O novo filme do diretor polonês Pawel Pawlikowski, de Ida, é um romance que se passa no contexto da guerra fria, nos anos 1950, na Polônia, mas passando por outras cidades da Europa. Ganhou o prêmio de direção em Cannes e concorre pela Polônia a uma vaga no Oscar de filme de língua não inglesa. Como Ida, que ganhou o Oscar, este também é em preto-e-branco e formato de tela 4×3. Estreia no Brasil: 7 de fevereiro.

Anúncios

200. ‘PROLOGUE (LITTLE SHOP OF HORRORS)’, de A Pequena Loja dos Horrores (1986).
Com Michelle Weeks, Tichina Arnold e Tisha Campbell-Martin. Direção: Frank Oz. Canção de Howard Ashman e Alan Menken.

Sabe aquele coro que agoura todo mundo nas tragédias gregas? É transformado num girl group estilo Supremes na versão musical escrachada de A Pequena Loja dos Horrores. Atenção: duas das moças do trio no futuro viriam a ser as mães duronas dos sitcons Todo Mundo Odeia o ChrisEu, a Patroa e as Crianças.

***

199. ‘I JUST CAN’T WAIT TO BE KING’, de O Rei Leão (1994).
Com Jason Weaver, Laura Williams e Rowan Atkinson. Direção: Roger Allers e Rob Minkoff. Canção de Elton John e Tim Rice.

Pode reparar: quase toda animação musical da Disney tem uma canção tipo “o que eu desejo” no começo. Esta se diferencia um pouco por ser bem divertida.

***

198. ‘COME UP TO MY PLACE’, de Um Dia em Nova York (1949).
Com Betty Garrett e Frank Sinatra. Direção: Gene Kelly e Stanley Donen. Canção de Leonard Bernstein.

A taxista Betty Garrett está doidinha pra levar o marinheiro Sinatra pra sua casa. Mas o bobo só quer saber de visitar pontos turísticos — e que nem existem mais, porque ele consulta um guia de 1905!

***

197. ‘LET’S DO IT (LET’S FALL IN LOVE)’, de De-Lovely – Vida e Amores de Cole Porter (2004).
Com Alanis Morrisette. Direção: Irwin Winkler. Canção de Cole Porter.

Na cinebiografia de Cole Porter, uma de suas canções mais maravilhosas ganha uma interpretação ótima de Alanis Morisette. Primeiro, é uma passagem de tempo: da composição, à escolha da atriz/ cantora, aos ensaios e, finalmente, no fim, o número musical de concretiza.

***

196. ‘YOU’RE WELCOME’, de Moana – Um Mar de Aventuras (2016).
Com Dwayne Johnson. Direção: John Musker e Ron Clements. Canção de Lin-Manuel Miranda.

Quem diria? Dwayne Johnson cantando! Um número divertido que apresenta o deus Maui, um daqueles que passam do visual “realista” para um todo rebuscado durante a canção.

***

195. ‘DO YOU HEAR THE PEOPLE SING?’, de Os Miseráveis (2012).
Com elenco. Direção: Tom Hooper. Canção de Herbert Kretzmer, Claude-Michel Schönberg e Alain Boublil.

Os jovens estudantes tomam as ruas de Paris para começar uma revolução com esta, que é “a canção de um povo que não será mais escravo”.

***

194. ‘BIBBIDI-BOBBIDI-BOO’, de Cinderela (1950).
Com Verna Felton. Direção: Clyde Geronimi, Wilfred Jackson e Hamilton Luske. Canção de Mark David, Jerry Livingston e Al Hoffman.

A magia por excelência, padrão Disney.

***

193. ‘ELEPHANT LOVE MEDLEY’, de Moulin Rouge – Amor em Vermelho (2001)
Com Ewan McGregor, Nicole Kidman e Placido Domingo. Direção: Baz Luhrmann. Medley com “All you need is love”, de John Lennon e Paul McCartney; “I was made for lovin’ you”, de Paul Stanley, Desmond Child e Vini Poncia; “One more night”, de Phil Collins; “Pride (In the name of love)”, de Bono e The Edge; “Don’t leave me this way”, de Kenny Gamble, Leon Huff e Cary Gilbert; “Silly love songs”, de Paul McCartney e Linda McCartney; “Up where we belong”, de Jack Nitzsche, Buffy Sainte-Marie e Will Jennings; “Heroes”, de David Bowie e Brian Eno; “I will always love you”, de Dolly Parton; “Your song”, de Elton John e Bernie Taupin.

Todo mundo sabe que acho Moulin Rouge superestimado, mas gosto de alguns números: acho criativo esse diálogo que costura trechos de músicas românticas famosas.

***

192. ‘THE KING WHO COULDN’T DANCE (THE WORRY SONG)’, de Marujos do Amor (1945)
Com Gene Kelly e Sara Berner. Direção: George Sidney. Canção de Sammy Fain e Arthur Freed.

Uma das primeiras grandes sequências a misturar um ator real e um desenho animado. E a química entre Gene Kelly e o rato Jerry funciona super bem.

***

191. ‘SALVE REGINA (HAIL HOLY QUEEN)’, de Mudança de Hábito (1992)
Com Whoopi Goldberg, Kathy Najimy, Andrea Robinson e elenco. Direção: Emile Ardolino. Hino mariano.

Há muito carisma no coro da freirinhas de Mudança de Hábito. A transformação do hino religioso em música pop é construída em degraus e é um resumo perfeito do filme.

***

 

A animação brasileira Tito e os Pássaros ganhou o Anima Mundi, foi selecionado para o Fesyival de Annecy e está pré-indicado ao Oscar de longa de animação. Na história, um garoto e seus amigos enfrentam uma epidemia de medo que assola o mundo. Olha só o visual do filme de Gustavo Steinberg. Ainda não há data para o lançamento no Brasil, que eu saiba.

2001 - Uma Odisseia no Espaco - 52 - filmagem

Kubrick, nas filmagens de ‘2001’

2001: UMA ODISSEIA NO ESPAÇO – STANLEY KUBRICK, ARTHUR C. CLARKE E A CRIAÇÃO DE UMA OBRA-PRIMA .
Um making of de 500 páginas . 

Renato Félix

Grandes filmes podem ter grandes histórias e serem eles mesmos grandes histórias. E estas podem render não só os já banalizados making ofs (que podem integrar como extra um DVD ou blu-ray de qualquer filme mequetrefe), mas também serem tema de livros. É o caso de 2001: uma Odisseia no Espaço – Stanley Kubrick, Arthur C. Clarke e a Criação de uma Obra-Prima, de Michael Benson, lançado este ano na esteira das celebrações pelos 50 anos do filme.

O livro une-se a obras como Cidadão Kane – O Making of, de Robert L. Carringer, Quinta Avenida, 5 da Manhã – Audrey Hepburn, Bonequinha de Luxo e o Surgimento da Mulher Moderna, de Sam Wasson, ou De Volta para o Futuro – Os Bastidores da Trilogia, de Caseen Gaines, que também resolveram contar a história por trás de filmes clássicos. 2001, naturalmente, já teve outros livros dedicados a ele, inclusive um diário de Arthur C. Clarke de sua jornada criativa ao lado de Kubrick, publicado em 1972.

2001 - livro - capaO livro de Benson conta a respeito da parceria de Kubrick, então um cineasta americano que logo passaria a morar em Londres e que vinha do sucesso de Doutor Fantástico (1964), e Arthur C. Clarke, escritor de ficção científica inglês então vivendo no Sri Lanka. Kubrick procurou o escritor porque queria fazer um filme de ficção científica que fosse cientificamente o mais plausível que pudesse.

Juntos, eles produziram simultaneamente um filme e um romance que especula sobre a vida extraterrestre e aborda a evolução humana, do seu estágio anterior, nas cavernas, a um possível patamar posterior, como um ser das estrelas.

O livro fala dos passos da produção, a criação dos incríveis efeitos especiais (a cargo de Wally Veevers, Tom Howard, Douglas Trumbull e Con Pederson), abordando o controverso crédito a respeito disso no filme (o único Oscar que 2001 venceu), os sets elaborados e caros (que levaram a produção a ser apelidada de Nasa leste), a decisão de cortar 19 minutos do filme, o prólogo filmado e não utilizado na montagem final, a repercussão negativa no lançamento e como o filme foi ganhando espectadores e se tornou a referência que é hoje.

Benson usou correspondências pessoais, longas entrevistas e material de arquivo (a sessão de notas, no fim do livro, ocupa 34 páginas. A escrita vai do relato à análise, relacionando de cara, no prólogo, o filme à Odisseia, de Homero, e ao Ulisses, de James Joyce.

O livro, em capa dura, também abre com um caderno de fotos coloridas em papel couché. Várias outras, em preto-e-branco, vão ilustrando a narrativa de Michael Benson.
2001: uma Odisseia no Espaço é hoje um dos clássicos absolutos do cinema. Um dos raros filmes que podem realmente ser apontados como um divisor de águas. Sua ousadia imagina a aurora do homem, quando o ser primitivo, influenciado por um monólito deixado por aqui por uma inteligência alienígena, descobre o osso como ferramenta/ arma.

No futuro das viagens espaciais, o homem descobre outro monólito na Lua, deixado lá para emitir um sinal quando descoberto (assim, os alienígenas saberiam que a raça humana estaria começando a avançar além dos limites do planeta, base do conto “A sentinela”, de Clarke). Em uma viagem para investigar, o supercomputador HAL-9000 enlouquece e começa a matar os astronautas a bordo. A evolução da ferramente a transformou em uma arma contra nós, levando ao final metafísico.

2001: UMA ODISSEIA NO ESPAÇO – STANLEY KUBRICK, ARTHUR C. CLARKE E A CRIAÇÃO DE UMA OBRA-PRIMA. De Michael Benson. Editora: Todavia. Tradução: Claudio Carina e Álvaro Hattnher. Páginas: 496. Formato: 16 x 23cm. Preço: R$ 84,90 (físico) e R$ 49,90 (e-book).

* Publicado originalmente no Correio da Paraíba, edição de 30/10/2018

Fun Home

Uma página original da sequência inicial de ‘Fun Home’: raro momento de leveza

FUN HOME – UMA TRAGICOMÉDIA EM FAMÍLIA .
Em nome do pai .

Relações familiares e suas complicações. Às vezes mais, às vezes menos complexas. A quadrinista americana Alison Bechdel resolveu expor os muito complexos pormenores de sua família no célebre álbum Fun Home – Uma Tragicomédia em Família, que foi eleito o livro do ano pela revista Time, em 2006, e chegou à Broadway em 2015, em um musical que faturou cinco prêmios Tony.

Bechdel conta sua infância e juventude vivendo em uma casa grande e antiga com sua família que administra uma funerária (ironicamente apelidada de “fun home”, considerando que “fun” é a palavra em inglês para “diversão”). Seu pai é obcecado pela restauração do lugar e uma pessoa difícil e distante com os filhos. Quando ela revela à família que é lésbica, descobre que o pai mantinha há anos uma vida gay paralela. Pai que morre em circunstâncias que podem indicar um suicídio.

A literatura é um elo entre os dois através dos anos e Bechdel mostra isso com muitas referências (a Proust, James Joyce, Colette, F. Scott Fitzgerald, entre outros) e mesmo trechos dos livros que marcaram sua vida. Em cenas onde algum personagem esteja segurando um livro, ela faz sempre questão de mostrar o nome na capa.

Em muitas autobiografias em quadrinhos, há um preguiçoso estilo em que o desenho de cada quadro é pouco mais que um recurso ilustrativo para a narração que já conta tudo em um recordatório. Bechdel abusa do recurso do recordatório (que é aquela narração em terceira ou primeira pessoa que não está em um balão, não faz parte do diálogo da cena), a ponto de praticamente todos os quadrinhos do álbum acompanharem um.

Fun Home - capaMas em sua HQ os recordatórios ganham uma refinada função de reflexão e autoanálise para as cenas mais diretas retratadas pelas ilustrações. A quadrinista não recua do desafio de construir as cenas com as sequência de imagens, em vez de resumir toda uma situação a um quadro só – o tal recurso preguiçoso comum das autobiografias em quadrinhos.

Esse conto de amadurecimento começa com uma brincadeira infantil entre pai e filha: ele deitando no chão, a erguendo no ar com seus pés. Pai e filha brincando de maneira que não vamos mais ver no decorrer no livro. Nas páginas seguintes, há um relato de aproximações, tensões e distanciamentos que se alternam e boa parte das vezes a jovem mente de Alison não consegue distinguir qual é o quê.

Há um bom espaço também para que seja apresentado e discutido o papel da mãe, uma aspirante a atriz que vai ficando sufocada, no casamento e na família. Mas a mãe já havia sido o tema de um álbum anterior de Bechdel: Você É  Minha Mãe? – Um Drama em Quadrinhos (Cia. das Letras, 2013).

Curiosamente, o álbum pouco entra na vida íntima dos dois irmãos de Alison. Haverá  um terceiro álbum explorando essa face da juventude da quadrinista? Ou essas memórias complexas e desconcertantes terão encontrado paz?

FUN HOME – UMA TRAGICOMÉDIA EM FAMÍLIA. De Alison Bechdel (roteiro e desenho). Editora: Todavia. Tradução: André Conti. Páginas: 240. Formato: 16 x 23 cm. Preço: R$ 54,90 (impresso) e R$ 39,90 (e-book).

* Publicado originalmente no Correio da Paraíba, edição de 3/11/2018.

 

A última impressão é a que fica? Aqui está uma lista de meus 50 finais preferidos de filmes. 

Noivo Neurotico Noiva Nervosa - 41

50. NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA. Woody Allen, 1977

ALVY: “Eu, eu pensei naquela velha piada, sabe, um, um cara vai a um psiquiatra e diz: ‘Doutor, hã, meu irmão está louco. Ele pensa que é uma galinha’. E, hã, o doutor diz: ‘Bem, por que você não o interna?’. E o cara diz: ‘Eu ia, mas eu preciso dos ovos’. Bem, acho que isso é muito como eu me sinto sobre relacionamentos. Você sabe, eles são totalmente irracionais e loucos e absurdos e… mas, hã, acho que continuamos com eles porque, hã, a maioria de nós precisa dos ovos”.

Assista!

***

Bebe de Rosemary - 14

49. O BEBÊ DE ROSEMARY. Roman Polanski, 1968

ROSEMARY: “Você está balançando muito rápido”.

Assista!

***

Doce Vida - 15

48. A DOCE VIDA. Federico Fellini, 1960

MARCELLO: “Não consigo escutar!”.

Assista!

***

Setimo Selo-03

47. O SÉTIMO SELO. Ingmar Bergman, 1957

JOF: “E a Morte, a mestre severa, os convida para dançar”.

Assista!

***

 

Intocaveis - 1987 - 10

46. OS INTOCÁVEIS. Brian de Palma, 1987

ELLIOT NESS: “Acho que vou tomar um drinque”.

Assista!

***

Chinatown - 26

45. CHINATOWN. Roman Polanski, 1974

WALSH: “Esqueça, Jake. É Chinatown”.

Assista!

***

Bonequinha de Luxo-15

44. BONEQUINHA DE LUXO. Blake Edwards, 1961

HOLLY: “O Gato… Onde está o Gato?…”

Assista!

***

Separacao - 09

43. A SEPARAÇÃO. Asghar Farhadi, 2011

JUIZ: “Você quer que eles esperem lá fora, se for difícil para você?
TERMEH: “Eles podem?”

Assista!

***

Vida de Brian - 12

42. A VIDA DE BRIAN. Terry Jones, 1979

SR. FRISBEE: “Olhe sempre o lado bom da vida”.

Assista!

***

Clube dos Cinco-29

41. CLUBE DOS CINCO. John Hughes, 1985

BRIAN: “Mas o que descobrimos é que cada um de nós é um cérebro…”
ANDREW: “…e um atleta…”
ALLISON: “…e uma inútil…”
CLAIRE: “…e uma princesa…”
BENDER: “…e um criminoso.”

Assista!

***

Pacto de Sangue - 02

41. PACTO DE SANGUE. Billy Wilder, 1944

KEYES: “Você não vai chegar nem ao elevador”.

Assista!

***

Butch Cassidy - 06

40. BUTCH CASSIDY. George Roy Hill, 1969

BUTCH: “Tenho uma grande ideia de onde deveríamos ir depois daqui”.

Assista!

***

Montanha dos Sete Abutres - 09

39. A MONTANHA DOS SETE ABUTRES. Billy Wilder, 1951

CHUCK: “Gostaria de ganhar mil dólares por dia, Sr. Boot? Sou um jornalista que vale mil dólares por dia. Pode ficar comigo por nada”.

Assista!

***

 

Deus e o Diabo na Terra do Sol - 12

38. DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL. Glauber Rocha, 1964

CORISCO: “Mais fortes são os poderes do povo!”.

Assista!

***

 

Bons Companheiros - 06

37. OS BONS COMPANHEIROS. Martin Scorsese, 1990

HENRY: “Sou um ninguém. Vou viver o resto da minha vida como um merda”.

Assista!

***

Toy Story 3 - 09

36. TOY STORY 3. Lee Unkrich, 2010

WOODY: “Até mais, parceiro”.

Assista!

***

Cavadoras de Ouro - 07

35. CAVADORAS DE OURO DE 1933. Mervyn LeRoy, 1933

CAROL: “Lembre-se do meu homem esquecido”.

Assista!

***

Homem de Ferro - 34

34. HOMEM DE FERRO. Jon Favreau, 2008

TONY STARK: “Eu sou o Homem de Ferro”.

Assista!

***

Dona Flor e Seus Dois Maridos - 21

33. DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS. Bruno Barreto, 1976

TRILHA SONORA: “O que será, que será, que andam suspirando pelas alcovas?”

Assista!

***

Sociedade dos Poetas Mortos - 03

32. SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS. Peter Weir, 1989

KEATING: “Obrigado, garotos. Obrigado”.

Assista!

***

Ouro e Maldicao - 02

31. OURO E MALDIÇÃO. Erich von Stroheim, 1924

Assista!

***

Princesa e o Plebeu - 15

29. A PRINCESA E O PLEBEU. William Wyler, 1953

ANN: “Muito feliz, Sr. Bradley”.

Assista!

***

Malvada - 09

28. A MALVADA. Joseph L. Mankiewicz, 1950

ADDISON: “Você deve perguntar à Srta. Harrington como conseguir um. A Srta. Harrington sabe tudo sobre isso”.

Assista!

***

8½

27. 8 ½. Federico Fellini, 1963

GUIDO: “Esta confusão… sou eu”.

Assista!

***

Inimigo Publico - 03

26. INIMIGO PÚBLICO. 1931

MIKE: “Mãe, estão trazendo Tom para casa!”.

Assista!

***

Incompreendidos - 05

25. OS INCOMPREENDIDOS. François Truffaut, 1959

Assista!

***

Thelma e Louise-08

24. THELMA & LOUISE. Ridley Scott, 1991

THELMA: “Apenas vamos em frente”.

Assista!

***

Tempos Modernos - 05

23. TEMPOS MODERNOS. Charles Chaplin, 1936

CARLITOS: “Sorria!”

Assista!

***

Suspeitos - 1995 - 02

22. OS SUSPEITOS. Bryan Singer, 1995

VERBAL: “O maior truque do diabo foi convencer o mundo de que ele não existe”.

Assista!

***

Cinema Paradiso - 20

21. CINEMA PARADISO. Giuseppe Tornatore, 1988

Assista!

***

E o Vento Levou-13

20. …E O VENTO LEVOU. Victor Fleming, 1939

RHETT: “Francamente, minha querida, estou cagando pra isso”.

Assista!

***

Passaros - 34

19. OS PÁSSAROS. Alfred Hitchcock, 1963

CATHY: “Posso levar os periquitos, Mitch? Eles não machucaram ninguém”.

Assista!

***

Ladroes de Bicicleta - 12

18. LADRÕES DE BICICLETA. Vittorio de Sica, 1948

BRUNO: “Papai! Papai!”

Assista!

***

Se Meu Apartamento Falasse - 06

17. SE MEU APARTAMENTO FALASSE. Billy Wilder, 1960

FRAN KUBELIK: “Cale a boca e dê as cartas”.

Assista!

***

Casablanca - 40

 

16. CASABLANCA. Michael Curtiz, 1942

RICK: “Louis, acho que este é o início de uma bela amizade”.

Assista!

***

Planeta dos Macacos - 1968 - 10

15. O PLANETA DOS MACACOS. Franklin J. Schaffner, 1968

GEORGE TAYLOR: “Seus maníacos! Vocês estragaram tudo! Malditos sejam!”.

Assista!

***

primeira-noite-de-um-homem-07.png

14. A PRIMEIRA NOITE DE UM HOMEM. Mike Nichols, 1967

TRILHA SONORA: “Olá, escuridão, velha amiga”.

Assista!

***

De Volta para o Futuro - 31

13. DE VOLTA PARA O FUTURO. Robert Zemeckis, 1985

DOUTOR BROWN: “Ruas? Para onde vamos não precisamos… de ruas”.

Assista!

***

2001 - Uma Odisseia no Espaco - 25

12. 2001 – UMA ODISSEIA NO ESPAÇO. Stanley Kubrick, 1968

Assista!

***

Bonnie e Clyde - 35

11. BONNIE AND CLYDE – UMA RAJADA DE BALAS. Arthur Penn, 1967

Assista!

***

Rastros de Ódio - 01

10. RASTROS DE ÓDIO. John Ford, 1956

Assista!

***

Cidadao Kane - 38

9. CIDADÃO KANE. Orson Welles, 1941

JERRY THOMPSON: “Talvez ‘Rosebud’ seja alguma coisa que ele não conseguiu. Ou algumas coisa que ele perdeu”.

Assista!

***

 

Psicose - 1960 - 20

8. PSICOSE. Alfred Hitchcock, 1960

NORMA BATES: “Ele vão dizer: ‘Ela não mataria uma mosca’…”.

Assista!

***

Quanto Mais Quente Melhor - 22

7. QUANTO MAIS QUENTE MELHOR. Billy Wilder, 1959

OSGOOD: “Ninguém é perfeito”.

Assista!

***

Noites de Cabiria - 04

6. NOITES DE CABÍRIA. Federico Fellini, 1957

Assista!

***

Manhattan - 03

5. MANHATTAN. Woody Allen, 1979

TRACY: “Nem todo mundo se corrompe. Você tem que ter um pouco de fé nas pessoas”.

Assista!

***

Felicidade Nao Se Compra - 18

4. A FELICIDADE NÃO SE COMPRA. Frank Capra, 1946

HARRY: “Ao meu irmão George: o homem mais rico da cidade”.

Assista!

***

Poderoso Chefao - 08

3. O PODEROSO CHEFÃO. Francis Ford Coppola, 1972

KAY: “É verdade? É?”
MICHAEL: “Não”.

Assista!

***

Crepusculo dos Deuses-12

2. CREPÚSCULO DOS DEUSES. Billy Wilder, 1950

NORMA DESMOND: “Está bem, Sr. DeMille, estou pronta para o meu close-up”.

Assista!

***

 

Luzes da Cidade - 03

1. LUZES DA CIDADE. Charles Chaplin, 1931

CARLITOS: “Você consegue ver agora?”
FLORISTA: “Sim, eu consigo ver agora”.

Assista!

Ilha dos Cachorros

“Ilha dos Cachorros”, de Wes Anderson

São quatro as estreias nos cinemas paraibanos hoje (veja todos os filmes em cartaz na Paraíba, locais e horários de exibição aqui). A que me interessa mais é Ilha dos Cachorros (2018), de Wes Anderson, animação stop-motion do diretor cujos filmes têm um dos visuais mais interessantes do cinema americano hoje. O filme entra em cartaz na sessão Cinema de Arte, do Cinépolis Manaíra.

É a segunda vez que ele realiza uma obra no formato. A outra foi O Fantástico Sr. Raposo (2009). Mas o filme mantém, nos talentos vocais, seu hábito de dirigir grandes elencos, com seus colaboradores habituais: Edward Norton, Bill Murray, Tilda Swinton, Bob Balaban e Frances McDormand vivem aparecendo nos filmes de Anderson. Em João Pessoa (Cinépolis Manaíra).

Hotel Artemis

Jeff Goldblum e Jodie Foster em “Hotel Artemis”

Em Hotel Artemis (2018), Jodie Foster volta a aparecer como atriz, cinco anos após Elysium. Ela é a enfermeira que comanda um ala que cuida de criminosos perigosos e descobre que um dele está para cometer um assassinato. Em João Pessoa (Cinépolis Manaíra, Centerplex MAG).

 

O blockbuster da semana é O Predador (2018), quarto da série que começou com… O Predador (1987). Sim, a continuação tem o mesmo nome do primeiro filme. Em João Pessoa (Cinépolis Manaíra, Centerplex MAG, Cinesercla Tambiá, Cinépolis Mangabeira), Campina (Cinesercla Partage) e Patos (Cine Guedes).

Marvin (2017) é mais um filme francês egresso do Festival Varilux que entra em cartaz. É sobre um jovem que quer ser ator e foge da família opressora para tentar viver esse sonho. Isabelle Huppert está no elenco, interpretando ela mesma. Em João Pessoa (Centerplex MAG).

FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS – PROGRAMAÇÃO COMPLETA EM JOÃO PESSOA .

Começa nesta quinta mais uma edição do Festival Varilux de Cinema Francês. Este ano, o evento chega a 61 cidades brasileiras, exibindo 20 filmes novos e inéditos no país, mais um clássico – que, este ano, é Z, de Costa-Gavras. Os filmes serão exibidos apenas no Centerplex do MAG Shopping (ano passado, a mostra chegou também ao Cinépolis do Manaíra Shopping), ao longo de duas semanas. Os filmes passam duas ou três vezes, e o clássico tem sessão única.

A seguir veja quais são os filmes e seus dias e horários de exibição, e seus trailers. Mais abaixo, a programação por dia.

Nos Vemos no Paraiso - 01

NOS VEMOS NO PARAÍSO, de Albert Dupontel

Neste vencedor de cinco Césars (o Oscar da França), uma dupla de soldados (um artista e um contador) tenta desmascarar um militar que lucra com os corpos na guerra.
Sex. 8, 20h50; qui. 14, 16h55; dom. 17, 18h

***

Amante Duplo - 01

O AMANTE DUPLO, de François Ozon

Um suspense sobre mulher (Marine Vacht, de Jovem e Bela, do mesmo Ozon) que se relaciona com seu terapeuta, e passa a se tratar com o irmão gêmeo dele, de quem ela nunca tinha ouvido falar.
Sab. 9, 21h10; seg. 11, 16h55; qui. 14, 19h10

***

Orgulho - 01

O ORGULHO, de Yvan Attal

Indicado ao César de filme e vencedor do prêmio de atriz revelação (Carmélia Jordana), é sobre uma aluna e professor que enfrentam o preconceito um do outro, enquanto trabalham juntos para que ela enfrente um concurso de eloquência.
Dom. 10, 21h10; qui. 14, 15h; sex. 15, 18h55; seg. 18, 17h

***

Primavera em Casablanca - 01

PRIMAVERA EM CASABLANCA, de Nabil Ayouch

Do diretor de Muito Amadas, outra cutucada nos tabus marroquinos, mostrando cinco vidas diferentes e uma revolta que se aproxima.
Qui. 7, 21h15; qua. 13, 15h; ter. 19, 16h50

***

Raposa Ma - 01

A RAPOSA MÁ, de Benjamin Renner, Patrick Imbert

A animação do festival, baseada nos quadrinhos de Benjamin Renner, traz um bosque cheio de animais meio malucos, com destaque para a raposa que acaba criando pintinhos. A exibição é dublada.
Sab. 9, 15h; sáb. 16, 15h30. 

***

Carnivoras - 01

CARNÍVORAS, de Jérémie Renier, Yannick Renier

Suspense sobre duas irmãs que vivem um conflito de identidade quanto ao trabalho de atriz de uma delas. A outra, que sempre quis ser atriz, começa a crer que pode assumir os papéis que a outra vai negligenciando.
Sab. 9, 19h10; sex. 15, 15h; seg. 18, 21h30

***

Gauguin - Viagem ao Taiti - 01

GAUGUIN – VIAGEM AO TAITI, de Edouard Deluc

Vincent Cassel é o pintor francês Paul Gauguin redescobrindo a vida no Taiti em 1891.
Sex. 8, 18h50; qua. 13, 17h20; seg. 18, 15h

***

Promessa ao Amanhecer - 01

PROMESSA AO AMANHECER, de Eric Barbier

Uma história de mãezona, com Charlotte Gainbourg como a mãe excêntrica do filho que se torna aviador na II Guerra.
Sab. 9, 16h40; ter. 12, 21h15; dom. 17, 20h15

***

50 Sao os Novos 30 - 01

50 SÃO OS NOVOS 30, de Valérie Lemercier

Comédia romântica sobre mulher, separada e demitida aos 50, que é obrigada a morar na casa dos pais.
Dom. 10, 15h; ter. 12, 17h15; qua. 20, 19h

***

Poder de Diane - 01

O PODER DE DIANE, de Fabien Gorgeart

Mulher aceita ser a barriga de alguel para um casal amigo. E surge uma paixão no caminho. O filme foca na variedade de possibilidades das famílias.
Qui. 7, 17h15; sab. 16, 17h10; ter. 19, 19h10

***

Retorno do Heroi - 01

O RETORNO DO HERÓI, de Laurent Tirard

Jean Dujardin (de O Artista) e Melanie Laurent (de Bastardos InglóriosO Concerto) se elgafinham nesta comédia, até ele começar uma farsa.
Sex. 8, 17h; dom. 10, 16h55; sab. 16, 18h55

***

Troca de Rainhas - 01

TROCA DE RAINHAS, de Marc Dugain

Luís XV, de 11 anos, se casa com Anna, princesa espanhola de 4 anos, em um jogo de poder. E o regente casa sua filha, de 12, com o herdeiro do trono da Espanha. E o filme conta a vida dessas moças e suas novas vidas.
Sex. 8, 15h; qua. 13, 19h20

***

Aparicao - 01

A APARIÇÃO, de Xavier Giannoli

Repórter faz parte de investugação sobre jovem que afirma ter visto a Virgem Maria.
Qui. 14, 21h15; seg. 18, 18h55

***

Custodia - 01

CUSTÓDIA, de Xavier Legrand

Um garoto fica no fogo cruzado entre seus pais, que disputam a sua guarda.
Qua. 13, 21h20; sex. 15, 17h; qua. 20, 15h

***

Ultimo Suspiro - 01

O ÚLTIMO SUSPIRO, de Daniel Roby

Ficção científica sobre pessoas que se refugiam nos tetos das casas quando uma névoa mortal toma Paris.
Seg. 11, 19h; ter. 19, 15h

***

Marvin - 01

MARVIN, de Anne Fontaine

Jovem precisa se afastar da família para viver sua identidade. Isabelle Huppert interpreta ela mesma. A diretora é a mesma de Coco Antes de Chanel (2009) e Gemma Bovery (2014).
Qui. 7, 19h; ter. 12, 15h

***

De Carona para o Amor - 01

DE CARONA PARA O AMOR, de Franck Dubosc

Conquistador finge usar cadeira de rodas para se dar bem com uma mulher. Mas aí conhece a irmã dela, que é cadeirante.
Ter. 12, 19h10; sab. 16, 20h45

***

Z - 03

Z, de Costa-Gavras

O clássico do festival, este ano, é um dos grandes filmes políticos da história, vencedor do Oscar de melhor filme de língua não inglesa. Mostra um investigador seguindo as pistas do assassinato de um político de esquerda na Grécia, enquanto o governo vai usando sua rede de corrupção para abafar o caso. Costa-Gavras narra os eventos envolvendo o caso Lambrakis, ocorrido em 1963, na Grécia. Após um discurso pacifista, Grigoris Lambrakis foi atacado e golpeado na cabeça por extremistas de direita, morrendo dos ferimentos. “Z” se tornou uma pichação comum nos muros gregos, em memória de Lambrakis, significando “Ele está vivo” em grego antigo. Com Yves Montand, Irene Papas e Jean-Louis Trintignant.
Dom 10, 18h45


PROGRAMAÇÃO POR DIA:

QUINTA 7

15h10 A Excêntrica Família de Gaspard
17h15 O Poder de Diane
19h Marvin
21h15 Primavera em Casablanca

***

SEXTA 8

15h Troca de Rainhas
17h O Retorno do Herói
18h50 Gauguin – Viagem ao Taiti
20h50 Nos Vemos no Paraíso

***

SÁBADO 9

15h A Raposa Má
16h40 Promessa ao Amanhecer
19h10 Carnívoras
21h10 O Amante Duplo

***

DOMINGO 10

15h 50 São os Novos 30
16h55 O Retorno do Herói
18h45 Z
21h10 O Orgulho

***

SEGUNDA 11

15h10 A Busca do Chef Ducasse
16h55 O Amante Duplo
19h O Último Suspiro
20h50 A Noite Devorou o Mundo

***

TERÇA 12

15h Marvin
17h15 50 São os Novos 30
19h10 De Carona para o Amor
21h15 Promessa ao Amanhecer

***

QUARTA  13

15h Primavera em Casablanca
17h20 Gauguin – Viagem ao Taiti
19h20 Troca de Rainhas
21h20 Custódia

***

QUINTA 14

15h O Orgulho
16h55 Nos Vemos no Paraíso
19h10 O Amante Duplo
21h15 A Aparição

***

SEXTA 15

15h Carnívoras
17h Custódia
18h55 O Orgulho
20h50 A Excêntrica Família de Gaspard

***

SÁBADO 16

15h30 A Raposa Má
17h10 O Poder de Diane
18h55 O Retorno do Herói
20h45 De Carona para o Amor

***

DOMINGO 17

18h Nos Vemos no Paraíso
20h15 Promessa ao Amanhecer

***

SEGUNDA 18

15h Gauguin – Viagem ao Taiti
17h O Orgulho
18h55 A Aparição
21h30 Carnívoras

***

TERÇA 19

15h O Último Suspiro
16h50 Primavera em Casablanca
19h10 O Poder de Diane
20h55 A Busca do Chef Ducasse

***

QUARTA 20

15h Custódia
16h55 A Excêntrica Família de Gaspard
19h 50 São os Novos 30
20h55 A Noite Devorou o Mundo

 

Depois de uma parada, nossa eleição dos Melhores do Ano 2017 entra na reta final. Faltam avaliações das estreias de setembrom, outubro, novembro e dezembro. E, até agora, a classificação parcial mostra Paterson, de Jim Jarmusch, liderando, com média de vencedor e boa dianteira sobre os demais filmes (0,286 de diferença para o segundo colocado).

Confira na foto o top 10 e, em seguida, os 25 primeiros e suas médias:

Top 10 - 2018.05.30

Paterson – 4,571
Manchester à Beira-Mar – 4,285
Além das Palavras – 4,25
Corra! – 4,23
La La Land – Cantando Estações – 4,2

Dunkirk – 4,142
Logan – 4,142
Eu, Daniel Blake – 4,142
Moonlight – Sob a Luz do Luar – 4,117
O Apartamento – 4,076

Silêncio – 4
Bingo, o Rei das Manhãs – 4
Como Nossos Pais – 4
Divinas Divas – 4
Eu Não Sou Seu Negro – 4

A Qualquer Custo – 3,909
Estrelas Além do Tempo – 3,823
Em Ritmo de Fuga – 3,8
Animais Noturnos – 3,687
Moana – Um Mar de Aventuras – 3,615

Um Limite entre Nós – 3,6
Mulher-Maravilha – 3,5
Planeta dos Macacos – A Guerra – 3,5
Atômica – 3,5
Lion – Uma Jornada para Casa – 3,416

Neste momento, os piores filmes do ano (entre aqueles que atingiram o quórum mínimo de seis votos) são Cinquenta Tons Mais Escuros (média 2), Passageiros (média 2,142), Assassin’s Creed e Alien – Covenant (ambos com média 2,166).

A votação continua liberada: deixe suas notas de 0 a 5 nos filmes que você viu. Há três locais para votar, sempre deixando as notas nos comentários correspondentes:

– Acesse a página da votação aqui mesmo no blog.

– Acesse o álbum de fotos na minha página no Facebook. Há uma foto para cada mês.

– Ou acesse o álbum de fotos na página do Boulevard do Crepúsculo no Facebook. Também há uma foto para cada mês.

Começou nossa 12ª eleição do melhores do ano nos cinemas pessoenses. Votantes do mundo todo podem participar. A cada…

Posted by Boulevard do Crepúsculo on Tuesday, November 7, 2017

Para mais detalhes, consulte o regulamento.

MSDGOWI EC001

‘…E o Vento Levou’: ainda o número 1

Andou aparecendo no Facebook uma lista dos 99 filmes “mais populares de todos os tempos”, segundo uma rede social para fãs de filmes. Dela veio um teste do tipo “quantos você viu”.

Como chegaram ao resultado, não faço a menor ideia: 51 dos 99 são filmes de 2014 para cá; o mais antigo é 2001, de 1968. Procurei o critério, não encontrei.

Um critério mais razoável, embora não infalível, é medir a bilheteria. Mas desde que seja ajustada pela inflação, ou só vão ficar filmes recentes com ingressos de shopping e inflados por sessões em 3D.

O Box Office Mojo faz essa atualização constante. E o resultado dos 100 mais (em 19 de abril de 2018) está a seguir.

Quantos você viu? Eu vi 95.

  1. …E o Vento Levou (1939)
  2. Guerra nas Estrelas (1977)
  3. A Noviça Rebelde (1965)
  4. E.T., o Extraterrestre (1982)
  5. Titanic (1997)
  6. Os Dez Mandamentos (1956)
  7. Tubarão (1975)
  8. Doutor Jivago (1965)
  9. O Exorcista (1973)
  10. Branca de Neve e os Sete Anões (1937)
  11. Star Wars – O Despertar da Força (2015)
  12. 101 Dálmatas (1961)
  13. O Império Contra-Ataca (1980)
  14. Ben-Hur (1959)
  15. Avatar (2009)
  16. O Retorno de Jedi (1983)
  17. Jurassic Park – Parque dos Dinossauros (1993)
  18. Star Wars – Episódio I: A Ameaça Fantasma (1999)
  19. O Rei Leão (1994)
  20. Golpe de Mestre (1973)
  21. Os Caçadores da Arca Perdida (1981)
  22. A Primeira Noite de um Homem (1967)
  23. Fantasia (1940)
  24. Jurassic World (2015)
  25. O Poderoso Chefão (1972)
  26. Forrest Gump, o Contador de Histórias (1994)
  27. Mary Poppins (1964)
  28. Grease – Nos Tempos da Brilhantina (1978)
  29. Os Vingadores – The Avengers (2012)
  30. 007 contra a Chantagem Atômica (1965)
  31. Batman, o Cavaleiro das Trevas (2008)
  32. Mogli, o Menino-Lobo (1967)
  33. Pantera Negra (2018)
  34. A Bela Adormecida (1959)
  35. Os Caça-Fantasmas (1984)
  36. Shrek 2 (2004)
  37. Butch Cassidy (1969)
  38. Love Story (1970)
  39. Homem-Aranha (2002)
  40. Independence Day (1996)
  41. Esqueceram de Mim (1990)
  42. Star Wars – Os Últimos Jedi (2017)
  43. Pinóquio (1940)
  44. Cleópatra (1963)
  45. Um Tira da Pesada (1984)
  46. 007 contra Goldfinger (1964)
  47. Aeroporto (1970)
  48. Loucuras de Verão (1973)
  49. O Manto Sagrado (1953)
  50. Piratas do Caribe – O Baú da Morte (2006)
  51. A Volta ao Mundo em 80 Dias (1956)
  52. Bambi (1942)
  53. Banzé no Oeste (1974)
  54. Batman (1989)
  55. Os Sinos de Santa Maria (1945)
  56. O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei (2003)
  57. Procurando Nemo (2003)
  58. Inferno na Torre (1974)
  59. Rogue One – Uma História Star Wars (2016)
  60. Cinderela (1950)
  61. Homem-Aranha 2 (2004)
  62. My Fair Lady (1964)
  63. O Maior Espetáculo da Terra (1952)
  64. O Clube dos Cafajestes (1978)
  65. A Paixão de Cristo (2004)
  66. Star Wars – Episódio III: A Vingança dos Sith (2005)
  67. De Volta para o Futuro (1985)
  68. O Senhor dos Anéis – As Duas Torres (2002)
  69. Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012)
  70. O Sexto Sentido (1999)
  71. Superman – O Filme (1978)
  72. Tootsie (1982)
  73. Agarra-me Se Puderes (1977)
  74. A Bela e a Fera (2017)
  75. Procurando Dory (2016)
  76. Amor, Sublime Amor (1961)
  77. Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977)
  78. Harry Potter e a Pedra Filosofal (2001)
  79. A Dama e o Vagabundo (1955)
  80. Lawrence da Arábia (1962)
  81. Rocky Horror Picture Show (1975)
  82. Rocky, um Lutador (1976)
  83. Os Melhores Anos de Nossas Vidas (1946)
  84. O Destino do Poseidon (1972)
  85. O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel (2001)
  86. Twister (1996)
  87. Homens de Preto (1997)
  88. A Ponte do Rio Kwai (1957)
  89. Transformers – A Vingança dos Derrotados (2009)
  90. Deu a Louca no Mundo (1963)
  91. A Cidadela dos Robinson (1960)
  92. Um Estranho no Ninho (1975)
  93. M.A.S.H. (1970)
  94. Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984)
  95. Vingadores – Era de Ultron (2015)
  96. Star Wars – Episódio II: Ataque dos Clones (2002)
  97. Toy Story 3 (2010)
  98. Uma Babá Quase Perfeita (1993)
  99. Aladdin (1992)
  100. Ghost – Do Outro Lado da Vida (1990)

Monstro da Lagoa Negra - 01

DIÁRIO DE FILMES 2018: 17 – O MONSTRO DA LAGOA NEGRA
Sem borda - 2,5 estrelas

Um clássico dos filmes fantásticos B, voltou a ficar meio em evidência por causa das referências diretas de A Forma da Água, do Del Toro. Na onda do 3D dos anos 1950, não dá pra levar muito a sério, as fragilidades são muitas. Mas tem aquela cena interessante e bonita do monstro nadando abaixo da mocinha, a ambientação na Amazônia é uma curiosidade para nós aqui e tem lá seu charme trash.

O Monstro da Lagoa Negra. Creature from the Black Lagoon. Estados Unidos, 1954. Direção: Jack Arnold. Elenco: Julie Adams, David Reed, Richard Denning, Antonio Moreno. Em blu-ray.

Rastros de Ódio

DIÁRIO DE FILMES 2018: 16 – RASTROS DE ÓDIO
Sem borda - 05 estrelas

Ethan Edwards é um herói? Não necessariamente. Sim, ele passa anos numa árdua e incansável busca por sua sobrinha Debbie, raptada por índios que dizimaram a família da garota. Mas pode muito bem matá-la, se ela tiver virado índia – ele diz que é melhor morrer que viver como índio. Para não deixar dúvidas sobre seu racismo, trata mal Martin, o irmão adotado de Debbie, um mestiço que ele mesmo encontrou e deu para o irmão criar. Mesmo que seja Martin que fique sempre a seu lado na busca. Um monumental John Wayne é o alicerce dessa obra-prima de um John Ford que mostrava um ponto de vista bem mais complexo que o de seus primeiros faroestes.

Rastros de Ódio. The Searchers. Estados Unidos, 1956. Direção: John Ford. Elenco: John Wayne, Jeffrey Hunter, Vera Miles, Ward Bond, Natalie Wood. Em DVD.

wall-e

DIÁRIO DE FILMES 2018: 15 – WALL-E
Sem borda - 05 estrelas

A Terra tomada pelo lixo e deserta: apenas um robozinho permanece limpando lixo, que forma montanhas maiores que os arranha-céus. Como uma animação de premissa tão deprê poderia funcionar numa produção a princípio infantil? Mas o protagonista tem tanto de Chaplin e de Buster Keaton que sustenta 40 minutos praticamente sem falas. Uma visão do futuro tão aterradora quanto divertida. Uma obra-prima desde o primeiro segundo, estabelecendo a relação com o musical Alô, Dolly (1969) que depois vai nortear a relação romântica com a mais avançada Eva.

Wall-E. Wall-E. Estados Unidos, 2008. Direção: Andrew Stanton. Elenco: Fred Willard. Vozes na dublagem original: Ben Burtt, Elissa Knight, Jeff Garlin, John Ratzenberger, Kathy Najimi, Sigourney Weaver. Vozes na dublagem brasileira: Cláudio Galvan, Sylvia Salustti, Reginaldo Primo, Guilherme Briggs, Priscila Amorim. Em DVD.

Sete Noivas para Sete Irmaos - 01

A dança-duelo de “Sete Noivas para Sete Irmãos”

ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD – A COLEÇÃO COMPLETA.

DVD sofre com péssimas legendas

. por Renato Félix.

Entre 1929 e 1958, um estúdio de Hollywood desenvolveu uma forma de arte em que se tornou mestre (ou melhor: um celeiro de mestres): o filme musical. Reunindo talentos gigantescos entre atores/ cantores, atores/ dançarinos, compositores, coreógrafos, a Metro-Goldwyn-Mayer construiu um repertório máximo no gênero, autocelebrado no documentário Era uma Vez em Hollywood (1974), que depois teve duas continuações. A trilogia finalmente chegou ao DVD no Brasil, em lançamento pela Classic Line.

Os três filmes seguem basicamente a mesma fórmula, enfileirar trechos antológicos e/ou curiosos dos musicais da Metro. Porém, com particularidades que veremos mais adiante. Continuam uma delícia de ver, mas as legendas da edição tentam muito sabotar esse prazer.

Nas partes 2 e 3, o trabalho assinado pela Studio Mille, cearense como a distribuidora Classic Line, é péssimo. A ponto de parecer ter sido feito grosseiramente no Google Tradutor sem qualquer revisão depois. Não são um ou dois erros, mas dezenas.

Muitas vezes o que se lê está completamente desconectado do que aparece na tela. Gene Kelly mostra um número de Cantando na Chuva em que Cyd Charisse “interpreta uma dessas vamps glamourosas” e a legenda crava “um desses glamourosos vampiros”. Sinatra canta “Old man river” e a legenda traduz como “rio velho” (esquecendo do homem). Alguém diz que Garbo que ficar só e a legenda a transforma em “ele”.

Groucho Marx usa, em Uma Noite na Ópera (1935), a expressão “half Nelson”, que se refere a um golpe de luta, e na legenda: “Ele está meio dormindo e meio Nelson”. É mais de uma vez diz-se que alguém é “cherce”, que nem ganhou tradução (significaria “ótimo”). “Leading man”, que seria o par romântico da atriz, mais de uma vez surge como “condutor”.

E títulos de filmes surgem traduzidos ao pé da letra. Chega a ser engraçado. Salve a Campeã (1953) virou “Perigosa quando Molhada”. Quando as Nuvens Passam (1946) virou “Até as Nuvens Rolam”. Minha Vida É uma Canção (1948) virou “Palavras e música” (e a tradução literal correta do título ainda seria “letra e música”). Bonita e Valente (1950) virou “Annie, pegue sua arma”. Se Você Fosse Sincera (1941) virou “Moça, seja boa”.

Qualquer visita ao IMDb resolve a busca pelos títulos nacionais do filmes. A legenda das partes 2 e 3 nem os deixa no original, nem põe os títulos brasileiros corretos, gerando essa desinformação completa.

Nem a embalagem escapa dos erros. O digipack traz estampadas fotos dos filmes, mas numa delas credita como Gene Kelly uma cena de Sinfonia de Paris (1951), mas com Georges Guétary – sequência que está lá, no volume 2.

É um desleixo que compromete bastante o resultado final desse lançamento, embora os filmes em si continuem sendo um belo resumo para quem gosta dos musicais clássicos.

***

ERA UMA VEZ HOLLYWOOD (1974)
Sem borda - 04 estrelas

O tesouro da Metro

Melodia da Broadway de 1940 - 03

Eleanor Powell e Fred Astaire em “Melodia da Broadway de 1940”: você nunca mais verá algo assim de novo

O primeiro filme, por ser o primeiro, tem o privilégio de contar com as principais cenas, dos principais filmes. Estão nele Gene Kelly debaixo d’água em Cantando na Chuva (1952), Fred Astaire dançando nas paredes e tetos de um quarto em Núpcias Reais (1951), Judy Garland em cenas de O Mágico de Oz (1939), a dança-duelo no celeiro em construção em Sete Noivas para Sete Irmãos (1954).

Cyd Charisse brilha ao lado de Astaire em A Roda da Fortuna (1953). Dois mestres da voz, Sinatra e Bing Crosby surgem juntos em Alta Sociedade (1955). Cenas dos primeiríssimos musicais, Melodia da Broadway (1929) e Hollywood Revue (1929) dão bem a medida de como o gênero evoluiu.

É um momento antológico após o outro. E, na época do lançamento original, sem home vídeo, muitas dessas cenas não eram vistas havia décadas. Em determinado momento, Sinatra apresenta o encontro maravilhoso de dois gênios: Fred Astaire e Eleanor Powell em Melodia da Broadway de 1940 (1940). Ele sentencia: “Eu aposto: você nunca mais verá algo assim de novo”. Ele tinha razão.

Os segmentos são apresentados por astros que fizeram história nos musicais do estúdio, como, além de Sinatra, os próprios Astaire e Kelly, e mais Donald O’Connor, Mickey Rooney e Debbie Reynolds.

Outros nomes que brilharam nos musicais da Metro acabaram preteridos em favor de, por exemplo, Bing Crosby. Uma lenda que fez vários musicais, mas apenas dois na Metro (ele foi uma estrela do cinema, mas na Paramount). E de outros astros importantes, mas não muito afeitos ao gênero como Elizabeth Taylor, Peter Lawford e James Stewart.

Liza Minelli é incluída como apresentadora representando a nova geração do gênero (havia acabado de ganhar o Oscar de melhor atriz por Cabaret, 1972) e também, de certa maneira, representando a mãe, Judy Garland (que havia morrido cinco anos antes).

Alguns dos apresentadores ficaram com um bloco temático. Sinatra mostrou os primeiros musicais. Jimmy Stewart, dos atores dramáticos que tiveram que se aventurar nos musicais (ele próprio teve sua vez). Donald O’Connor apresentou os musicais aquáticos de Esther Williams. Mickey Rooney, os musicais que estrelou em dupla com Judy Garland. E Liza lembrou a mãe.

Num lance bem sacado, os dois maiores astros falaram um do outro. Gene Kelly apresenta o segmento sobre Fred Astaire e Astaire a parte dedicada a Kelly.

O filme tem um tom nostálgico e até um pouco melancólico. Os atores surgem nos cenários do estúdio como a reprodução de uma rua de Nova York, ou uma estação de trem, já desgastadas pelo tempo. No período, os anos 1970, a preferência por filmagens em locação fez com que os cenários de fundo dos estúdios saíssem de moda. Ainda assim, Era uma Vez em Hollywood é apresentado como uma celebração dos 50 anos da Metro e de seus “próximos 50 anos”.

O filme, assim como a parte 2, possui dublagem em português. E uma clássica, de quando filmes assim passavam na TV aberta, com Élcio Romar como Gene Kelly e Isaac Bardavod como Fred Astaire. O detalhe é que, mesmo sendo claramente antiga, a dublagem é assinada como “versão brasileira: Studio Mille”, mesma empresa que assina as legendas.

A única explicação razoável é que a empresa tenha editado a dublagem antiga: usado o som em português nos momentos das apresentações e deixado o som original nas cenas de música, privilegiando o som de melhor qualidade nessas sequências. Mas isso não justifica assinar a versão brasileira do áudio.

Um detalhe resultado disso é que a dublagem “some” em alguns pontos do filme. Devem ter esquecido de sobrepor a voz brasileira algumas vezes em que o apresentador falou durante as cenas dos filmes clássicos.

A legenda, aqui, é bastante boa, ao contrário da dos filmes seguintes – incluindo até os títulos corretos em português. E por que essa diferença? Há um motivo: a legenda do primeiro filme é quase exatamente a mesma disponível na internet (em http://www.opensubtitles.org) para acompanhar o download do filme.

Prova disso é que os mesmos erros permanecem. Bing Crosby e Sinatra cantam “It’s in the stars” e as duas traduções dizem “É em Marte”. “Don’t dig that kind of crooning, chum” (“não me venha com essa de crooner, amigo”) vira em ambas as legendas “Não beba assim, amigo”. Coincidência demais.

***

ISTO TAMBÉM ERA HOLLYWOOD (1976)
Sem borda - 03 estrelas

Cavando mais um pouco

Era uma Vez em Hollywood - Parte 2 - 05

Gene Kelly e Fred Astaire apresentando a parte 2: dois gênios em forma

O segundo filme chamou-se, nos cinemas brasileiros, Isto Também Era Hollywood (1976). A maior parte dos principais números musicais já tinha sido usada, mas ainda havia munição para gastar: Gene Kelly e Cyd Charisse na sensual dança de Cantando na Chuva; Bing Crosby e Louis Armstrong em Alta Sociedade; outra cena incrível de Astaire e Eleanor Powell em Melodia da Broadway de 1940.

Boa parte, como se vê, outras cenas dos mesmos filmes. Nada de errado nisso, o acervo é grande e rico. Ainda assim, o filme (agora dirigido por Gene Kelly) abriu o leque para apresentar também cenas de dramas e comédias da Metro, como os irmãos Marx no camarote minúsculo de Uma Noite na Ópera (1935) ou um segmento dedicado a Spencer Tracy e Katharine Hepburn, que viveram uma longa história de amor e dividiram muitos filmes juntos.

O filme é apresentado, desta vez, apenas por Kelly e  Fred Astaire, que respectivamente aos 63 e 77 anos, dividem aqui raríssimos passos de dança juntos. A única vez em que Astaire e Kelly haviam dançado juntos num filme, valendo pontos, foi em Ziegfeld Follies, de 1945. Um filme de segmentos de dança, sem história propriamente, que reservou uma sequência para os dois (aqui, inclusa na parte 1).

É difícil dizer, daqui de 2018, qual era a percepção da grandiosidade desse encontro em 1945. Com relação ao cinema, Fred já estava na praça havia 13 anos, Gene apenas três. O fato é que, depois disso, a Metro não os colocou juntos nenhuma outra vez, preferindo fazê-los estrelar seus próprios filmes.

Por isso a apresentação com os dois juntos nesta parte 2 têm um sabor especial – e os dois gênios mostram que estavam em forma.

Não há muitos segmentos temáticos, a maior parte das cenas parece surgir sem muita ligação. Há um momento dedicado a Sinatra, outro aos filmes que se passaram em Paris, mais um sobre filmes em preto-e-branco. Boa parte da apresentação de Kelly e Astaire é cantada, com mais estética e brincadeira que informação.

A edição também vem com a dublagem brasileira clássica. E aqui começa o desastre das legendas já mencionado.

***

ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD III (1994)
Sem borda - 04 estrelas

A magia por trás da cortinas

Se Voce Fosse Sincera - 04

Eleanor Powell em “Se Você Fosse Sincera”: enquanto ela sapateia, a equipe se desdobra nos bastidores

18 anos depois, veio Era uma Vez em Hollywood III. Agora na direção estavam Bud Friedgen, que foi montador nos dois anteriores, e Michael J. Sheridan, que é creditado como montador aprendiz no primeiro filme e como assistente no segundo.

A proposta voltou a ser a do primeiro filme: focado só nos musicais e com vários apresentadores. Mas o volume III não fica só no desfile de grandes cenas e se dedica bastante a explorar curiosidades inéditas para o público.

Assim, há várias cenas que foram cortadas dos filmes clássicos, como as que Judy Garland filmou para Bonita e Valente (1950), antes de a atriz ser substituída por Betty Hutton. Ou um número solo de Debbie Reynolds em Cantando na Chuva e outro que era a versão caipira do número glamouroso “A lady loves”, de sua personagem em É Deste que Eu Gosto (1953).

Em outro momento, é revelado que a voz que canta “Two-faced woman” por Joan Crawford em Se Eu Soubesse Amar (1953) é de India Adams e que a gravação que havia sido usada primeiro para dublar um número de Cyd Charisse de A Roda da Fortuna (1953) que acabou cortado. As duas cenas são colocadas lado a lado (com franca vantagem para a cena deletada de Cyd).

Especialmente interessante é o número “Fascinating rhythm”, de Eleanor Powell em Se Você Fosse Sincera (1941). Já tinha aparecido na parte II, mas agora é colocado lado a lado com a filmagem dos bastidores da cena, mostrando o imenso trabalho feito por trás das câmeras para adequar o cenário aos passos do sapateado da genial dançarina.

Ela sapateia para trás, passando por pianistas e cortinas, enquanto blocos do cenário são empurrados por guindastes e pela equipe para dar espaço para a grua se aproximar da dançarina. Um trabalho imenso e milimétrico, tudo em uma tomada contínua. Impressionante.

Fred Astaire aparece refazendo um número inteiro com um figurino diferente em Ver, Gostar e Amar (1952) – colocadas lado a lado, é possível ver nas duas imagens a inacreditável precisão de Astaire na coreografia antes e depois.

Um momento particular da terceira parte é a participação de Lena Horne. A cantora e atriz apresenta sequências sobre ela mesma para dar um depoimento sobre o racismo que enfrentou nos dias em foi contratada pela Metro.

O estúdio nunca a escalava com um bom personagem. Apenas a colocava em participações especiais, cantando, de modo que seu número pudesse ser cortado quando o filme fosse exibido em estados que praticavam a segregação racial e cujas plateias brancas torceriam o nariz ao ver uma negra linda e talentosa brilhando em um dos estúdios mais poderosos de Hollywood.

Dos astros que apresentaram o primeiro Era uma Vez em Hollywood apenas Debbie Reynolds, Mickey Rooney e Gene Kelly reaparecem na mesma função no terceiro, que celebra os 70 anos do estúdio. Dos demais apresentadores, todos também brilharam nos musicais da Metro: além de Lena Horne, Cyd Charisse (que apresenta o segmento sobre Kelly), Ann Miller (a parte sobre Astaire), Esther Williams (sobre si mesma), June Alysson, Howard Keel (um segmento sobre o Cinemascope).

Rooney rende homenagem à sua antiga parceira Judy Garland. E Gene Kelly é encarregado de abrir o filme, mostrando didaticamente a evolução do gênero desde os primeiros filmes sonoros. Ele faz aqui sua última aparição em um filme. Muito apropriado que seja sobre os musicais.

Coleção Era uma Vez em Hollywood. Distribuição: Classic Line.
Era uma Vez em Hollywood. That’s Entertainment!. Estados Unidos, 1974. Direção: Jack Haley Jr. Elenco: Fred Astaire, Gene Kelly, Frank Sinatra, Bing Crosby, Elizabeth Taylor, Donald O’Connor, Mickey Rooney, Liza Minnelli, James Stewart, Peter Lawford.
Isto Também Era Hollywood. That’s Entertainment! – Part 2. Estados Unidos, 1976. Direção: Gene Kelly. Elenco: Fred Astaire, Gene Kelly.
Era uma Vez em Hollywood III. That’s Entertainment! III. Estados Unidos, 1994. Direção: Bud Friedgen, Michael J. Sheridan. Elenco: Gene Kelly, Cyd Charisse, Ann Miller, Mickey Rooney, Lena Horne, Esther Williams, Howard Keel, Debbie Reynolds, June Allyson.

Ratatouille

DIÁRIO DE FILMES 2018: 14 – RATATOUILLE
Sem borda - 05 estrelas

Mais de dez anos após o lançamento, Ratatouille permanece um dos melhores filmes da Pixar. Há originalidade na história de um ratinho cozinheiro, mas, sobretudo, há um roteiro bem desenhado e uma narrativa com momentos brilhantes. Como a sequência em que em um plano rápido o filme mostra que os diálogos que ouvimos dos ratinhos são “traduzidos”, a sequência em que Remy sobe por dentro das paredes de um prédio, a fuga com os documentos pelas ruas de Paris, o momento proustiano do crítico Anton Ego, sua crítica e as imagens que a acompanham.

Ratatouille. Ratatouille. Estados Unidos, 2007. Direção: Brad Bird. Vozes na dublagem original: Patton Oswalt, Lou Romano, Ian Holm, Janeane Garofalo, Peter O’Toole, Brian Dennehy. Vozes na dublagem brasileira: Philippe Maia, Thiago Fragoso, Márcio Simões, Samara Felippo, Lauro Fabiano, Carlos Gesteira. Em DVD.

Culpa E das Estrelas

DIÁRIO DE FILMES 2018: 13 – A CULPA É DA ESTRELAS
Sem borda - 03 estrelas

Doenças potencialmente fatais e romance estão por aí desde, pelo menos, A Dama das Camélias. Ingredientes embalados para leitores e espectadores jovens, a adaptação para filme funciona bem. Tem dois bons atores nos papeis principais e uma cena bonita no Museu Anne Frank.

A Culpa É das Estrelas. The Fault in Our Stars. Estados Unidos, 2014. Direção: Josh Boone. Elenco: Shailene Woodley, Ansel Elgort, Willem Dafoe, Laura Dern. Na TV.

Silencio

DIÁRIO DE FILMES 2018: 12 – SILÊNCIO
Estrelas-03 e meia juntas-site

Silêncio é filme mais institucionalmente católico de Scorsese. Mostra dois jovens padres no século XVII em busca de um outro, mais velho, que desapareceu no Japão, numa época em que o Cristianismo era proibido e perseguido. Sobre o desparecido, surgem histórias de que teria renegado a fé cristã. O filme tenta muito nos convencer da importância dessa epopeia, mas esse Apocalypse Now cristão parece ter mais vontade de ser grandioso do que ter méritos para se apresentar assim. Mas visualmente é bonito e tanto o silêncio de Deus quanto a voz da fé se fazem presentes.

Silêncio. Silence. EUA/ Taiwan/ México, 2016. Direção: Martin Scorsese. Elenco: Andrew Garfield, Adam Driver, Tadanobu Asano, Issei Ogata, Liam Neeson, Ciarán Hinds. Download.

Forma da Agua - 02

Sally Hawkins e Doug Jones: com tudo o que têm direito

A FORMA DA ÁGUA
Sem borda - 04 estrelas

Testando as intolerâncias

. por Renato Félix

Guillermo del Toro é conhecido por amar monstros, mas ele ama, sobretudo, algumas facetas do cinema do passado, que ele vai revisitando em seus filmes. Ele salpica de referências seu A Forma da Água, que ganhou o Festival de Veneza e o Oscar de melhor filme (quatro, no total). A mais óbvia, claro, é que seu homem-anfíbio remete  diretamente a O Monstro da Lagoa Negra (1954), filme B que ganhou status de cult com o tempo.

A criatura desperta a empatia da faxineira muda vivida pela excelente Sally Hawkins, funcionária do laboratório secreto que o aprisiona. Ela é um tipo entre Chaplin e Amélie Poulain. O envolvimento cresce até que ela decide salvá-lo.

O coquetel de referências e citações mais e menos diretas gerou um certo debate sobre se isso diminui ou não o filme. Mesmo que isso não seja nenhuma novidade no cinema, de algumas décadas para cá. As referências a um cinema do passado são a base do cinema de Quentin Tarantino, por exemplo.

Falou-se em cópia e até em plágio. A relação entre Elisa, a personagem de Hawkins, e o homem-anfíbio vivido por Doug Jones, remete facilmente às versões de King Kong (1933/ 1976/ 2005) ou a ET (1982). E já anda na internet um meme que mostra que há muitos pontos em comum com a trama de Splash – Uma Sereia em Minha Vida (1984).

Mas há uma diferença fundamental. Em Splash, o “peixe” é metade Daryl Hannah, que ainda deixa de lado a cauda para se tornar totalmente Daryl Hannah nos momentos convenientes. È bem mais fácil para o público aceitar o amor entre diferentes quando eles não são assim tão diferentes: romances entre seres humanos e seres não humanos não são novidade no cinema – desde que o não humano seja, basicamente, uma figura humana.

Em A Forma da Água, Del Toro busca um equilíbrio difícil nesse sentido. Procura não facilitar tanto para a plateia, mas também não pode perdê-la. Aqui, o anfíbio ainda é uma forma humanoide, anda em duas pernas, tem dois olhos e uma boca (um  rosto reconhecível), mas as semelhanças parecem parar por aí. A pele é escamosa, os olhos são diferentes, ele não “fala”.

O filme tenta sustentar a estranheza da plateia, enquanto vai tentando vencê-la mesmo assim, através do lirismo. Elisa vai descobrindo e mostrando ao espectador que há sentimentos e inteligência ali. A Forma da Água testa o espectador, convidando a vencer a resistência a esse “amor diferente”. E nesse ponto é um amor romântico correspondido e nada de platônico, com tudo o que tem direito, inclusive sexo.

Assim, A Forma da Água não é tanto uma ficção científica ou um filme de monstro tradicionais. Testado em suas intolerâncias, cabe ao espectador embarcar ou não nessa fantasia romântica, com uma dose forte de nostalgia. Del Toro chega a incluir um número musical aos moldes dos anos 1930, outra referência cinéfila usada pelo diretor – mas, mais uma vez provocando o espectador, colocando seu monstro como um Fred Astaire.

A cena é outra referência direta, no caso ao número “Let’s face the music and dance”, com Fred e Ginger Rogers, de Nas Águas da Esquadra (1936). Vencer a estranheza é ser brindado pelo belo momento em que Elisa ganha uma voz além dela, como o musical clássico hollywoodiano costumava ser o sentimento além do sentimento.

Testado em suas intolerâncias (há paralelos com racismo e homofobia ao longo do filme, com nos personagens de Octavia Spencer e Richard Jenkins), cabe ao espectador embarcar ou não nessa fantasia romântica, com uma dose forte de nostalgia. Boa parte da trama se passa em apartamentos sobre um cinema exibindo A História de Ruth (1960) e As Noites de Mardi Gras (1958). Efetivamente, o cinema em si é o alicerce de A Forma da Água.

A Forma da Água. The Shape of Water. EUA, 2017. Direção: Guillermo del Toro. Elenco: Sally Hawkins, Michael Shannon, Richard Jenkins, Octavia Spencer, Doug Jones.

The Post

Meryl Streep e Tom Hanks: entre o furo e a prisão

THE POST – A GUERRA SECRETA
Estrelas-03 e meia juntas-site

A urgência do deadline

Para usar um termo da moda, The Post – A Guerra Secreta (2017) é uma espécie de prequel de Todos os Homens do Presidente (1976): uma continuação cuja história se passa antes do original. Enquanto o filme de Alan J. Pakula tratava da investigação do Washington Post que resultou no escândalo Watergate e na renúncia de Nixon, o filme de Spielberg em cartaz mostra o mesmo jornal às voltas com o mesmo presidente e o vazamento de documentos que mostravam que o governo americano vinha mentindo sobre o Vietnã, mesmo muitos anos antes da guerra.

Claro que Todos os Homens do Presidente já possui uma aura com a qual é muito difícil concorrer, mas The Post tomou a opção de assumir explicitamente a influência e buscar um espelho narrativo e visual – a ponto de seu último plano ser igual ao primeiro do filme de Pakula. Uma “emenda retroativa” maior até que a de Rogue One (2016)/ Guerra nas Estrelas (1977).

O filme é centrado principalmente em seus dois personagens centrais: Katharine Graham, dona do Washington Post, e Ben Bradlee, editor. Ele é vivido em Todos os Homens do Presidente por Jason Robards, mas ela não aparece no filme de Pakula. The Post busca, de certa forma, fazer justiça a Graham. Até por isso, no filme de Spielberg, Bradlee é movido pela competição e pela adrenalina da notícia – um retrato tradicional do jornalista de redações de filmes – enquanto a jornada dela é mais complexa.

Katharine é retratada como uma dondoca que herdou do pai e do marido um jornal com o qual não tem muita familiaridade e que se sente mais à vontade circulando na alta roda entre ricaços e políticos. Nos negócios, não é levada muito a sério por seus pares. Sucedendo o pai e o marido, sua presença nas mesas de reuniões parece uma anomalia. Seu personagem cresce à medida que precisa lidar com a bomba que o jornal pode detonar e precisa tomar decisões a respeito, com potencial claro de atingir, inclusive, alguns de seus amigos poderosos.

A questão central é que o New York Times teve acesso aos tais documentos comprometedores, mostrando que sucessivos governos americanos vinham mentindo sobre o Vietnã. Mas o governo entrou na Justiça e o Times teve que parar de publicar o material. O Post, que tomou o furo, correu atrás e conseguiu acesso aos mesmos documentos. Então uma decisão foi posta sobre a mesa: publicar, mesmo sabendo que isso poderia resultar na mesma censura e, talvez, em prisão?

Na primeira metade do filme, o emaranhado de nomes pode ser um pouco confuso para quem não está familiarizado com a história da politica e imprensa americanas. Spielberg também opta muitas vezes por distribuir a informação aos poucos.

Por exemplo, Katharine tem um encontro para o almoço. A conversa se desenrola e boa parte do público (possivelmente a maior parte) provavelmente não saberá de cara com quem ela afinal está almoçando. Mas, no meio da cena, a plateia descobre que trata-se do editor do concorrente, o New York Times. É de se esperar que o diretor esteja contando com certa desorientação da plateia, antes de dar os dados para que ela volte ao prumo.

Spielberg, porém, não deixa de derrapar na falta de sutileza. Katharine precisa verbalizar com todas as letras as condições de uma mulher no mercado de trabalho nos anos 1960. Mais à frente, ela é ignorada pela imprensa após uma batalha nos tribunais, os repórteres preferem as declarações dos homens. Mas ela desce as escadas lá fora sob o olhar de admiração e reverência de outras mulheres enfileiradas.

Mas o diretor também exibe sua habitual destreza com a câmera, mesmo buscando se manter preso à estética sóbria herdada de Todos os Homens do Presidente. Spielberg toma bom partido do cenário da redação e flui a câmera em planos-sequência de maneira tão natural que o público pode não perceber, uma marca sua. E cria um ritmo empolgante à medida em que o deadline se aproxima.

Ele já declarou que se trata de um filme de urgência: ele se apropria dessa história dos anos 1960 para fazer comentários sobre hoje, com respeito à liberdade de imprensa, mentiras governamentais e afirmação do lugar da mulher na sociedade. Curioso como, nesse sentido, Todos os Homens do Presidente era um filme que falava, também com urgência, sobre a própria época em que foi feito: Nixon havia renunciado apenas dois anos antes do lançamento da produção, como resultado da investigação que a história contava. Em comum, ambos os filmes precisaram ser feitos logo, como se tivessem que cumprir, cada um, o seu deadline.

The Post – A Guerra Secreta. The Post. Reino Unido/ EUA, 2017. Direção: Steven Spielberg. Elenco: Maryl Streep, Tom Hanks, Sarah Paulson, Bob Odenkirk. No cinema.

* Versão estendida da crítica publicada no Correio da Paraíba de 31/03/2018

Eu Daniel Blake

DIÁRIO DE FILMES 2018: 11 – EU, DANIEL BLAKE
Estrelas-04 e meia juntas-site

Em uma poderosa denúncia sobre um sistema que esmaga pessoas, Ken Loach mostra a crueldade da lógica da desumanização dos serviços em uma sociedade tida por muitos como um paraíso desejado. Daniel Blake é jogado em um labirinto burocrático kafkiano, onde sua médica o proíbe de voltar ao trabalho após um ataque cardíaco, mas a empresa que avalia o seguro-saúde para o governo britânico nega a ele o benefício. Ainda assim, ele encontra tempo e disposição para ajudar uma mãe e os filhos dela que parecem em situação ainda pior. Sóbrio, mas muito contudente.

Eu, Daniel Blake. I, Daniel Blake. Reino Unido/ França/ Bélgica, 2016. Direção: Ken Loach. Elenco: Dave Johns, Hayley Squires, Brianma Shann, Sharon Percy. Na Netflix.

novembro 2018
D S T Q Q S S
« out    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Cenas da Vida

Páginas

Estatísticas

  • 1.310.979 hits
Anúncios