You are currently browsing the tag archive for the ‘Alfred HItchcock’ tag.

Quem me conhece sabe que acho chuva um saco. Mas, em um fenômeno possivelmente interessante (mas provavelmente não), eu gosto de muitas cenas de filmes onde a chuva é um elemento importante – seja como composição do cenário, seja como simbolismo. Isso nos leva a mais um top 10.

Novica Rebelde - 1410 – A NOVIÇA REBELDE (1965)

“You are sixteen going on seventeen” canta o carteiro Rowlf para Liesl, sua namoradinha que deu aquela escapada do jantar em família para namorarem em segredo no jardim da casa. No meio do canto e dança, cai aquela chuvarada e eles se refugiam no solário.

Quatro Casamentos e um Funeral - 019 – QUATRO CASAMENTOS E UM FUNERAL (1994)

Um personagem no meio do filme diz que sonha com uma paixão que o atinja como um relâmpago. No fim do filme, passados os quatro casamentos e o funeral, os personagens de Hugh Grant e Andie MacDowell têm o seu clímax: sob a chuva que providencia o simbólico relâmpago.

Naufrago - 018 – NÁUFRAGO (2000)

É debaixo de uma chuva torrencial que o personagem de Tom Hanks reencontra a esposa (bem, ex-esposa) vivida por Helen Hunt, anos após viver isolado em uma ilha. É uma cena difícil e dolorosa, com todos os elementos de “o que poderia ter sido e não foi”, conduzida por dois grandes atores.

Homem-Aranha-04

7 – HOMEM-ARANHA (2002)

Um beijo que já está virando um clássico. Depois de salvar Mary Jane (Kirsten Dunst) de bandidos em uma rua escura, o Homem-Aranha (Tobey Maguire) desde sobre ela pendurado de cabeça para baixo na teia. Ela baixa parte da máscara dele e…

Match Point - 03

6 – MATCH POINT (2005)

Woody Allen não é exatamente conhecido por dirigir cenas sensuais. Também por isso, a cena em que Scarlett Johansson e Jonathan Rhys Meyers se rendem ao desejo proibido no campo, sob muita água, se destaca na filmografia do diretor.

Blade Runner-055 – BLADE RUNNER, O CAÇADOR DE ANDRÓIDES (1982)

A chuva é constante na Los Angeles do futuro, cenário de Blade Runner. É também o cenário do clímax do filme, com o monólogo do replicante vivido por Rutger Hauer, no confronto decisivo por o caçador de andróides vivido por Harrison Ford.

Bonequinha de Luxo-15

4 – BONEQUINHA DE LUXO (1961)

Frustrada por seus sonhos de riqueza naufragarem e sem aceitar qualquer vínculo emocional, Holly Golightly (Audrey Hepburn) reage à declaração amorosa de Paul (George Peppard) expulsando seu fiel companheiro Gato de um taxi para um beco, debaixo do maior pé d’água. Logo se arrepende – e a procura pelo gato, sob água e a música de Henry Mancini, é um terno simbolismo do reencontro consigo mesma.

Inimigo Publico-10

3 – INIMIGO PÚBLICO (1931)

A chuva cai forte, mas o personagem de James Cagney não dá a mínima. Na cena, já um poderoso gangster, ele está esperando na rua o momento de entrar sozinho em um restaurante e acertar as contas ele mesmo com uma gangue rival. O tiroteio é acompanhado pelo espectador do lado de fora, ouvindo os tiros e apenas aguardando quem sairá vivo pela porta.

Sete Samurais - 04

2 – OS SETE SAMURAIS (1954)

O confronto final entre a pobre aldeia, liderada pelos sete samurais contratados, contra os bandidos que rotineiramente a atacam, acontece debaixo de um dos maiores pés d’água já vistos no cinema, o que torna tudo ainda mais desafiador, épico e dramático neste clássico de Kurosawa.

Antes do primeiro colocado, algumas menções honrosas: Deus desafiado em Forrest Gump, o Contador de Histórias (1994); visibilidade zero em Psicose (1960); a mensagem fatídica em Casablanca (1942); fuga sob a chuva em Um Sonho de Liberdade (1995); um beijo de Depois do Vendaval (1952); e o sexo na escadaria de 9½ Semanas de Amor (1986).

Cantando na Chuva - 25

1 – CANTANDO NA CHUVA (1952)

Dizem que Gene Kelly estava com 38 graus de febre no dia em que filmou a cena mais icônica de Cantando na Chuva: seu  personagem deixa a namorada em casa, parece que todos os seus problemas estão resolvidos e ele está tão feliz que não se importa com o aguaceiro: fecha o guarda-chuva, canta e sapateia pela rua. Leite foi misturado na água para que os pingos ficassem mais visíveis na filmagem. Kelly improvisou uma parte do número. E tudo foi feito em poucos e longos planos, que mostram a perícia não só de Kelly como da equipe inteira.

James Stewart

2 de julho, há 20 anos: Morre, em 1997, aos 89 anos, o ator americano James Stewart. Um dos grandes nomes do cinema americano, muitas vezes interpretando o perfil perfeito do homem bom e honesto, ele era um preferido de diretores como Frank Capra (que o dirigiu em três filmes, o mais importante sendo A Felicidade Não Se Compra, 1946), Alfred Hitchcock (quatro filmes, entre eles Janela Indiscreta, 1954, e Um Corpo que Cai, 1958) e Anthony Mann (oito filmes, entre eles Winchester 73, de 1950). Fez outros grandes filmes com outros grandes cineastas, como O Homem que Matou o Facínora (1962), com John Ford, e Núpcias de Escândalo (1940), com George Cukor, com o qual ganhou o Oscar.

Coluna Cinemascope (#5). Correio da Paraíba, 19/10/2016.

arizona-nunca-mais

“Arizona Nunca Mais” (1987)

Lista, pra que te quero?

por Renato Félix

O cinema completou 120 anos no fim do ano passado e, por isso, publiquei aqui no CORREIO uma lista que chamo pomposamente de “120 filmes para a humanidade”. É uma lista de longas que tentou resumir essa história. Com sua dose de subjetividade, é claro, mas ainda assim tentando dar espaço aos diretores importantes, movimentos, cinematografias de países-chave, gêneros, etc.

Mas aconteceu o seguinte: como havia um prazo, tive que finalizar a lista sem me dar totalmente por satisfeito com ela. Resolvi que faria em seguida uma revisão para publicar no meu blog. Fiz um listão de uns 300 e tantos filmes e fui cortando. O problema é que cheguei a 126, 127 e não consigo mais cortar para fechar nos 120.

Há muita coisa ótima nesse mundão do cinema. E tentar equilibrar tudo é uma tarefa impossível. Como ter menos que quatro Hitchcocks? Quero colocar um irmãos Coen, mas este seria Arizona Nunca Mais (1987), Fargo (1996) ou O Grande Lebowski (1997)? Vale trocar um Kiarostami por A Separação (2012)? É muito ter três George Stevens, mesmo que um deles, Ritmo Louco (1935), seja mais por causa de Fred Astaire e Ginger Rogers?

Curiosamente, em 2001 fiz uma lista de “100 filmes para a humanidade”, para A União. Não me lembro de, 15 anos mais novo, ter muita dificuldade de fechar aqueles 100. Também é verdade que voltei a essa lista recentemente e muitas vezes pensei: “No que diabos eu estava pensando? Como este filme entrou e aqueles não?”.

Listas nunca serão definitivas – nem mesmo as que a gente mesmo faz. A serventia delas é mesmo levantar as discussões e, através delas, das nossas concordâncias e discordâncias, refletirmos mais sobre o cinema (ou o que quer que seja o tema da lista em questão).

Se eu conseguir fechar os 120, aviso.

FOTO: Arizona Nunca Mais (1987)

<< Anterior: Uma franquia para chamar de sua
>> Próxima: Passaram longe

O designer gráfico americano Saul Bass teve papel de destaque na revolução dos créditos de abertura nos anos 1950. Ainda hoje as sequências que criou para grandes cineastas estão entre as melhores já vistas, indo de animações bem humoradas a mergulhos abstratos e psicológicos no clima e tema do filme que viria a seguir.

É neste segundo caso que entra Um Corpo que Cai (1958), o primeiro (aqui, junto com o animador John Whitney) dos memoráveis créditos que fez para Hitchcock. Bass usa os motivos espirais para antecipar a vertigem emocional e psicológica do filme.

Anterior: A Pantera Cor-de-Rosa (1963)

Programme Name: The Girl - TX: n/a - Episode: n/a (No. n/a) - Embargoed for publication until: n/a - Picture Shows: Alfred Hitchcock (TOBY JONES) and Tippi Hedren (SIENNA MILLER) in this biopic focusing on Hitchcock's relationship with Tippi Hedren  - (C) Wall to Wall - Photographer: David Bloomer

Toby Jones e Sienna Miller

Sem borda - 2,5 estrelas A Garota. The Girl. Reino Unido/ África do Sul/ Estados Unidos/ Alemanha, 2012 (TV). Direção: Julian Jarrold. Roteiro: Gwyneth Hughes. Elenco: Sienna Miller, Toby Jones, Imelda Stauton, Conrad Kemp. Escolhida como estrela do próximo filme de Alfred Hitchcock, Os Pássaros, a modelo Tippi Hedren se torna alvo de uma obsessão sexual doentia do diretor. Baseado no relacionamento difícil entre o diretor e a atriz (que estrelou dois filmes de Hitchcock: não só Os Pássaros, de 1963, mas também Marnie – Confissões de uma Ladra, de 1964), o telefilme da HBO é bonito visualmente e não tem medo de macular um ídolo dos diretores, com base no livro Fascinado pela Beleza, de Donald Spoto. Tippi comeu o pão que o diabo amassou nas filmagens de Os Pássaros – notadamente na cena em que sua personagem é atacada numa cena gravada durante dias com pássaros vivos. Mas o filme expõe os dois personagens de maneira unidimensional, com Hitchcock não sendo mais do que um pervertido sinistro (ao contrário de Hitchcock, por exemplo, também de 2012, que constrói uma figura bem mais complexa do diretor, sem deixar de lado seus aspectos sombrios). Esse retrato unidimensional reflete também na interpretação esforçada, mas sem brilho de Toby Jones. Globo de Ouro: 3 indicações: Minissérie ou telefilme, ator em minissérie ou telefilme (Toby Jones), atriz em minissérie ou telefilme (Sienna Miller).

Trailer.

Sigam-me os bons (no Twitter)

  • Caro @cinespaco , a Espaço Filmes está distribuindo o documentário 'Gatos', não está? Logo, ele ainda vai passar em João Pessoa, não vai?Publicado há 1 hour ago
  • O maior mistério acerca de 'Dunkirk' é: por que diabos esse filme, no Brasil, não se chama DUNQUERQUE?Publicado há 1 hour ago
  • Esse imbroglio do carnaval carioca por quem conhece e vai mais fundo no tema. fb.me/5g1EQqTFAPublicado há 3 hours ago
julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Cenas da Vida

Páginas

Estatísticas

  • 1,253,761 hits