais que o usual para um filme de Allen dos anos 1980 para cá. Isso deixa Storaro livre para compor a luz das imagens de maneira a irem mudando durante o plano. O rosto de Winslet às vezes está sob a luz amarela de um farol, para depois ser banhada pelo azul da noite.

Mas os planos-sequência estão lá, surgindo em momentos-chave. Em um monólogo de Winslet confrontando acusações de seu amante. Num emocionalmente caótico, mas visualmente bem coreografado ajuste de contas da família. Na tocante imagem final, em que velhos diálogos são repetidos como se fossem o cotidiano, mas o desespero é transmitido pelo olhar.

O sabor do teatro é constante no filme. É fácil imaginar tudo aquilo acontecendo em um palco. Mickey, que narra o filme, até começa a contar a história por uma rubrica de texto tetral: “Entra Carolina”. Allen sai poucas vezes do registro mais direto para um mais figurativo (quando os efeitos dos analgésicos em Ginny são mostrados pela ausência do som dos brinquedos do parque de diversões, que a atormentam).

O aspecto teatral certamente beneficia Kate Winslet e sua grande composição de uma mulher rumo ao desequilíbrio – há um pouco de Blue Jasmine (e, portanto, da Blanche DuBois de Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams) em Ginny. Não só ela, mas também Caroline, passam o filme tentando lidar com o resultado de suas escolhas e de como elas as encarceraram numa vida da qual as duas mulheres tentam escapar por alguma brecha.

Roda Gigante. Wonder Wheel. EUA, 2017. Direção: Woody Allen. Elenco: Kate Winslet, Justin Timberlake, Jim Belushi, Juno Temple.

Ultimo Desafio - 01

DIÁRIO DE FILMES 2018: 4 – O ÚLTIMO DESAFIO
Sem borda - 2,5 estrelas

Me lembro quando Rodrigo Santoro falou sobre este filme, que quis fazer porque era um sonho de fã fazer um filme com Schwarzenegger. Todo o filme, na verdade, emite essa aura de fã pelo velho Schwarza, dando a ele algumas frases legais (“Você ferrou o meu carro!”, diz o bandido; “Você ferrou o meu dia de folga”, ele responde) e o situando numa atmosfera de faroeste: um xerife que, com seus poucos ajudantes, tenta impedir a fuga de um bandido. Não dá pra não pensar em John Wayne em Onde Começa o Inferno (1959).

O Último Desafio. The Last Stand. EUA, 2013. Direção: Jae-woo Kim. Elenco: Arnold Schwarzenegger, Forest Whitaker, Jaimie Alexander, Rodrigo Santoro, Peter Stormare, Johnny Knoxville, Luis Guzman, Eduardo Noriega, Harry Dean Stanton. Na TV, 7/1

Missao Madrinha de Casamento - 03

DIÁRIO DE FILMES 2018: 3 – MISSÃO MADRINHA DE CASAMENTO
Sem borda - 2,5 estrelas

Foi boa a revisão de Missão Madrinha de Casamento, o filme subiu um pouco no meu conceito. A parte referente à trama do casamento, mesmo, aquela rivalidade entre Kristen Wiig (a velha melhor amiga de vida bagunçada) com Rose Byrne (a nova melhor amiga perfeitinha) continua me parecendo bem bobo, rotineiro e sem graça. Mas quando o filme foca só em Kristen melhora muito. Um destaque é a cena em que a personagem, confeiteira que desistiu da profissão e está bem pra baixo em casa, é mostrada preparando a massa, colocando pra cozinhar e decorando um único cupcake pra ela mesma.

Missão Madrinha de Casamento. Bridesmaids. EUA, 2011. Direção: Paul Feig. Elenco: Kristen Wiig, Rose Byrne, Maya Rudolph, Melissa McCarthy, Chris O’Dowd, Ellie Kemper, Wendi McLendon Covey, Jill Clayburgh. Na TV, 6/1

Hollywood Foreign Press Association
 

O DISCURSO DE OPRAH WINFREY NO GLOBO DE OURO 

“Em 1964, eu era uma menininha sentada no chão da casa da minha mãe, em Milwaukee, assistindo a Anne Bancroft apresentar o Oscar de melhor ator. Ela abriu o envelope e disse cinco palavras que literalmente fizeram História: ‘O vencedor é Sidney Poitier’.

Subindo ao palco, surgiu o homem mais elegante que eu já tinha visto. Eu me lembro que sua gravata era branca e, claro, sua pele era negra. E eu nunca tinha visto um negro sendo celebrado daquele jeito.

Eu tentei muitas, muitas, muitas vezes explicar o que um momento daquele significa para uma garotinha, uma criança assistindo de um sofá barato, enquanto minha mãe atravessava a porta, os ossos cansados de limpar a casa de outras pessoas. Mas tudo o que posso fazer é citar a performance de Sidney em Uma Voz nas Sombras:

‘Amém, amém, amém, amém’.

Em 1982, Sidney recebeu o Prêmio Cecil B. DeMille aqui no Globo de Ouro e não me escapa que, neste momento, há algumas garotinhas assistindo enquanto me torno a primeira mulher negra a receber o mesmo prêmio. É uma honra – é uma honra e um privilégio dividir a noite com todas elas e também com os homens e mulheres incríveis que me inspiraram, que me desafiaram, que me deram apoio e fizeram minha jornada a este palco possível.

Dennis Swanson, que me deu uma oportunidade em A.M. Chicago. Quincy Jones, que me viu naquele programa e disse a Steven Spielberg: “Sim, ela é a Sophia de A Cor Púrpura“. Gayle, que tem sido a definição de o que um amigo é, e Stedman, que tem sido minha rocha – só para dizer os nomes de alguns.

Eu quero agradecer à Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood porque todos sabemos que a imprensa está sitiada estes dias. Também sabemos da insaciável dedicação para revelar a verdade absoluta que nos impede de fechar os olhos à corrupção e à injustiça. Para – para tiranos e vítimas, e segredos e mentiras.

Quero dizer que valorizo a imprensa mais do que nunca enquanto estamos navegando nestes tempos complicados. O que me leva a isto: o que sei com certeza é que falar a sua verdade é o instrumento mais poderoso que nós todos temos. E sou especialmente orgulhosa e inspirada por todas as mulheres que se sentiram fortes o suficiente e empoderadas o suficiente para falar e dividir suas histórias pessoais.

Cada um de nós nesta sala está celebrando as histórias que contamos. E este ano nós somos a história. Mas não apenas uma história afetando a indústria do entretenimento. É uma que transcende qualquer cultura, geografia, raça, religião, política ou local de trabalho.

Então eu quero, esta noite, expressar gratidão a todas as mulheres que sofreram anos de abuso e ataques porque elas, como minha mãe, tinham filhos para alimentar e contas a pagar e sonhos a perseguir. Elas são as mulheres cujos nomes nunca saberemos.

São empregadas domésticas e trabalhadoras em fazendas. São trabalhadoras em fábricas e trabalham em restaurantes e estão na Academia, engenharia, medicina e ciência. Elas são parte do mundo da tecnologia e política e negócios. Elas são nossas atletas nas Olimpíadas e são nossos soldados.

E há alguém, Recy Taylor, um nome que eu conheço e acho que vocês deviam conhecer também. Em 1944, Recy Taylor era uma jovem esposa e mãe andando para casa depois da missa que ela frequentava em Abbeville, Alabama, quando foi raptada por seis homens brancos armados, estuprada e deixada com os olhos vendados na beira da estrada. Vindo para casa, da igreja.

Eles ameaçaram matá-la se ela contasse a qualquer um, mas sua história chegou à Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor, onde uma jovem funcionária chamada Rosa Parks se tornou a investigadora principal do caso e juntas elas buscaram justiça.

Mas justiça não era uma opção na era de Jim Crow. Os homens que tentaram destrui-la nunca foram processados. Recy Taylor morreu há dez dias, perto de completar 98 anos. Ela viveu, como todos nós vivemos, muitos anos em uma cultura danificada por homens brutalmente poderosos. Por muito tempo, mulheres não eram ouvidas ou levadas a sério se ousassem falar a verdade sobre o poder desses homens. Mas o tempo deles acabou.

O tempo deles acabou!

O tempo deles acabou. E eu só espero – só espero que Recy Taylor tenha morrido sabendo que a verdade dela, como a verdade de tantas outras mulheres que foram atormentadas naqueles anos, e mesmo agora, está em marcha. Estava em algum lugar do coração de Rosa Parks quase 11 anos depois quando ela tomou a decisão de permanecer sentada naquele ônibus em Montgomery e está aqui em cada mulher que escolheu dizer “eu também”. E cada homem – cada homem que escolhe escutar.

Na minha carreira, o que eu sempre tentei fazer melhor, seja na televisão ou nos filmes, é dizer algo sobre como homens e mulheres realmente se comportam. Dizer como sentimos vergonha, como amamos e como temos raiva, como falhamos, como recuamos, perserveramos e como vencemos. Eu entrevistei e mostrei pessoas que têm resistido a algumas das coisas mais horríveis que a vida pode atirar em você, mas a única qualidade de que todas elas pareciam compartilhar é uma habilidade para manter a esperança por uma manhã mais brilhante, mesmo durante nossas noites mais escuras.

Então, eu quero que todas as garotas assistindo aqui, agora, saibam que um novo dia está no horizonte! E quando este novo dia finalmente amanhecer, será por causa de um monte de mulheres magníficas, muitas das quais estão bem aqui nesta sala esta noite, e alguns homens muito fenomenais, lutando duro para ter a certeza de que eles serão os líderes que nos levarão ao tempo em que ninguém mais terá que dizer ‘eu também’ de novo. Obrigada”.

Murder on the Orient Express (2017) Kenneth Branagh

DIÁRIO DE FILMES 2018: 2 – ASSASSINATO NO EXPRESSO DO ORIENTE
Estrelas-03 e meia juntas-site

Das dezenas de romances de mistério que Agatha Christie escreveu, Assassinato no Expresso do Oriente é um dos mais populares, e com seu personagem mais popular, Hercule Poirot, detetive que rivaliza com Sherlock Holmes, se não no tamanho da fama além da literatura, certamente em capacidade dedutiva e excentricidades. Mas Kenneth Branagh estava disposto a não retratar este apenas como apenas mais um caso para Poirot. Ao contrário da (ótima) versão de 1974 de Sidney Lumet, o detetive é abalado em suas certezas pela trama que vai descobrindo a partir do assassinato de um sujeito condenável a bordo do Expresso do Oriente, que acaba preso no meio de seu trajeto por uma avalanche. Não por acaso, começa como em um filme de James Bond, com Poirot desvendando um caso em jerusalém que não tem nada a ver com a história central, a não ser por mostrar a absoluta confiança que o detetive tem em si mesmo.

Assassinato no Expresso do Oriente. Murder on the Orient Express. EUA/ Malta, 2017. Direção: Kenneth Branagh. Elenco: Kenneth Branagh, Michelle Pfeiffer, Judi Dench, Daisy Ridley, Penépole Cruz, Willem Dafoe, Johnny Depp, Derek Jacobi. No cinema, 3/1

Roda Gigante

DIÁRIO DE FILMES 2018: 1 – RODA GIGANTE
Sem borda - 04 estrelas

Woody Allen situa seu filme nos anos 1950, em uma decadente, mas ainda barulhenta Coney Island, com seus parques de diversões, neons e praias. Aí, trama um entrelaçado de tragédias humanas centrado principalmente na infeliz Ginny (Kate Winslet). Seu caso com o salva-vidas vivido por Justin Timberlake e a vaga esperança de escapar de sua vida miserável junto ao marido bruto que ela não ama e o parque de diversões que ela odeia passam a ser ameaçada pela aparição da filha do marido, fugindo do marido gangster e que também se interessa pelo salva-vidas. A luz incrível de Vittorio Storaro faz deste um dos filmes visualmente mais bonitos de Allen. O diretor reduz os planos-sequência, usando mais os planos e contraplanos, deixando os planos mais longos para monólogos de Winslet e uma grande de desestabilização da família. A inspiração teatral está sempre presente, assim como o ar de tragédia.

Roda Gigante. Wonder Wheel. EUA, 2017. Direção: Woody Allen. Elenco: Kate Winslet, Justin Timberlake, Jim Belushi, Juno Temple. No cinema, 3/1

Film Box Office

Flash (Ezra Miller), Batman (Ben Affleck) e Mulher-Matavilha (Gal Gadot): mudança de rota

LIGA DA JUSTIÇA
Sem borda - 2,5 estrelas

Sofrendo com o ‘Efeito Martha’

por Renato Félix

A primeiríssima cena de Liga da Justiça (2017) é muito importante para entender os rumos que o filme toma, em relação ao que vinha sendo feito com esse universo DC compartilhado no cinema. Ela mostra o Super-Homem (Henry Cavill) respondendo, após um salvamento, perguntas de algumas crianças para uma filmagem em celular. Embora meio constrangido, ele atende às crianças com atenção e paciência antes de sair voando.

Trata-se de um novo personagem na franquia, alguém que não foi apareceu em O Homem de Aço (2013) e nem em Batman vs. Superman – A Origem da Justiça (2016) – mesmo que nesses filmes houvesse um que tenha tido o mesmo nome e tenha sido interpretado pelo mesmo ator deste. É uma caracterização completamente diferente.

Para quem defendia a versão dos primeiros filmes dizendo que era uma “atualização” do personagem, que era um “Super-Homem para os novos tempos”, que aquele Super-Homem “não tinha mais lugar nos tempos de hoje”, talvez tenha sido uma grande surpresa essa virada.

Terá sido a influência de Joss Whedon, que assumiu o filme na reta final? Ou Zack Snyder aprendeu com as críticas e abandonou o argumento do “Super-Homem nunca visto antes” que usava em O Homem de Aço, voltando finalmente ao personagem nos velhos moldes?

O fato é que Liga da Justiça parece uma continuação que não assistiu aos filmes anteriores da franquia. E isso, que normalmente seria um ponto negativo, não é: é positivo. A única saída para se safar do que foi plantado em O Homem de Aço só poderia ser essa: esquecer o tanto quanto possível os filmes anteriores assinados pelo próprio Snyder (Whedon, que escreveu e dirigiu os dois Vingadores, não assina aqui como diretor, apenas como co-roteirista).

Já era conhecida a orientação de se levar aos cinemas um filme mais relaxado e divertido, e isso fica evidente desde a primeira cena. Mas não são raras as vezes em que fica evidente demais, como no fato de qualquer diálogo do Flash (Ezra Miller) ter a obrigação de tentar fazer graça. Muitas piadas simplesmente não dão certo, mas algumas, vale ressaltar, até que funcionam bem – como a que envolve o Aquaman (Jason Momoa) e o laço mágico da Mulher-Maravilha e o Flash partindo para cima do Super-Homem.

Já é um avanço. Mas, no geral, o filme simplesmente carece de brilho. Quando é observado à luz do universo compartilhado da DC no cinema, ele reflete a arquitetura apressada e desajeitada dessa construção. Mulher-Maravilha (2017), por exemplo, é o filme imediatamente anterior, lançado também este ano, mas se passa 100 anos antes deste – e, ainda assim, Diana (Gal Gadot) fala sem parar no amor perdido na I Guerra. Mesmo que uma amazona imortal tenha uma percepção de tempo diferente da nossa, não convence.

E por que o Batman (Ben Affleck) iria convocar alguém vestido não como o Homem-Morcego, mas como Bruce Wayne, sem qualquer zelo por sua identidade secreta? A explicação só pode ser essa: acharam ótima a ideia de Affleck jogar um batarangue e Barry Allen, o Flash em sua identidade secreta, pegá-lo no ar com sua supervelocidade e deduzir: “Você é o Batman!”. Mas, para chegar a esse momento, a construção de cenas e diálogos é péssima.

Infelizmente, Liga da Justiça é cheia de momentos assim. Momentos que podemos chamar de Efeito Martha (quem assistiu Batman vs. Superman vai entender): pensar em uma cena de efeito e simplesmente não construir minimamente bem o alicerce dramático para chegar lá.

O vilão é outro ponto fragilíssimo do filme. A reunião dos principais super-heróis do mundo merecia alguém com mais peso e carisma que um inimigo da terceira divisão da DC Comics, sem qualquer carisma e cujas motivações são tão rasas. Se tivesse pelo menos dois elementos do tripe importância-carisma-motivação, escaparia. Mas o Lobo da Estepe passou longe de qualquer um deles.

O CGI também não ajuda nada, competindo com o não bigode de Henry Cavill (a ausência mais presente do filme) pelo título de visual incômodo do filme.

Os heróis chegam a funcionar a contento juntos e – quem diria? –  o filme melhora quando o Super-Homem entra em cena (mesmo que a justificativa para sua volta seja mais um dos elementos forçados do roteiro). Como se simbolicamente renegasse o estabelecido nos filmes anteriores de Snyder, Danny Elfman (autor das trilhas dos Batman de Tim Burton e dos Homem-Aranha de Sam Raimi) entra no lugar de Hans Zimmer e traz momentos… da trilha clássica de John Williams para Superman – O Filme (1978)!

Liga da Justiça. Justice League. EUA, 2017. Direção: Zack Snyder. Elenco: Ben Affleck, Gal Gadot, Ezra Miller, Jason Momoa, Ray Fisher, Henry Cavill, Amy Adams, J.K. Simmons, Jeremy Irons, Jesse Eisenberg, Robin Wright, Connie Nielsen, Amber Heard, Diane Lane, Billy Crudup. Em cartaz.

Uma garota tímida de Ohio descobre o cinema de Fellini e vai á Itália para tentar conhecê-lo. É o tema de Em Busca de Fellini, filme que estreia dia 7 no Brasil. Esta cena mostra esse momento de descoberta, em que Lucy assiste a A Estrada da Vida, do mais sonhador dos cineastas:

A Melhor Escolha é o novo filme de Richard Linklater, diretor-roteirista da trilogia Antes do Amanhecer, de Escola de Rock e de Boyhood. O elenco é muito interessante: Steve Carrell, Bryan Cranston e Laurence Fishburne, três homens que serviram juntos no Vietnã e se encontram para enterrar o filho de um deles, soldado morto no Oriente Médio. Estreia no Brasil: 25 de janeiro.

O novo filme de Woody Allen, Roda-Gigante, é um drama com elementos de filme noir que se passa em Coney Island, nos anos 1950. Kate Winslet é a esposa do operador de carrossel vivido por Jim Belushi. Ela se apaixona pelo salva-vidas da praia, papel de Justin Timberlake. E aparece na vida de todos a filha de seu marido, vivida por Juno Temple, perseguida por gangsters. É a primeira vez que Kate é dirigida por Woody e a segunda colaboração do diretor com o diretor de fotografia Vittorio Storaro. Estreia no Brasil: 28 de dezembro.

Falta um mês para a segunda temporada de The Crown ser disponibilizada para Netflix. O trailer mostra os anos 1950 e os conflitos constantes de Elizabeth II e o marido, e as questão de anacronia da monarquia britânica. Estreia: 8 de dezembro.

 

Estreias 10.26

Atenção para as estreias do cinema no circuito paraibano nesta quinta, 26 de outubro. É uma semana movimentada, com nove estreias e uma reestreia.

O blockbuster da semana é o elogiado Thor – Ragnarok, o terceiro solo do deus do trovão. Cris Hemsworth tem a companhia de Mark Ruffalo como Hulk, Tom Hiddleston como Loki e de Cate Blanchett, a grande vilã. Estreia quinta em JP (Cinépolis Manaíra, Centerplex MAG, Cinesercla Tambiá, Cinépolis Mangabeira), CG (Cinesercla Partage) e Patos (Cine Guedes).

Premiado em Berlim, Uma Mulher Fantástica lidera as estreias do Cine Banguê, em João Pessoa, sábado. Também chegam por lá o elogiado As Duas Irenes, a partir de segunda, e o documentário Gaga – O Amor pela Dança, a partir de domingo. E, a partir de domingo, a reestreia de Como Nossos Pais, da Laís Bodanzky, que já esteve em cartaz, mas por pouco tempo.

Em tempo: neste sábado, a partir das 15h, o Banguê exibe uma mostra comemorando o Dia da Animação. Em tempo 2: a reestreia do antológico  Cidade dos Sonhos no Banguê já tem data: é no dia 2.

O Centerplex MAG exibe sozinho três estreias: Manifestotour de force experimental em que Cate Blanchett interpreta 13 personagens (e ela, lembrando, ainda está também em Thor – Ragnarok); O Formidável, sobre Jean-Luc Godard e do diretor de O Artista, Michel Hazanavicius (que passa apenas sábado e domingo); e A Menina Indigo, do diretor de Nosso Lar.

O criticado Pelé – O Nascimento de uma Lenda, produção americana sobre a juventude do rei do futebol, entra só no Cinépolis Manaíra. E ainda tem a animação europeia Missão Cegonha, em JP (Cinépolis Manaíra, Cinesercla Tambiá e Cinépolis Mangabeira).

 


TRAILERS:

  • Thor – Ragnarok:

  • Uma Mulher Fantástica:

  • As Duas Irenes:

  • Manifesto:

  • O Formidável:

  • Gaga – O Amor pela Dança:

  • A Menina Indigo:

  • Pelé – O Nascimento de uma Lenda:

  • Missão Cegonha:

  • Como Nossos Pais:

Daniel Day-Lewis + Paul Thomas Anderson: é só o que você precisa saber. Aparentemente não há data de estreia no Brasil ainda (nem título em português). Nos EUA, chega aos cinemas no Natal.

 

Paolla Oliveira estrela uma comédia romântica portuguesa: Alguém como Eu. No filme, ela é uma brasileira (carioca, faz questão de salientar o trailer) que vai passar uma temporada em Portugal, se apaixona, mas deseja que o namorado (Ricardo Pereira) a entenda melhor. Aí, ele começa a se comportar como uma mulher e ela passa a enxergá-lo assim literalmente (na pele de Sara Prata, atriz de novelas da TV portuguesa). A direção é de Leonel Vieira, que comandou algumas comédias populares por lá (como O Pátio das Cantigas, 2015). Aparentemente ainda não foi divulgada data de estreia do lado de cá do Atlântico, mas vai acontecer: a co-produção é da brasileira Gullane.

01-cyd-charisse

1 – CYD CHARISSE, por Cantando na Chuva

Posteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1953, por A Roda da Fortuna; 6ª em 1954, por A Lenda dos Beijos Perdidos; 5ª em 1955, por Dançando nas Nuvens; 20ª em 1956, por Viva Las Vegas; 1ª em 1957, por Meias de Seda; 5ª em 1958, por A Bela do Bas-Fond.

Cyd Charisse não diz uma palavra em Cantando na Chuva. Vinha de papéis pequenos e muitas vezes com aparições apenas como dançarina anônima. Aqui, é o sonho de Gene Kelly na fantasia “Broadway melody ballet”, praticamente um curta-metragem dentro do filme, todo contado em canto e dança. Cyd é a mulher fatal de pernas descomunais que desperta a paixão do dançarino iniciante e que vai rencontrá-lo quando ele for famoso. Apesar de Debbie Reynolds e Jean Hagen, o impacto de Cyd na tela é difícil de esquecer ou superar. Não à toa, virou estrela da Metro a partir daqui, passando a estrelar alguns grandes musicais. O top 5 tem outras musas no começo do estrelato: Grace Kelly, a esposa (que não aceita violência) do xerife em Matar ou Morrere Marilyn Monroe em cinco (!) filmes, incluindo a secretária já com seu tipo de inocente sedutora em A Invenção da Mocidade. E, mais abaixo, Brigitte Bardot e Liz Taylor. Única aparição: Jean Hagen, Zsa Zsa Gabor, Debbie Reynolds, Claire Bloom. Brasileiras na lista: nenhuma.

02-grace-kelly

2 – GRACE KELLY, por Matar ou Morrer

Posteriormente em Musas retroativas: 8ª em 1953, por Mogambo; 1ª em 1954, por Janela Indiscreta, por Disque M para Matar, por Amar É Sofrer e por Tentação Verde; 2ª em 1955, por Ladrão de Casaca; 2ª em 1956, por Alta Sociedade e por O Cisne.

assim-estava-escrito-17

3 – LANA TURNER, por Assim Estava Escrito

Posteriormente em Musas retroativas: 14ª em 1954, por Atraiçoado; 8ª em 1955, por O Filho Pródigo e por Mares Violentos; 18ª em 1957, por A Caldeira do Diabo; 15ª em 1959, por Imitação da Vida.

04-marilyn-monroe-a 04-marilyn-monroe-b EXTRAIT DU FILM "LE DEMON S'EVEILLE LA NUIT" 04-marilyn-monroe-d 04-marilyn-monroe-e

4 – MARILYN MONROE, por O Inventor da Mocidade, por Almas Desesperadas, por Só a Mulher Peca, por Travessuras de Casados e por Páginas da Vida

Posteriormente em Musas retroativas: 3ª em 1953, por Os Homens Preferem as Louras, por Torrentes de Paixão e por Como Agarrar um Milionário; 3ª em 1954, por O Mundo da Fantasia e por O Rio das Almas Perdidas; 1ª em 1955, por O Pecado Mora ao Lado; 4ª em 1956, por Nunca Fui Santa; 3ª em 1957, por O Príncipe e a Corista; 2ª em 1959, por Quanto Mais Quente Melhor; 11ª em 1960, por Adorável Pecadora; 2ª em 1961, por Os Desajustados; 1ª em 1962, por Something’s Got to Give.

05-maureen-ohara

5 – MAUREEN O’HARA, por Depois do Vendaval

Posteriormente em Musas retroativas: 16ª em 1955, por A Paixão de uma Vida.

Gina Lollobrigida in Christian-Jaque'sÊFANFAN LA TULIPEÊ(1952).

6 – GINA LOLLOBRIGIDA, por Fanfan la Tulipe

Posteriormente em Musas retroativas: 8ª em 1953, por Pão, Amor e Fantasia e por O Diabo Riu por Último; 8ª em 1959, por Salomão e a Rainha de Sabá; 9ª em 1961, por Quando Setembro Vier; 14ª em 1971, por A Quadrilha da Fronteira.

Ava Gardner

7 – AVA GARDNER, por As Neves do Kilimanjaro

Posteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1953, por Mogambo; 10ª em 1954, por A Condessa Descalça; 16ª em 1957, por E Agora Brilha o Sol; 11ª em 1958, por A Maja Desnuda.

Eleanor Parker

8 – ELEANOR PARKER, por Scaramouche

Posteriormente em Musas retroativas: 20ª em 1954, por A Selva Nua e por O Vale dos Reis; 15ª em 1956, por O Homem do Braço de Ouro.

Jean Hagen

9 – JEAN HAGEN, por Cantando na Chuva

Zsa Zsa Gabor

10 – ZSA ZSA GABOR, por Moulin Rouge

Ingrid Bergman

11 – INGRID BERGMAN, por Europa 51

Posteriormente em Musas retroativas: 7ª em 1954, por Romance na Itália; 10ª em 1956, por Anastácia, a Princesa Esquecida; 17ª em 1958, por Indiscreta e por A Morada da Sexta Felicidade; 15ª em 1969, por Flor de Cacto.

Debbie Reynolds

12 – DEBBIE REYNOLDS, por Cantando na Chuva

Rita Hayworth

13 – RITA HAYWORTH, por Uma Viúva em Trinidad

Posteriormente em Musas retroativas: 10ª em 1953, por Salomé e por A Mulher de Satã.

Jean Peters

14 – JEAN PETERS, por Viva Zapata

Posteriormente em Musas retroativas: 14ª em 1953, por Anjo do Mal.

Brigitte Bardot In 'Girl In The Bikini'

15 – BRIGITTE BARDOT, por Manina

Posteriormente em Musas retroativas: 1ª em 1956, por E Deus Criou a Mulher; 3ª em 1958, por Amar É Minha Profissão e por Vingança de Mulher; 5ª em 1960, por A Verdade; 2ª em 1963, por O Desprezo; 6ª em 1965, por Viva Maria!; 11ª em 1968, por Shalako.

Gloria Grahame Gloria Grahame - O Maior Espetáculo da Terra

16 – GLORIA GRAHAME, por Assim Estava Escrito e por O Maior Espetáculo da Terra

Posteriormente em Musas retroativas: 15ª em 1953, por Os Corruptos.

Janet Leigh

17 – JANET LEIGH, por Scaramouche

Posteriormente em Musas retroativas: 11ª em 1953, por O Preço de um Homem, por Que Delícia o Amor e por Houdini, o Homem Miraculoso; 6ª em 1958, por A Marca da Maldade; 11ª em 1960, por Psicose.

Elizabeth Taylor

18 – ELIZABETH TAYLOR, por Ivanhoé, o Vingador do Rei

Posteriormente em Musas retroativas: 4ª em 1954, por No Caminho dos Elefantes e por A Última Vez que Vi Paris; 3ª em 1956, por Assim Caminha a Humanidade; 1ª em 1958, por Gata em Teto de Zinco Quente; 1ª em 1959, por De Repente, no Último Verão; 2ª em 1960, por Disque Butterfield 8; 3ª em 1963, por Cleópatra; 15ª em 1965, por Adeus às Ilusões; 18ª em 1970, por Jogo de Paixões.

Marlene Dietrich

19 – MARLENE DIETRICH, por O Diabo Feito Mulher

Posteriormente em Musas retroativas: 17ª em 1957, por Testemunha de Acusação.

Claire Bloom

20 – CLAIRE BLOOM, por Luzes da Ribalta


LEIA MAIS:

Musas de 1951 <<
>> Musas de 1953

Lista elaborada a partir dos filmes exibidos comercialmente nos cinemas de JP em 2016.

Esquadrao Suicida - 12

_L3A3072.dng

Margot Robbie - A Grande Aposta 2

1 – MARGOT ROBBIE, por Esquadrão Suicida, por A Lenda de Tarzan e por A Grande Aposta

Anteriormente em Musas/ cinema em JP6ª em 2014, por O Lobo de Wall Street; 8ª em 2015, por Golpe Duplo.

Sempre há a possibilidade de se sobreviver a um filme muito ruim. Às vezes um filme ruim pode até ressaltar, por comparação com o entorno, alguma particularidade interessante que tenha. Isso aconteceu com Margot Robbie, que chegou ao topo das musas de 2016 a bordo do intragável Esquadrão Suicida – e com a ajuda de outros dois filmes, ok, mas seu destaque foi mesmo a Arlequina, delícia de vilã que tinha mais personalidade que todos os seus colegas somados e multiplicados por si mesmos. No segundo lugar, um nome novo: Haley Bennet, de quem lembrávamos como a cantorinha pop-rebolativa de Letra & Música. Ela tem um papel bem sexy em A Garota no Trem e outro mais recatado, bem diferente, em Sete Homens e um Destino. O pódio fecha com a gigante Cate Blanchett. Scarlett Johansson empata o recorde de Jennifer Lawrence com cinco aparições consecutivas na lista (e esta é sua nona aparição no total de 12 listas). Primeira aparição: Haley Bennet; Anya Taylor-Joy; Alison Sudol; Morena Baccarin; Madalina Diana Ghenea; Alessandra Negrini; Isabelle Huppert; Sônia Braga; Zoe Saldana; Katherine Waterston; Gal Gadot. Brasileiras na lista: Alessandra Negrini, Sônia Braga.

Girl on a Train, The Sete Homens e um Destino - 2016 - 12

2 – HALEY BENNETT, por A Garota no Trem e por Sete Homens e um Destino

Carol - 02

3 – CATE BLANCHETT, por Carol

Anteriormente em Musas/ cinema em JP6ª em 2007, por Notas sobre um Escândalo.

Juventude - 2015 - 13

4 – RACHEL WEISZ, por A Juventude

Anteriormente em Musas/ cinema em JP: 3ª em 2005, por O Jardineiro Fiel; 18ª em 2006, por Fonte da Vida; 2ª em 2008, por Um Beijo Roubado e por Três Vezes Amor; 18ª em 2012, por 360 e por O Legado Bourne.

Bruxa - 02

5 – ANYA TAYLOR-JOY, por A Bruxa

Animais Fantasticos e Onde Habitam - 11

6 – ALISON SUDOL, por Animais Fantásticos e Onde Habitam

null

7 – SCARLETT JOHANSSON, por Capitão América – Guerra Civil

Anteriormente em Musas/ cinema em JP: 1ª em 2006, por Ponto Final – Match Point, por O Grande Truque e por Dália Negra; 2ª em 2007, por Scoop – O Grande Furo; 7ª em 2008, por Vicky Cristina Barcelona; 8ª em 2010, por Homem de Ferro 2; 1ª em 2012, por Os Vingadores – The Avengers; 12ª em 2013, por Hitchcock e por Como Não Perder Essa Mulher; 7ª em 2014, por Capitão América 2 – O Soldado Invernal e por Lucy; 15ª em 2015, por Vingadores – Era de Ultron.

Chegada - 08

8 – AMY ADAMS, por A Chegada

Anteriormente em Musas retroativas/ cinema em JP: 10ª em 2009, por Uma Noite no Museu 2 e por Dúvida; 17ª em 2011, por O Vencedor e por Os Muppets; 5ª em 2013, por O Homem de Aço e por O Mestre; 2ª em 2014, por Trapaça; 13ª em 2015, por Grandes Olhos.

Cacador e a Rainha de Gelo - 01

9 – CHARLIZE THERON, por O Caçador e a Rainha de Gelo

Anteriormente em Musas/ cinema em JP12ª em 2010, por A Estrada; 17ª em 2012, por Jovens Adultos, por Branca de Neve e o Caçador e por Prometheus; 9ª em 2015, por Mad Max – Estrada da Fúria.

Deadpool - 05

10 – MORENA BACCARIN, por Deadpool

Juventude - 2015 - 18

11 – MADALINA DIANA GHENEA, por A Juventude

Abismo Prateado - 01

12 – ALESSANDRA NEGRINI, por O Abismo Prateado

Elle - 05

13 – ISABELLE HUPPERT, por Elle

Cacador e a Rainha de Gelo - 03

14 – JESSICA CHASTAIN, por O Caçador e a Rainha do Gelo

Anteriormente em Musas/ Cinema em JP: 14ª em 2011, por A Árvore da Vida; 7ª em 2012, por Os Infratores e por Histórias Cruzadas; 16ª em 2014, por Interestelar.

wasp2015_day_09-0159.CR2

15 – KRISTEN STEWART, por Café Society

Anteriormente em Musas/ Cinema em JP: 10ª em 2012, por Na Estrada, por Branca de Neve e o Caçador e por Amanhecer – Parte 2.

Aquarius - 01

16 – SONIA BRAGA, por Aquarius

MISS PEREGRINE'S HOME FOR PECULIAR CHILDREN

17 – EVA GREEN, por O Lar das Crianças Peculiares

Anteriormente em Musas/ cinema em JP: 8ª em 2006, por 007 – Cassino Royale; 10ª em 2014, por Sin City – A Dama Fatal e por 300 – A Ascensão do Império.

STAR TREK BEYOND

18 – ZOE SALDANA, por Star Trek – Sem Fronteiras

Animais Fantasticos e Onde Habitam - 13

19 – KATHERINE WATERSTON, por Animais Fantásticos e Onde Habitam

Batman vs Superman - 09

20 – GAL GADOT, por Batman Vs. Superman – A Origem da Justiça

 


LEIA MAIS:

<< Cinema em JP/ Musas de 2015

 


MAIS RETROSPECTIVA 2016:

No do Diabo - 02a

Assombrados pela História: Alexandre Souza e Clébia Souza em “O Nó do Diabo”

O NÓ DO DIABO

Horrores do Brasil real

Fazer um filme de horror é um projeto sempre arriscado: a possibilidade de se cair no ridículo é grande. Por esse teste, o longa paraibano O Nó do Diabo passa bem: é um filme competente em seu passeio por diversos estilos do gênero, sem medo do mergulho. E em um festival onde Daniella Thomas recebeu muitas críticas por sua narrativa da escravatura em Vazante, o longa paraibano também passou no teste: sua abordagem onde os negros são os protagonistas em cinco contos que voltam no tempo do século XXI ao XIX, agradou também pelo viés adotado.

O filme é a transposição para o cinema de uma série criada por Ramon Porto Mota para a TV Brasil e que permanece inédita. Os cinco episódios são enfileirados contando diferentes histórias interligadas por se passarem sempre no mesmo local, uma fazenda, e por um mesmo ator, Fernando Teixeira. Ele interpreta sempre o dono da propriedade, nas diferentes épocas (um simbolismo de que essa elite é, no fundo, sempre a mesma através dos anos).

As histórias combinam com bastante eficiência questões de racismo e opressões de classe, terrores bem reais da realidade brasileira, com o terror sobrenatural consagrado no cinema. Na primeira (dirigida por Mota; escrita por ele, Jhésus Tribuzi e Gabriel Martins), Tavinho Teixeira é um capataz que precisa defender uma fazenda vazia de posseiros. Mas a atmosfera da casa o vai enlouquecendo.

Na segunda (de Martins; escrita por ele, Mota e Anacã Agra), em 1987, um casal negro (Clébia Souza e Alexandre Sena) consegue emprego na fazenda decadente, mas também é afetado pela atmosfera sombria do lugar e da família da casa. A terceira (que tem Ian Abé como diretor e ele, Tribuzi, Martins e Mota como roteiristas), em 1921, mostra duas irmãs negras (Miuly Felipe da Silva e Yurie Felipe da Silva) ainda tratadas como escravas – uma deseja se rebelar, a outra tem medo, mas demonstra poderes paranormais.

O quarto episódio (de Jhésus Tribuzi; roteiro dele, Agra e Martins) acompanha um escravo (Edilson Silva) que, em 1871, foge após vingar a morte da esposa. Perseguido, ele tenta escapar pelas pedras, mas é atormentado por lembranças e demônios interiores. O episódio final volta a ser dirigido por Mota, com roteiro dele, Agra e Tribuzi, tem participação de Zezé Motta e se passa em 1818. Aqui a fazenda é o refúgio de escravos fugidos que tentam se proteger dos perseguidores: capangas do dono da fazenda, retratados quase como uma horda de zumbis. O confronto revela também a origem da maldição de assola a casa, intimamente relacionada à opressão vivida pelos negros nesse período e nas décadas que se se seguem.

Os três primeiros episódios mantêm uma pegada parecida e mais direta no gênero do terror. No quarto, o ritmo cai. O episódio de Tribuzi não é ruim por si só, mas é prejudicado por sua posição na história. Usando da repetição de diálogos e cenas, se torna cansativo após já mais de uma hora de projeção. Ainda tem um “falso final”: quando o público imagina que já está no quinto episódio, descobre que ainda não saiu da quarta parte.

Isso acaba dificultando também a recuperação no quinto episódio. O criador da série contou que não houve edições nos episódios: eles foram colados um no outro da maneira como editados originalmente, sendo trabalhadas apenas as transições entre eles. No fim, o filme acaba se revelando longo e uma edição para reduzir a duração dos episódios não fosse uma má ideia.

Mas o que se sobressai, ainda, é a ousadia da proposta, o ótimo trabalho do elenco, o desenho de som inteligente e o comentário incisivo sobre os horrores nossos que continuam por aí.

O Nó do Diabo. Brasil, 2017. Direção: Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi. Roteiro: Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé, Jhésus Tribuzi e Anacã Agra. Elenco: Fernando Teixeira, Tavinho Teixeira, Zezé Motta, Isabél Zuaa, Clebia Souza, Alexandre Sena, Cíntia Lima, Edilson Silva, Yurie Felipe da Silva, Miuly Felipe da Silva, Everaldo Pontes, Escurinho, Soia Lira. Exibido no Festival de Brasília 2017, ainda inédito nos cinemas.

Estrelas Alem do Tempo - 06

Um ambiente veladamente (mas não muito) hostil: Taraji P. Henson em “Estrelas Além do Tempo”

ESTRELAS ALÉM DO TEMPO
Sem borda - 04 estrelas

A inteligência não tem cor 

É de se pensar que a Nasa, a agência espacial americana, é e sempre foi um lugar à frente de seu tempo. Onde o futuro chega primeiro. Mas Estrelas Além do Tempo (2016), indicado ao Oscar de melhor filme, mostra que, nos anos 1950 e 1960, em certos aspectos, a agência espacial americana era um ambiente tão retrógrado quanto os piores locais dos Estados Unidos na época. O filme é centrado em matemáticas negras que trabalham na agência: em um prédio separado, usando banheiros e bebedores separados dos brancos.

Taraji P. Henson, Janelle Monäe e Octavia Spencer interpretam as três personagens reais em que o filme se concentra: respectivamente Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson, que são algumas histórias contadas no livro-reportagem homônimo de Margot Lee Shetterly.

São as “hidden figures” do título original, bem melhor que o brasileiro. Johnson é requisitada para ajudar nos cálculos para levar um americano ao espaço pela primeira vez (e trazê-lo de lá em segurança). De repente, é a única pessoa negra em um ambiente veladamente (mas nem tanto) hostil. Vaughan luta para ter a chance de estudar para se tornar engenheira, embora as leis do estado não permitam que ela almeje ir tão longe. E Jackson, chefe da sessão, lida com a ameaça de demissão de todas as matemáticas pela informática, que já está batendo na porta.

Há filmes que se destacam por seus voos narrativos. Não é caso aqui. O diretor Theodore Melfi prefere não ousar, e dar todo o destaque à história que conta, importante e interessante. O filme segue de maneira bastante tradicional, deixando para o elenco e as personagens que interpretam a responsabilidade de elevar o filme. Também seus coadjuvantes dão conta (entre eles, Maheshala Ali. Que ano desse ator! Fez também Moonlight, pelo qual ganhou o Oscar, e ainda foi o vilão da série Luke Cage).

Mas o destaque mesmo é o trio central, que leva a trama com brilho. Se ainda é necessário mostrar, está aí mais uma prova de que a inteligência e o talento não têm cor ou sexo.

Estrelas Além do Tempo. Hidden Figures. EUA, 2016. Direção: Theodore Melfi. Elenco: Taraji P. Henson, Octavia Spencer, Janelle Monáe, Kevin Costner, Kirsten Dunst, Jim Parsons, Mahershala Ali.

Pola Negri

1 de agosto, há 30 anos: Morre, em 1987, aos 90 anos, a atriz russa Pola Negri. Nascida em uma região que hoje pertence à Polônia, ela foi uma sedutora estrela do cinema mudo. Começou a carreira no balé, mas, por causa de uma doença, entrou na escola de artes dramáticas de Varsóvia. Virou estrela dos palcos, mas, com a I Guerra, passou para o cinema. Já em Berlim, trabalhou com o diretor Ernst Lubitsch, em filmes como Madame DuBarry (1919). Em 1922, os dois se transferiram para Hollywood. Sua carreira em filmes como Paraíso Proibido (1924) e Hotel Imperial (1927) competiu com sua vida pessoal, ao namorar Charles Chaplin e Rodolfo Valentino. A carreira decaiu à medida em que a rigidez conservadora começou a imperar no cinema americano e a chegada do som evidenciou seu sotaque polonês. Seu último filme é de 1964.

Sigam-me os bons (no Twitter)

abril 2018
D S T Q Q S S
« mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Cenas da Vida

Páginas

Estatísticas

  • 1,284,262 hits
Anúncios