LUCA
⭐⭐⭐⭐
Diário de Filmes 2022: 2
Onde ver: Disney Plus

Celebração da diferença

A história de duas jovens criaturas marinhas humanoides que descobrem o mundo numa cidadezinha no litoral da Itália é uma parábola da aceitação do diferente. Há uma diálogo muito bom perto do final, onde a avó diz: “Algumas pessoas não vão aceitá-lo. Mas outras vão. E ele parece saber como encontrar as boas”.

É uma metáfora ampla, que pode falar sobre preconceito contra homossexuais e a necessidade de se afirmar, sobre racismo ou sobre imigrantes serem aceitos em sua nova terra, por exemplo. Isso embalado num belo visual (com personagens claramente inspirados nos filmes do Studio Ghibli) e decorado com um monte de saborodas referências italianas para cinéfilos – da foto de Marcello Mastroianni colada num retrovisor ao poster de A Princesa e o Plebeu na parede.

O começo, é verdade, é muito semelhante ao de A Pequena Sereia – só falta Luca cantar “Part of your world” para mostrar sua curiosidade sobre os objetos do mundo aqui de cima. Ele faz amizade com Alberto – os dois são monstros marinhos que, fora d’água, se tornam meninos humanos.

Sua compreensão errada do funcionamento das coisas aqui é divertida, assim como a preocupação constante em não se molhar, o que revela a verdadeira natureza da dupla. Com Giulia acontece uma identificação que – ela ainda não sabe – ultrapassa a diferença entre eles: o trio se une como “os excluídos”, um grupo para disputar uma competição local.

Luca quer saber mais – sobre o espaço, o mundo, as histórias –, o que gera uma bonita sequência sobre conhecimento, algumas das vezes em que o filme sai de um registro “real” para um “imaginativo” do protagonista. Essa vontade também vai ganhar força e se tornar uma questão entre Luca e Alberto – e a maneira do filme dizer que eles também precisam aceitar as diferenças entre eles.

Luca, 2021.
Direção: Enrico Casarosa. Roteiro: Jesse Andrews e Mike Jones, baseado em argumento de Andrews, Enrico Casarosa e Simon Stephenson. Vozes na dublagem original: Jacob Tremblay, Jack Dylan Grazer, Emma Berman, Maya Rudolph, Sacha Baron Cohen. Vozes na dublagem brasileira: Rodrigo Cagiano, Pedro Miranda, Beatriz Singer, Letícia Quinto, Luís Miranda.