You are currently browsing the tag archive for the ‘Diário de filmes’ tag.

null

HAN SOLO (Ron Howard, 2018)
Diário de Filmes 2019: 18

Fazer um filme sobre o passado de um personagem tão mítico quanto Han Solo – com outros criadores e outro elenco – é praticamente pedir pra perder. Dificilmente vai se chegar à altura da representação original (no caso, Harrison Ford na trilogia original de Guerra nas Estrelas). Dito isso, não é um filme ruim. É uma aventura honesta e com boa dose de diversão. Mas seria ótimo se fosse tão inspirado quanto os posters setentistas da divulgação do filme.

Anúncios

null

A BELA E A FERA (Bill Condon, 2017)
Diário de Filmes 2019: 17

Seguindo muito de perto a versão animada, incluindo as canções, essa versão carne-osso-e-CGI tem acertos e problemas. De cara, se perde o carisma que a liberdade da animação dá aos personagens, principalmente aos objetos que são pessoas encantadas. O número “Belle” já mostra também que a vivacidade da animação ganhou comedimento com os atores e cenários reais. Por outro lado, há um trabalho para avançar no empoderamento da personagem da Bela (que já era avançada em 1991, em comparação a outras princesas Disney), fazer as causas e consequências ganharem um pouco mais de sentido, personagens como o pai da Bela e Lefou melhoraram bastante e há uma sequência nova envolvendo a história da mãe da protagonista.

Bela e a Fera - 1991 - 31

A BELA E A FERA (Gary Trousdale e Kirk Wise, 1991)
Diário de Filmes 2019: 16

Primeira animação indicada ao Oscar de melhor filme (numa época em que não havia uma categoria própria e eram só cinco indicados), A Bela e a Fera consolidou o renascimento dos longas da Disney após um período de baixa. O primeiro número musical, “Belle”, já mostra as cartas do filme: uma animação estupenda de um número musical que é pura Broadway. O que vem pela frente navega entre o drama, o horror, a ação e, naturalmente, o filme para crianças.

Aquaman - 06

AQUAMAN (James Wan, 2018)
Diário de Filmes 2019: 15

Finalmente parece que alguém estava se divertindo num filme do Universo DC. Aquaman não sai muito do mediano, perdendo tempo como um sub-Indiana Jones em certo momento, abusando das bobagens no roteiro e se afundando numa exagerada megabatalha final. Mas tem um protagonista que tira onda, abraça sua estética muito kitsch e isso rende algumas risadas.

Pequeno Príncipe - 2015 - 02

O PEQUENO PRÍNCIPE (Mark Osborne, 2015)
Diário de Filmes 2019: 14

Segunda vez no ano porque é hit com Arthur aqui em casa. A interação entre a parte nova, da garotinha adulta, com a adaptação propriamente dita do livro (esta em stop-motion com papel) sempre me encanta.

VisagesVillages_Poster_70x100.indd

VISAGES VILLAGES (Agnes Varda e JR, 2017)
Diário de Filmes 2019: 13

JR é um fotógrafo e artista plástico que gosta de fazer murais com fotos gigantes. A veterana Agnes Varda é uma das grandes cineastas do mundo. Essa dupla improvável viaja por vilarejos franceses para registrar as pessoas, conhecê-las e trocar impressões. Funciona bastante bem, com um olhar carinhoso para as pessoas comuns, retratados em sua grandeza nos murais que vão ficando pelo caminho.

null

VIVA – A VIDA É UMA FESTA (Lee Unkrich e Adrian Molina, 2017)
Diário de Filmes 2019: 12

É sempre um prazer rever a bela animação da Disney, que imagina um mundo dos mortos e trata da importância da saudade.
Para mais, leia minha crítica do filme.
E leia também minha matéria sobre a arquitetura do filme na revista AE.

Filme Looney Looney Looney do Pernalonga - 01

O FILME LOONEY, LOONEY, LOONEY DO PERNALONGA (Friz Freleng, 1981)
Diário de Filmes 2019: 11

Longa-metragem que emenda diversos curtas dirigidos por Friz Freleng em três blocos temáticos: Eufrazino (em duelo com Pernalonga em cenários como o velho oeste e a Roma antiga), os gansgsters Rocky e Mugsy (sequestrando Pernalonga poe acaso ou ameaçando o Patolino para que ele bote um ovo de ouro) e outros reunidos sob o pretexto de grandes atuações animadas em um prêmio tipo Oscar (clássicos como O Jazz dos Três Porquinhos, Frajola entrando para os comedores de pássaros anônimos, Pernalonga e Eufrazino duelando num número de mergulho, Pernalonga e Patolino duelando no palco). A ligação entre eles é feita por alguns novos e breves segmentos animados, em geral menos inspirados. Mas o curtas originais são irresistíveis, afinal Freleng foi um dos maiores diretores das animações da Warner. Antes do longa propriamente dito, o início é com o curta Knighty Knight Bugs (1958), única vez em que o Pernalonga ganhou um Oscar. Esse filme deve ter tido outro título ao passar aqui nos cinemas ou ter sido lançado em VHS, mas não encontrei referência.

Pequeno Príncipe - 2015 - 05

O PEQUENO PRÍNCIPE (Mark Osborne, 2015)
Diário de Filmes 2019: 10

Fazer uma adaptação do clássico de Saint-Exupéry em que metade ou mais da metade é uma história nova e moderna é uma temeridade. Mas funciona aqui – e bem. O filme consegue vincular as duas tramas, fazer uma influenciar a outra e as demarca com inteligência através do uso de duas técnicas de animação diferentes. A parte moderna, em CGI; a adaptação direta do livro, em stop-motion com papel. A reta final é o resgate da infância para uma menininha muito adulta (em “um mundo que ficou adulto demais”) e um tom de aventura, mas sem perder a obra original de vista.

Faster Pussycat Kill Kill - 01

FASTER, PUSSYCAT! KILL! KILL! (Russ Meyer, 1965)
Diário de Filmes 2019: 9

Os admiradores de Russ Meyer costumam admirar as mulheres que botam pra quebrar desse filme: três dançarinas eróticas que também correm em alta velocidade pelas estradas, lutam e matam com as próprias mãos. A influência em Tarantino é conhecida e evidente. Há quem também se divirta com sua estetica trash e sem vergonha, onde, por exemplo, carros estão em alta velocidade, mas, nos closes, as nuvens no céu estão paradíssimas; ou os dialogos quase 100% marrentos.

Filme Benzinho
Credito: Bianca Aun/Divulgação

BENZINHO (Gustavo Pizzi, 2018)
Diário de Filmes 2019: 9

Irene está às voltas com muita coisa. Mãe em uma família de classe média, mora em uma casa velha cuja porta nem abre, o marido pressiona para vender outra casa na praia que é emocionalmente cara a ela, a irmã tenta se desvencilhar de um marido abusivo, está tentando terminar uma faculdade. E, agora, o filho mais velho recebe uma proposta para jogar handebol na Alemanha. Lidar com essa novidade vai ser especialmente difícil. O filme retrata bem os conflitos internos da personagem, sem recorrer ao melodrama, mas também sem pose de indiferença artística. Karine Teles, roteirista e atriz principal, brilha. E a direção de Gustavo Pizzi, também roteirista do filme com Karine, com quem foi casado, dá espaço para todos os personagens e busca planos bem elaborados. 

Em download.

Homem-Aranha no Aranhaverso

HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO (Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman, 2018)
Diário de Filmes 2019: 7

Nos quadrinhos, a saga do Aranhaverso foi um fan service gigante que brincava com encontros de inúmeras versões do Homem-Aranha, já existentes ou criadas para a história. A adaptação da ideia para o cinema organiza e simplifica a coisa – e a aproveita para apresentar ao público alheio aos quadrinhos o Homem-Aranha alternativo mais popular: Miles Morales. Negro e latino, é para o universo dele que convergem outros cinco Aranhas, que se juntam para impedir a destruição de seus universos paralelos através de uma máquina fatal, etc. Para o leitor aficcionado por cronologia, um prato cheio para debater referências e se o Parker veterano que aparece é ou não o “nosso” Peter Parker. Para o espectador comum, isso não tem muita importância: o filme é ágil, divertido, a animação investe num ar cartunesco, a narrativa explora bem os diferentes heróis aracnídeos (com alguns mais protagonistas e outros mais coadjuvantes) e há boas sacadas como evocar a textura de quadrinhos antigos e recontar as origens dos heróis várias vezes, com suas particularidades.

 

ET o Extraterrestre - 20

ET, O EXTRATERRESTRE (Steven Spielberg, 1982)
Diário de Filmes 2019: 6

Uma das maiores qualidades de Spielberg como cineasta é que ele pensa em imagens. Até em seus filmes menores há momentos em que fica evidente que o que a câmera mostra foi arquitetado, desenhado, para tentar contar alguma coisa a mais ou fugir do lugar comum. Com um movimento de câmera, ou um enquadramento ou a movimentação dos atores dentro do quadro. Se é assim em seus filmes menores, imagine nos maiores, como ET. Pegue o fato de que, com exceção da mãe de Elliot, todos os adultos só aparecem sem mostrar o rosto até cerca de 1h30 de filme. Apenas da cintura para baixo, de costas, por baixo de máscaras, escondidos pelos para-brisas dos carros em movimento (como em Encurralado) ou apenas através de sombras ou detalhes do corpo. Para as crianças do filme, ET é um deles; os adultos é que são os alienígenas. E há planos incríveis como as mãos das crianças soltando as rãs pela janela ou a câmera rente ao chão enquanto passam velozes as bicicletas perseguidas pelos carros de polícia. Ando revendo muito por causa do Arthur, que virou fã do filme – mas não cansa nunca.

Em DVD.

Trama Fantasma - 01

TRAMA FANTASMA (Paul Thomas Anderson, 2018)
Diário de Filmes 2019: 5

A narrativa espelha seu protagonista: um extremo rigor visual, uma busca pela beleza que chega a ser opressiva. É, principalmente, um meticuloso estudo de personagem. Na verdade, de dois personagens obsessivos: o “sexo” após o primeiro encontro é o personagem de Day-Lewis fazendo a garçonete experimentar vestidos que ele desenhou e tirando as medidas dela. A diferença é que a nova musa não será passiva e Isso vai abalar progressivamente o mundo milimetricamente controlado e sempre ao dispor do estilista.

Em download.

Boas Maneiras - 02

AS BOAS MANEIRAS (Marco Dutra e Juliana Rojas, 2018)
Diário de Filmes 2019: 4

Um filme mutável, que vai adquirindo novas faces ao longo da projeção. O drama social se revela um filme de horror, a trama ganha um “capítulo 2” dentro do próprio filme, namora inesperadamente o musical. Se encanta demais com as possibilidades dos efeitos especiais e acaba ficando desnecessariamente explícito em certos momentos, mas esse coquetel de elementos tem personalidade, bons atores, muita força dramática.

Em download.

Roma - 01

ROMA (Alfonso Cuarón, 2018)
Diario de Filmes2019: 3

Nostalgia embalada em estética poderosa, Roma é um canto a um lugar e época bem específicos: um bairro da capital mexicana nos anos 1970. E se apoia num microcosmo que engloba questões de classe, étnicas, turbulência política, dramas pessoais. É uma narrativa que, mais que contar uma história que vai de um ponto inicial a uma conclusão, é uma observação emotiva sobre eventos episódicos, que mudam tudo e não mudam nada. E elevou a produção de longas para streaming a outro patamar.

Na Netflix.

bumblebee

BUMBLEBEE (Travis Knight, 2018)
Diário de Filmes 2019: 1

Uma mistura de ET’ King Kong e Se Meu Fusca Falasse, esse prelúdio é, de longe, a melhor coisa da franquia Transformers (pelo menos do que vi: desisti no terceiro, porque não aguentei mais). Não é só um amontoado de cenas de ação mal dirigidas e com um humor questionável, como os anteriores. Tem coração, um diretor competente (que veio do mundo da animação) e uma jovem grande atriz que faz muita diferença. Hailee Steinfeld interpreta, na prática, monólogos em boa parte do filme e está sempre muitíssimo bem.

No cinema (Cinépolis Manaíra).

wall-e

DIÁRIO DE FILMES 2018: 15 – WALL-E
Sem borda - 05 estrelas

A Terra tomada pelo lixo e deserta: apenas um robozinho permanece limpando lixo, que forma montanhas maiores que os arranha-céus. Como uma animação de premissa tão deprê poderia funcionar numa produção a princípio infantil? Mas o protagonista tem tanto de Chaplin e de Buster Keaton que sustenta 40 minutos praticamente sem falas. Uma visão do futuro tão aterradora quanto divertida. Uma obra-prima desde o primeiro segundo, estabelecendo a relação com o musical Alô, Dolly (1969) que depois vai nortear a relação romântica com a mais avançada Eva.

Wall-E. Wall-E. Estados Unidos, 2008. Direção: Andrew Stanton. Elenco: Fred Willard. Vozes na dublagem original: Ben Burtt, Elissa Knight, Jeff Garlin, John Ratzenberger, Kathy Najimi, Sigourney Weaver. Vozes na dublagem brasileira: Cláudio Galvan, Sylvia Salustti, Reginaldo Primo, Guilherme Briggs, Priscila Amorim. Em DVD.

Ratatouille

DIÁRIO DE FILMES 2018: 14 – RATATOUILLE
Sem borda - 05 estrelas

Mais de dez anos após o lançamento, Ratatouille permanece um dos melhores filmes da Pixar. Há originalidade na história de um ratinho cozinheiro, mas, sobretudo, há um roteiro bem desenhado e uma narrativa com momentos brilhantes. Como a sequência em que em um plano rápido o filme mostra que os diálogos que ouvimos dos ratinhos são “traduzidos”, a sequência em que Remy sobe por dentro das paredes de um prédio, a fuga com os documentos pelas ruas de Paris, o momento proustiano do crítico Anton Ego, sua crítica e as imagens que a acompanham.

Ratatouille. Ratatouille. Estados Unidos, 2007. Direção: Brad Bird. Vozes na dublagem original: Patton Oswalt, Lou Romano, Ian Holm, Janeane Garofalo, Peter O’Toole, Brian Dennehy. Vozes na dublagem brasileira: Philippe Maia, Thiago Fragoso, Márcio Simões, Samara Felippo, Lauro Fabiano, Carlos Gesteira. Em DVD.

Culpa E das Estrelas

DIÁRIO DE FILMES 2018: 13 – A CULPA É DA ESTRELAS
Sem borda - 03 estrelas

Doenças potencialmente fatais e romance estão por aí desde, pelo menos, A Dama das Camélias. Ingredientes embalados para leitores e espectadores jovens, a adaptação para filme funciona bem. Tem dois bons atores nos papeis principais e uma cena bonita no Museu Anne Frank.

A Culpa É das Estrelas. The Fault in Our Stars. Estados Unidos, 2014. Direção: Josh Boone. Elenco: Shailene Woodley, Ansel Elgort, Willem Dafoe, Laura Dern. Na TV.

Sigam-me os bons (no Twitter)

agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Cenas da Vida

Páginas

Estatísticas

  • 1.334.387 hits
Anúncios