You are currently browsing the tag archive for the ‘Cinema europeu’ tag.

A situação melhorou muito no circuito pessoense, com a volta do Cine Banguê, a sessão de cinema de arte do Cinépolis e com o Cinespaço botando em cartaz vários dos filmes do Festival Varilux. Ainda assim, aqui vai nossa lista de 50 filmes que entraram em cartaz no Brasil, mas não entraram em cartaz comercialmente nos cinemas pessoenses.

Ah, eu sei que alguns deles entraram em cartaz nestes meses de janeiro e fevereiro. Mas a lista é referente ao que entrou em cartaz no Brasil em 2016 e não passou no mesmo ano.

quarto-de-jack

1 – O QUARTO DE JACK

Brie Larson ganhou o Oscar, o Globo de Ouro, o Bafta, o SAG e o Independent Spirit de melhor atriz. O garotinho Jacob Tremblay cativou meio mundo. E não foi o suficiente para O Quarto de Jack entrar em cartaz nos cinemas paraibanos. Restou o DVD, a TV paga, o streaming, o download. Estreou no Brasil em 18/2/2016.

ave-cesar-02

2 – AVE, CÉSAR!

O filme dos irmãos Coen, com George Clooney e Scarlett Johnasson, é um retorno dos diretores à comédia, com uma história que se passa na Hollywood dos anos 1950. Estreou no Brasil em 14/2/2016.

anomalisa

3 – ANOMALISA

Animação em stop motion dirigida por Charlie Kaufman, elogiadíssimo, chamado de obra-prima e o escambau. Estreou no Brasil em 28/1/2016.

assassina-2015-01

4 – A ASSASSINA

Filme chinês de Hou Hsiao-Hsien, indicado ao Bafta, se passa na China do século XVIII: Shu Qi é a assassina que deve matar um político. Estreou no Brasil em 5/5/2016.

blow-up-depois-daquele-beijo-17

5 – BLOW-UP – DEPOIS DAQUELE BEIJO

O clássico de Michelangelo Antonioni, com David Hemmings e Vanessa Redgrave,  ícone da swinging London, completou 50 anos em 2016 e voltou aos cinemas. Mas não na Paraíba. Reestreou no Brasil em 8/12/2016.

much-loved-01

6 – MUCH LOVED

Muito comentado filme marroquino de Nabil Ayouch que mostra a vida de prostitutas no país e arrumou problemas com a censura de lá e alguns imbecis. Concorreu à Palma de Ouro em Cannes. Estreou no Brasil em 10/11/2016.

br-716-01

7 – BR 716

O filme de Domingos de Oliveira versa sobre a boemia em uma Copacabana às vésperas do golpe (o de 1964, não o do ano passado). Ganhou o Festival de Gramado e acabou entrando aqui este ano, no Banguê. Estreou no Brasil em 17/11/2016.

sr-sherlock-holmes

8 – SR. SHERLOCK HOLMES

Ian McKellen interpretando o detetive na velhice. Só isso já deveria ser o suficiente para colocarem esse filme em cartaz. Estreou no Brasil em 13/1/2016.

que-viva-einsenstein-01

9 – QUE VIVA EISENSTEIN! – 10 DIAS QUE ABALARAM O MÉXICO

O delirante Peter Greenaway mergulha no período em que o cineasta russo Sergei Eisenstein passou no México. Estreou no Brasil em 1/1/2016.

estranhos-no-paraiso-01

10 – ESTRANHOS NO PARAÍSO

Outro clássico relançado, desta vez do muito pessoal cineasta Jim Jarmusch. Reestreou no Brasil em 3/11/2016.

eu-sou-carlos-imperial

11 – EU SOU CARLOS IMPERIAL

Documentário sobre esta folclórica e polêmica figuraça da nossa música, cinema e TV, dos mesmos diretores de Uma Noite em 67. Estreou no Brasil em 17/3/2016.

lobo-do-deserto

12 – O LOBO DO DESERTO

Este filme da Jordânia foi indicado ao Oscar de filme de língua não inglesa, sobre um garoto que guia um oficial britânico pelo deserto, na I Guerra. Estreou no Brasil em 18/2/2016.

brooklyn

13 – BROOKLIN

Indicado ao Oscar de melhor filme, também teve Saorise Ronan indicada a melhor atriz. Estreou no Brasil em 11/2/2016.

nascimento-de-uma-nacao-2016-01

14 – O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO

Provocativo filme anti-racista de Nate Parker, que se propõe um contraponto ao fundamental (mas racista) clássico de D.W. Griffith, de 1915. Foi um sucesso em Sundance, mas o retorno à baila de um julgamento por estupro (no qual o diretor foi absolvido) em 2001 minaram o filme. Estreou no Brasil em 10/11/2016.

sieranevada-01

15 – SIERANEVADA

Co-produção do Leste Europeu sobre acerto de contas familiar foi selecionado para Cannes. Acabou entrando no Banguê este ano. Estreou no Brasil em 15/12/2016.

capitao-fantastico-01

16 – CAPITÃO FANTÁSTICO

O filme teve a interpretação de Viggo Mortensen indicada ao Globo de Ouro e ao Oscar. Estreou no Brasil em 22/12/2016.

o-que-esta-por-vir-01

17 – O QUE ESTÁ POR VIR

Isabelle Huppert nunca é demais e sempre queremos mais (1). Este acabou entrando no Banguê este ano. Estreou no Brasil em 22/12/2016.

NOCTURNAL ANIMALS

18 – ANIMAIS NOTURNOS

O filme de Tom Ford fez barulho, embora tenha chegado fraco à temporada de prêmios. E tem uma elogiada interpretação de Amy Adams. Acabou entrando em cartaz este ano, no Cinépolis. Estreou no Brasil em 29/12/2016.

conspiracao-e-poder-01

19 – CONSPIRAÇÃO E PODER

Com Cate Blanchett e Robert Redford, uma história real de jornalismo e poder: uma produtora do 60 Minutes desencava uma história polêmica do serviço militar de George W. Bush em campanha pela reeleição e sofrem uma campanha de descrédito. Estreou no Brasil em 24/3/2016.

white-god

20 – WHITE GOD

Filme húngaro vencedor de dois prêmios no Festival de Cannes: garota tem que se desfazer de seu cachorro por ele ser mestiço. Enquanto o bicho tenta sobreviver pelas ruas, ela tenta resgatá-lo. Estreou no Brasil em 25/2/2016.

rock-em-cabul-01

21 – ROCK EM CABUL

Com Bill Murray e Zooey Deschanel e de Barry Levinson, diretor de Rain Man Bom Dia Vietnã, entre outros. Estreou no Brasil em 2/6/2016.

asterix-e-o-dominio-dos-deuses-01

22 – ASTERIX E O DOMÍNIO DOS DEUSES

É a primeira animação digital com o personagem, que é sucesso editorial em vários países e já foi adaptado para o cinema em animação tradicional e com atores. Estreou no Brasil em 7/4/2016.

senhora-da-van-01

23 – A SENHORA DA VAN

Maggie Smith foi indicada ao Globo de Ouro por essa comédia, uma idosa que mora em uma van e faz amizade com um escritor em 1970. Estreou no Brasil em 7/4/2016.

belo-verao-01

24 – UM BELO VERÃO

Cécile de France (de O Garoto de Bicicleta) e Izïa Higelin (de Samba) são duas mulheres que vivem uma história de amor em 1971, contexto da liberação sexual e de mais liberdades para as mulheres. Estreou no Brasil em 7/7/2016.

havana-moon-01

25 – HAVANA MOON – THE ROLLING STONES IN CUBA

O registro do histórico show dos Stones na capital cubana. Estreou no Brasil em 6/10/2016.

jovens-loucos-e-mais-rebeldes-01

26 – JOVENS, LOUCOS E MAIS REBELDES!!

Richard Linklater, de Boyhood, fez uma continuação de seu Jovens, Loucos e Rebeldes (1993), um de seus primeiros filmes. Estreou no Brasil em 20/10/2016.

neruda-01

27 – NERUDA

O diretor de No aqui conta a vida de Neruda como perseguido político. Acabou entrando em cartaz no Banguê. Estreou no Brasil em 15/12/2016.

File picture shows Brazilian citizen Marco Archer Cardoso Moreira sitting in front of his lawyer at Tangerang court, near Jakarta

28 – CURUMIM

Documentário sobre o brasileiro no corredor da morte das Filipinas, condenado por tráfico de drogas. Estreou no Brasil em 3/11/2016.

presidente-01

29 – O PRESIDENTE

Na co-produção entre Alemanha, França, Reino Unido e Geórgia, um presidente deposto por um golpe foge acompanhado do neto de cinco anos. E entra pela primeira vez em contato com seu povo. Estreou no Brasil em 10/3/2016.

elvis-e-nixon-01

30 – ELVIS E NIXON

O inusitado encontro entre o Rei do Rock e o presidente que renunciaria. Michael Shannon é Elvis e Kevin Spacey entra para a galeria de intérpretes de Nixon (que já tinha Anthony Hopkins e Frank Langella). Estreou no Brasil em 16/6/2016.

montanhas-se-separam-01

31 – AS MONTANHAS SE SEPARAM

Uma chinesa entre dois possíveis romances neste filmes do diretor Jia Zhangke, alvo de documentário de Walter Salles. Estreou no Brasil em 23/6/2016.

de-palma-01

32 – DE PALMA

Documentário sobre o grande diretor de Os IntocáveisVestida para Matar O Pagamento Final. Estreou no Brasil em 24/11/2016.

tudo-vai-ficar-bem-01

33 – TUDO VAI FICAR BEM

Filme de Wim Wenders, com Rachel McAdams, James Franco e Charlotte Gainsbourg, sobre o trauma de um escritor para superar uma tragédia. Estreou no Brasil em 10/3/2016.

maravilhoso-boccaccio-01

34 – MARAVILHOSO BOCCACCIO

Os irmãos Taviani levam á tela cinco histórias do Decamerão, de Boccaccio. Estreou no Brasil em 5/5/2016.

demonio-de-neon-01

35 – DEMÔNIO DE NEON

Elle Fanning é uma modelo ingênua no mundo da moda. Estreou no Brasil em 29/9/2016.

fogo-no-mar-01

36 – FOGO NO MAR

Documentário sobre o drama dos refugiados na Europa, a partir de uma ilha na Itália. Levou o Urso de Ouro no Festival de Berlim e foi indicado ao Oscar de documentário. Estreou no Brasil em 28/4/2016.

nosso-fiel-traidor-01

37 – NOSSO FIEL TRAIDOR

Thriller de espionagem, baseado em John LeCarré, com um elencão: Ewan McGregor, Damian Lewis, Naomie Harris, Stellan Skasgard. Estreou no Brasil em 6/10/2016.

homem-so-01

38 – UM HOMEM SÓ

Uma raríssima ficção científica brasileira, em que Vladimir Brichta contrata uma empres apara produzir um clone para levar sua vida medíocre por ele. Com Mariana Ximenes. Estreou no Brasil em 29/9/2016.

amor-por-direito-01

39 – AMOR POR DIREITO

Julianne Moore é uma policial que descobre que está muito doente. Ela quer que a companheira (Ellen Page) receba a pensão da polícia após sua morte. E aí começa a batalha legal contra a discriminação. Steve Carrell também está no elenco dessa adaptação de uma história real acontecida não faz tanto tempo: em 2002. Estreou no Brasil em 21/4/2016.

mundo-cao-01

40 – MUNDO CÃO

De Marcos Jorge, diretor de Estômago, uma trama de vingança que o personagem de Lázaro Ramos trama contra Babu Santana, o funcionário de um centro de zoonoses que pegou o cachorro dele, depois sacrificado. Estreou no Brasil em 17/3/2016.

despedida-01

41 – A DESPEDIDA

Nélson Xavier é o velho doente que se despede dos amigos, incluindo a amante bem mais nova vivida por Juliana Paes, com quem ele vive ainda momentos de amor. Estreou no Brasil em 9/6/2016.

miller-fried-01

42 – MILLER & FRIED – AS ORIGENS DO PAÍS DO FUTEBOL

Um documentário que volta ao berço do nosso futebol: Charles Miller, que trouxe a primeira bola ao Brasil, e Arthur Friedenreich, nosso primeiro grande craque. Estreou no Brasil em 28/7/2016.

luz-entre-oceanos-01

43 – A LUZ ENTRE OCEANOS

O título refere-se ao trabalho do personagem de Michael Fassbender, em um farol na Austrália, justo na divisão dos oceanos Pacífico e Atlântico. Alicia Vikander é sua esposa, que o convence a criarem com deles o bebê que surge em um barco, ao lado de um homem morto. Estreou no Brasil em 3/11/2016.

e-apenas-o-fim-do-mundo-01

44 – É APENAS O FIM DO MUNDO

O drama francês mostra uma reunião de família que sai do controle por causa das muitas mágoas. O elenco tem Nathalie Baye, Léa Seydoux e Vincent Cassel. Estreou no Brasil em 24/11/2016.

null

45 – RAINHA DE KATWE

Produção da Disney dirigida pela indiana Mira Nair sobre uma jovem de Uganda que deseja se tornar uma grande jogadora de xadrez. Estreou no Brasil em 24/11/2016.

46 – A CORTE

Fabrice Luchini é o juiz rígido que fica abalado ao reencontrar um antigo amor no tribunal. Chegou a passar no Festival Varilux, mas não entrou em cartaz. Estreou no Brasil em 11/8/2016.

fique-comigo-01

47 – FIQUE COMIGO

Isabelle Huppert nunca é demais e sempre queremos mais (2). É uma comédia dramática com seis personagens que se cruzam em um edifício. Estreou no Brasil em 3/3/2016.

Lily James;Bella Heathcote

48 – ORGULHO E PRECONCEITO E ZUMBIS

Essa curiosidade une o universo de Jane Austen a um elemento icônico da cultura de terror pop. Estreou no Brasil em 25/2/2016.

mulheres-no-poder-01

49 – MULHERES NO PODER

Dira Paes é uma senadora tentando se dar bem em uma mamata, mas há outras mulheres também querendo levar vantagem. Estreou no Brasil em 12/5/2016.

Life - Um Retrato de James Dean

 

50 – LIFE – UM RETRATO DE JAMES DEAN

 

A amizade entre James Dean e o fotógrafo Dennis Stock, às vésperas de Dean se tornar um grande sucesso. Estreou no Brasil em 21/7/2016.

***

LEIA MAIS:

mia-madre-02

Margherita Buy e John Turturro em “Mia Madre”

2 – MIA MADRE

por Renato Félix

Sem borda - 04 estrelas Logo no começo de Mia Madre, uma cineasta que dirige um filme sobre questões sociais (uma fábrica italiana comprada por um americano e que pode fechar colocando todos os trabalhadores na rua) se questiona a cerca do ângulo de câmera que está sendo usado, que mensagem ele vai passar. É uma personagem muito comprometida com seu trabalho. Mas há uma tormenta chegando para complicar sua vida: a doença da sua mãe e o astro de Hollywood que vai atuar em seu filme.

Nanni Moretti já possui uma bela carreira construída principalmente sobre o trânsito entre comédia e drama. Aqui, ele pende mais para o drama, quando trata dos conflitos pessoais de Margherita (Margherita Buy): a mãe, a filha, um relacionamento recém-terminado.

Mas há momentos cômicos reservados a John Turturro, como o astro vaidoso a ponto de mentir descaradamente sobre sua carreira (se gaba de ter trabalhado com Kubrick) e que faz questão de atuar em italiano sem saber a língua. Mas, inseguro, tem dificuldades em decorar quase todas as suas cenas.

O filme é o retrato da vida confusa de Margherita, tendo que lidar com tudo isso ao mesmo tempo e dizendo clichês que nem sabe mais o que significam. Como a repetida instrução para que os atores não sejam só o personagem, mas sejam também eles mesmo, o que só deixa o elenco também confuso.

O fio condutor é a provável morte da mãe. O filme todo é uma espécie de despedida, em que os valores dela – uma professora de latim aposentada, que dá suas últimas aulas, já de cama, à neta – vão ficando como legado. Nesse sentido, é bonita  e simbólica a visita de um ex-aluno e o momento em que ela acontece, para mostrar que muito dessa mulher seguirá vivendo.

Mia Madre. Mia Madre. Itália/ Framça/ Alemanha, 2015. Direção: Nanni Moretti. Elenco: Margherita Buy, John Turturro, Giulia Lazzarini, Nanni Moretti. 2º filme. Em DVD.

Quando Um Corpo que Cai (1958) “roubou” o posto de Cidadão Kane (1941) como melhor filme de todos os tempos na eleição que a revista inglesa Sight and Sound fez em 2012, muita gente se surpreendeu. Pois aconteceu de novo: agora foi a francesa Télérama que consagrou o clássico de Alfred Hitchcock.

Mas essa é das poucas semelhanças entre as duas listas. Esta é uma lista muito particular, com escolhas muito curiosas sobre que filme de determinados diretores seriam citados em melhor colocação. Não dá para saber se foi uma opção consciente ou simplesmente aconteceu. O fato é que há muitas escolhas que não são as mais óbvias ou esperadas. Por exemplo:

  • O melhor Billy Wilder na lista é Amor na Tarde (1957), e não Quanto Mais Quente Melhor (1959; mais abaixo na lista) ou Crepúsculo dos Deuses (1950; não está) ou Se Me Apartamento Falasse (1960; não está)
  • O primeiro Bergman é Fanny & Alexander (1982), que acho ótimo, mas é menos emblemático que O Sétimo Selo (1957, não está na lista), Morangos Silvestres (1957, também não está) ou Persona (1966; está, mais abaixo).
  • O melhor Kubrick é O Iluminado (1980) e não 2001 (1968, que está lá no fim da lista). Nem Laranja Mecânica (1971), que ficou fora.
  • O melhor Truffaut é A Mulher do Lado (1981). Há outro filme do diretor na lista, mas não é nem Os Incompreendidos (1959), nem Jules e Jim (1961): é A História de Adele H (1975).
  • Godard está em segundo na lista, mas com O Desprezo (1963). Acossado (1960) não ficou entre os 100.
  • O melhor Visconti não é Morte em Veneza (1971, fora da lista) ou Rocco e Seus Irmãos (1951) ou O Leopardo (1963) – ambos na lista, mas abaixo. É Ludwig – A Paixão de um Rei (1973).
  • O melhor Scorsese não é Taxi Driver (1976) ou O Touro Indomável (1980) – os dois fora da lista – ou Os Bons Companheiros (1990) – na lista, mas abaixo. É Cassino (1995).
  • O melhor Jacques Demy não é Os Guarda-Chuvas do Amor (1964) e nem mesmo Duas Garotas Românticas (1967) – é Um Quarto na Cidade (1982),  muito menos lembrado. Mas os outros dois estão na lista.
  • Entrou um Jane Campion, mas não é O Piano (1993) e, sim, O Brilho de uma Estrela (2009).

Há outras curiosidades:

  • O texto de abertura se vangloria pelo ineditismo de eleger Um Corpo que Cai pela primeira vez como o melhor. “Pelo que sabemos”, diz. Bom, então desconhecem a mais emblemáticas das enquetes do gênero: a da Sight and Sound, que, como digo no começo, elegeu Um Corpo que Cai em 2012 (é feita de dez em dez anos). Confira aqui os 50 melhores.
  • A revista também não nega as limitações da lista: não há um único filme da América do Sul ou da África.
  • Os caras gostam muito do Michael Cimino: é o primeiro diretor a aparecer com dois filmes no top 20!
  • Hitchcock teve o primeiro filme na lista. Em compensação, foi o único.
  • Nada de Griffith ou Eisenstein, pilares do cinema mundial.

A lista é resultado de uma votação da equipe da revista, mas não encontrei a informação de quantos votaram. Veja a seguir a lista completa. Se quiser ver a página original e os detalhes da votação, clique aqui.

corpo-que-cai-15

James Stewart e Kim Novak em “Um Corpo que Cai”

1 – UM CORPO QUE CAI, de Alfred Hitchcock (1958)

desprezo-13

Brigitte Bardot e Michel Piccolli em “O Desprezo”

2 – O DESPREZO, de Jean-Luc Godard (1963)

aurora-06

George O’Brien e Janet Gaynor em “Aurora”

3 – AURORA, de F.W. Murnau (1927)

cidade-dos-sonhos-38

Laura Elena Harring e Naomi Watts em “Cidade dos Sonhos”

4 – CIDADE DOS SONHOS, de David Lynch (2001)

era-uma-vez-em-toquio-04

5 – ERA UMA VEZ EM TÓQUIO, de Yasujiro Ozu (1953)

desejos-proibidos-1953-01

Charles Boyer e Danielle Darrieux em “Desejos Proibidos”

6 – DESEJOS PROIBIDOS, de Max Ophuls (1953)

cantando-na-chuva-33

Donald O’Connor, Debbie Reynolds e Gene Kelly em “Cantando na Chuva”

7 – CANTANDO NA CHUVA, de Gene Kelly e Stanley Donen (1952)

mae-e-a-puta-03

Jean-Pierre Léaud, Françoise Lebrun e Bernadette Lafont em “A Mãe e a Puta”

8 – A MÃE E A PUTA, de Jean Eustache (1973)

noivo-neurotico-noiva-nervosa-01

Diane Keaton e Woody Allen em “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”

9 – NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA, de Woody Allen (1977)

mensageiro-do-diabo-07

Sally Jane Bruce, Billy Chapin e Robert Mitchum em “O Mensageiro do Diabo”

10 – O MENSAGEIRO DO DIABO, de Charles Laughton (1955)

franco-atirador-1978-01

Robert De Niro em “O Franco-Atirador”

11 – O FRANCO-ATIRADOR, de Michael Cimino (1978)
12 – M – O VAMPIRO DE DUSSELDORF, de Fritz Lang (1931)
13 – A MALVADA, de Joseph L. Mankiewicz (1950)
14 – A DOCE VIDA, de Federico Fellini (1960)
15 – FANNY E ALEXANDER, de Ingmar Bergman (1982)
16 – MINHA NOITE COM ELA, de Eric Rohmer (1969)
17 – O PORTAL DO PARAÍSO, de Michael Cimino (1980)
18 – O ILUMINADO, de Stanley Kubrick (1980)
19 – PERSONA, de Ingmar Bergman (1966)
20 – A MULHER DO LADO, de François Truffaut (1981)

stalker-06

Natalya Abramova em “Stalker”

21 – STALKER, de Andrei Tarkovsky (1979)
22 – UM CONVIDADO BEM TRAPALHÃO, de Blake Edwards (1968)
23 – MEU TIO, de Jacques Tati (1958)
24 – NOITES DE LUA CHEIA, de Eric Rohmer (1984)
25 – CLÉO DAS 5 ÀS 7, de Agnès Varda (1962)
26 – O ECLIPSE, de Michelangelo Antonioni (1962)
27 – VAN GOGH, de Maurice Pialat (1991)
28 – ANDREI ROUBLEV, de Andrei Tarkovsky (1969)
29 – DO MUNDO NADA SE LEVA, de Frank Capra (1938)
30 – O DEMÔNIO DAS ONZE HORAS, de Jean-Luc Godard (1965)

amor-na-tarde-14

Audrey Hepburn e Gary Cooper em “Amor na Tarde”

31 – AMOR NA TARDE, de Billy Wilder (1957)
32 – CASSINO, de Martin Scorsese (1995)
33 – AMOR À FLOR DA PELE, de Wong Kar-Wai (2001)
34 – O BRILHO DE UMA PAIXÃO, de Jane Campion (2009)
35 – A CAIXA DE PANDORA, de G.W. Pabst (1929)
36 – A REGRA DO JOGO, de Jean Renoir (1939)
37 – UM QUARTO NA CIDADE, de Jacques Demy (1982)
38 – FRANKENSTEIN, de James Whale (1931)
39 – OS MARIDOS, de John Cassavetes (1970)
40 – A BELA E A FERA, de Jean Cocteau (1946)

evangelho-segundo-sao-mateus-05

Enrique Irazoqui em “O Evangelho Segundo São Mateus”

41 – O EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS, de Pier Paolo Pasolini (1964)
42 – MANHATTAN, de Woody Allen (1979)
43 – ERA UMA VEZ NA AMÉRICA, de Sergio Leone (1984)
44 – LUZES DA CIDADE, de Charles Chaplin (1931)
45 – CAMINHO SEM VOLTA, de James Gray (2000)
46 – TRÁGICO AMANHECER, de Marcel Carné (1939)
47 – LUDWIG – A PAIXÃO DE UM REI, de Luchino Visconti (1973)
48 – A OUTRA, de Woody Allen (1988)
49 – DUAS GAROTAS ROMÂNTICAS, de Jacques Demy (1967)
50 – O GRANDE DITADOR, de Charles Chaplin (1940)

mulher-sob-influencia-04

Gena Rowlands em “Uma Mulher sob Influência”

51 – UMA MULHER SOB INFLUÊNCIA, de John Cassavetes (1974)
52 – A BELA DA TARDE, de Luís Buñuel (1967)
53 – ALL THAT JAZZ – O SHOW DEVE CONTINUAR, de Bob Fosse (1979)
54 – QUANTO MAIS QUENTE MELHOR, de Billy Wilder (1959)
55 – OS DESAJUSTADOS, de John Huston (1961)
56 – ROCCO E SEUS IRMÃOS, de Luchino Visconti (1951)
57 – A PISTA, de Chris Marker (1962)
58 – CIDADÃO KANE, de Orson Welles (1941)
59 – MULHERES DIABÓLICAS, de Claude Chabrol (1995)
60 – OS GUARDA-CHUVAS DO AMOR, de Jacques Demy (1964)

general-04

Buster Keaton em “A General”

61 – A GENERAL, de Buster Keaton e Clyde Bruckman (1927)
62 – A LOJA DA ESQUINA, de Ernst Lubitsch (1940)
63 – A REDE SOCIAL, de David Fincher (2010)
64 – SONO DE INVERNO, de Nuri Bilge Ceylan (2014)
65 – PROFISSÃO: REPÓRTER, de Michelangelo Antonioni (1975)
66 – MOUCHETTE, A VIRGEM POSSUÍDA, de Robert Bresson (1967)
67 – RATATOUILLE, de Brad Bird (2007)
68 – IMITAÇÃO DA VIDA, de Douglas Sirk (1959)
69 – AMARCORD, de Federico Fellini (1973)
70 – RASTROS DE ÓDIO, de John Ford (1956)

trinta-anos-esta-noite-02

Maurice Ronet e Léna Skerla em “Trina Anos Esta Noite”

71 – TRINTA ANOS ESTA NOITE, de Louis Malle (1963)
72 – AMOR DE PERDIÇÃO – MEMÓRIAS DE UMA FAMÍLIA, de Manoel de Oliveira (1978)
73 – SHOAH, de Cçaude Lanzmann (1985)
74 – SOMBRA DO PAVOR, de Henri-Georges Clouzot (1943)
75 – UM CONTO DE NATAL, de Arnaud Desplechant (2008)
76 – HOTEL DAS AMÉRICAS, de André Téchiné (1981)
77 – VOZES DISTANTES, de Terence Davies (1988)
78 – GOSTO DE CEREJA, de Abbas Kiarostami (1997)
79 – A TORTURA DO MEDO, de Michael Powell (1960)
80 – UM DIA MUITO ESPECIAL, de Ettore Scola (1977)

homem-que-matou-o-facinora-02

Lee Marvin, James Stewart e John Wayne em “O Homem que Matou o Facínora”

81 – O HOMEM QUE MATOU O FACÍNORA, de John Ford (1962)
82 – AGUIRRE, A CÓLERA DOS DEUSES, de Werner Herzog (1972)
83 – BONEQUINHA DE LUXO, de Blake Edwards (1961)
84 – JOHNNY VAI À GUERRA, de Dalton Trumbo (1971)
85 – OS BONS COMPANHEIROS, de Martin Scorsese (1990)
86 – CINZAS DO PARAÍSO, de Terrence Malick (1978)
87 – BLADE RUNNER – O CAÇADOR DE ANDRÓIDES, de Ridley Scott (1982)
88 – A HISTÓRIA DE ADÈLE H., de François Truffaut (1975)
89 – A TRISTEZA E A PIEDADE, de Marcel Ophuls (1969)
90 – AOS NOSSOS AMORES, de Maurice Pialat (1983)

2001-uma-odisseia-no-espaco-08

Keir Dullea em “2001 – Uma Odisseia no Espaço”

91 – 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO, de Stanley Kubrick (1968)
92 – O LEOPARDO, de Luchino Visconti (1963)
93 – MARROCOS, de Joseph von Sternberg (1930)
94 – OURO E MALDIÇÃO, de Erich von Stroheim (1924)
95 – O MEDO CONSOME A ALMA, de Rainer Werner Fassbinder (1974)
96 – PEÇA INACABADA PARA PIANO MECÂNICO, de Nikita Mikhalkov (1977)
97 – O PAGAMENTO FINAL, de Brian de Palma (1993)
98 – CLAMOR DO SEXO, de Elia Kazan (1961)
99 – UM DIA NO CAMPO, de Jean Renoir (1936)
100 – BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES, de David Hand (1937)

amor-em-fuga-01

O AMOR EM FUGA

Sem borda - 04 estrelas

 

Truffaut morreu cinco anos após este filme e não sei se pretendia dar continuidade às aventuras de Antoine Doinel. Mas este tem muito uma cara de conclusão. O passado é revisitado o tempo todo por Doinel e as mulheres de sua vida, nos levando a muitas imagens dos filmes anteriores com o personagem: Os Incompreendidos (1959), o média Antoine et Colette (1962), Beijos Proibidos (1968) e Domicílio Conjugal (1970).

E também cenas de A Noite Americana (1973), onde Jean-Pierre Léaud contracenou com Dani e Truffaut marotamente reaproveita as cenas como se fosse do passado de Doinel. Há outras relações com A Noite Americana, como o nome do livro publicado por Doinel, Les Salades de l’Amour, aproximando ainda mais os dois personagens de Léaud.

Aqui, ele está separado há algum tempo de Christine (Claude Jade) e os dois amigavelmente assinam o divórcio. Ele vive uma relação com Sabine (Dorothée, nome da TV francesa que depois se firmou como apresentadora infantil), mas com certa resistência a uma completa entrega. E acaba reencontrando um amor do passado: a Colette (Marie-France Pisier) do média-metragem de 1962. Com um tom leve e nostálgico, Truffaut faz seu personagem acertar as contas com suas mulheres (inclusive a mãe) e fechar um ciclo.

L’Amour en Fuite. França, 1979. Direção: François Truffaut. Elenco: Jean-Pierre Léaud, Marie-France Pisier, Dorothée, Claude Jade, Dani. Visto no Cinépolis Manaíra.

 

Aqui vamos para mais uma lista de títulos nacionais esdrúxulos. Essa é a referente aos lançamentos nos cinemas pessoenses em 2014. Evidente que o post não está em questão a qualidade dos filmes e nem sendo bobo de exigir 100% de fidelidade à tradução literal. Cada caso é um caso, como vemos a seguir.

1. Walt nos Bastidores de Mary Poppins – O título original, Saving Mr. Banks, tem íntima ligação com a trama de Mary poppins e as motivações de P.L. Travers para escrever a história – o que, afinal, é o mote principal do filme. Chamar o título por Disney, porque seria mais “familiar” ao espectador (ou pra puxar a sardinha para a “casa”, já que o filme é da própria Disney), já é ruim, mas toda essa construção “nos Bastidores de Mary Poppins” é péssima. Ainda mais porque esses “bastidores” se resumem ao processo de adaptação do roteiro e composição das músicas. O título resultou enorme, esquisito, desconjuntado. Tudo errado, tudo errado.

2. O Físico – O personagem principal não é físico, nem é um marombado. É médico, que é o que “physician” significa. Esse é da Imagem Filmes.

3. Débi & Lóide 2 – Débi & Lóide – Dois Idiotas em Apuros deve ser o único caso de um filme que tem duas “partes 2”. Entenda a confusão: o primeiro filme (Dumb & Dumber, no original, ou “burro e mais burro”) é de 1994. Em 2003, foi lançado Dumb and Dumberer – When Harry Met Lloyd (“Burro e ainda mais burro: quando Harry conheceu Lloyd”), um prelúdio sem o elenco original e que aqui virou Debi & Lóide 2 – Quando Débi Conheceu Lóide. Aí, eis que em 2014 Jim Carrey e Jeff Daniels voltam aos personagens. E o título brasileiro da nova continuação, a – na prática – parte 3, o segundo da Imagem Filmes na lista, ignora na cara dura o filme anterior. O original, que faz um trocadilho com o número dois, mas não o usa explicitamente (Dumb and Dumber To), dribla esse problema.

4. O que Será de Nozes? – O protagonista é um esquilo, claro. Esse é do tipo que o cara diz e cutuca o outro com o cotovelo, dizendo: “Hein? Hein?”. Para ser justo, suponho que o original também seja um trocadilho: The Nut Job (de “nose job”, que é como chamam as cirurgias plásticas no nariz). Mesmo assim. Da Diamond Films.

5. Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola – O original significa “Um milhão de maneira de morrer no Oeste”. Mas é uma comédia, então temos que ser engraçados já no título, não é? Obra da Universal.

6. Uma Juíza sem Juízo – Desculpe o meu francês, mas acho que o título original quer dizer “empreendimento de 9 meses”, referindo-se à gravidez inesperada da juíza protagonista do filme. Mas é uma comédia, então (ver o número 4)… Esse é da Mares Filmes.

7. November Man – Um Espião Nunca Morre – O que é um “november man”? Não estou certo, mas como Pierce Brosnan faz um espião que já não é um menino, suponho que seja uma metáfora com o ano no fim. Bom, em português a expressão não faz o menor sentido. Para que deixá-la no título, PlayArte?

8. Transcendence – A Revolução – Outro caso em que a tradução ficou “muito difícil”. Transcendence e não “Transcendência”. Pior é que Portugal nem pra me ajudar aqui: lá também ficou Transcendence com um subtítulo: A Nova Inteligência. Pelo menos é melhor que o nosso, da Diamond.

9. Operação Big Hero – O título original da animação da Disney é o nome do grupo de super-heróis que é formado no filme. O nacional leva “big hero”, sem traduzir (é “grande herói”, muito difícil), a se referir apenas ao robô inflável da história.

10. Hércules – O problema não é o filme se chamar Hércules. O problema é ter dois no mesmo ano com o mesmíssimo título. O primeiro, lançado no começo do ano, no original é “A lenda de Hércules”. O segundo é só Hercules, mesmo, mas no Brasil o outro havia sido lançado há pouco tempo. Custa não confundir o espectador? Aliás, registre-se que o segundo filme é uma continuação da história clássica do semideus grego, com uma trama original. Se chamar só de Hércules, como se fosse a trama clássica dos doze trabalhos e tal, é meio pegadinha. O primeiro é da Diamonds, sua terceira aparição na lista; o segundo, da Paramount.

***

Os títulos brasileiros mais esdrúxulos de 2o13 << 
 >> Os títulos brasileiros mais esdrúxulos de 2o15

RETROSPECTIVA 2014:
Eleição Melhores do Ano
Meus melhores do ano
Musas/ Cinema em 2014
50 filmes que não passaram nos cinemas de João Pessoa em 2014

06.09 - Estreias

Há três estreias esta semana, dos quais Invocação do Mal 2 parece ser o de maior prestígio. O primeiro Truque de Mestre, sinceramente, acho bem fraco para me empolgar com esse segundo. E Katherine Heigl não inspira a menor confiança. A maior atração da semana, sem dúvida, é o Festival Varilux de Cinema Francês, com 15 filmes ainda inéditos do circuito brasileiro, mais o clássico Um Homem, uma Mulher.

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– INVOCAÇÃO DO MAL 2 (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– TRUQUE DE MESTRE – O 2º ATO (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub])
– CASAMENTO DE VERDADE (Cinespaço MAG 1 [2D leg])

Pré-estreia em JP:
– COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg], Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub]), apenas quinta a domingo
– AS TARTARUGAS NINJA – FORA DAS SOMBRAS (Cinépolis Manaíra [3D leg, 3D dub]; Cinespaço MAG [2D dub], Cinesercla Tambiá [3D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub]), diariamente

Especial:
– FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS (Cinespaço MAG [2D leg]), diariamente

Até quarta em JP:
– CAPITÃO AMÉRICA – GUERRA CIVIL (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ANGRY BIRDS – O FILME (Cinépolis Manaíra [2D dub, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [2D dub}

Continuam em JP:
– JOGO DO DINHEIRO (Cinespaço MAG [2D leg]
– X-MEN – APOCALIPSE (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira (2D dub]).
– DE AMOR E TREVAS (Cine Bangüê [2D leg]), apenas sábado e domingo
– SUÍTE FRANCESA (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– CEMITÉRIO DO ESPLENDOR (Cine Bangüê [2D leg]), apenas sábado
– MAIS FORTE QUE BOMBAS (Cine Bangüê [2D leg]), apenas quinta
– WARCRAFT – O PRIMEIRO ENCONTRO DE DOIS MUNDOS (Cinépolis Manaíra [2D leg, 3D leg, 2D dub, 3D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub]
– ALICE ATRAVÉS DO ESPELHO (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg], Cinesercla Tambiá [2D dub, 3D dub]; Cinépolis Mangabeira [3D dub])
– O CIÚME (Cine Bangüê [2D leg]), apenas domingo
– EXILADOS DO VULCÃO (Cine Bangüê [2D leg]), apenas quinta
– UMA LOUCURA DE MULHER (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port])
– PEPPA PIG – AS BOTAS DE OURO E OUTRAS HISTÓRIAS (Cinépolis Manaíra [2D dub]), apenas sábado e domingo

 

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– INVOCAÇÃO DO MAL 2 [2D dub]
– TRUQUE DE MESTRE – O 2º ATO [2D dub]

Pré-estreia em CG:
– COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ [2D dub], apenas quinta a domingo
– AS TARTARUGAS NINJA – FORA DAS SOMBRAS [3D dub], diariamente

Só até quarta em CG:
– CAPITÃO AMÉRICA – GUERRA CIVIL (Cinesercla Partage [2D dub])
– ANGRY BIRDS – O FILME (Cinesercla Partage [2D dub]

Continuam em CG:
– X-MEN – APOCALIPSE [2D dub]
– WARCRAFT – O PRIMEIRO ENCONTRO DE DOIS MUNDOS [2D dub].
– ALICE ATRAVÉS DO ESPELHO [3D leg, 3D dub)
– UMA LOUCURA DE MULHER [2D em port]

 

PATOS (Cine Guedes)

Entra quinta em Patos:
– INVOCAÇÃO DO MAL 2 [2D dub]

Pré-estreia em Patos:
– AS TARTARUGAS NINJA – FORA DAS SOMBRAS [3D dub], diariamente

Só até quarta em Patos:
– ANGRY BIRDS – O FILME (Cine Guedes [2D dub])

Continuam em Patos:
– X-MEN – APOCALIPSE (Cine Guedes [3D dub])
– ALICE ATRAVÉS DO ESPELHO (Cine Guedes [3D dub])

 

REMÍGIO (Cine RT)

Entra quinta em Remígio:
– INVOCAÇÃO DO MAL 2 [2D dub]
– ALICE ATRAVÉS DO ESPELHO [2D dub])

Só até quarta em Remígio:
– X-MEN – APOCALIPSE (Cine RT [2D dub])

Continuam em Remígio:
– WARCRAFT – O PRIMEIRO ENCONTRO DE DOIS MUNDOS [2D dub]

 

O QUE ESTREIA NO BRASIL, MAS NÃO AQUI?

A Despedida, filme brasileiro com Nelson Xavier e Juliana Paes; o francês A Odisseia de Alice; Os Sonhos de um Sonhador – A História de Frank Aguiar, de título autoexplicativo; Vampiro 40 Graus, com Fausto Fawcett (!)

A seguir, os meus melhores filmes de 2014, apenas entre os que estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa. Antes, a numeralha em torno do circuitão pessoense.

– 164 filmes estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa em 2014 (379 estrearam no Brasil, segundo o levantamento da Abraccine). São 13 a mais que no ano passado, encostando no recorde de 2007 (165), marca de antes do fechamento do primeiro multiplex do MAG. O Boulevard faz esse acompanhamento desde 2006.

– A participação do cinema brasileiro é a melhor de todos os tempos. Chegou a 26,8% dos filmes em cartaz (44 no total). No ano passado, com 32 filmes, o cinema tupiniquim ficou nos 21,2%. Ainda estava bem porque, de 2010 para trás, a conta ficava nos 20 filmes e pouco mais de 10% de filmes em cartaz.

Rosamund Pike em "Garota Exemplar"

Rosamund Pike em “Garota Exemplar”

1 – GAROTA EXEMPLAR, de David Fincher

Uma trama de mistério que brilha no jogo de entregar e sonegar informação ao espectador. A plateia acompanha o tormento do marido (Ben Affleck) que pode ou não ter matado a esposa (Rosamnd Pike, excelente). E acompanha a leitura do diário dela, antes mesmo dos personagens do filme. Semanas em cartaz: duas. Crítica no Boulevard

Leonardo DiCaprio em "O Lobo de Wall Street"

Leonardo DiCaprio em “O Lobo de Wall Street”

2 – O LOBO DE WALL STREET, de Martin Scorsese

Scorsese ridiculariza as falcatruas do mercado financeiro e exige o máximo de Leonardo DiCaprio, talvez na melhor interpretação de sua carreira. Alucinado, é como se fosse um filme sob efeito de cocaína. Semanas em cartaz: sete.

 

Chiwetel Ejiofor e Michael Fassbender em "12 Anos de Escravidão"

Chiwetel Ejiofor e Michael Fassbender em “12 Anos de Escravidão”

3 – 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO, de Steve McQueen

O vencedor do Oscar mostra um homem negro que nasceu livre e é sequestrado e vendido como escravo. Sua luta é a de não se tornar um escravo por dentro. Michael Fassbender está assustador. Semanas em cartaz: três. Crítica no Boulevard

 

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em "Azul É a Cor Mais Quente"

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em “Azul É a Cor Mais Quente”

4 – AZUL É A COR MAIS QUENTE, de Abdellatif Kechiche

Dormir, comer, amar, chorar, fazer sexo: o filme de Kechiche mostra como que através de um microscópio os muitos detalhes da vida de Adéle, vivida pela revelação Adèle Exarchopoulos. Semanas em cartaz: três.

Bérenice Bejo e ???? em "O Passado"

Bérenice Bejo e Ali Mosaffa em “O Passado”

5 – O PASSADO, de Asghar Farhadi

De novo Farhadi traça filme de mistério e investigação sem sair do drama familiar, com peças a juntar e personagens com algo a esconder. Passou no Festival Varilux e depois entrou em cartaz rapidamente. Semanas em cartaz: uma.

Charis Evans e Scarlett Johansson em "Capitão América 2 - O Soldado Invernal"

Charis Evans e Scarlett Johansson em “Capitão América 2 – O Soldado Invernal”

6 – CAPITÃO AMÉRICA 2 – O SOLDADO INVERNAL, de Anthony Russo e Joe Russo

O filme tem muita ação e movimento, mas o grande lance é o contraste entre o herói de valores antiquados em um mundo complexo. Semanas em cartaz: sete. Crítica no Boulevard

"Planeta dos Macacos - O Confronto"

“Planeta dos Macacos – O Confronto”

7 – PLANETA DOS MACACOS – O CONFRONTO, de Matt Reeves

Esta continuação é tão boa (talvez melhor) que o primeiro filme da retomada da série. Pela primeira vez, um ator em captura de movimento surge em primeiro nos créditos. Com justiça, é Andy Serkis. Semanas em cartaz: cinco.

Cate Blanchett em "Blue Jasmine"

Cate Blanchett em “Blue Jasmine”

8 – BLUE JASMINE, de Woody Allen

Cate Blanchett foi quase unanimidade como a melhor interpretação feminina de 2013 (o filme só estreou em JP este ano) como a Jasmine, meio Blanche DuBois, de Allen. E ganhou o Oscar de melhor atriz. Semanas em cartaz: três.

Zoe Saldana, Chris Pratt e Dave Bautista em "Guardiões da Galáxia"

Zoe Saldana, Chris Pratt e Dave Bautista em “Guardiões da Galáxia”

9 –  GUARDIÕES DA GALÁXIA, de James Gunn

Heróis absolutamente desconhecidos do grande público e nenhum ator famoso, a não ser na dublagem de uma árvore e de um guaxinim. Mas com ritmo e humor, o filme foi um sucesso. E ainda tinha aquele awesome mix!. Semanas em cartaz: cinco. Crítica no Boulevard

Fabio Audi, Tess Amorim e Ghilherme Lobo em "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho"

Fabio Audi, Tess Amorim e Ghilherme Lobo em “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”

10 – HOJE EU QUERO VOLTAR SOZINHO, de Daniel Ribeiro

Uma bem sucedida versão em longa-metragem do curta Não Quero Voltar Sozinho, o filme tem um cativante trio de jovens protagonistas e é uma delicado e muito bem narrado conto sobre o primeiro amor. Semanas em cartaz: duas.

Vale lembrar também: Frozen – Uma Aventura CongelanteO Menino e o MundoTatuagemUma Aventura LegoRoboCopWalt nos Bastidores de Mary PoppinsEu, Mamãe e os MeninosUma Viagem ExtraordináriaEm Busca de IaraOs Filhos do PadrePraia do FuturoX-Men – Dias de um Futuro EsquecidoO Mercado de NotíciasSerá que?Magia ao LuarTim MaiaJogos Vorazes – A Esperança: Parte 1.

 << Meus melhores filmes de 2013

MAIS RETROPECTIVA 2014:

Top 5 - 11.21

Mais uma semana de votação, filmes de abril incluídos, e Capitão América 2 – O Soldado Invernal já entra em segundo no nosso ranking. Com média 4,142, está 0,191 atrás do líder, que ainda é O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese. A animação nacional O Menino e o Mundo subiu muito de média e chegou também ao top 5, empatado com o francês (de diretor iraniano) O Passado. É interessante notar a diferença de médias entre os volumes 1 e 2 de Ninfomaníaca: o primeiro tem 3,125; o segundo nem chega ao top 25, com 2,363.

Ao todo 36 filmes conseguiram o quórum mínimo até agora. A seguir, nosso top 25:

O Lobo de Wall Street – 4,333
Capitão América 2 – O Soldado Invernal – 4,142
Blue Jasmine – 4,055
O Menino e o Mundo – 4
O Passado – 4

12 Anos de Escravidão – 3,928
Frozen – Uma Aventura Congelante – 3,812
Hoje Eu Quero Voltar Sozinho – 3,8
Azul É a Cor Mais Quente – 3,733
Tatuagem – 3,727

Sem Escalas – 3,5
Walt nos Bastidores de Mary Poppins – 3,4
Trapaça – 3,375
Uma Aventura Lego – 3,375
Eu, Mamãe e os Meninos – 3,25

RoboCop – 3,181
Ninfomaníaca – Volume 1 – 3,125
Caçadores de Obras-Primas – 3
Noé – 3
Uma Relação Delicada – 3

Confissões de Adolescente – 2,8
Divergente – 2,75
A Menina que Roubava Livros – 2,666
Frankenstein – Entre Anjos e Demônios – 2,6
Operação Sombra – Jack Ryan – 2,571

Os seis piores do ano até agora:

300 – A Ascensão do Império – 2
Rio 2 – 2
Atividade Paranormal – Marcados pelo Mal – 2
Muita Calma Nessa Hora 2 – 1,8
Pompeia – 1,5
S.O.S. – Mulheres ao Mar – 1,25

Cinco filmes estão com três notas, falta uma para o quórum: Caminhando com DinossaurosAs Aventuras de Peabody e ShermanNeed for Speed – O FilmeO Grande HeróiUm Amor em Paris.

stars-blue-3-0½

A responsabilidade de pensar

Hannah Arendt

Hannah (Barbara Sukowa) vê no julgamento de um nazista o que ninguém mais vê

Filmes, na maioria das vezes, são sobre pessoas ou fatos. Há fatos em Hannah Arendt (Hannah Arendt, Alemanha/ Luxemburgo/ França, 2012) e o filme leva o nome de sua personagem principal – mas é mais sobre uma ideia. Uma ideia que a personagem – uma filósofa alemã, judia – desenvolve quando asiste ao julgamento de um criminoso de guerra nazista. E uma ideia que causou desconforto em meio mundo.

Quando Adolf Eichmann é preso na Argentina pelo serviço secreto de Israel e levado para um julgamento em Jerusalém, em 1961, Hannah – que vive nos Estados Unidos desde que ela própria fugiu do nazismo e chegou a ficar em um campo de prisioneiros na França – pede para cobrir o acontecimento para a revista The New Yorker. E o que ela encontra lá não é um monstro nazista, como as pessoas apregoavam, mas um homenzinho bastante normal, um burocrata que fazia seu trabalho sem questionar – mesmo que esse trabalho fosse colocar judeus em um trem que tinha seu destino final em um campo de extermínio.

Para ela, Eichmann não era um monstro – não tinha o demônio dentro de si, ou coisa que o valha. Nem mesmo odiava os judeus. Ele era de uma classe ainda pior: o de pessoas absolutamente comuns que fazem o mal sem nem mesmo pensar estarem fazendo. Uma ação, para eles, absolutamente banal. O que a levou ao termo “banalidade do mal” e a todo um estudo sobre a natureza do mal, que ela levou em frente pela vida.

O filme de Margarethe von Trotta utiliza cenas reais do julgamento – é o verdadeiro Eichmann que surge na gaiola de vidro no tribunal, e o público pode compartilhar ou não a visão de Hannah. A ideia de que um nazista não seria necessariamente um monstro não caiu nada bem entre os judeus – a filósofa foi acusada de estar defendendo Eichmann. Pior ainda foi afirmar, em sua série de artigos para a revista, que líderes judeus colaboraram com o Holocausto – uma questão em que o filme, aliás, não avança tanto, mas deu ainda mais dor de cabeça para Arendt, que sustentou sua posição praticamente sozinha (perdendo, inclusive, a amizade de pessoas próximas e queridas).

O grande momento do filme é a cena em que a filósofa resolve falar sobre a polêmica, depois de muito tempo recusando responder às críticas recebidas. Isso se dá em um auditório da universidade em que Hannah é professora, e a interpretação de Barbara Sukowa dá altivez à explanação de Arendt. É no discurso que Hannah Arendt se sai melhor: ao acusar o não-pensar como a abertura para um tipo de mal, também, e, portanto alertar para a responsabilidade que todos temos de pensar.

Hannah Arendt (Hannah Arendt, Alemanha/ Luxemburgo/ França, 2012). Direção: Margarethe von Trotta. Elenco: Barbara Sukowa, Axel Milberg, Janet McTeer, Julia Jentsch.

stars-blue-3-0½

Zero de atuação

LaSalle e Marika: estreia com desdramatização

LaSalle e Marika: estreia com desdramatização

De todos os filmes em que se diz “não é para todos os públicos”, talvez O Batedor de Carteiras (1959) seja um dos mais restritos, e seu diretor, Robert Bresson, seja o mais restrito dos diretores. O público para este filme é, principalmente, aquele que deseja refletir sobre a linguagem do cinema, seus limites e amplitudes.

Afinal, como um público não interessado especificamente nisso se interessaria – ou toleraria – um filme onde os atores não atuam? E não propriamente por falta de competência, mas por uma decisão ideológica do diretor? Em O Batedor de Carteiras, Bresson dá seguimento à sua tese de que o cinema deveria se diferenciar do teatro e, para isso, buscou uma “desdramatização” da história.

Para isso, já estava escalando atores não-profissionais, os quais chamava de “modelos”. Seu último filme com atores profissionais havia sido As Damas do Bois du Bolougne (1945), que ele mesmo depois desancou como um “detestável filme de atores”. Curiosamente, é deste ano Roma, Cidade Aberta, que inaugurou o neo-realismo na Itália, usando justamente atores não-profissionais.

Ali, o objetivo era outro. Além da falta absoluta de dinheiro, os atores não-profissionais ajudavam no tom de “realidade” na tentativa de retratar a Itália no pós-guerra. Ao contrário do que Bresson faria, no entanto, o drama (e até o melodrama) era um ponto importante desses filmes.

Voltando a Bresson, é de se imaginar que atores profissionais seriam realmente incompatíveis com uma direção que pediria para que eles não atuassem. Assim, ele buscou em não-atores uma maneira mais fácil e moldável de atingir, através da não-competência na atuação, a não-atuação e é isso o que se vê no filme: personagens sem mais do que duas expressões e o tom monocórdio constante nos diálogos.

Onde Bresson queria chegar com isso é difícil dizer. Talvez nem ele soubesse bem, embora tenha escrito sobre suas ideias no livro Notas sobre o Cinematógrafo, que saiu aqui pela Iluminuras. “Cinematógrafo” é como Bresson chamava o que o cinema deveria ser, reforçando que ele estava buscando outra coisa que não o cinema ao qual estamos habituados.

Não li o livro, mas há trechos dele no volume do filme na Coleção Folha Cine Europeu. Em um dos trechos, defendendo essa ideia, ele escreve:

“Nada de atores. Nada de direção de atores. Nada de papéis. Nada de estudo de papéis. nada de mise en scène. E, sim, o emprego de modelos, provenientes da vida. SER (modelos) no lugar de PARECER (atores)”. Mas ser o quê?

“Quando dizem que reduzo os atores a nada, eu digo: ‘Não estou nem aí’. Pois o importante não é representar a vida de uma pessoa. É a vida do filme que importa, antes da vida das personagens”. Mas se até os documentários e os desenhos animados vivem de personagens – sejam eles, pessoas, cachorros, tomates, galinhas e baleias -, o que seria “a vida do filme” onde os personagens são “nada” ?

Sua tese de interiorizar os sentimentos para que os atores sejam mais “verdadeiros” (seja lá o que isso queria dizer) é curiosamente, na base, a mesma que gerou os atores do Actor’s Studio, como Marlon Branco ou James Dean.

Sempre conto essa história, mas nunca me lembro quem era o diretor que disse certa vez que Humphrey Bogart era o melhor ator de cinema, simplesmente porque você podia dizer: “Bogart, olhe para a esquerda”. Ele simplesmente olhava, o diretor filmava e “corta! Vamos para a próxima”. Exageros à parte, esse era o modo de cineastas como Hitchcock e Charles Chaplin e era totalmente o inverso da turma do Actor’s Studios. Não por acaso, quando atores de um grupo pegava o diretor de outro problema sempre surgiam.

Mas Bresson ia muito além disso. Enquanto o pessoal do Actor’s Studio interiorizava esses sentimentos e depois explodia, Bresson resolveu conter isso dentro dos atores – desculpe, “modelos”. A expressão do que os personagens sentem, então vem pela narração do personagem principal, dando o tom literário que o cineasta gostava tanto, mas muitas vezes tendo que dar conta de coisas que a imagem poderia (para quem defende que o cinema é sobretudo imagem, deveria) dar conta.

Coisas como “Naquele momento, meu coração deu um pulo”, o que o ator, evidentemente não expressa e o espectador só passa a ter conhecimento por causa da narração. O que nos leva à paixão de Bresson pela literatura e que, curiosamente, ele achava que o cinema deveria se afastar do teatro, mas não via problema algum em aproximá-lo dessa outra arte.

Sem “interpretações”, O Batedor de Carteiras parece mesmo um filme “lido” por alguém. Mas é bom lembrar que os dois protagonistas, que estreiam aqui, fizeram carreira no cinema – tanto Martin LaSalle quanto a sueca Marika Green – que, inclusive (como curiosidade para quem começou no antidrama bressoniano), vai aparecer em uma cena de sexo com Sylvia Kristel em Emmanuelle (1974).

Mas há, em O Batedor de Carteiras, um aspecto visual  que realmente interessa a Bresson: o balé das mãos no ato de bater as carteiras. Nesses momentos, o filme ganha uma elaboração que realmente impressiona, perdendo o ar blasé que mantém durante o resto da duração. A “desdramatização”, em princípio, colabora para o distanciamento do espectador do que ele está vendo na tela e é o que deve acontecer na maioria dos casos durante o filme, mas não nessas cenas rápidas e mostradas muito de perto.

Robert Bresson, em seu estilo único, certamente influenciou cineastas depois dele – fala-se em Abbas Kiarostami e quem vê Através das Oliveiras (1994) encontra certamente muito mais ecos do cineasta francês do que do neo-realismo italiano. Ainda assim, é difícil concordar com a totalidade das teses de Bresson. É mais compreensível lembrar que o cinema é uma arte plural, subjetiva, e que, sim, o rosto “de paisagem” dos atores, o tom de voz sem emoção e a narrativa minimalista causam um misterioso encantamento em uma parcela dos cinéfilos do mundo – e basta isso (sem tantas teses de caminhos tortuosos) para colocar Bresson em um lugar de destaque entre os cineastas.

O Batedor de Carteiras (Pickpocket, França, 1959). Direção: Robert Bresson. Elenco: Martin LaSalle, Marika Green, Jean Pélégri.

 

Noite de Estreia

Planilhas na mão: vai começar a terceira edição da mostra Noite de Estreia, no Box Cinépolis do Manaíra Shopping. Desta vez são 11 filmes que não passaram nos cinemas de João Pessoa e prometem repetir o sucesso das duas primeiras edições, que aconteceram no primeiro semestre de 2012.

Começando pelo fundamental Cabra Marcado para Morrer, em cópia restaurada e passando por filmes como Febre do RatoAs Vantagens de Ser InvisívelInfância Clandestina e No, indicado ao Oscar de filme de língua não inglesa.

No quadro acima, confeccionado pela coordenação da mostra, a tabela de filmes por dia.

– ATUALIZAÇÃO I15/2, 11h30): Na manhã de hoje, 0 premiado e muito elogiado O Som ao Redor foi anunciado na programação. No quadro acima, ele entra no lugar de O Exercício do Poder. A relação abaixo já está atualizada.

Aqui embaixo, os filmes, do que tratam, seus trailers legendados e em que dias e horários serão exibidos. Programe-se!

Bem Amadas: Musical de Chistophe Honoré sobre a relação de mãe e filha – Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni, mãe e filha na vida real. Ludivine Sagnier é a personagem de Deneuve na juventude. O cineasta tcheco Milos Forman (de Amadeus e Um Estranho no Ninho) está no elenco, assim como, claro, Louis Garrel, ator-assinatura de Honoré. Sexta 15 (21h); sábado 23 (17h); terça 26 (19h)

Boa Sorte, Meu Amor: O filme do pernambucano Daniel Aragão foi premiado no Festival de Locarno, na Suíça. Em preto-e-branco, mostra a relação de uma estudante de música e um empresário do ramo da demolição em um jogo de passado e presente, diferenças de classe, valorização da arte e um monte de outras coisas. Terça 19 (19h); quarta 27 (21h)

Cabra Marcado para Morrer: O clássico documentário de Eduardo Coutinho foi relançado ano passado em cópia restaurada. A história, você sabe: o filme começou a ser realizado nos anos 1960 como uma ficção sobre o assassinato do líder das Ligas Camponesas na Paraíba, usando a verdadeira viúva como atriz, mas as filmagens foram interrompidas com o golpe de 1964. Quase 20 anos depois, Coutinho foi em busca daquelas pessoas para saber o que aconteceu com elas. Sexta 15 (19h); domingo 24 (17h)

Elefante Branco: Ricardo Darín é um padre que se envolve com as questões sociais na maior favela de Buenos Aires. Foi indicado a três prêmios da Academia Argentina (incluindo melhor filme). Sábado 16 (15h); quarta 27 (19h)

Fausto: Leão de Ouro e mais dois prêmios no Festival de Veneza de 2011, o novo filme do russo Alexandr Sokurov é uma adaptação da obra de Goethe sobre o homem que vende a alma ao diabo, com a elaboração visual que marca o diretor de Arca Russa. Segunda 18 (19h); segunda 25 (21h)

Febre do Rato: O novo filme do pernambucano Cláudio Assis tem Irandhir Santos como um poeta que entra em parafuso quando a mulher por quem ele se encanta não dá bola para ele. Falando assim, parece bonitinho, mas é um filme do Cláudio Assis. Levou oito prêmios no finado Festival de Paulínia – incluindo filme, direção, ator e atriz (Nanda Costa, nunca é demais dizer). Domingo 17 (15h); quinta 28 (19h)

Infância Clandestina: Em 1979, na Argentina sob a rígida ditadura militar, um garoto vive clandestinamente com sua família que luta contra o regime. Mas ele se apaixona por uma menina, um envolvimento que complica tudo. É uma história real. Ganhou dez prêmios da Academia Argentina de Cinema (incluindo melhor filme, direção, ator, atriz, ator coadjuvante e atriz coadjuvante) e foi o escolhido pela Argentina para concorrer a indicação ao Oscar de filme de língua não inglesa deste ano. E atenção, no elenco está a querida paraibana Mayana Neiva! Domingo 17 (17h); quarta 20 (19h); sábado 23 (15h)

As Neves do Kilimanjaro: Um casal feliz há 30 anos são abordados com violência em um assalto, onde é levado o dinheiro que tinham para uma viagem ao Monte Kilimanjaro. Mas quando os bandidos são encontrados, eles acabam tendo uma reação que surpreende os parentes e amigos. É baseado em um poema de Vitor Hugo e, apesar do mesmo título, não tem nada a ver com o filme de Hollywood de 1952, com Gregory Peck e Ava Gardner. Indicado ao César de melhor atriz. Segunda 18 (21h); quinta 21 (21h); sexta 22 (21h)

No: Indicado ao Oscar de filme de língua não inglesa deste ano, o filme chileno se passa no referendo que definiria se o ditador Pinochet continuaria ou não no governo em 1988. René Saavedra (Gael García Bernal) coordena a campanha do “Não” com pouco dinheiro e sempre vigiado pelos agentes do governo (um dos mais sangrentos entre as ditaduras latino-americanas). Ganhou como melhor filme estrangeiro na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e o Prêmio C.I.C.A.E., em Cannes. Quinta 21 (19h); segunda 25 (19h); quinta 28 (21h)

O Som ao Redor: O filme do pernambucano Kléber Mendonça Filho fez furor nos festivais ano passado e entrou nas listas de melhores do ano da Film Comment (revista de cinema do Lincoln Center) e do The New York Times. Ganhou o prêmio do júri no Festival de Roterdã, melhor filme na Mostra de São Paulo e Festival do Rio, júri popular e prêmio da crítica em Gramado… E com nosso W.J. Solha no elenco. A história se passa em uma rua de classe média de Recife, onde uma milícia oferece um serviço de segurança, alterando a rotina e as relações entre os moradores. O filme substitui O Exercício do Poder, anteriormente programado para a mostra. Terça 19 (21h); sexta 22 (19h); terça 26 (21h)

As Vantagens de Ser Invisível: O próprio Stephen Chbosky fez o roteiro e dirigiu a adaptação de seu livro, a história de um calouro introvertido que é acolhido por outros dois deslocados com quem constrói uma verdadeira amizade. O filme americano tem no elenco a lindinha Emma Watson, a Hermione dos filmes de Harry Potter. Sábado 16 (17h); quarta 20 (21h); domingo 24 (15h)

Sigam-me os bons (no Twitter)

março 2017
D S T Q Q S S
« fev    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Cenas da Vida

Você lembra dos meus cabelos?

Cineport 2011

Cineport 2011

Mais fotos

Páginas

Estatísticas

  • 1,238,952 hits