You are currently browsing the tag archive for the ‘Cinema clássico’ tag.

Coluna Cinemascope (#12). Correio da Paraíba, 7/12/2016

ultimo-tango-em-paris-05

“Último Tango em Paris” (1971)

O vale tudo nas filmagens

por Renato Félix

Maria Schneider falou sobre como tinha sofrido no set de Último Tango em Paris (1973) e de como isso havia deixado sequelas psicológicas em sua vida. Só agora, três anos depois de o próprio diretor Bernardo Bertolucci ter admitido que Marlon Brando e ele tramaram surpreender a jovem atriz na “cena da manteiga” para obter, nas palavras dele, “a reação da menina e não a da atriz”, é que a questão causou repercussão.

Nem vou entrar nos aspectos potencialmente criminosos do fato, já amplamente discutidos na imprensa e nas redes sociais, mas entrar em um aspecto que foi levantado por minha amiga Alana Agra no Facebook: vale tudo para conseguir a melhor atuação, a melhor cena para um filme?

Não são poucos os casos em que os diretores apostam no sofrimento não consentido de seus atores (e equipe) para conseguir o que querem para seus filmes. As histórias são muitas, em diferentes níveis, sem precisar chegar a uma questão tão sórdida como a de um estupro, mas que podem ser igualmente condenáveis se a gente pensar no que alguém precisa passar pela visão de outro.

Entre as que me lembro, está William Friedkin mandando puxar Ellen Burstyn, com toda a força e sem que ela soubesse, para que sua reação (e grito) de dor ao cair fosse real em uma cena de O Exorcista (1973). Ou dando tiros para o ar no set para manter a tensão no elenco e equipe.

Também, entre todas as agruras que Tippi Hedren passou nas mãos de Hitchcock, está a história de ela ter sido avisada só momentos antes da cena que teria amarrados a seus braços e pernas pássaros reais que iriam atacar sua personagem em Os Pássaros (1963).

Caso mais grave: a terrível morte de Vic Morrow e dois atores mirins, atingidos por um helicóptero em uma cena de No Limite da Realidade (1983), de John Landis, filmada fora dos padrões de segurança. Morrow foi decapitado.

FOTO: Último Tango em Paris (1971)

<< Anterior: Mergulho na cinefilia

Coluna Cinemascope (#10). Correio da Paraíba, 23/11/2016.

Jaws

“Tubarão” (1975)

Antes e depois deles

por Renato Félix

Um dia desses debati com um amigo sobre o fato de Pulp Fiction (1994) ter ou não mudado a história do cinema. Ele achando que sim, eu que não. O filme de Tarantino sem dúvida tem grandes qualidades como cinema, foi a afirmação de um esteta, reprocessou muita coisa, mas isso não é mudar a história. Isso é para pouquíssimos filmes.

É uma afirmação para ser usada, por exemplo, para Viagem à Lua (1902), de George Méliès. O curta que usou os parcos recursos técnicos da época para fazer o espectador viajar ao espaço. Não só afirmou que o caminho maior do cinema seria ali pela fantasia como inaugurou a ficção científica no cinema.

É também para ser atribuído a O Nascimento de uma Nação (1915), de D.W. Griffith, que praticamente instituiu uma gramática da linguagem cinematográfica. Ou O Encouraçado Potemkin (1925), de Sergei Eisenstein, o pilar da edição soviética, que mostrou que a montagem podia ser usada para mais do que emendar uma cena na outra: mas para criar ideias a partir da união das imagens.

Também entra aí Roma, Cidade Aberta (1945), de Roberto Rossellini, que inaugurou o neo-realismo italiano e levou o cinema pra rua, para fora dos estúdios, e levou atores não profissionais para dentro do cinema. Em 1960, Acossado, de Jean-Luc Godard, abriu o leque do conceito de montagem, apostando no salto das imagens.

Branca de Neve e os Sete Anões (1937) criou um novo mercado: os longas de animação. E Toy Story (1995), a animação por computador, que dominaria o gênero. Sem esquecer de Tubarão (1975), que instituiu o conceito de blockbuster. Esses, sim, mudaram o cinema.

FOTO: Tubarão (1975)

<< Anterior: Há (quase) 30 anos
>> Mergulho na cinefilia

 

inventor-da-mocidade-11

O INVENTOR DA MOCIDADE

Sem borda - 04 estrelas

A primeira cena de O Inventor da Mocidade, antes dos créditos, mostra a porta da frente de uma casa e Cary Grant quase saindo dela, quando é interrompido pela voz (suponho) do diretor: “Ainda não, Cary”. Já é uma amostra de que o disparate total vai dar a ordem nessa comédia maluca temporã, da mesma dupla diretor-ator do clássico Levada da Breca (1938), mas produzida e lançada em anos em que Jerry Lewis já começava a dominar o gênero.

Cary Grant foi um ator que se saía tão bem quanto galã romântico quanto num aloprado papel cômico como este: um cientista dedicado a criar uma fórmula para o rejuvenescimento e que, por acidente, tem seu preparo remisturado por um dos macacos do laboratório. Testando o produto em si mesmo, o cientista rejuvenesce mentalmente até a infância.

Cary se entrega bravamente ao papel, assim como Ginger Rogers, que interpreta sua esposa e também é afetada pela fórmula em determinado momento. Tudo vai num crescendo cada vez mais em direção ao mais desenfreado absurdo. Só não chega a romper as barreiras da realidade (bem, a da proposta pelo filme) como os filmes vindouros de Mel Brooks e do trio Zucker-Abrahams-Zucker.

O Inventor da Mocidade injustamente acabou ficando injustamente para a história como “um filme de Marilyn Monroe”. Marilyn estava às vésperas de se tornar a grande estrela que foi: no ano seguinte emplacaria três filmes de sucesso que redefiniram sua carreira. Aqui, embora estampe as capas de DVDs e blu-rays do filme, ainda é coadjuvante.

Mas seu papel também tem destaque: é a secretária sexy da empresa para a qual Cary trabalha e divide com ele algumas das loucuras em que ele se mete. Seu brilho é evidente no meio de duas estrelas consagradas como Cary e Ginger. O próprio Howard Hawks viu logo: a colocou em Os Homens Preferem as Loiras (1953), fez ela canta “Diamonds are a girl’s best friend” e criou um momento antológico que ajudou a consolidar o mito.

Monkey Business. Estados Unidos, 1952. Direção: Howard Hawks. Elenco: Cary Grant, Ginger Rogers, Marilyn Monroe, Charles Coburn, Hugh Marlowe. Visto em DVD.

Quando Um Corpo que Cai (1958) “roubou” o posto de Cidadão Kane (1941) como melhor filme de todos os tempos na eleição que a revista inglesa Sight and Sound fez em 2012, muita gente se surpreendeu. Pois aconteceu de novo: agora foi a francesa Télérama que consagrou o clássico de Alfred Hitchcock.

Mas essa é das poucas semelhanças entre as duas listas. Esta é uma lista muito particular, com escolhas muito curiosas sobre que filme de determinados diretores seriam citados em melhor colocação. Não dá para saber se foi uma opção consciente ou simplesmente aconteceu. O fato é que há muitas escolhas que não são as mais óbvias ou esperadas. Por exemplo:

  • O melhor Billy Wilder na lista é Amor na Tarde (1957), e não Quanto Mais Quente Melhor (1959; mais abaixo na lista) ou Crepúsculo dos Deuses (1950; não está) ou Se Me Apartamento Falasse (1960; não está)
  • O primeiro Bergman é Fanny & Alexander (1982), que acho ótimo, mas é menos emblemático que O Sétimo Selo (1957, não está na lista), Morangos Silvestres (1957, também não está) ou Persona (1966; está, mais abaixo).
  • O melhor Kubrick é O Iluminado (1980) e não 2001 (1968, que está lá no fim da lista). Nem Laranja Mecânica (1971), que ficou fora.
  • O melhor Truffaut é A Mulher do Lado (1981). Há outro filme do diretor na lista, mas não é nem Os Incompreendidos (1959), nem Jules e Jim (1961): é A História de Adele H (1975).
  • Godard está em segundo na lista, mas com O Desprezo (1963). Acossado (1960) não ficou entre os 100.
  • O melhor Visconti não é Morte em Veneza (1971, fora da lista) ou Rocco e Seus Irmãos (1951) ou O Leopardo (1963) – ambos na lista, mas abaixo. É Ludwig – A Paixão de um Rei (1973).
  • O melhor Scorsese não é Taxi Driver (1976) ou O Touro Indomável (1980) – os dois fora da lista – ou Os Bons Companheiros (1990) – na lista, mas abaixo. É Cassino (1995).
  • O melhor Jacques Demy não é Os Guarda-Chuvas do Amor (1964) e nem mesmo Duas Garotas Românticas (1967) – é Um Quarto na Cidade (1982),  muito menos lembrado. Mas os outros dois estão na lista.
  • Entrou um Jane Campion, mas não é O Piano (1993) e, sim, O Brilho de uma Estrela (2009).

Há outras curiosidades:

  • O texto de abertura se vangloria pelo ineditismo de eleger Um Corpo que Cai pela primeira vez como o melhor. “Pelo que sabemos”, diz. Bom, então desconhecem a mais emblemáticas das enquetes do gênero: a da Sight and Sound, que, como digo no começo, elegeu Um Corpo que Cai em 2012 (é feita de dez em dez anos). Confira aqui os 50 melhores.
  • A revista também não nega as limitações da lista: não há um único filme da América do Sul ou da África.
  • Os caras gostam muito do Michael Cimino: é o primeiro diretor a aparecer com dois filmes no top 20!
  • Hitchcock teve o primeiro filme na lista. Em compensação, foi o único.
  • Nada de Griffith ou Eisenstein, pilares do cinema mundial.

A lista é resultado de uma votação da equipe da revista, mas não encontrei a informação de quantos votaram. Veja a seguir a lista completa. Se quiser ver a página original e os detalhes da votação, clique aqui.

corpo-que-cai-15

James Stewart e Kim Novak em “Um Corpo que Cai”

1 – UM CORPO QUE CAI, de Alfred Hitchcock (1958)

desprezo-13

Brigitte Bardot e Michel Piccolli em “O Desprezo”

2 – O DESPREZO, de Jean-Luc Godard (1963)

aurora-06

George O’Brien e Janet Gaynor em “Aurora”

3 – AURORA, de F.W. Murnau (1927)

cidade-dos-sonhos-38

Laura Elena Harring e Naomi Watts em “Cidade dos Sonhos”

4 – CIDADE DOS SONHOS, de David Lynch (2001)

era-uma-vez-em-toquio-04

5 – ERA UMA VEZ EM TÓQUIO, de Yasujiro Ozu (1953)

desejos-proibidos-1953-01

Charles Boyer e Danielle Darrieux em “Desejos Proibidos”

6 – DESEJOS PROIBIDOS, de Max Ophuls (1953)

cantando-na-chuva-33

Donald O’Connor, Debbie Reynolds e Gene Kelly em “Cantando na Chuva”

7 – CANTANDO NA CHUVA, de Gene Kelly e Stanley Donen (1952)

mae-e-a-puta-03

Jean-Pierre Léaud, Françoise Lebrun e Bernadette Lafont em “A Mãe e a Puta”

8 – A MÃE E A PUTA, de Jean Eustache (1973)

noivo-neurotico-noiva-nervosa-01

Diane Keaton e Woody Allen em “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”

9 – NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA, de Woody Allen (1977)

mensageiro-do-diabo-07

Sally Jane Bruce, Billy Chapin e Robert Mitchum em “O Mensageiro do Diabo”

10 – O MENSAGEIRO DO DIABO, de Charles Laughton (1955)

franco-atirador-1978-01

Robert De Niro em “O Franco-Atirador”

11 – O FRANCO-ATIRADOR, de Michael Cimino (1978)
12 – M – O VAMPIRO DE DUSSELDORF, de Fritz Lang (1931)
13 – A MALVADA, de Joseph L. Mankiewicz (1950)
14 – A DOCE VIDA, de Federico Fellini (1960)
15 – FANNY E ALEXANDER, de Ingmar Bergman (1982)
16 – MINHA NOITE COM ELA, de Eric Rohmer (1969)
17 – O PORTAL DO PARAÍSO, de Michael Cimino (1980)
18 – O ILUMINADO, de Stanley Kubrick (1980)
19 – PERSONA, de Ingmar Bergman (1966)
20 – A MULHER DO LADO, de François Truffaut (1981)

stalker-06

Natalya Abramova em “Stalker”

21 – STALKER, de Andrei Tarkovsky (1979)
22 – UM CONVIDADO BEM TRAPALHÃO, de Blake Edwards (1968)
23 – MEU TIO, de Jacques Tati (1958)
24 – NOITES DE LUA CHEIA, de Eric Rohmer (1984)
25 – CLÉO DAS 5 ÀS 7, de Agnès Varda (1962)
26 – O ECLIPSE, de Michelangelo Antonioni (1962)
27 – VAN GOGH, de Maurice Pialat (1991)
28 – ANDREI ROUBLEV, de Andrei Tarkovsky (1969)
29 – DO MUNDO NADA SE LEVA, de Frank Capra (1938)
30 – O DEMÔNIO DAS ONZE HORAS, de Jean-Luc Godard (1965)

amor-na-tarde-14

Audrey Hepburn e Gary Cooper em “Amor na Tarde”

31 – AMOR NA TARDE, de Billy Wilder (1957)
32 – CASSINO, de Martin Scorsese (1995)
33 – AMOR À FLOR DA PELE, de Wong Kar-Wai (2001)
34 – O BRILHO DE UMA PAIXÃO, de Jane Campion (2009)
35 – A CAIXA DE PANDORA, de G.W. Pabst (1929)
36 – A REGRA DO JOGO, de Jean Renoir (1939)
37 – UM QUARTO NA CIDADE, de Jacques Demy (1982)
38 – FRANKENSTEIN, de James Whale (1931)
39 – OS MARIDOS, de John Cassavetes (1970)
40 – A BELA E A FERA, de Jean Cocteau (1946)

evangelho-segundo-sao-mateus-05

Enrique Irazoqui em “O Evangelho Segundo São Mateus”

41 – O EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS, de Pier Paolo Pasolini (1964)
42 – MANHATTAN, de Woody Allen (1979)
43 – ERA UMA VEZ NA AMÉRICA, de Sergio Leone (1984)
44 – LUZES DA CIDADE, de Charles Chaplin (1931)
45 – CAMINHO SEM VOLTA, de James Gray (2000)
46 – TRÁGICO AMANHECER, de Marcel Carné (1939)
47 – LUDWIG – A PAIXÃO DE UM REI, de Luchino Visconti (1973)
48 – A OUTRA, de Woody Allen (1988)
49 – DUAS GAROTAS ROMÂNTICAS, de Jacques Demy (1967)
50 – O GRANDE DITADOR, de Charles Chaplin (1940)

mulher-sob-influencia-04

Gena Rowlands em “Uma Mulher sob Influência”

51 – UMA MULHER SOB INFLUÊNCIA, de John Cassavetes (1974)
52 – A BELA DA TARDE, de Luís Buñuel (1967)
53 – ALL THAT JAZZ – O SHOW DEVE CONTINUAR, de Bob Fosse (1979)
54 – QUANTO MAIS QUENTE MELHOR, de Billy Wilder (1959)
55 – OS DESAJUSTADOS, de John Huston (1961)
56 – ROCCO E SEUS IRMÃOS, de Luchino Visconti (1951)
57 – A PISTA, de Chris Marker (1962)
58 – CIDADÃO KANE, de Orson Welles (1941)
59 – MULHERES DIABÓLICAS, de Claude Chabrol (1995)
60 – OS GUARDA-CHUVAS DO AMOR, de Jacques Demy (1964)

general-04

Buster Keaton em “A General”

61 – A GENERAL, de Buster Keaton e Clyde Bruckman (1927)
62 – A LOJA DA ESQUINA, de Ernst Lubitsch (1940)
63 – A REDE SOCIAL, de David Fincher (2010)
64 – SONO DE INVERNO, de Nuri Bilge Ceylan (2014)
65 – PROFISSÃO: REPÓRTER, de Michelangelo Antonioni (1975)
66 – MOUCHETTE, A VIRGEM POSSUÍDA, de Robert Bresson (1967)
67 – RATATOUILLE, de Brad Bird (2007)
68 – IMITAÇÃO DA VIDA, de Douglas Sirk (1959)
69 – AMARCORD, de Federico Fellini (1973)
70 – RASTROS DE ÓDIO, de John Ford (1956)

trinta-anos-esta-noite-02

Maurice Ronet e Léna Skerla em “Trina Anos Esta Noite”

71 – TRINTA ANOS ESTA NOITE, de Louis Malle (1963)
72 – AMOR DE PERDIÇÃO – MEMÓRIAS DE UMA FAMÍLIA, de Manoel de Oliveira (1978)
73 – SHOAH, de Cçaude Lanzmann (1985)
74 – SOMBRA DO PAVOR, de Henri-Georges Clouzot (1943)
75 – UM CONTO DE NATAL, de Arnaud Desplechant (2008)
76 – HOTEL DAS AMÉRICAS, de André Téchiné (1981)
77 – VOZES DISTANTES, de Terence Davies (1988)
78 – GOSTO DE CEREJA, de Abbas Kiarostami (1997)
79 – A TORTURA DO MEDO, de Michael Powell (1960)
80 – UM DIA MUITO ESPECIAL, de Ettore Scola (1977)

homem-que-matou-o-facinora-02

Lee Marvin, James Stewart e John Wayne em “O Homem que Matou o Facínora”

81 – O HOMEM QUE MATOU O FACÍNORA, de John Ford (1962)
82 – AGUIRRE, A CÓLERA DOS DEUSES, de Werner Herzog (1972)
83 – BONEQUINHA DE LUXO, de Blake Edwards (1961)
84 – JOHNNY VAI À GUERRA, de Dalton Trumbo (1971)
85 – OS BONS COMPANHEIROS, de Martin Scorsese (1990)
86 – CINZAS DO PARAÍSO, de Terrence Malick (1978)
87 – BLADE RUNNER – O CAÇADOR DE ANDRÓIDES, de Ridley Scott (1982)
88 – A HISTÓRIA DE ADÈLE H., de François Truffaut (1975)
89 – A TRISTEZA E A PIEDADE, de Marcel Ophuls (1969)
90 – AOS NOSSOS AMORES, de Maurice Pialat (1983)

2001-uma-odisseia-no-espaco-08

Keir Dullea em “2001 – Uma Odisseia no Espaço”

91 – 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO, de Stanley Kubrick (1968)
92 – O LEOPARDO, de Luchino Visconti (1963)
93 – MARROCOS, de Joseph von Sternberg (1930)
94 – OURO E MALDIÇÃO, de Erich von Stroheim (1924)
95 – O MEDO CONSOME A ALMA, de Rainer Werner Fassbinder (1974)
96 – PEÇA INACABADA PARA PIANO MECÂNICO, de Nikita Mikhalkov (1977)
97 – O PAGAMENTO FINAL, de Brian de Palma (1993)
98 – CLAMOR DO SEXO, de Elia Kazan (1961)
99 – UM DIA NO CAMPO, de Jean Renoir (1936)
100 – BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES, de David Hand (1937)

amor-em-fuga-01

O AMOR EM FUGA

Sem borda - 04 estrelas

 

Truffaut morreu cinco anos após este filme e não sei se pretendia dar continuidade às aventuras de Antoine Doinel. Mas este tem muito uma cara de conclusão. O passado é revisitado o tempo todo por Doinel e as mulheres de sua vida, nos levando a muitas imagens dos filmes anteriores com o personagem: Os Incompreendidos (1959), o média Antoine et Colette (1962), Beijos Proibidos (1968) e Domicílio Conjugal (1970).

E também cenas de A Noite Americana (1973), onde Jean-Pierre Léaud contracenou com Dani e Truffaut marotamente reaproveita as cenas como se fosse do passado de Doinel. Há outras relações com A Noite Americana, como o nome do livro publicado por Doinel, Les Salades de l’Amour, aproximando ainda mais os dois personagens de Léaud.

Aqui, ele está separado há algum tempo de Christine (Claude Jade) e os dois amigavelmente assinam o divórcio. Ele vive uma relação com Sabine (Dorothée, nome da TV francesa que depois se firmou como apresentadora infantil), mas com certa resistência a uma completa entrega. E acaba reencontrando um amor do passado: a Colette (Marie-France Pisier) do média-metragem de 1962. Com um tom leve e nostálgico, Truffaut faz seu personagem acertar as contas com suas mulheres (inclusive a mãe) e fechar um ciclo.

L’Amour en Fuite. França, 1979. Direção: François Truffaut. Elenco: Jean-Pierre Léaud, Marie-France Pisier, Dorothée, Claude Jade, Dani. Visto no Cinépolis Manaíra.

 

Para o aniversário de Brigitte Bardot (82 anos hoje), uma das cenas que a transformaram num fenômeno mundial em E Deus Criou a Mulher (1956). Juliete, sua personagem é um espírito livre, fulgurante e sensual, desejada pelos homens e que tem problemas com a rigidez de seu casamento com o personagem de Jean-Louis Trintignant. Nesta cena em que ela dança uma rumba como se não houvesse amanhã, o atrito entre os dois atinge o limite.

E Deus Criou a Mulher. Et Dieu… Créa la Femme, França, 1956. Direção: Roger Vadim. Elenco: Brigitte Bardot, Jean-Louis Trintignant, Curd Jürgens.

Cena anterior: O Pirata.

“Make’em laugh”, aquele número em que Donald O’Connor canta sobre como é ser um comediante e sai tropeçando, batendo a cara, dando cambalhotas e dançando com (e apanhando de) um boneco é um dos grandes número de Cantando na Chuva (1952). E é um plágio. A história é esta: o filme é uma reunião de canções de Arthur Freed e Nacio Herb Brown escritas nos anos 1920, produzido agora pelo próprio Freed. Stanley Donen, que co-dirigiu com Gene Kelly, sentiu falta de um número solo para O’Connor e pediu a Freed uma música nova, algo “no estilo de ‘Be a clown’, de Cole Porter”. Quando Freed trouxe a canção, as semelhanças estavam na cara. Porter aparentemente nunca reclamou e a cena é brilhante, para dizer o mínimo. No entanto, esta aqui é a canção original: “Be a clown”, cantada duas vezes em O Pirata (1948), a segunda delas no final do filme, um encantador número de palhaços com Gene e a magistral Judy Garland.

O Pirata. The Pirate (1948). Direção: Vincente Minnelli. Elenco: Judy Garland, Gene Kelly, Walter Slezak, Gladys Cooper.

Cena anterior: Footloose – Ritmo Louco

“You like potato, I like ‘potahto’/ You like tomato and I like ‘tomahto’”

George Gershwin notou que Fred Astaire e Ginger Rogers pronunciavam as palavras de maneira diferente. E criou para eles esta obra-prima chamada “Let’s call the whole thing off” para o sétimo dos 10 filmes de Fred e Ginger juntos. E a dupla dança sobre patins!

Vamos Dançar? Shall We Dance. Estados Unidos, 1937. Direção: Mark Sandrich. Elenco: Fred Astaire, Ginger Rogers, Edward Everett Horton.

Cena anterior: Onde Começa o Inferno

Uma maravilhosa arte em extinção, os créditos de abertura dos filmes ganharam muito em charme nos anos 1950 e 1960. Deixaram de ser unicamente cartelas com o nome do elenco e da equipe e se tornaram uma peça artística em particular dentro do filme.

Hoje em dia, nessa era apressada, os filmes empurram os créditos para o fim e às vezes o filme não tem nem título no começo, quanto mais créditos.

Enfim, começo por um dos mais emblemáticos: A Pantera Cor-de-Rosa (1963), de Blake Edwards. Muita gente conhece a pantera da série animada, sem se dar conta de que ela não surgiu ali, mas na abertura do filme homônimo (que era uma comédia de Blake Edwards sobre o roubo de um diamante chamado “pantera cor-de-rosa”).

A animação é da De Patie-Freleng, onde o “Freleng” diz respeito a Friz Freleng, célebre animador do Pernalonga em tempos anteriores na Warner Bros. Com a música-tema de Henry Mancini, o sucesso foi tão grande que a Pantera começou a estrelar curtas de animação no ano seguinte e voltou nas aberturas de outros oito filmes da série.

No meio de um dos maiores faroestes de todos os tempos, o diretor Howard Hawks arrumou um tempo para aproveitar o talento dos dois cantores de seu elenco: o crooner Dean Martin e o astro jovem Ricky Nelson. Eles cantam “My rifle, my pony and me” e “Get along home, Cindy” e criam um momento de camaradagem entre os delegados que estão segurando um assassino na cadeia e aguentando a pressão da gangue que quer soltá-lo. Até o Walter Brennan acompanha, faltou só o John Wayne cantar também.

Onde Começa o Inferno. Rio Bravo. Estados Unidos, 1959. Direção: Howard Hawks. Elenco: John Wayne, Dean Martin, Angie Dickinson, Ricky Nelson, Walter Brennan.

Cena anterior: Cabaret.

FILME:

Golpe de Mestre-11

Golpe de Mestre, de George Roy Hill

As outras indicações: Os Três Mosqueteiros, de Richard Lester; Caminhos Perigosos, de Martin Scorsese; A Noite Americana, de François Truffaut; O Exorcista, de William Friedkin

DIRETOR

George Roy Hill (Golpe de Mestre)

As outras indicações: Richard Lester (Os Três Mosqueteiros); Martin Scorsese (Caminhos Perigosos); François Truffaut (A Noite Americana); William Friedkin (O Exorcista)

ATOR

Golpe de Mestre-17

Paul Newman (Golpe de Mestre)

As outras indicações: Oliver Reed (Os Três Mosqueteiros); Harvey Keitel (Caminhos Perigosos); Richard Dreyfuss (Loucuras de Verão); Robert Redford (Golpe de Mestre)

ATRIZ

Exorcista-19

Ellen Burstyn (O Exorcista)

As outras indicações: Liv Ullman (Cenas de um Casamento); Margot Kidder (Irmãs Diabólicas); Linda Blair (O Exorcista); Diane Keaton (Dorminhoco)

ATOR COADJUVANTE

Jean-Pierre Aumont (A Noite Americana)

As outras indicações: Charlton Heston (Os Três Mosqueteiros); Paulo César Pereio (Toda Nudez Será Castigada); Max von Sydow (O Exorcista); Robert De Niro (Caminhos Perigosos)

ATRIZ COADJUVANTE

Valentina Cortese (A Noite Americana)

As outras indicações: Faye Dunaway (Os Três Mosqueteiros); Eileen Brennan (Golpe de Mestre); Nathalie Baye (A Noite Americana); Britt Ekland (O Homem de Palha)

CRÉDITOS DE ABERTURA

Caminhos Perigosos

As outras indicações: A Noite AmericanaCom 007 Viva e Deixe MorrerGolpe de MestreIrmãs Diabólicas

FILME BRASILEIRO DO ANO

Toda Nudez Será Castigada, de Arnaldo Jabor

Audrey Hepburn em "A Princesa e o Plebeu"

Audrey Hepburn em “A Princesa e o Plebeu”

1 – AUDREY HEPBURN, por A Princesa e o Plebeu

Posteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1954, por Sabrina; 7ª em 1956, por Guerra e Paz; 2ª em 1957, por Cinderela em Paris e por Amor na Tarde; 10ª em 1959, por Uma Cruz à Beira do Abismo e por A Flor que Não Morreu; 12ª em 1960, por O Passado Não Perdoa; 1ª em 1961, por Bonequinha de Luxo e por Infâmia; 7ª em 1963, por Charada; 9ª em 1964, por My Fair Lady e por Quando Paris Alucina; 3ª, em 1966, por Como Roubar um Milhão de Dólares; 8ª em 1967, por Um Caminho para Dois e por Um Clarão nas Trevas; 16ª em 1976, por Robin e Marian

A aparição impactante e encantadora de Audrey Hepburn para o mundo em A Princesa e o Plebeu garantiu o Oscar daquele ano e o alto do pódio na nossa lista. Sua princesa que tira um dia de folga em Roma, corta o cabelo, vive aventuras e se apaixona é inesquecível. Uma estreia como poucas. O que enobrece a vitória é o pódio completado por uma Cyd Charisse impressionante com suas pernas intermináveis em A Roda da Fortuna e Marilyn Monroe triplamente no ano em que virou uma estrela – com destaque para a cena icônica em que, tão sinuosa quanto engraçada, canta as qualidades dos diamantes. E olha que o ano ainda teve Deborah Kerr no beijo mais famoso do cinema, Ava Gardner, Grace Kelly, Rita Hayworth… Única aparição: Donna Reed, Rita Hayworth, Jane Russell, Jean Peters, Gloria Grahame, Setsuko Hara, Gene Tierney. Brasileiras na lista: nenhuma.

Cyd Charisse em "A Roda da Fortuna"

Cyd Charisse em “A Roda da Fortuna”

2 – CYD CHARISSE, por A Roda da Fortuna

Anteriormente em Musas retroativas1ª em 1952, por Cantando na ChuvaPosteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1954, por A Lenda dos Beijos Perdidos; 5ª em 1955, por Dançando nas Nuvens; 20ª em 1956, por Viva Las Vegas; 1ª em 1957, por Meias de Seda; 5ª em 1958, por A Bela do Bas-Fond.

Marilyn Monroe em "Os Homens Preferem as Louras"

Marilyn Monroe em “Os Homens Preferem as Louras”

Marilyn Monroe em "Torrentes de Paixão"

Marilyn Monroe em “Torrentes de Paixão”

Marilyn Monroe em "Como Agarrar um Milionário"

Marilyn Monroe em “Como Agarrar um Milionário”

3 – MARILYN MONROE, por Os Homens Preferem as Louras, por Torrentes de Paixão e por Como Agarrar um Milionário

Anteriormente em Musas retroativas: 4ª em 1952, por O Inventor da Mocidade, por Almas Desesperadas, por Só a Mulher Peca, por Travessuras de Maridos e por Páginas da Vida. Posteriormente em Musas retroativas: 3ª em 1954, por O Mundo da Fantasia e por O Rio das Almas Perdidas; 1ª em 1955, por O Pecado Mora ao Lado; 4ª em 1956, por Nunca Fui Santa; 3ª em 1957, por O Príncipe e a Corista; 2ª em 1959, por Quanto Mais Quente Melhor; 11ª em 1960, por Adorável Pecadora; 2ª em 1961, por Os Desajustados; 1ª em 1962, por Something’s Got to Give.

Harriet Andersson em "Mônica e o Desejo"

Harriet Andersson em “Mônica e o Desejo”

Harriet Andersson em "Noites de Circo"

Harriet Andersson em “Noites de Circo”

4 – HARRIET ANDERSSON, por Mônica e o Desejo e por Noites de Circo

Posteriormente em Musas retroativas: 10ª em 1961, por Através do Espelho.

Deborah Kerr em "A um Passo da Eternidade"

Deborah Kerr em “A um Passo da Eternidade”

5 – DEBORAH KERR, por A um Passo da Eternidade

Posteriormente em Musas retroativas: 15ª em 1955, por Pelo Amor de Meu Amor; 18ª em 1956, por O Rei e Eu e por Chá e Simpatia; 10ª em 1957, por Tarde Demais para Esquecer e por O Céu É Testemunha; 17ª em 1959, por Crepúsculo Vermelho.

Ava Gardner em "Mogambo"

Ava Gardner em “Mogambo”

6 – AVA GARDNER, por Mogambo

Posteriormente em Musas retroativas: 10ª em 1954, por A Condessa Descalça; 16ª em 1957, por E Agora Brilha o Sol; 11ª em 1958, por A Maja Desnuda.

Donna Reed em "A um Passo da Eternidade"

Donna Reed em “A um Passo da Eternidade”

7 – DONNA REED, por A um Passo da Eternidade

Grace Kelly em "Mogambo"

Grace Kelly em “Mogambo”

8 – GRACE KELLY, por Mogambo

Anteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1952, por Matar ou Morrer. Posteriormente em Musas retroativas: 2ª em 1952, por Matar ou Morrer; 1ª em 1954, por Janela Indiscreta, por Disque M para Matar, por Amar É Sofrer e por Tentação Verde; 2ª em 1955, por Ladrão de Casaca; 2ª em 1956, por Alta Sociedade e por O Cisne.

Gina Lollobrigida em "Pão, Amor e Fantasia"

Gina Lollobrigida em “Pão, Amor e Fantasia”

Gina Lollobrigida em "O Diabo Riu por Último"

Gina Lollobrigida em “O Diabo Riu por Último”

9 – GINA LOLLOBRIGIDA, por Pão, Amor e Fantasia e por O Diabo Riu por Último

Anteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1952, por Fanfan la TulipePosteriormente em Musas retroativas: 8ª em 1959, por Salomão e a Rainha de Sabá; 9ª em 1961, por Quando Setembro Vier; 14ª em 1971, por A Quadrilha da Fronteira.

Rita Hayworth em "Salomé"

Rita Hayworth em “Salomé”

Rita Hayworth em "A Mulher de Satã"

Rita Hayworth em “A Mulher de Satã”

10 – RITA HAYWORTH, por Salomé e por A Mulher de Satã

Janet Leigh (O Preço de um Homem)

Janet Leigh em “O Preço de um Homem”

janet Leigh em "Que Delícia o Amor"

Janet Leigh em “Que Delícia o Amor”

Janet Leigh em "Houdini, o Homem Miraculoso"

Janet Leigh em “Houdini, o Homem Miraculoso”

11 – JANET LEIGH, por O Preço de um HomemQue Delícia o Amor e por Houdini, o Homem Miraculoso

Posteriormente em Musas retroativas: 6ª em 1958, por A Marca da Maldade; 11ª em 1960, por Psicose.

Jean Simmons em "O Manto Sagrado"

Jean Simmons em “O Manto Sagrado”

Jean Simmons em "Papai Não Quer"

Jean Simmons em “Papai Não Quer”

Jean Simmons em "A Rainha virgem"

Jean Simmons em “A Rainha virgem”

12 – JEAN SIMMONS, por O Manto Sagrado, por Papai Não Quer e por A Rainha Virgem

Anteriormente em Musas retroativas: 15ª em 1954, por Desirée, o Amor de Napoleão; 8ª em 1958, por Da Terra Nascem os Homens;  7ª em 1960, por Spartacus e por Entre Deus e o Pecado.

Marilyn Monroe e Jane Russell em "Os Homens Preferem as Louras"

Marilyn Monroe e Jane Russell em “Os Homens Preferem as Louras”

 Jane Russell em "Um Romance em Paris"

Jane Russell em “Um Romance em Paris”

13 – JANE RUSSELL, por Os Homens Preferem as Louras e por Um Romance em Paris

Jean Peters em "Anjo do Mal"

Jean Peters em “Anjo do Mal”

14 – JEAN PETERS, por Anjo do Mal

Gloria Grahame em "Os Corruptos"

Gloria Grahame em “Os Corruptos”

15 – GLORIA GRAHAME, por Os Corruptos

Alida Valli em "Nós, as Mulheres"

Alida Valli em “Nós, as Mulheres”

16 – ALIDA VALLI, por Nós, as Mulheres

Posteriormente em Musas retroativas: 8ª em 1954, por Sedução da Carne.

Setsuko Hara em "Era uma Vez em Tóquio"

Setsuko Hara em “Era uma Vez em Tóquio”

17 – SETSUKO HARA, por Era uma Vez em Tóquio

Lauren Bacall em "Como Agarrar um Milionário"

Lauren Bacall em “Como Agarrar um Milionário”

18 – LAUREN BACALL, por Como Agarrar um Milionário

Posteriormente em Musas retroativas: 17ª em 1955, por Rota Sagrenta; 19ª em 1956, por Palavras ao Vento; 5ª em 1957, por Teu Nome É Mulher.

Gene Tierney em "Nunca Me Deixes Ir"

Gene Tierney em “Nunca Me Deixes Ir”

19 – GENE TIERNEY, por Como Agarrar um Milionário

Jennifer Jones em "O Diabo Riu por Último"

Jennifer Jones em “O Diabo Riu por Último”

Jennifer Jones em "Quando a Mulher Erra"

Jennifer Jones em “Quando a Mulher Erra”

20 – JENNIFER JONES, por O Diabo Riu por Último e por Quando a Mulher Erra

Anteriormente em Musas retroativas: 7ª em 1955, por Suplício de uma Saudade; 14ª em 1957, por Adeus às Armas.

Musas de 1952 <<
>> Musas de 1954

Liza Minnelli puxou a mãe, Judy Garland, em talento (em problemas também, mas isso é outra história). Infelizmente, ela apareceu para o cinema quando os grandes musicais já tinham saído de cena. Mas ainda deu tempo deu tempo de um trabalho para marcar época: Cabaret (1972), de Bob Fosse, pelo qual ganhou o Oscar de melhor atriz.

Bruce Lee, em "O Jogo da Morte"

Bruce Lee, em “O Jogo da Morte”

O Cinespaço havia anunciado um festival de filmes restaurados de Bruce Lee, mas estranhamente João Pessoa estava fora do circuito. Mas agora está: foram divulgadas novas capitais que verão os filmes. Confira os filmes e as datas na capital paraibana (e também Manaus, Natal e Recife):

26/11 – 19h30 – Bruce Lee em Suas Próprias Palavras (1998) + O Dragão Chinês (1971)
27/11 – 19h30 – Bruce Lee: A Jornada do Guerreiro (2000)
28/11 – 14h – A Fúria do Dragão (1972)
29/11 – 14h – O Vôo do Dragão (1972)
30/11 – 19h30 – Bruce Lee: Em Busca do Dragão (2010)
1/12 – 19h30 – O Jogo da Morte (1978)
2/12 – 19h30 – O Vôo do Dragão (1972)

A mostra acontece nas mesmas datas e filmes, mas ordem diferente em São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Curitiba, Porto Alegre e Florianópolis.

Bruce Lee é o maior ícone das artes marciais do cinema. Nascido em San Francisco e começou a fazer sucesso nos filmes do gênero em Hong Kong. Morreu no auge da carreira, em 1973, aos 32 anos, de edema cerebral.

 

ATUALIZAÇÃO (24/11): O Cinépolis Manaíra anunciou a exibição da mostra.

Este ano marca os 75 anos do Pernalonga. Para celebrar, já apresentei aqui um top 10 dos desenhos do coelho dirigidos por Chuck Jones, seu maior mestre. Agora, vamos a mais dez antológicos curtas do personagem, um top 10 de seu outro grande diretor: Isadore “Friz” Freleng. Seu começo na animação data dos anos 1920 e ele chegou ao seu auge na mesma época em que Jones: com os curtas do coelho nos anos 1940 e 1950. Seguem os meus 10 preferidos (quatro deles com o Eufrazino!):

“Mutiny on the Bunny” (1950)

10. MUTINY ON THE BUNNY/ O MOTIM (1950)

Friz Freleng gostava muito de usar o Eufrazino como adversário do Pernalonga. Os cenários podiam mudar e ser, por exemplo, em alto-mar, em que o bigodudo contrata o coelho como seu único tripulante. Não é o primeiro com o pirata Eufrazino, mas é o melhor com o começo impactante do marinheiro aos frangalhos fugindo e alertando para a câmera: “Eu já fui um ser humano”. E tem a impagável sequência em que Eufrazino remenda sozinho e seguidas vezes seu navio.

Assista com som original. / Assista com a dublagem da Cinecastro.

Pernalonga - Hare Brush

“Hare Brush” (1955)

9. HARE BRUSH/ TROCA DE SORTE (1955)

Hortelino, louco, pensa que é um coelho. Engana o Pernalonga para ficar em seu lugar no hospital. O coelho, então, é confundido pelo psicólogo (“É o pior caso que já vi!”) e é hipnotizado para voltar a ser o Hortelino. E, como tal, vai á caça do coelho. Basicamente é uma piada só: ver um personagem se comportando como o outro, uma espécie de vingancinha que Freleng proporcionou ao Hortelino, Mas quem resiste à frase “Eu sou Elmer, o milionário. Possuo uma mansão e um iate”?

Assista com som original. / Assista com a dublagem da Cinecastro.

Pernalonga - Rhapsody Rabbit

“Rhapsody Rabbit” (1946)

8. RHAPSODY RABBIT/ CONCERTO SEM DÓ (1946)

Todo desenho clássico que se preza tem algum curta envolvendo música clássica. Mickey e Donald têm Mickey, o Maestro (The Band Concert), de 1935. Tom & Jerry têm The Cat Concerto (1947). Pernalonga tem vários deles, de maneiras diferentes, e um dos grandes é este, que coloca o coelho como pianista sofrendo para apresentar uma obra de Liszt (plot semelhante a The Cat Concerto, que veio depois).

Assista com som original.

Pernalonga - Show Biz Bugs

“Show Biz Bugs” (1957)

7. SHOW BIZ BUGS/ SHOW INFERNAL/ DUELO DE VAIDADES (1957)

Pobre Patolino. No show que divide com Pernalonga no teatro seu nome vem em letras minúsculas, seu camarim é o banheiro e, por mais que faça no palco o mesmo que o coelho ou melhor, só recebe da plateia um silêncio sepulcral ou ocasionalmente um tomate. A disputa entre os dois é ótima: com destaque para os pombos treinados que saem voando ou aquele número de mágica de cortar uma pessoa ao meio para o qual Patolino se oferece para demonstrar a fraude (“O turbante dele também é falso! É uma toalha de banho”).

Assista com som original. / Assista com a dublagem da Cinecastro.

“Little Red Riding Rabbit” (1944)

6. LITTLE RED RIDING RABBIT/ UM CHAPEUZINHO VERMELHO DIFERENTE/ CHAPEUZINHO VERMELHO, PERNALONGA E O LOBO MAU (1944)

Mais assemelhado ao Pernalonga de Bob Clampett que ao de Chuck Jones, esta sátira a Chapeuzinho Vermelho é demolidora e não deixa pedra sobre pedra. Começa pela própria Chapeuzinho, uma adolescente chata de galochas, que leva Pernalonga em sua cesta para a vovozinha. O duelo do coelho, claro, será com o lobo, vestido como a velha. É o primeiro curta a creditar mel Blanc como dublador.

Assista com o som original. / Assista com a dublagem da Cinecastro.

“Bugs Bunny Rides Again” (1948)

5. BUGS BUNNY RIDES AGAIN/ PERNALONGA ATACA DE NOVO/ PERNALONGA ATACA OUTRA VEZ (1948)

O oeste é o lar de Eufrazino, onde ele se sente realmente à vontade. E este curta alopradíssimo é quase um resumo das piadas possíveis com clichês do gênero. O enredo é simples: Eufrazino aparece na cidade tocando o terror e o Pernalonga aceita enfrentá-lo. A partir daí, o coelho subvertendo a realidade de maneira frenética, cortando o baralho no poquer com um facão ou fazendo um show de vaudeville quando Eufrazino atira em seu pés gritando “Dance!”. Que ritmo tem esse desenho!

Assista com o som original.

“A Hare Grows in Manhattan” (1947)

4. A HARE GROWS IN MANHATTAN/ INFÂNCIA EM MANHATTAN/ TRAPALHADAS DE UM COELHO (1947)

Pernalonga não tem uma origem fixa, graças a Deus. Nesta animação cujo título faz referência ao livro e filme A Tree Grows in Brooklyn. O filme de Elia Kazan, que aqui se chama Laços Humanos, havia saído dois anos deste curta. O astro Pernalonga (o curta começa com um passeio visual pela propriedade suntuosa com piscina, mas cuja casa mesmo ainda é uma toca no chão) conta a uma repórter de fofocas sobre sua infância no East Side, onde é perturbado por uma gangue de cães. A cidade de Nova York é uma bela co-protagonista.

Assista com o som original.

“Big House Bunny” (1950)

3. BIG HOUSE BUNNY/ COELHO NA PRISÃO (1950)

O coitado do Eufrazino não se dá bem nem mesmo quando está do lado certo da lei. Carcereiro em uma prisão, dá o azar de o Pernalonga aparecer lá fugindo de caçadores. Começa prendendo o coelho, quando acha que ele era um preso tentando fugir. A partir daí a sucessão de gags é quase ininterrupta, com destaque para a fuga cujo túnel vai dar em uma selva que se revelam as plantas da sala do diretor da penitenciária. Eufrazino (que originalmente chama-se Yosemite Sam) aqui é curiosamente chamado de Schultz.

Assista com o som original. / Assista com a dublagem da Cinecastro.

“Bugs and Thugs” (1954)

2. BUGS AND THUGS/ PERNALONGA E OS BANDIDOS (1954)

O melhor dos curtas em que o coelho contracena com a dupla de gangsters Rocky e Mugsy. Ele vai ao banco sacar uma cenoura de seu cofre e depois pega um taxi, que é na verdade o carro dos dois assaltantes. Ele acaba sendo levado como refém. Visualmente é um desenho belíssimo (como a cena em que Rocky manda Mugsy dar cabo do coelho, vista apenas em silhueta por trás de uma janela no covil dos bandidos), de narrativa ágil, com ótimas piadas e ainda tem essa cena antológica em que Pernalonga convence os bandidos de que a casa está cercada e os esconde no forno enquanto finge ser interrogado do lado de fora (“Eu acenderia o gás se ele estivesse no forno? Eu acenderia este fósforo se eles estivessem no forno?”). Pessoalmente, me rendeu um bordão que sempre uso: “É possível, coelho, é possível…”.

Assista com o som original

Antes do primeiro lugar, algumas MENÇÕES HONROSAS: Knighty Knight Bugs/ Cavaleiro Pernalonga (1958), único Oscar vencido por Pernalonga, em uma aventura na Inglaterra medieval; Ballot Box Bunny/ Pernalonga em Campanha/ Disputa Acirrada (1951), em que Pernalonga e Eufrazino disputam uma eleição; Slick Hare/ O Coelho do Dia/ Coelho Saliente (1947), em que o coelho e Hortelino aprontam confusões em um restaurante cheio de estrelas de Hollywood; Baseball Bugs/ O Campeão de Beisebol/ Beisebol com Pernalonga (1946), em que Pernalonga sozinho enfrenta um time de brutamontes.

“High Diving Hare” (1949)

1. HIGH DIVING HARE/ PRATICANDO MERGULHO/ MERGULHO DE ALTO RISCO (1949)

Promotor de um show no velho oeste, Pernalonga entra em apuros quando sua principal atração, Ousadino, que mergulha de um trampolim altíssimo em uma tina d’água, não aparece. Eufrazino, na plateia, força o coelho a fazer o número. Aí começa o duelo de tenacidade dos dois: Eufrazino empurrando o coelho escada acima sob a mira de uma arma, o coelho fazendo com que o enfezado é que caia lá de cima. A cena se repete freneticamente, o coelho sempre dando um jeito engraçadíssimo e enganar o oponente. Até a frase definitiva: “Eu sei que isso desafia a lei da gravidade, mas, sabe, eu nunca estudei leis…”. Um clássico absoluto de Freleng!

Assista com a dublagem originalAssista com a dublagem da Cinecastro

A lendária atriz sueca teria completado 100 anos sábado. Ela começou a carreira na Suécia, depois virou estrela em Hollywood, mas não ficou sentada nisso. Sempre perseguiu os bons papéis e os desafios, o que a levou a querer filmar com Rossellini, o papa do neorealismo na Itália. Aí, veio a paixão e ela trocou o marido dentista pelo cineasta italiano, o que levou à ira da turma da moral e dos bons costumes nos EUA.

Depois que a relação acabou (tendo, dela, nascido a futura – lindíssima – atriz Isabella Rossellini), Hollywood recebeu Ingrid de volta de braços abertos. Na maturidade, voltou à Suécia para um encontro de titãs do país com Ingmar Bergman, que não é seu parente. Vencedora de três Oscars, Ingrid morreu em 1982. Aqui estão seus dez grandes momentos, pra mim.

Ingrid Bergman - Indiscreta

“Indiscreta” (1955)

10. INDISCRETA (1958), de Stanley Donen

No segundo encontro com Cary Grant, Ingrid estrela uma comédia-romãntica do co-diretor de Cantando na Chuva. Seus papéis mais famosos eram sempre dramáticos, então é ótimo vê-la mostrando talento em algo mais leve. Já Cary Grant era um especialista no ramo. No filme, Ingrid começa um relacionamento com ele, mas descobre que ele mentia, e, enfurecida, quer vingança.

Ingrid Bergman - Joana d'Arc-02

“Joana d’Arc” (1948)

9. JOANA D’ARC (1948), de Victor Fleming

Com o diretor de …E o Vento Levou (1939) e O Mágico de Oz (1939), ela se arriscou aos 33 anos a viver a adolescente francesa que chegou a liderar o exército do país contra os ingleses na Guerra dos Cem Anos, guiada, segundo ela, por Deus, e morrendo na fogueira após ser presa. Foi sua quarta indicação ao Oscar.

“Assassinato no Expresso Oriente” (1974)

8. ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE (1974), de Sidney Lumet

Num elenco cheio de estrelas, Ingrid teve papel de destaque como uma das passageiras do trem onde ocorre o crime investigado por Hercule Poirot, nesta adaptação do livro mais clássico de Agatha Christie. Tanto que ela ganhou o Oscar de atriz coadjuvante, sua terceira estatueta.

Por Quem os Sinos Dobram-06

“Por Quem os Sinos Dobram” (1943)

7. POR QUEM OS SINOS DOBRAM? (1943), de Sam Wood

Depois da heroína romântica de Casablanca, Ingrid mostrou que não ia ficar surfando em um registro apenas. Cortou os cabelos para viver a moça que teve os pais mortos por franquistas na trama de Ernest Hemingway que se passa durante a Guerra Civil Espanhola. Foi sua primeira indicação ao Oscar.

“Anastácia, a Princesa Esquecida” (1956)

6. ANASTÁCIA, A PRINCESA ESQUECIDA (1956), de Anatole Litvak

O filme marcou a volta de Ingrid aos Estados Unidos, após os anos na Itália. A recepção não poderia ser melhor: um papel que deu a ela seu segundo Oscar de melhor atriz. Ela interpreta a mulher com amnésia que é treinada para se passar pela princesa que teria escapado do massacre dos Romanov durante a revolução russa.

“Sonata de Outono” (1978)

5. SONATA DE OUTONO (1978), de Ingmar Bergman

Na maturidade, Ingrid voltou à sua Suécia natal para atuar em um drama do maior cineasta do país, e com o mesmo sobrenome (embora não fossem parentes). Ela interpreta a pianista famosa, uma mãe dura com uma relação dificílima com a filha vivida por Liv Ullman. Foi sua sétima e última indicação ao Oscar.

“À Meia-Luz” (1944)

4. À MEIA-LUZ (1944), de George Cukor

Ingrid é a moça frágil enredada em uma trama na qual o marido (antes gentil, depois cada vez mais sinistro) faz de tudo para que ela enlouqueça. Primeiro Oscar da atriz, que está estupenda como a mulher que vai gradativamente perdendo o controle sobre si mesma. A história inspirou a trama de Daniel Filho e Renata Sorrah em Rainha da Sucata, lembram?

“Stromboli” (1950)

3. STROMBOLI (1950), de Roberto Rossellini

Encantada com neo-realismo italiano, Ingrid resolveu tomar parte daquilo. Se ofereceu para filmar com o diretor e o resultado foi Stromboli, o encontro do neo-realismo com uma superestrela de Hollywood. Ela é a mulher que se casa com um pescador e vai morar nessa vila, Stromboli, sempre ameaçada por um vulcão. Ingrid faria outros cinco filmes com Rossellini.

“Interlúdio” (1946)

2. INTERLÚDIO (1946), de Alfred Hitchcock

Segundo dos três filmes que fez com Hitchcock, ela é obrigada a espionar para os americanos um grupo nazista no Rio de Janeiro. E, para isso, é levada até a casar com o chefe deles. Suspense, espionagem, romantismo em um Rio de back projection e um dos mais notáveis beijos do cinema.

Antes do primeiro lugar, algumas menções honrosas: Intermezzo – Uma História de Amor (1939); O Médico e o Monstro (1941); Quando Fala o Coração (1945); Os Sinos de Santa Maria (1945); Europa 51 (1952); Romance na Itália (1954); Flor de Cacto (1969).

“Casablanca” (1942)

1. CASABLANCA (1942), de Michael Curtiz

Ingrid é Ilsa Lundl, que aparece no Rick’s Cafe Americaine, em Casablanca, no Marrocos, e transforma a vida do dono do bar, Rick (Humphrey Bogart) num inferno. Eles viviam um romance em Paris, bem quando os nazistas invadiram, mas na hora da fuga ela deu o cano e ele nunca se recuperou. E quem vai censurá-lo? Ilsa tem sua justificativa: era casada com um líder da resistência, achava que tinha ficado viúva e, de repente, fica sabendo que o marido estava vivo. Além do compromisso de esposa, se fez valer o compromisso com a causa. Agora, estão todos em Casablanca, ela e o marido tentando chegar a salvo na América e Rick de posse dos salvo-condutos que podem viabilizar isso. Conta-se que, como o roteiro era escrito e reescrito o tempo todo, Ingrid não sabia com quem iria terminar ou por quem deveria estar apaixonada. O que ajudou a compor sua personagem dividida neste clássico imortal. Imortal como a atriz.

“O que é que há, velhinho?”, dizia um certo coelho cinza para um certo caçador há 75 anos. No curta A Wild Hare (1940), de Tex Avery, Pernalonga aparecia pela primeira vez completamente desenvolvido, após dois anos de protótipos aparecendo em quatro curtas da Warner. Foram vários os animadores a contribuir para o estrelato do coelho, mas quatro se destacam: Bob Clampett, Friz Freleng, Chuck Jones e Robert McKimson.

Juro que tentei fazer um top 10, mas não consegui (no CORREIO, fui mais objetivo e saiu um). Assim, optei por três top 10 do Pernalonga: um só com os desenhos de Chuck Jones (todos com roteiro de Michael Maltese), outro só com Friz Freleng, e um terceiro com os demais diretores.

“Operation: Rabbit” (1952)

10. OPERATION: RABBIT/ OPERAÇÃO: COELHO (1952)

O coiote, que aqui se apresenta como “Willie E. Coyote, gênio”, só havia aparecido uma vez no então único desenho do Papa-Léguas (Fast and Furry-ous, 1949). O alvo do coiote, aqui, é o coelho, a quem ele aristocraticamente se apresenta já no começo, levando sua própria porta. A dupla contracenou outras quatro vezes, mas esta aqui é a que marcou.

Assista com o som original

“Haredevil Hare” (1948)

9. HAREDEVIL HARE/ COELHO HERÓICO/ COELHO ESPACIAL (1948)

Pernalonga conhece um novo rival: Marvin, o Marciano (aqui, ainda sem nome). O começo já é ótimo, com o coelho sendo lançado em pânico ao espaço pela Nasa. Em Marte, ele conhece o sujeitinho que quer explodir a Terra porque “está atrapalhando sua vista de Vênus”.

Assista com o som original

“Rabbit Seasoning” (1952)

8. RABBIT SEASONING/ CAÇA AO PATO (1952)

Segundo da Trilogia da Caça (dirigida por Jones e escrita por Michael Maltese), este é aquele do “Vai atirar nele agora ou vai esperar até chegar em casa?”. Em termos de ritmo de comédia, é tão bom quanto o primeiro, Rabbit Fire (1951). E o terceiro, Duck! Rabbit! Duck! (1953) não fica atrás. Na eleição de 50 melhores cartoons, a partir de uma votação entre mil animadores, ficou em 30º lugar.

Assista com o som original

Bônus! O desenho dublado por mim!

“Rabbit Hood” (1949)

7. RABBIT HOOD/ PERNALONGA HOOD/ COELHO HOOD/ PERNALONGA EM SHERWOOD (1949)

Pernalonga ataca o canteiro real de cenouras e tem que se ver com o Xerife de Nottingham. Mas João Pequeno aparece ao longo do episódio anunciando solenemente: “Não se aflija! Não tema! Porque Robin Hood não tarda a chegar!”. Não que o coelho precise: fingindo ser o rei, ele destroça o xerife enquanto o sagra cavaleiro seguidas vezes em mais uma sequência antológica (“Levante Sir Royal do Bife! Levante Cavaleiro da Abóbora! Levante, seu cavaleiro idiota!”)..

Assista com o som original / Cena com a dublagem da Cinecastro

“Bully for Bugs” (1953)

6. BULLY FOR BUGS/ COELHO TOUREIRO/ PERNALONGA, O TOUREIRO (1953)

Colocar o herói como toureiro foi um expediente muito usado nas animações clássicas. Nenhum se saiu tão bem quanto o Pernalonga, que foi parar em uma arena ao tomar o caminho errado para um festival de cenouras (“Eu sabia que devia ter virado à esquerda em Albuquerque”). O olhar assassino do touro torna o duelo memorável, assim como as artimanhas do coelho para iludi-lo (como aproveitar uma dança para estapear o bicho).

Assista com o som original

“Beanstalk Bunny” (1955)

5. BEANSTALK BUNNY/ O COELHO E O PÉ DE FEIJÃO (1955)

De novo Pernalonga, Patolino e Hortelino juntos, mas numa ambientação diferente. Agora, o pato é o João do pé-de-feijão e a planta cresce a partir dos feijões mágicos que ele joga desavisadamente na toca do sonolento coelho. Hortelino é o gigante. Há diálogos maravilhosos (“É mentira! Meu nome é Aloísio! Ele é o João: João Coelho”), grande ritmo, humor visual de primeira (para fugir de uma redoma com um cortador de vidro, a dupla corta suas exatas silhuetas).

Assista com o som original

“Ali Baba Bunny” (1957)

4. ALI BABA BUNNY/ O TESOURO DE ALI BABÁ (1957)

A parceria com Patolino tem mais um grande momento. Os dois por acaso chegam à caverna dos tesouros roubados de Ali Babá. Mas há um guarda brutamontes que tenta liquidá-los. O coelho só quer sair dali, mas é claro que o pato ganancioso pira diante de tal fortuna. Na eleição de 50 melhores cartoons, a partir de uma votação entre mil animadores, ficou em 35º lugar.

Assista com o som original

“Long-Haired Hare” (1949)

3. LONG-HAIRED HARE/ MAESTRO PERNALONGA (1949)

Um dos maiores momentos da comédia em todos os tempos, entre animações e seres humanos: a imitação que Pernalonga faz do maestro Leopold Stokowski, regendo o tenor Giovanni Jones, com quem tem uma rusga em pleno recital do sujeito no Hollywood Bowl. Tudo começa porque o ensaio de Jones é atrapalhado seguidas vezes pelo coelho, atacando “Raining night at Rio” no banjo, depois tocando harpa e uma tuba.

Assista com o som original

“Rabbit Fire” (1951)

2. RABBIT FIRE/ TEMPORADA DE CAÇA (1951)

O primeiro da Trilogia da Caça marcou a primeira vez em que Pernalonga e Patolino contracenam. Até então duas estrelas da Warner com suas próprias séries de curtas, o coelho e o pato combinaram de maneira espantosa. Jones e Maltese redefiniram aqui a personalidade do Patolino, que deixava de ser o pato maluquete do começo da carreira para se tornar mais sofisticado e complexo: vaidoso, ganancioso, egoísta, vingativo e se achando mais esperto do que de fato é. Os diálogos são brilhantes, partindo, claro, da cena “Duck season! Rabbit season!”. Um show particular do dublador Mel Blanc, que fazia as vozes tanto do coelho quanto do pato.

Assista com o som original

Bônus! O desenho dublado por mim!

Antes do primeir lugar, algumas MENÇÕES HONROSAS: Duck! Rabbit! Duck! (1953), terceiro da Trilogia da Caça; What’s Opera, Doc? (1957), primeiro lugar na eleição dos 50 melhores cartoons; Bunny Hugged (1951), no mundo da luta livre; Hare-Raising Hare (1946), a estreia do monstro cabeludo depois conhecido como Gossamer; Baby Buggy Bunny (1954), em que Pernalonga adota um bebê sem saber que é um gangster.

“Rabbit of Seville” (1950)

1. RABBIT OF SEVILLE/ O COELHO DE SEVILHA (1950)

Em sua eterna perseguição, Pernalonga e Hortelino vão parar no palco de uma ópera que está para começar. Quando a cortina sobe e a orquestra ataca, a confusão se dá ao som da abertura de O Barbeiro de Sevilha. A dupla transforma esse trecho inicial da obra-prima de Rossini em uma ópera à parte, cantada  e subvertida por eles. Cada piada é melhor que a outra, num exemplo magnífico da conjunção entre música e animação.

Assista com o som original

Assista com uma orquestra tocando a música ao vivo

Assista com a dublagem da Cinecastro

O que entra na quinta, o que fica até quarta e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Remígio).

Estreias 08.20

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘O PEQUENO PRÍNCIPE’ (Cinépolis Manaíra [3D dub]; Cinespaço MAG [3D leg, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [3D dub])
– ‘LINDA DE MORRER’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port])
– ‘EXORCISTAS DO VATICANO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])

Volta em JP:
– ‘A DOCE VIDA’ (Cinespaço MAG [2D leg])

Só até quarta em JP:
– ‘HOMEM-FORMIGA’ (Cinépolis Manaíra [3D leg, 3D dub])
– ‘QUE MAL EU FIZ A DEUS?’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg])
– ‘MINIONS’ (Cinépolis Manaíra [3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘JOGADA DE MESTRE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘SOBRENATURAL – A ORIGEM’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘VOO 7500’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘PIXELS’ (Cinépolis Manaíra [2D dub, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])

Continuam em JP:
– ‘MISSÃO IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘O CONTO DA PRINCESA KAGUYA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘SOBRE AMIGOS, AMOR E VINHO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘QUARTETO FANTÁSTICO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘A ESCOLHA PERFEITA 2’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘CARROSSEL – O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port])

 

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘LINDA DE MORRER’ [2D em port]

Só até quarta em CG:
– ‘MINIONS’ [2D dub]

Continuam em CG:
– ‘MISSÃO IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA’ [2D leg, 2D dub]
– ‘QUARTETO FANTÁSTICO’ [2D dub])
– ‘A ESCOLHA PERFEITA 2’ [2D leg]
– ‘CARROSSEL – O FILME’ [2D em port]
– ‘PIXELS’ [2D dub]

 

PATOS (Cine Guedes)

Não enviou a programação.

 

 

 

REMÍGIO (Cine RT)

Continuam em Remígio:
– ‘DIVERTIDA MENTE’ [2D dub]
– ‘O EXTERMINADOR DO FUTURO – GENESIS’ [2D dub]
– ‘MEU PASSADO ME CONDENA 2’ [2D em port]

Apu com sua mãe e irmã: filmado com comovente verdade

Apu com sua mãe e irmã: filmado com comovente verdade

Estrelas-05 juntas-site

Clássico anti-Bollywood

Quando se fala em cinema indiano, muita gente evoca logo Bollywood. Mas também tem gente que pensa primeiro no total oposto deste mundo de fantasia, cores e música: pensa no cinema de Satyajit Ray. Por exemplo, em A Canção da Estrada (Pather Panchali, Índia, 1955), primeiro filme da chamada Trilogia de Apu, que abriu toda uma possibilidade de um novo cinema indiano. Apu, no caso, é o garotinho cuja família é central na trama que mostrava ao Ocidente, pela primeira vez, uma Índia mais realista.

O pai é um religioso que tenta ganhar a vida pregando pelas cidades e deixa a mulher muitos dias sozinha em uma aldeia, chefiando sua casa com o casal de filhos e a velha tia, com quem não se dá muito bem (interpretada por Chunibala Devi, já com 80 anos, antiga atriz que Ray foi reencontrar vivendo em um bordel, segundo contou Roger Ebert). O interesse de Ray, estreando na direção, é com a intimidade da família e os relacionamentos entre eles. É um cotidiano difícil, muito pobre, alternando esperanças, delicadezas e pequenas alegrias com tristezas.

O pai Harihar (Kanu Bannerjee) é um sonhador, em oposição à mãe Sarbojaya (Karuna Bannerjee), que vive na tensão da falta de dinheiro. As crianças tentam incluir algo lúdico entre os afazeres. Durga (Uma Das Gupta) está crescendo, começa a enfrentar a mãe, passa a não ter tanta paciência com o irmão caçula e se vê em um problema quando a joia de uma amiga some e ela é acusada do roubo.

Apu (Samir Banerjee) é testemunha de tudo isso. Ele é a figura central dos três livros de Bibhutibhusan Bandyopadhyay, que tratam de sua infância e amadurecimento. A Canção da Estrada cobre dois terços do primeiro livro. O Invencível (1956) vai desta terça parte final até parte do segundo livro. E O Mundo de Apu (1959), com Apu adulto, já se desvencilha mais da trilogia literária.

Mas os filmes são tão ligados que muitas vezes são considerados juntos em compêndios e enciclopédias de cinema. Mas o primeiro é o primeiro: é aquele que marcou a estreia de Ray, que, contam, nunca tinha dirigido uma cena atpe a câmera rodar em A Canção da Estrada – assim como seu cinegrafista (Subatra Mitra) nunca havia filmado nada, seus atores mirins nunca tinham atuado e mesmo Ravi Shankar, autor da trilha, era verde.

E é A Canção da Estrada que foi feito ameaçado desde o início de parar por falta de dinheiro, rodando com uma câmera 16mm emprestada, mas que conseguiu um financiamento a duras penas para, dali, ser premiado em Cannes e ser indicado ao Bafta. Não é pra menos. O visual do filme impressiona, é lindo e cru ao mesmo tempo (tanto as cenas na floresta quanto dentro do casebre, principalmente a tempestade). Transpira uma comovente verdade. É incrível que seja um trabalho de iniciantes sem dinheiro nenhum.

E isso vale também para o roteiro. O uso do trem como símbolo épico da modernidade, que é tudo o que não existe no povoado de Apu, onde a passagem de um homem que vende doces é um grande evento. E a resolução do plot do roubo das joias é, em si mesmo, uma pequena joia dentro de um tesouro maior.

A Canção da Estrada. Pather Panchali. Índia, 1955. Direção: Satyajit Ray. Elenco: Subir Banerjee, Karuna Bannerjee, Uma Das Gupta, Chunibala Devi, Kanu Bannerjee.

Marilyn Monroe, Tony Curtis e Jack Lemmon

Marilyn Monroe, Tony Curtis e Jack Lemmon

Estrelas-05 juntas-site

Sexo e tiros, graças ao deus Billy

Em preto-e-branco, um carro funerário antigo vem pela rua. Logo, é perseguido pela polícia. Tiros são trocados, uma perseguição acontece, o carro escapa, mas o caixão foi atingido. Dos furos, jorra um líquido. Não é sangue: quando o caixão é aberto, nos é revelado que está cheio de garrafas de birita. E só aí Quanto Mais Quente Melhor nos localiza (para quem ainda não percebeu por si só): estamos em Chicago, 1929. Época da Lei Seca.

O filme de Billy Wilder, escrito por ele e o parceiro I.A.L. Diamond, mostra de saída uma de suas maiores qualidades (entre tantas e tantas): o ritmo. Não há pressa: o filme começa com uma trama que ainda não envolve seus personagens principais: essa fuga, a batida da polícia em uma funerária de fachada que na verdade é um nightclub. Joe (Tony Curtis) e Jerry (Jack Lemmon), músicos que tocam na banda do lugar, só aparecem aí, aos 7 minutos de filme. A outra protagonista do filme, Sugar Kane (Marilyn Monroe), só aos 25. E essa cadência é tão precisa quanto o rebolado de Marilyn em sua primeira aparição, na estação de trem. “Olha como ela se mexe! É como gelatina com molas”, diz o personagem de Lemmon. “Deve ter algum tipo de motor interno. Vou te dizer, é um sexo totalmente diferente!”.

Nesta cena, Joe e Jerry já estão vestidos de mulher. Eles – com uma dinâmica meio Dean Martin e Jerry Lewis – testemunharam o acerto de contas entre gangsters que ficou conhecido como o massacre do Dia de São Valentim (que aconteceu mesmo) e, para não serem mortos também, precisam fugir da cidade. Conseguem emprego em uma banda que está indo para Miami – só que é uma banda só de mulheres. Então, Joe vira Josephine e Jerry, Geraldine. Até sua antológica apresentação ao pessoal da banda: “Sou Daphne”. Mais um exemplo do ritmo do roteiro: há todo um diálogo depois disso até que Joe possa finalmente colocar Jerry na parede e perguntar: “Daphne??”.

O desafio da dupla é se tornar esse “sexo totalmente diferente”. É claro que não vai ser fácil. Joe parece mais desconfortável, mas mais concentrado. Jerry fica saltitante ao se ver entre as mulheres da banda, mas curiosamente rapidamente cria uma expansiva persona feminina. Além disso, há Sugar, a cantora da banda. Que homem resiste a Marilyn em seu máximo? Em um segundo, os dois se interessam por ela e vão arriscar seus disfarces e pescoços.

No hotel e Miami, ainda há os milionários em busca de aventuras amorosas. Joe se aproveita disso e cria um novo personagem para conquistar Sugar, em uma impagável imitação de Cary Grant (“Que sotaque é esse? Ninguém fala assim!”, diz Jerry). Já Daphne atrai a atenções de um ricaço de verdade, Osgood Fielding (Joe E. Brown).

As correrias e o entra-e-sai são orquestrados na medida, emoldurando (e várias vezes desviando a atenção) todas as piadas com o homossexualismo que não podiam ser feitas naquela época em que o Código de Produção ainda ditava normas em Hollywood. A cena em que Daphne conta que foi pedida em casamento – um dos melhores diálogos da história do cinema (Joe: “Por que um cara se casaria com outro cara?”; Daphne: “Segurança!”) – é cheia de subentendidos, desmentidos, coisas que ficam no ar e é tão engraçada que Billy Wilder entregou duas maracas para Jack Lemmon e o instruiu a sacudi-las entre os diálogos – para dar ao público tempo de rir sem perder nada.

A interação entre Curtis e Lemmon é perfeita, mas o filme tem em Marilyn uma arma que não desperdiça. Billy Wilder pagou seus pecados com a atriz e sua dificuldade em decorar as falas. Em uma cena, ela só tinha que entrar no quarto e perguntar “Cadê aquele bourbon?”, mas não acertava. Billy, então, escreveu a fala num papel e colocou dentro de uma gaveta que ela deveria abrir. E ela não conseguia abrir a gaveta certa. Então, o diretor pôs a fala dentro de todas a gavetas. Foram 49 takes e não foi a única cena a ser repetida tantas vezes.

Billy já tinha dirigido Marilyn em O Pecado Mora ao Lado e sabia que valia a insistência. E valeu mesmo. Marilyn está luminosa no seu tipo de ser a mulher mais sensual do mundo sem ter consciência de que é. E seus números musicais (“Runnin’ wild”, “I wanna be loved by you” e “I’m through with love”) são todos ótimos.

São todas músicas do período em que o filme se passa, o final dos anos 1920. E Marilyn (que ganhou o Globo de Ouro de atriz/ comédia ou musical; Jack Lemmon ganhou melhor ator e ainda teve o de melhor filme) está fascinante de maneiras diferentes em cada um deles (estava com uns quilinhos a mais porque estava grávida, mas quem liga?). No segundo ainda há aquele jogo de luz, que brinca, ficando acima do já generoso decote de Sugar, evocando a nudez da personagem. O sexo está por todo lado no filme.

Às vezes, em dois lugares ao mesmo tempo e com sentidos diferentes, como na cena em que Sugar se esforça para seduzir o suposto milionário supostamente impotente que Joe finge ser enquanto Jerry, como Daphne, precisa lidar com o apaixonado Osgood em um baile (“Daphne, está conduzindo de novo”).

E tem o final, claro. Billy Wilder (com seus parceiros) era brilhante em seus finais. E o de Quanto Mais Quente Melhor, eleito pelo American Film Institute como a melhor comédia do cinema american, é lendário. A solução de resolver com um atrevido nonsense a questão entre Osgood e Daphne causou dúvidas até no próprio Wilder (I.A.L. Diamond criou a fala). É tão surpreendente, absurdo e anticlimático que a plateia só pensa nas possíveis implicações dela depois. Pode ser que ninguém seja perfeito, mas esse final é.

Quanto Mais Quente Melhor. Some Like it Hot. Estados Unidos, 1959. Direção: Billy Wilder. Roteiro: Billy Wilder e I.A.L. Diamond, a partir de história de Robert Thoeren e Michael Logan, inspirado no filme alemão Ritmos de Amor (1951). Elenco: Marilyn Monroe, Tony Curtis, Jack Lemmon, George Raft, Pat O’Brien, Joe E. Brown.

Sigam-me os bons (no Twitter)

março 2017
D S T Q Q S S
« fev    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Cenas da Vida

Você lembra dos meus cabelos?

Cineport 2011

Cineport 2011

Mais fotos

Páginas

Estatísticas

  • 1,239,618 hits