You are currently browsing the tag archive for the ‘Cinema nacional’ tag.

170. ‘NOWHERE FAST’, de Ruas de Fogo (1984)
Com Diane Lane. Direção: Walter Hill. Canção de Jim Steinman.

“Uma fábula rock’n’roll”, setencia o filme logo em seu créditos de abertura. E a princesa aparece como a vocalista de uma banda de rock. A deslumbrante Diane Lane dubla, mas a voz é de Laurie Sargent, à frente da banda Fire Inc., que só existiu para gravar as canções deste filme. É uma cena de show, como tantas, mas tem um diretor aí: Walter Hill joga bem demais com os planos e as luzes.

***

169. ‘HOLLYWOOD’, de Os Saltimbancos Trapalhões (1981)
Com Lucinha Lins e Os Trapalhões. Direção: J.B Tanko. Canção de Chico Buarque, Sergio Bardotti e Luis Enriquez Bacalov.

O cowboy: “The girl is mine”. Didi: “Cuma?”. Os Trapalhões foram até Hollywood para gravar as cenas deste número. Mas isso é menos importante que a desconstrução que eles fazem do glamour.

***

168. ‘YOUR SONG’, de Moulin Rouge — Amor em Vermelho (2001)
Com Ewan McGregor e Placido Domingo. Direção: Baz Luhrmann. Canção de Elton John e Bernie Taupin.

Baz Luhrmann exagerando no exagero, mas com essa belíssima canção de Elton John e o talento de McGregor e Kidman, ficou uma bela cena.

***

167. ‘REMEMBER ME’, de Viva — A Vida É uma Festa (2018)
Com Gael García Bernal e Libertad García Fonzi. Direção: Lee Unkrich. Canção de Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez.

A canção de um pai para uma filha, em momento de arrancar lágrimas de Viva. Não precisa mais que os dois personagens e um cenário difuso e a reinvenção (e ressignificação) de uma canção que já ouvimos antes do filme.

***

166. ‘KISS THE GIRL’, de A Pequena Sereia (1989)
Com Samuel E. Wright. Direção: John Musker, Ron Clements. Canção de Alan Menken e Howard Ashman.

Ariel, a sereia, trocou sua bela voz por pernas para conhecer o mundo da superfície. Como num conto clássico, um beijo pode quebrar o encanto. Mas a falta de conversa atravanca o romance e os amigos animais tentam criar o clima para o beijo acontecer.

***

165. ‘PIRUETAS’, de Os Saltimbancos Trapalhões (1981)
Com Chico Buarque e Os Trapalhões. Direção: J.B Tanko. Canção de Chico Buarque, Sergio Bardotti e Luis Enriquez Bacalov.

O amor pelos cirquinhos transpira nesse número que entra no filme como a viga principal da lona. Mesmo que o intervalo tenha cheirim de macarrão. Chico cantando com os Trapalhões é um incrível e saboroso encontro de dois mundos.

***

164. ‘SINGIN’ IN THE RAIN’, de Um Amor de Pequena (1940)
Com Judy Garland. Direção: Norman Taurog. Canção de Arthur Freed e Nacio Herb Brown

Antes de Gene Kelly, “Singin’ in the rain” já era um sucesso cantado diversas vezes no cinema. E uma especial teve como uma protagonista toda faceira a “pequena com uma grande voz”: Judy Garland aos 17.

***

163. ‘BOOGIE WOOGIE BUGLE BOY OF COMPANY B’, de Ordinário, Marche! (1941)
Com The Andrew Sisters. Direção: Arthur Lubin. Canção de Don Raye e Hugh Prince.

O filme da dupla cômica Abbott e Costello abriu espaço para um número de baixo orçamento, mas muito charme, com as Andrew Sisters lançando aqui esse clássico absoluto.

***

162. ‘SKIP TO MY LOU’, de Agora Seremos Felizes (1944)
Com Judy Garland, Lucille Bremer, Tom Drake, Henry H. Daniels Jr. e elenco. Direção: Vincente Minnelli. Coreografia: Charles Walters. Canção de Hugh Martin e Ralph Blane.

Agora Seremos Felizes foi um marco por ser um musical que não era uma trama de bastidores: os protagonistas eram uma família comum na St. Louis de 1903. E esta cena reflete isso: uma festa caseira, com músicas tradicionais, que vira um número musical lindamente coreografado e filmado em apenas quatro planos.

***

161. ‘THE LUMBERJACK SONG’, de E Agora, para Algo Completamente Diferente (1971)
Com Michael Palin e The Fred Tomlinson Singers. Direção: Ian MacNaughton. Canção de Michael Palin, Terry Jones e Fred Tomlinson.

O lenhador machão que canta seu cotidiano abraçado à sua beldade loura e acompanhado por um coro da polícia montada canadense é, originalmente, um número da série Monty Python’s Flying Circus. Mas vários quadros foram refilmados para este primeiro filme do grupo inglês. O mais engraçado são os guardas surpreendidos e se entreolhando durate a canção. Oh, Beavis, nós achávamos que você era durão!

Continue lendo »

Anúncios

O Fest-Aruanda começa hoje aqui em João Pessoa e, sem mais delongas, segue aqui um guia dos filmes que serão exibidos no festival. O local é o Cinépolis Manaíra e a entrada é franca! A programação tem também debates e lançamentos de livros (veja completa no site do festival).

QUINTA
19h30 – Curta: Ary Barroso — Ele Era Assim, de Angela Zoé; longa: Todas as Canções de Amor, de Joana Mariani

O curta é um documentário sobre o compositor, radialista e flameguista Ary Barroso, pela diretora do longa Henfil, que está estreando por aí. O longa tem Marina Ruy Barbosa e Bruno Gagliasso como um casal que encontra uma fita K7 que embalou a história de amor de outro casal.

***

SEXTA
14h – Curtas vencedores do concurso Vídeo do Minuto contra a Corrupção; curta: Vidas Cinzas, de Leonardo Martinelli

O curta é um falso documentário em que, no meio dessa crise toda, o governo corta as cores do Rio de Janeiro, deixando a cidade cinza.

18h – Curta: Parto Sim!, de Kátia Mesel; longa: Torre das Donzelas, de Susanna Lira

A cineasta pernambucana, de 50 anos de carreira, mostra um curta de ficção sobre uma situação real: as mulheres de Fernando de Noronha devem deixar a ilha aos sete meses de gestação porque não há hospitais no local. Torre das Donzelas é o primeiro dos dois documentários de Susanna no dia: é sobre a resistência das mulheres durante a ditadura.

21h – Mostra competitiva de curtas-metragens

22h – Longa: Mussum — Um Filme do Cacildis, de Susanna Lira

O documentário foca o músico e humorista que fez sucesso primeiro em Os Originais do Samba e, depois, como o carismático integrante dos Trapalhões.

Mussum - Um Filme do Cacildis - 01

Mussum — Um Filme do Cacildis

***

SÁBADO
11h – Longa: Os Trapalhões no Auto da Compadecida, de Roberto Farias

Entre as homenagens do festival a Roberto Farias, que morreu este ano, está esta re-exibição do filme de 1987, em que os Trapalhões fizeram sua adaptação da peça de Ariano Suassuna

Trapalhoes no Auto da Compadecida - 01

Os Trapalhões e o Auto da Compadecida

15h – Longa: Rebento, de André Morais

O filme abre a série inédita de seis longas paraibanos exibidos em uma mesma edição do Aruanda. Premiado em alguns festivais, incluindo a atuação visceral de Ingrid Trigueiro, como uma mulher obrigada a conviver com uma tragédia pessoal.

18h20 – Longa: Beiço de Estrada, de Eliézer Rolim

No segundo paraibano da mostra, Eliézer transforma em filme sua própria peça, montada nos anos 1980 e que revelou uma geração de grandes atores paraibanos. No elenco, Darnele Glória, Jackson Antunes e Mayana Neiva.

21h – Mostra competitiva de curtas-metragens

21h50 – Longa: Som, Sol & Surf: Saquarema, de Hélio Pitanga

O documentário aborda a revolução comportamental em uma pequena cidade do Rio, através de um festival de música que se tornou histórico nos anos 1970.

***

DOMINGO
11h – Longa: Os Trapalhões no Auto da Compadecida, de Roberto Farias

Segunda exibição do filme que reuniu Os Trapalhões e Ariano Suassuna.

15h – Longa: Estrangeiro, de Edson Lemos Akatou

É o terceiro paraibano do festival. Este mostra uma mulher que retorna às suas origens na praia de Tabatinga, depois de anos vivendo em trânsito após um trauma.

18h – Longa: O Seu Amor de Volta — Mesmo que Ele Não Queira, de Bertrand Lira

Quarto paraibano no festival, o documentário conta as histórias de amores perdidos e na crença da magia para resgatá-los.

Seu amor de volta Foto Alessandro-Potter 02

O Seu Amor de Volta — Mesmo que Ele Não Queira

21h30 – Longa: Azougue Nazaré, de Tiago Melo; longa: Clementina, de Ana Rieper

Dois longas em sequência nesta noite. No primeiro, numa zona canavieira, um pasto acredita que o maracatu é coisa do diabo. E coisas sobrenaturais começam a acontecer. O segundo é um documentário sobre a cantora Clementina de Jesus.

Clementina - 01

Clementina

***

SEGUNDA
15h30 – Longa: Corisco & Dadá, de Rosemberg Cariry

Na homenagem a Chico Diaz, a exibição deste filme de 1996, bem no começo da Retomada, onde Diaz é o cangaceiro Corisco e Dira Paes é a companheira Dadá.

Corisco e Dadá - 01

Corisco & Dadá

17h30 – Longa: Sol Alegria, de Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira

Pai e filha co-dirigem e atuam neste, que é o quinto longa paraibano neste Fest Aruanda. É um cenário rocambolesco em que pastores controlam o governo, uma família comete um atentato, se refugia com uma falange comandada por freiras não convencionais e um mapa pode salvar a humanidade à beira do apocalipse. Ney Matogrosso e Everaldo Pontes estão no elenco.

21h – Mostra competitiva de curtas-metragens

22h – Longa: Adoniran — Meu Nome É João Rubinato, de Pedro Serrano

O documentário de Serrano é a primeira de suas duas produções sobre o sambista paulista Adoniran Barbosa neste Aruanda (o outro é o curta, Dá Licença de Contar, na quarta).

***

TERÇA
14h30 – Longa: Zuzu Angel, de Sérgio Rezende; média: Waldick — Sempre no Meu Coração, de Patrícia Pillar

A programação é uma homenagem a Patrícia Pillar. Ela estrela Zuzu Angel, de 2006, sobre a estilista que enfrentou a ditadura nos anos 1970, e dirige o doc de 2008 sobre Waldick Soriano.

18h – Longa: Ambiente Familiar, de Torquato Joel

Documentarista de grandes trabalhos, em seu primeiro longa Torquato Joel experimenta a ficção. Trata-se de uma história de três rapazes que formam uma família. É o sexto longa paraibano no festival.

21h20 – Longa: Simonal, de Leonardo Domingues

O filme é a cinebiografia de Wilson Simonal, sua carreira de incrível sucesso e as polêmicas envolvendo sua relação com a ditadura e o exílio que o mercado musical aplicou a ele.

***

QUARTA
14h – Longa: Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, de Roberto Farias

A homenagem a Roberto Farias inclui dois dos três filmes que dirigiu estrelados por Robert Carlos. Neste, o cantor interpreta a si mesmo, perseguido por um vilão vivido pelo maior vilão do cinema brasileiro, José Lewgoy. A história é desculpa para uma série de esquetes, com direito a um passeio de helicóptero por um lindíssimo Rio de Janeiro dos anos 1960. Segundo a programação oficial, este filme será exibido no auditório do Hotel Luxxor Cabo Branco.

16h – Longa: Humberto Mauro, de André di Mauro

Um documentário sobre um dos diretores fundamentais do cinema brasileiro. Segundo a programação oficial, este filme será exibido no auditório do Hotel Luxxor Cabo Branco.

20h – Curta: Dá Licença de Contar, de Pedro Serrano; longa: Roberto Carlos a 300km por Hora, de Roberto Farias

Dá Licença de Contar é um simpaticíssimo curta que mescla a vida e a obra de Adoniran Barbosa. Paulo Miklos vive o compositor que, com seus amigos Matogrosso e Joca, vive as histórias de “Samba do Arnesto”, “Trem das onze”, “Saudosa maloca”, etc. Já Roberto Carlos a 300km por Hora é o último filme estrelado pelo cantor, e o único em que não interpreta a si mesmo, mas, sim, outro personagem: é um mecânico que deseja ser piloto de corridas e ama a filha do patrão.

A animação brasileira Tito e os Pássaros ganhou o Anima Mundi, foi selecionado para o Fesyival de Annecy e está pré-indicado ao Oscar de longa de animação. Na história, um garoto e seus amigos enfrentam uma epidemia de medo que assola o mundo. Olha só o visual do filme de Gustavo Steinberg. Ainda não há data para o lançamento no Brasil, que eu saiba.

A última impressão é a que fica? Aqui está uma lista de meus 50 finais preferidos de filmes. 

Noivo Neurotico Noiva Nervosa - 41

50. NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA. Woody Allen, 1977

ALVY: “Eu, eu pensei naquela velha piada, sabe, um, um cara vai a um psiquiatra e diz: ‘Doutor, hã, meu irmão está louco. Ele pensa que é uma galinha’. E, hã, o doutor diz: ‘Bem, por que você não o interna?’. E o cara diz: ‘Eu ia, mas eu preciso dos ovos’. Bem, acho que isso é muito como eu me sinto sobre relacionamentos. Você sabe, eles são totalmente irracionais e loucos e absurdos e… mas, hã, acho que continuamos com eles porque, hã, a maioria de nós precisa dos ovos”.

Assista!

***

Bebe de Rosemary - 14

49. O BEBÊ DE ROSEMARY. Roman Polanski, 1968

ROSEMARY: “Você está balançando muito rápido”.

Assista!

***

Doce Vida - 15

48. A DOCE VIDA. Federico Fellini, 1960

MARCELLO: “Não consigo escutar!”.

Assista!

***

Setimo Selo-03

47. O SÉTIMO SELO. Ingmar Bergman, 1957

JOF: “E a Morte, a mestre severa, os convida para dançar”.

Assista!

***

 

Intocaveis - 1987 - 10

46. OS INTOCÁVEIS. Brian de Palma, 1987

ELLIOT NESS: “Acho que vou tomar um drinque”.

Assista!

***

Chinatown - 26

45. CHINATOWN. Roman Polanski, 1974

WALSH: “Esqueça, Jake. É Chinatown”.

Assista!

***

Bonequinha de Luxo-15

44. BONEQUINHA DE LUXO. Blake Edwards, 1961

HOLLY: “O Gato… Onde está o Gato?…”

Assista!

***

Separacao - 09

43. A SEPARAÇÃO. Asghar Farhadi, 2011

JUIZ: “Você quer que eles esperem lá fora, se for difícil para você?
TERMEH: “Eles podem?”

Assista!

***

Vida de Brian - 12

42. A VIDA DE BRIAN. Terry Jones, 1979

SR. FRISBEE: “Olhe sempre o lado bom da vida”.

Assista!

***

Clube dos Cinco-29

41. CLUBE DOS CINCO. John Hughes, 1985

BRIAN: “Mas o que descobrimos é que cada um de nós é um cérebro…”
ANDREW: “…e um atleta…”
ALLISON: “…e uma inútil…”
CLAIRE: “…e uma princesa…”
BENDER: “…e um criminoso.”

Assista!

***

Pacto de Sangue - 02

41. PACTO DE SANGUE. Billy Wilder, 1944

KEYES: “Você não vai chegar nem ao elevador”.

Assista!

***

Butch Cassidy - 06

40. BUTCH CASSIDY. George Roy Hill, 1969

BUTCH: “Tenho uma grande ideia de onde deveríamos ir depois daqui”.

Assista!

***

Montanha dos Sete Abutres - 09

39. A MONTANHA DOS SETE ABUTRES. Billy Wilder, 1951

CHUCK: “Gostaria de ganhar mil dólares por dia, Sr. Boot? Sou um jornalista que vale mil dólares por dia. Pode ficar comigo por nada”.

Assista!

***

 

Deus e o Diabo na Terra do Sol - 12

38. DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL. Glauber Rocha, 1964

CORISCO: “Mais fortes são os poderes do povo!”.

Assista!

***

 

Bons Companheiros - 06

37. OS BONS COMPANHEIROS. Martin Scorsese, 1990

HENRY: “Sou um ninguém. Vou viver o resto da minha vida como um merda”.

Assista!

***

Toy Story 3 - 09

36. TOY STORY 3. Lee Unkrich, 2010

WOODY: “Até mais, parceiro”.

Assista!

***

Cavadoras de Ouro - 07

35. CAVADORAS DE OURO DE 1933. Mervyn LeRoy, 1933

CAROL: “Lembre-se do meu homem esquecido”.

Assista!

***

Homem de Ferro - 34

34. HOMEM DE FERRO. Jon Favreau, 2008

TONY STARK: “Eu sou o Homem de Ferro”.

Assista!

***

Dona Flor e Seus Dois Maridos - 21

33. DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS. Bruno Barreto, 1976

TRILHA SONORA: “O que será, que será, que andam suspirando pelas alcovas?”

Assista!

***

Sociedade dos Poetas Mortos - 03

32. SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS. Peter Weir, 1989

KEATING: “Obrigado, garotos. Obrigado”.

Assista!

***

Ouro e Maldicao - 02

31. OURO E MALDIÇÃO. Erich von Stroheim, 1924

Assista!

***

Princesa e o Plebeu - 15

29. A PRINCESA E O PLEBEU. William Wyler, 1953

ANN: “Muito feliz, Sr. Bradley”.

Assista!

***

Malvada - 09

28. A MALVADA. Joseph L. Mankiewicz, 1950

ADDISON: “Você deve perguntar à Srta. Harrington como conseguir um. A Srta. Harrington sabe tudo sobre isso”.

Assista!

***

8½

27. 8 ½. Federico Fellini, 1963

GUIDO: “Esta confusão… sou eu”.

Assista!

***

Inimigo Publico - 03

26. INIMIGO PÚBLICO. 1931

MIKE: “Mãe, estão trazendo Tom para casa!”.

Assista!

***

Incompreendidos - 05

25. OS INCOMPREENDIDOS. François Truffaut, 1959

Assista!

***

Thelma e Louise-08

24. THELMA & LOUISE. Ridley Scott, 1991

THELMA: “Apenas vamos em frente”.

Assista!

***

Tempos Modernos - 05

23. TEMPOS MODERNOS. Charles Chaplin, 1936

CARLITOS: “Sorria!”

Assista!

***

Suspeitos - 1995 - 02

22. OS SUSPEITOS. Bryan Singer, 1995

VERBAL: “O maior truque do diabo foi convencer o mundo de que ele não existe”.

Assista!

***

Cinema Paradiso - 20

21. CINEMA PARADISO. Giuseppe Tornatore, 1988

Assista!

***

E o Vento Levou-13

20. …E O VENTO LEVOU. Victor Fleming, 1939

RHETT: “Francamente, minha querida, estou cagando pra isso”.

Assista!

***

Passaros - 34

19. OS PÁSSAROS. Alfred Hitchcock, 1963

CATHY: “Posso levar os periquitos, Mitch? Eles não machucaram ninguém”.

Assista!

***

Ladroes de Bicicleta - 12

18. LADRÕES DE BICICLETA. Vittorio de Sica, 1948

BRUNO: “Papai! Papai!”

Assista!

***

Se Meu Apartamento Falasse - 06

17. SE MEU APARTAMENTO FALASSE. Billy Wilder, 1960

FRAN KUBELIK: “Cale a boca e dê as cartas”.

Assista!

***

Casablanca - 40

 

16. CASABLANCA. Michael Curtiz, 1942

RICK: “Louis, acho que este é o início de uma bela amizade”.

Assista!

***

Planeta dos Macacos - 1968 - 10

15. O PLANETA DOS MACACOS. Franklin J. Schaffner, 1968

GEORGE TAYLOR: “Seus maníacos! Vocês estragaram tudo! Malditos sejam!”.

Assista!

***

primeira-noite-de-um-homem-07.png

14. A PRIMEIRA NOITE DE UM HOMEM. Mike Nichols, 1967

TRILHA SONORA: “Olá, escuridão, velha amiga”.

Assista!

***

De Volta para o Futuro - 31

13. DE VOLTA PARA O FUTURO. Robert Zemeckis, 1985

DOUTOR BROWN: “Ruas? Para onde vamos não precisamos… de ruas”.

Assista!

***

2001 - Uma Odisseia no Espaco - 25

12. 2001 – UMA ODISSEIA NO ESPAÇO. Stanley Kubrick, 1968

Assista!

***

Bonnie e Clyde - 35

11. BONNIE AND CLYDE – UMA RAJADA DE BALAS. Arthur Penn, 1967

Assista!

***

Rastros de Ódio - 01

10. RASTROS DE ÓDIO. John Ford, 1956

Assista!

***

Cidadao Kane - 38

9. CIDADÃO KANE. Orson Welles, 1941

JERRY THOMPSON: “Talvez ‘Rosebud’ seja alguma coisa que ele não conseguiu. Ou algumas coisa que ele perdeu”.

Assista!

***

 

Psicose - 1960 - 20

8. PSICOSE. Alfred Hitchcock, 1960

NORMA BATES: “Ele vão dizer: ‘Ela não mataria uma mosca’…”.

Assista!

***

Quanto Mais Quente Melhor - 22

7. QUANTO MAIS QUENTE MELHOR. Billy Wilder, 1959

OSGOOD: “Ninguém é perfeito”.

Assista!

***

Noites de Cabiria - 04

6. NOITES DE CABÍRIA. Federico Fellini, 1957

Assista!

***

Manhattan - 03

5. MANHATTAN. Woody Allen, 1979

TRACY: “Nem todo mundo se corrompe. Você tem que ter um pouco de fé nas pessoas”.

Assista!

***

Felicidade Nao Se Compra - 18

4. A FELICIDADE NÃO SE COMPRA. Frank Capra, 1946

HARRY: “Ao meu irmão George: o homem mais rico da cidade”.

Assista!

***

Poderoso Chefao - 08

3. O PODEROSO CHEFÃO. Francis Ford Coppola, 1972

KAY: “É verdade? É?”
MICHAEL: “Não”.

Assista!

***

Crepusculo dos Deuses-12

2. CREPÚSCULO DOS DEUSES. Billy Wilder, 1950

NORMA DESMOND: “Está bem, Sr. DeMille, estou pronta para o meu close-up”.

Assista!

***

 

Luzes da Cidade - 03

1. LUZES DA CIDADE. Charles Chaplin, 1931

CARLITOS: “Você consegue ver agora?”
FLORISTA: “Sim, eu consigo ver agora”.

Assista!

 

Estreias 10.26

Atenção para as estreias do cinema no circuito paraibano nesta quinta, 26 de outubro. É uma semana movimentada, com nove estreias e uma reestreia.

O blockbuster da semana é o elogiado Thor – Ragnarok, o terceiro solo do deus do trovão. Cris Hemsworth tem a companhia de Mark Ruffalo como Hulk, Tom Hiddleston como Loki e de Cate Blanchett, a grande vilã. Estreia quinta em JP (Cinépolis Manaíra, Centerplex MAG, Cinesercla Tambiá, Cinépolis Mangabeira), CG (Cinesercla Partage) e Patos (Cine Guedes).

Premiado em Berlim, Uma Mulher Fantástica lidera as estreias do Cine Banguê, em João Pessoa, sábado. Também chegam por lá o elogiado As Duas Irenes, a partir de segunda, e o documentário Gaga – O Amor pela Dança, a partir de domingo. E, a partir de domingo, a reestreia de Como Nossos Pais, da Laís Bodanzky, que já esteve em cartaz, mas por pouco tempo.

Em tempo: neste sábado, a partir das 15h, o Banguê exibe uma mostra comemorando o Dia da Animação. Em tempo 2: a reestreia do antológico  Cidade dos Sonhos no Banguê já tem data: é no dia 2.

O Centerplex MAG exibe sozinho três estreias: Manifestotour de force experimental em que Cate Blanchett interpreta 13 personagens (e ela, lembrando, ainda está também em Thor – Ragnarok); O Formidável, sobre Jean-Luc Godard e do diretor de O Artista, Michel Hazanavicius (que passa apenas sábado e domingo); e A Menina Indigo, do diretor de Nosso Lar.

O criticado Pelé – O Nascimento de uma Lenda, produção americana sobre a juventude do rei do futebol, entra só no Cinépolis Manaíra. E ainda tem a animação europeia Missão Cegonha, em JP (Cinépolis Manaíra, Cinesercla Tambiá e Cinépolis Mangabeira).

 


TRAILERS:

  • Thor – Ragnarok:

  • Uma Mulher Fantástica:

  • As Duas Irenes:

  • Manifesto:

  • O Formidável:

  • Gaga – O Amor pela Dança:

  • A Menina Indigo:

  • Pelé – O Nascimento de uma Lenda:

  • Missão Cegonha:

  • Como Nossos Pais:

No do Diabo - 02a

Assombrados pela História: Alexandre Souza e Clébia Souza em “O Nó do Diabo”

O NÓ DO DIABO

Horrores do Brasil real

Fazer um filme de horror é um projeto sempre arriscado: a possibilidade de se cair no ridículo é grande. Por esse teste, o longa paraibano O Nó do Diabo passa bem: é um filme competente em seu passeio por diversos estilos do gênero, sem medo do mergulho. E em um festival onde Daniella Thomas recebeu muitas críticas por sua narrativa da escravatura em Vazante, o longa paraibano também passou no teste: sua abordagem onde os negros são os protagonistas em cinco contos que voltam no tempo do século XXI ao XIX, agradou também pelo viés adotado.

O filme é a transposição para o cinema de uma série criada por Ramon Porto Mota para a TV Brasil e que permanece inédita. Os cinco episódios são enfileirados contando diferentes histórias interligadas por se passarem sempre no mesmo local, uma fazenda, e por um mesmo ator, Fernando Teixeira. Ele interpreta sempre o dono da propriedade, nas diferentes épocas (um simbolismo de que essa elite é, no fundo, sempre a mesma através dos anos).

As histórias combinam com bastante eficiência questões de racismo e opressões de classe, terrores bem reais da realidade brasileira, com o terror sobrenatural consagrado no cinema. Na primeira (dirigida por Mota; escrita por ele, Jhésus Tribuzi e Gabriel Martins), Tavinho Teixeira é um capataz que precisa defender uma fazenda vazia de posseiros. Mas a atmosfera da casa o vai enlouquecendo.

Na segunda (de Martins; escrita por ele, Mota e Anacã Agra), em 1987, um casal negro (Clébia Souza e Alexandre Sena) consegue emprego na fazenda decadente, mas também é afetado pela atmosfera sombria do lugar e da família da casa. A terceira (que tem Ian Abé como diretor e ele, Tribuzi, Martins e Mota como roteiristas), em 1921, mostra duas irmãs negras (Miuly Felipe da Silva e Yurie Felipe da Silva) ainda tratadas como escravas – uma deseja se rebelar, a outra tem medo, mas demonstra poderes paranormais.

O quarto episódio (de Jhésus Tribuzi; roteiro dele, Agra e Martins) acompanha um escravo (Edilson Silva) que, em 1871, foge após vingar a morte da esposa. Perseguido, ele tenta escapar pelas pedras, mas é atormentado por lembranças e demônios interiores. O episódio final volta a ser dirigido por Mota, com roteiro dele, Agra e Tribuzi, tem participação de Zezé Motta e se passa em 1818. Aqui a fazenda é o refúgio de escravos fugidos que tentam se proteger dos perseguidores: capangas do dono da fazenda, retratados quase como uma horda de zumbis. O confronto revela também a origem da maldição de assola a casa, intimamente relacionada à opressão vivida pelos negros nesse período e nas décadas que se se seguem.

Os três primeiros episódios mantêm uma pegada parecida e mais direta no gênero do terror. No quarto, o ritmo cai. O episódio de Tribuzi não é ruim por si só, mas é prejudicado por sua posição na história. Usando da repetição de diálogos e cenas, se torna cansativo após já mais de uma hora de projeção. Ainda tem um “falso final”: quando o público imagina que já está no quinto episódio, descobre que ainda não saiu da quarta parte.

Isso acaba dificultando também a recuperação no quinto episódio. O criador da série contou que não houve edições nos episódios: eles foram colados um no outro da maneira como editados originalmente, sendo trabalhadas apenas as transições entre eles. No fim, o filme acaba se revelando longo e uma edição para reduzir a duração dos episódios não fosse uma má ideia.

Mas o que se sobressai, ainda, é a ousadia da proposta, o ótimo trabalho do elenco, o desenho de som inteligente e o comentário incisivo sobre os horrores nossos que continuam por aí.

O Nó do Diabo. Brasil, 2017. Direção: Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi. Roteiro: Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé, Jhésus Tribuzi e Anacã Agra. Elenco: Fernando Teixeira, Tavinho Teixeira, Zezé Motta, Isabél Zuaa, Clebia Souza, Alexandre Sena, Cíntia Lima, Edilson Silva, Yurie Felipe da Silva, Miuly Felipe da Silva, Everaldo Pontes, Escurinho, Soia Lira. Exibido no Festival de Brasília 2017, ainda inédito nos cinemas.

A seguir, os meus melhores filmes de 2016, apenas entre os que estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa. Antes, como em todo ano, a numeralha em torno do circuitão pessoense.

O número de filmes em cartaz em João Pessoa explodiu em 2016: foram 258 estreias contra as 163 de 2015 e 164 de 2014. O recorde anterior, desde 2006, ano em que o Boulevard começou a fazer esse acompanhamento, havia sido 165 em 2007. Os motivos determinantes para esse aumento são a inauguração do novo Cine Banguê, que vem servindo filmes que não passam nos demais cinemas, e alguma diversidade no Cinépolis e no Cinespaço.

THE REVENANT

1 – O REGRESSO, de Alejandro González Iñarritu

Iñarritu é um diretor que arrisca muito em suas narrativas, nem sempre com sucesso. Mas quando acerta, entrega coisas belas como este O Regresso, a jornada selvagem e espiritual de um homem em busca de outro que o deixou para morrer, aós ter sido atacado por um urso. A interpretação visceral de Leonardo DiCaprio foi, com toda a justiça, premiada com o Oscar, o Globo de Ouro, o SAG e o Bafta. Crítica no Boulevard

Elle - 03

2 – ELLE, de Paul Verhoeven

Isabelle Huppert matadora, para variar, em um filme desconcertante e doentio – Paul Verhoeven sendo Paul Verhoeven. Isabelle é uma mulher fria e cerebral que é estuprada dentro de casa por um mascarado e lida ao seu modo com a possibilidade de um novo ataque.

Aquarius - 06

3 – AQUARIUS, de Kléber Mendonça Filho

Sônia Braga é a única moradora que restou em um antigo prédio que uma construtora quer demolir. Mas ela luta pelo direito de preservar suas memórias afetivas. Uma bela defesa de que coisas – como discos ou um apartamento – podem não ser apenas “coisas”.

Zootopia - 06

4 – ZOOTOPIA – ESSA CIDADE É O BICHO, de Byron Howard e Rich Moore

No que parecia apenas mais uma sátira de bichinhos se comportando como seres humanos, desenrola-se uma imaginação bem cuidada de como seria essa cidade levando-se em consideração as características dos animais antropomorfizados, uma história policial instigante e uma crítica surpreendente e dura aos preconceitos de quem se acha o mocinho.

Spotlight - 01

5 – SPOTLIGHT – SEGREDOS REVELADOS, de Tom McCarthy

Com uma história que tinha tudo para mergulhar no melodrama, essa trama que conta a investigação jornalística que expôs o escândalo de pedofilia da Igreja de Boston é contida e precisa em sua narrativa. Crítica no Boulevard

null

6 – CAPITÃO AMÉRICA – GUERRA CIVIL, de Anthony Russo e Joe Russo

Um filme de super-heróis que reflete sobre si mesmo, sobre o gênero e seus personagens. E coloca os dois personagens principais do universo cinematográfico da Marvel com o peso dramático acumulado em todos estes anos e filmes.

Bruxa - 03

7 – A BRUXA, de Robert Eggers

Famílias isoladas à mercê do sobrenatural não são exatamente uma novidade, mas este filme consegue imprimir um clima opressor e tanto. Crítica no Boulevard

Cinco Gracas - 03

8 – CINCO GRAÇAS, de Deniz Gamze Ergüven

Cinco irmãs jovens e cheias de vida vítimas de um tio que as prende em casa e as obriga a casamentos arranjados. O filme nos leva a procurar tanto quanto elas uma saída.

Filho de Saul - 03

 

9 – FILHO DE SAUL, de Lázló Nemes

Filmado quase todo em close, é uma experiência que nos faz acompanhar de perto o drama pesado e doloroso de um homem que tenta impedir que o filho morto seja incinerado pelo nazistas. Ao menos isso.

ARRIVAL

 

10 – A CHEGADA, de Denis Villeneuve

Uma ficção científica que recusa a pirotecnia e celebra o poder da comunicação. Denis Villeneuve evoca o Spielberg de Contatos Imediatos do Terceiro Grau.

+ 10: A Grande Aposta, de Adam McKay; Deadpool, de Tim Miller; Mia Madre, de Nanni Moretti; Café Society, de Woody Allen; Sully, o Herói do Rio Hudson, de Clint Eastwood; Rogue One – Uma História Star Wars, de Gareth Edwards; Star Trek – Sem Fronteiras, de Justin Lin; Carol, de Todd Haynes; Jogo do Dinheiro, de Jodie Foster; Animais Fantásticos e Onde Habitam, de David Yates.

***

<< Meus melhores filmes de 2015


MAIS RETROSPECTIVA 2016:

A situação melhorou muito no circuito pessoense, com a volta do Cine Banguê, a sessão de cinema de arte do Cinépolis e com o Cinespaço botando em cartaz vários dos filmes do Festival Varilux. Ainda assim, aqui vai nossa lista de 50 filmes que entraram em cartaz no Brasil, mas não entraram em cartaz comercialmente nos cinemas pessoenses.

Ah, eu sei que alguns deles entraram em cartaz nestes meses de janeiro e fevereiro. Mas a lista é referente ao que entrou em cartaz no Brasil em 2016 e não passou no mesmo ano.

quarto-de-jack

1 – O QUARTO DE JACK

Brie Larson ganhou o Oscar, o Globo de Ouro, o Bafta, o SAG e o Independent Spirit de melhor atriz. O garotinho Jacob Tremblay cativou meio mundo. E não foi o suficiente para O Quarto de Jack entrar em cartaz nos cinemas paraibanos. Restou o DVD, a TV paga, o streaming, o download. Estreou no Brasil em 18/2/2016.

ave-cesar-02

2 – AVE, CÉSAR!

O filme dos irmãos Coen, com George Clooney e Scarlett Johnasson, é um retorno dos diretores à comédia, com uma história que se passa na Hollywood dos anos 1950. Estreou no Brasil em 14/2/2016.

anomalisa

3 – ANOMALISA

Animação em stop motion dirigida por Charlie Kaufman, elogiadíssimo, chamado de obra-prima e o escambau. Estreou no Brasil em 28/1/2016.

assassina-2015-01

4 – A ASSASSINA

Filme chinês de Hou Hsiao-Hsien, indicado ao Bafta, se passa na China do século XVIII: Shu Qi é a assassina que deve matar um político. Estreou no Brasil em 5/5/2016.

blow-up-depois-daquele-beijo-17

5 – BLOW-UP – DEPOIS DAQUELE BEIJO

O clássico de Michelangelo Antonioni, com David Hemmings e Vanessa Redgrave,  ícone da swinging London, completou 50 anos em 2016 e voltou aos cinemas. Mas não na Paraíba. Reestreou no Brasil em 8/12/2016.

much-loved-01

6 – MUCH LOVED

Muito comentado filme marroquino de Nabil Ayouch que mostra a vida de prostitutas no país e arrumou problemas com a censura de lá e alguns imbecis. Concorreu à Palma de Ouro em Cannes. Estreou no Brasil em 10/11/2016.

br-716-01

7 – BR 716

O filme de Domingos de Oliveira versa sobre a boemia em uma Copacabana às vésperas do golpe (o de 1964, não o do ano passado). Ganhou o Festival de Gramado e acabou entrando aqui este ano, no Banguê. Estreou no Brasil em 17/11/2016.

sr-sherlock-holmes

8 – SR. SHERLOCK HOLMES

Ian McKellen interpretando o detetive na velhice. Só isso já deveria ser o suficiente para colocarem esse filme em cartaz. Estreou no Brasil em 13/1/2016.

que-viva-einsenstein-01

9 – QUE VIVA EISENSTEIN! – 10 DIAS QUE ABALARAM O MÉXICO

O delirante Peter Greenaway mergulha no período em que o cineasta russo Sergei Eisenstein passou no México. Estreou no Brasil em 1/1/2016.

estranhos-no-paraiso-01

10 – ESTRANHOS NO PARAÍSO

Outro clássico relançado, desta vez do muito pessoal cineasta Jim Jarmusch. Reestreou no Brasil em 3/11/2016.

eu-sou-carlos-imperial

11 – EU SOU CARLOS IMPERIAL

Documentário sobre esta folclórica e polêmica figuraça da nossa música, cinema e TV, dos mesmos diretores de Uma Noite em 67. Estreou no Brasil em 17/3/2016.

lobo-do-deserto

12 – O LOBO DO DESERTO

Este filme da Jordânia foi indicado ao Oscar de filme de língua não inglesa, sobre um garoto que guia um oficial britânico pelo deserto, na I Guerra. Estreou no Brasil em 18/2/2016.

brooklyn

13 – BROOKLIN

Indicado ao Oscar de melhor filme, também teve Saorise Ronan indicada a melhor atriz. Estreou no Brasil em 11/2/2016.

nascimento-de-uma-nacao-2016-01

14 – O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO

Provocativo filme anti-racista de Nate Parker, que se propõe um contraponto ao fundamental (mas racista) clássico de D.W. Griffith, de 1915. Foi um sucesso em Sundance, mas o retorno à baila de um julgamento por estupro (no qual o diretor foi absolvido) em 2001 minaram o filme. Estreou no Brasil em 10/11/2016.

sieranevada-01

15 – SIERANEVADA

Co-produção do Leste Europeu sobre acerto de contas familiar foi selecionado para Cannes. Acabou entrando no Banguê este ano. Estreou no Brasil em 15/12/2016.

capitao-fantastico-01

16 – CAPITÃO FANTÁSTICO

O filme teve a interpretação de Viggo Mortensen indicada ao Globo de Ouro e ao Oscar. Estreou no Brasil em 22/12/2016.

o-que-esta-por-vir-01

17 – O QUE ESTÁ POR VIR

Isabelle Huppert nunca é demais e sempre queremos mais (1). Este acabou entrando no Banguê este ano. Estreou no Brasil em 22/12/2016.

NOCTURNAL ANIMALS

18 – ANIMAIS NOTURNOS

O filme de Tom Ford fez barulho, embora tenha chegado fraco à temporada de prêmios. E tem uma elogiada interpretação de Amy Adams. Acabou entrando em cartaz este ano, no Cinépolis. Estreou no Brasil em 29/12/2016.

conspiracao-e-poder-01

19 – CONSPIRAÇÃO E PODER

Com Cate Blanchett e Robert Redford, uma história real de jornalismo e poder: uma produtora do 60 Minutes desencava uma história polêmica do serviço militar de George W. Bush em campanha pela reeleição e sofrem uma campanha de descrédito. Estreou no Brasil em 24/3/2016.

white-god

20 – WHITE GOD

Filme húngaro vencedor de dois prêmios no Festival de Cannes: garota tem que se desfazer de seu cachorro por ele ser mestiço. Enquanto o bicho tenta sobreviver pelas ruas, ela tenta resgatá-lo. Estreou no Brasil em 25/2/2016.

rock-em-cabul-01

21 – ROCK EM CABUL

Com Bill Murray e Zooey Deschanel e de Barry Levinson, diretor de Rain Man Bom Dia Vietnã, entre outros. Estreou no Brasil em 2/6/2016.

asterix-e-o-dominio-dos-deuses-01

22 – ASTERIX E O DOMÍNIO DOS DEUSES

É a primeira animação digital com o personagem, que é sucesso editorial em vários países e já foi adaptado para o cinema em animação tradicional e com atores. Estreou no Brasil em 7/4/2016.

senhora-da-van-01

23 – A SENHORA DA VAN

Maggie Smith foi indicada ao Globo de Ouro por essa comédia, uma idosa que mora em uma van e faz amizade com um escritor em 1970. Estreou no Brasil em 7/4/2016.

belo-verao-01

24 – UM BELO VERÃO

Cécile de France (de O Garoto de Bicicleta) e Izïa Higelin (de Samba) são duas mulheres que vivem uma história de amor em 1971, contexto da liberação sexual e de mais liberdades para as mulheres. Estreou no Brasil em 7/7/2016.

havana-moon-01

25 – HAVANA MOON – THE ROLLING STONES IN CUBA

O registro do histórico show dos Stones na capital cubana. Estreou no Brasil em 6/10/2016.

jovens-loucos-e-mais-rebeldes-01

26 – JOVENS, LOUCOS E MAIS REBELDES!!

Richard Linklater, de Boyhood, fez uma continuação de seu Jovens, Loucos e Rebeldes (1993), um de seus primeiros filmes. Estreou no Brasil em 20/10/2016.

neruda-01

27 – NERUDA

O diretor de No aqui conta a vida de Neruda como perseguido político. Acabou entrando em cartaz no Banguê. Estreou no Brasil em 15/12/2016.

File picture shows Brazilian citizen Marco Archer Cardoso Moreira sitting in front of his lawyer at Tangerang court, near Jakarta

28 – CURUMIM

Documentário sobre o brasileiro no corredor da morte das Filipinas, condenado por tráfico de drogas. Estreou no Brasil em 3/11/2016.

presidente-01

29 – O PRESIDENTE

Na co-produção entre Alemanha, França, Reino Unido e Geórgia, um presidente deposto por um golpe foge acompanhado do neto de cinco anos. E entra pela primeira vez em contato com seu povo. Estreou no Brasil em 10/3/2016.

elvis-e-nixon-01

30 – ELVIS E NIXON

O inusitado encontro entre o Rei do Rock e o presidente que renunciaria. Michael Shannon é Elvis e Kevin Spacey entra para a galeria de intérpretes de Nixon (que já tinha Anthony Hopkins e Frank Langella). Estreou no Brasil em 16/6/2016.

montanhas-se-separam-01

31 – AS MONTANHAS SE SEPARAM

Uma chinesa entre dois possíveis romances neste filmes do diretor Jia Zhangke, alvo de documentário de Walter Salles. Estreou no Brasil em 23/6/2016.

de-palma-01

32 – DE PALMA

Documentário sobre o grande diretor de Os IntocáveisVestida para Matar O Pagamento Final. Estreou no Brasil em 24/11/2016.

tudo-vai-ficar-bem-01

33 – TUDO VAI FICAR BEM

Filme de Wim Wenders, com Rachel McAdams, James Franco e Charlotte Gainsbourg, sobre o trauma de um escritor para superar uma tragédia. Estreou no Brasil em 10/3/2016.

maravilhoso-boccaccio-01

34 – MARAVILHOSO BOCCACCIO

Os irmãos Taviani levam á tela cinco histórias do Decamerão, de Boccaccio. Estreou no Brasil em 5/5/2016.

demonio-de-neon-01

35 – DEMÔNIO DE NEON

Elle Fanning é uma modelo ingênua no mundo da moda. Estreou no Brasil em 29/9/2016.

fogo-no-mar-01

36 – FOGO NO MAR

Documentário sobre o drama dos refugiados na Europa, a partir de uma ilha na Itália. Levou o Urso de Ouro no Festival de Berlim e foi indicado ao Oscar de documentário. Estreou no Brasil em 28/4/2016.

nosso-fiel-traidor-01

37 – NOSSO FIEL TRAIDOR

Thriller de espionagem, baseado em John LeCarré, com um elencão: Ewan McGregor, Damian Lewis, Naomie Harris, Stellan Skasgard. Estreou no Brasil em 6/10/2016.

homem-so-01

38 – UM HOMEM SÓ

Uma raríssima ficção científica brasileira, em que Vladimir Brichta contrata uma empres apara produzir um clone para levar sua vida medíocre por ele. Com Mariana Ximenes. Estreou no Brasil em 29/9/2016.

amor-por-direito-01

39 – AMOR POR DIREITO

Julianne Moore é uma policial que descobre que está muito doente. Ela quer que a companheira (Ellen Page) receba a pensão da polícia após sua morte. E aí começa a batalha legal contra a discriminação. Steve Carrell também está no elenco dessa adaptação de uma história real acontecida não faz tanto tempo: em 2002. Estreou no Brasil em 21/4/2016.

mundo-cao-01

40 – MUNDO CÃO

De Marcos Jorge, diretor de Estômago, uma trama de vingança que o personagem de Lázaro Ramos trama contra Babu Santana, o funcionário de um centro de zoonoses que pegou o cachorro dele, depois sacrificado. Estreou no Brasil em 17/3/2016.

despedida-01

41 – A DESPEDIDA

Nélson Xavier é o velho doente que se despede dos amigos, incluindo a amante bem mais nova vivida por Juliana Paes, com quem ele vive ainda momentos de amor. Estreou no Brasil em 9/6/2016.

miller-fried-01

42 – MILLER & FRIED – AS ORIGENS DO PAÍS DO FUTEBOL

Um documentário que volta ao berço do nosso futebol: Charles Miller, que trouxe a primeira bola ao Brasil, e Arthur Friedenreich, nosso primeiro grande craque. Estreou no Brasil em 28/7/2016.

luz-entre-oceanos-01

43 – A LUZ ENTRE OCEANOS

O título refere-se ao trabalho do personagem de Michael Fassbender, em um farol na Austrália, justo na divisão dos oceanos Pacífico e Atlântico. Alicia Vikander é sua esposa, que o convence a criarem com deles o bebê que surge em um barco, ao lado de um homem morto. Estreou no Brasil em 3/11/2016.

e-apenas-o-fim-do-mundo-01

44 – É APENAS O FIM DO MUNDO

O drama francês mostra uma reunião de família que sai do controle por causa das muitas mágoas. O elenco tem Nathalie Baye, Léa Seydoux e Vincent Cassel. Estreou no Brasil em 24/11/2016.

null

45 – RAINHA DE KATWE

Produção da Disney dirigida pela indiana Mira Nair sobre uma jovem de Uganda que deseja se tornar uma grande jogadora de xadrez. Estreou no Brasil em 24/11/2016.

46 – A CORTE

Fabrice Luchini é o juiz rígido que fica abalado ao reencontrar um antigo amor no tribunal. Chegou a passar no Festival Varilux, mas não entrou em cartaz. Estreou no Brasil em 11/8/2016.

fique-comigo-01

47 – FIQUE COMIGO

Isabelle Huppert nunca é demais e sempre queremos mais (2). É uma comédia dramática com seis personagens que se cruzam em um edifício. Estreou no Brasil em 3/3/2016.

Lily James;Bella Heathcote

48 – ORGULHO E PRECONCEITO E ZUMBIS

Essa curiosidade une o universo de Jane Austen a um elemento icônico da cultura de terror pop. Estreou no Brasil em 25/2/2016.

mulheres-no-poder-01

49 – MULHERES NO PODER

Dira Paes é uma senadora tentando se dar bem em uma mamata, mas há outras mulheres também querendo levar vantagem. Estreou no Brasil em 12/5/2016.

Life - Um Retrato de James Dean

 

50 – LIFE – UM RETRATO DE JAMES DEAN

 

A amizade entre James Dean e o fotógrafo Dennis Stock, às vésperas de Dean se tornar um grande sucesso. Estreou no Brasil em 21/7/2016.


LEIA MAIS:

 


MAIS RETROSPECTIVA 2016:

Coluna Cinemascope (#20). Correio da Paraíba, 1/2/2017

Saltimbancos Trapalhoes - Rumo a Hollywood - 01

Sumiram com os Saltimbancos

por Renato Félix

Faz alguns anos que Renato Aragão não aparece semanalmente em um programa na TV aberta. E só pode ser essa a razão (imediatista e rasa) para que as companhias exibidoras tenham simplesmente desprezado a volta do trapalhão aos cinemas, com Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood.

O filme não chegou a entrar em cartaz nas quatro sessões em nenhuma sala paraibana: teve duas numa sala do Cinespaço MAG, outras duas em uma sala do Cinépolis Manaíra e só duas também nos Cinesercla do Tambiá Shopping e do Partage Shopping, este em Campina. No Cinépolis Mangabeira, nem passou.

E olhe que, além de ser estrelado por Renato Aragão e Dedé Santana, trata-se de uma nova versão de um de seus maiores sucessos, que levou 5 milhões de pessoas aos cinemas em 1981/ 1982. E fez grande sucesso recente como musical de teatro, de onde esta nova versão foi adaptada. Na trilha, as mesmas canções de Chico Buarque que são cantadas até hoje por adultos e crianças.

Hoje, o filme não pode ser visto em João Pessoa: esta semana, passou apenas sábado e domingo. Na Paraíba, está sendo exibido apenas em Remígio. Provavelmente estará fora da programação já amanhã. E podia ser pior: soube que em Porto Alegre nem chegou a passar.

Minha infância foi pegando longas filas, dobrando o quarteirão, para ver o novo filme dos Trapalhões no cinema. Ok, os tempos são outros, mas a verdade é que o filme nem foi testado: os cinemas trataram de matar sua carreira no nascedouro.

Enquanto isso, filmes com youtubers estreiam com pompa e circunstância, ocupando várias salas. Não dá para não ter uma ponta de tristeza com as opções que nossos exibidores tomam.

FOTO: Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood (2016)

<< Anterior: O contexto La La Land
>
> Próxima: Técnico e comunicador

Do mesmo diretor de Cine Holliúdy, e com o mesmo Edmilson Filho, O Shaolin do Sertão parece um desdobramento lógico do filme anterior. Afinal, depois da brincadeira de evocar os baratíssimos filmes de kung fu que rodavam pelos cinemas de antigamente, por que não fazer um para valer? O elenco coadjuvante tem Dedé Santana, Fafy Siqueira, Marcos Veras e um Falcão com jeito de quem vai roubar o filme. Estreia nacional: 27 de outubro (no Ceará começa antes, dia 13).

Soy Cuba o Mamute Siberiano

Soy Cuba, o Mamute Siberiano. Brasil, 2005. Direção: Vicente Ferraz. Documentário. Nos primeiros anos da Revolução Cubana, uma equipe cinematográfica soviética aporta na ilha para criar um filme épico sobre o país. Ferraz reconstitui com fartos depoimentos a história de Soy Cuba, o filme que acabou não agradando nem cubanos nem soviéticos e acabou esquecido por décadas, até ser resgatado do limbo por Martin Scorsese e Francis Ford Coppola. A produção dirigida por Mikhail Kalatozov recebeu, desde então, os devidos elogios pelas belíssimas imagens (que o doc brasileiro usa à vontade).
Sem borda - 04 estrelas

Visto no Canal Curta!

A seguir, os meus melhores filmes de 2015, apenas entre os que estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa. Antes, como em todo ano, a numeralha em torno do circuitão pessoense.

– 163 filmes estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa em 2014 (419 estrearam no Brasil, segundo o levantamento da Abraccine). É um a menos que no ano passado, pertinho do recorde de 2007 (165), marca de antes do fechamento do primeiro multiplex do MAG. O Boulevard faz esse acompanhamento desde 2006.

– A participação do cinema brasileiro foi de 25,76% dos filmes em cartaz, só um pouco menor que no ano passado, quando chegou a 26,8%, melhor marca desde que começamos a contar. Em números brutos, são 42 este ano contra 44 em 2014. Em 2013, foram 32.

Divertida Mente

Raiva, Nojinho, Alegria, Medo e Tristeza: confusão de sentimentos

1 – DIVERTIDA MENTE, de Pete Docter

A Pixar deu uma aula de emoção dentro da mente de uma pré-adolescente. Acompanha ao mesmo tempo a vida dessa menina cujo mundo vira de cabeça para baixo quando a família se muda de cidade e suas emoções básicas personificadas. Tudo vira uma bagunça quando a Alegria e a Tristeza somem da sala de comando. O lance genial é justamente descobrir a beleza e a importância da Tristeza na vida de todos nós. Crítica no Boulevard

Que Horas Ela Volta

Camila Mardila e Regina Casé: filha e mãe que pensam diferente

2 – QUE HORAS ELA VOLTA?, de Anna Muylaert

Conseguiu combinar algo dificílimo no cinema brasileiro: a crítica social e o drama de personagens que conquistam o espectador. Regina Casé lembra a grande atriz que é como a Val, empregada em uma casa rica, que recebe a filha que vai prestar o vestibular. A outra mentalidade da moça, que não se acha inferior a ninguém, sacode a vida de patrões e empregados e ajuda o filme a colocar em xeque uma herança social incômoda . Crítica no Boulevard

Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorancia

Michael Keaton e a sombra dele mesmo o atormentando

3 – BIRDMAN (OU A INESPERADA VIRTUDE DA IGNORÂNCIA), de Alejandro González Iñarritu

O falso plano-sequência único (construído a partir de diversos planos-sequência de verdade e efeitos visuais) é de embasbacar. Mas além disso o filme transpira a angústia de seu protagonista e possui grandes interpretações de todo o elenco (Michael Keaton, Edward Norton e Emma Stone à frente) para um mergulho na necessidade e perigos de fazer arte.

Daisy Riodley, John Boyega (e BB8): filme confia (e faz bem em confiar) nos novos personagens

Daisy Ridley, John Boyega e BB-8 sustentam muito bem o filme

4 – STAR WARS – O DESPERTAR DA FORÇA, de J.J. Abrams

Com cerca de meia hora já adentradas do episódio VII de Guerra nas Estrelas, o espectador pode se dar conta de que nenhum dos personagens clássicos apareceu ainda e ele está acompanhando apenas as aventuras do novos rostos da série (Daisy Ridley, John Boyega, Adam Driver e, claro, o andróide BB-8). Um início corajoso que compensa muito uma rendição excessiva à trilogia original na repetição de certas situações. No fim, há um equilíbrio admirável entre essa herança que nos fez esquecer a trilogia-prelúdio e esperar ansiosamente pelo que o futuro reserva. Crítica no Boulevard

Mad Max - Estrada da Fúria-08

5 – MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA, de George Miller

É incrível pensar que, 30 anos depois, a franquia Mad Max voltaria com o mesmo diretor e uma disposição de se reinventar radicalmente. Semelhante ao segundo filme, o personagem principal é metido em uma situação onde ele é quase testemunha: a fuga de mulheres usadas como reprodutora pelo líder de uma cidade que detém o poder através da posse de um líquido precioso. O que nos anos 1980 era a gasolina, refletindo a crise do petróleo, agora é água. As fugitivas são lideradas por uma feroz Charlize Theron com um braço só. A trama se resume a uma gigantesca fuga sobre rodas pelo deserto, uma estilizada ode ao movimento com o visual alucinado do qual Miller é mestre. Diário de filmes no Boulevard

Pequeno Principe-2015-05

6 – O PEQUENO PRÍNCIPE, de Mark Osborne

Em geral, a decisão de dividir a história original com uma atual, sobre uma garotinha adultizada pela mãe e que conhece seu vizinho, um velho aviador, seria de torcer o nariz. Mas a verdade é que a nova história se alimenta bem do conto de Saint Exupèry e visualmente o filme acerta muito ao separar a animação digital para a nova história e o stop-motion para a trama do livro. E ainda há trilha irrestistível, com canções de Camille.

Mistress America-12

7 – MISTRESS AMERICA, de Noah Baumbach

Em geral, a decisão de dividir a história original com uma atual, sobre uma garotinha adultizada pela mãe e que conhece seu vizinho, um velho aviador, seria de torcer o nariz. Mas a verdade é que a nova história se alimenta bem do conto de Saint Exupèry e visualmente o filme acerta muito ao separar a animação digital para a nova história e o stop-motion para a trama do livro. E ainda há a trilha irresistível, com canções de Camille.

Perdido em Marte

8 – PERDIDO EM MARTE, de Ridley Scott

Não é de hoje que Hollywood é fascinada com a paisagem marciana. E Scott não deixa de usar o que pode dessa paisagem em um filme que também se arrisca e acerta ao passar um tempo considerável apenas com Matt Damon em cena. O bom humor de seu personagem faz não só sua vida menos difícil como ajuda também o espectador nessa travessia.

 

Conto da Princesa Kaguya-04

9 – O CONTO DA PRINCESA KAGUYA, de Isao Takahata

A história da princesinha que nasce em um broto de bambu e é encontrada por um lavrador é contada por delicadeza ímpar nessa produção do Studio Ghibli. Um dos filmes mais bonitos do ano.

Ponte dos Espioes-10

10 – PONTE DOS ESPIÕES, de Steven Spielberg

No auge da guerra fria, o advogado de uma companhia de seguros é jogado dentro de uma trama em que precisa defender um espião soviético capturado nos EUA e depois negociar sua troca por outro, americano, preso na Alemanha Oriental. A recriação de um clima paranoico dos dois lados e descobrir a humanidade no “inimigo” são alguns dos méritos desse thriller.

<< Meus melhores filmes de 2014
>> Meus melhores filmes de 2016

MAIS RETROSPECTIVA 2015

Estrelas-04 e meia juntas-site

A fronteira da cozinha

Camila Márdila e Regina Casé: premiadas em Sundance

Camila Márdila e Regina Casé: premiadas em Sundance

A emoção e a razão muitas vezes são tratadas como excludentes no cinema. Existem os filmes que se esforçam para envolver o espectador e evitam pensar sobre qualquer coisa mais profunda e não faltam aqueles que abordam situações de maneira cerebral, mas evitam o drama como o diabo. Que Horas Ela Volta? (Brasil, 2015) não sofre com isso: é ao mesmo tempo um drama humano de largo alcance e um filme que pensa muito o Brasil a partir de sua metáfora.

Para começar, é uma história de mães. De início, a de Val (Regina Casé, em excelente atuação),  uma babá e empregada nordestina que vive há anos na casa dos patrões ricos paulistanos. O suficiente para ter visto o garoto da casa crescer e ter com ele uma relação mãe-e-filho mais do que o rapaz tem com a própria mãe, Bárbara (Karine Teles).

Mas ela tem sua própria filha, Jessica (Camila Márdila, que dividiu com Regina o prêmio de melhor atriz em Sundance), que deixou em Pernambuco para ser criada por parentes enquanto ganha a vida em São Paulo. Elas não se veem há anos e a garota, que a chama de Val (não de mãe), vai a São Paulo para prestar um concorrido vestibular para Arquitetura. Ela tem a primeira decepção rápido, ao descobrir que a mãe não mora em sua própria casa, mas num quartinho na casa dos patrões.

Sem os anos de subserviência e renúncia pessoal que a mãe teve e influenciada por professores que a fizeram enxergar possibilidades em seu futuro, a garota não desperdiça as chances que são dadas a ela de ter acessos pela casa que a mãe não esperava. Val, “quase da família”, sempre “conheceu o seu lugar”. A visão que Val tem desse mundo é aquela que o filme mostra quando Carlos (Lourenço Mutarelli) requisita a Val “um guaraná, por favor” lá da mesa na sala de jantar e é visto do ponto de vista da cozinha, através da porta, de onde se pode ver só um pedaço do outro cômodo.

Jessica está no limite entre a independência e, talvez, um certo oportunismo. Embaralha essa realidade que até então funcionava bem. Os homens da casa não parecem perceber a tempestade se formando e as relações de poder dentro da casa, mesmo fazendo parte ativa delas (o personagem de Lourenço Mutarelli rapidinho se mostra interessado na bela filha da empregada, por exemplo). Bárbara e Val, as duas mães, é que sentem mais a situação. E Val parece sentir mais a invasão do que Bárbara. A empregada deixa claro mais diretamente seu desconforto, enquanto a patroa tenta disfarçar, usar subterfúgios, empurrar o conflito para baixo do tapete.

Aos poucos, Que Horas Ela Volta? vai evidenciando também o drama da personagem de Karine Teles que vê o filho se conectar mais com Val do que com ela e expõe a cultura das mulheres que, por diferentes razões, são levadas a entregar seus filhos para serem criados por outras mulheres. A cena do resultado do vestibular, no quarto, em que Val de certa forma faz uma opção natural pela própria filha mostra as complexidades dessas relações dentro da casa.

A diretora Anna Muyalert faz declaradamente um paralelo com o que ela chama de “herança escravocrata” brasileira: a “Casa Grande & Senzala” que acontece naturalmente dentro de tantas casas onde pessoas vivem “da porta da cozinha para cá” e “da porta da cozinha para lá” e empregados são “quase da família”, enquanto convém aos patrões. Metaforizando uma situação muito brasileira, que chega a surpreender os espectadores no exterior, Que Horas Ela Volta? têm tido fôlego para convencer também essas plateias e críticos de outros países pela força de seu drama de personagens. As referências sociais diferentes, nesse caso, são amenizadas em prol de sentimentos universais.

Que Horas Ela Volta? Brasil, 2015. Direção: Anna Muylaert. Elenco: Regina Casé, Camila Márdila, Karine Teles, Lourenço Mutarelli, Michel Joelsas.

O novo filme do mestre Domingos Oliveira está online. Infância se passa nos anos 1950 e tem Fernanda Montenegro como a matriarca durona de uma família. Algumas das figurinhas fáceis do cinema do Domingos estão no elenco: Priscilla Rozembaum e Ricardo Kozovski. A eles, se juntam Paulo Betti, Nanda Costa e Maria Flor. Raul Guaraná é o garoto de quem através do olhos a história é contada. Uma versão do próprio Domingos, já que a história tem ecos autobiográficos. É baseado em sua peça Do Fundo do Lago Azul, de 1977, que Fernandona encenou na primeira montagem como a mãe de Domingos (agora faz a avó). O filme está estreando hoje nos cinemas brasileiros (vamos rezar pra chegar a João Pessoa, que em geral fica devendo ao cineasta).

O que entra na quinta, o que fica até quarta e o que continua em cartaz nos cinemas paraibanos (João Pessoa, Campina Grande, Patos e Remígio).

Estreias 08.20

JOÃO PESSOA

Entram quinta em JP:
– ‘O PEQUENO PRÍNCIPE’ (Cinépolis Manaíra [3D dub]; Cinespaço MAG [3D leg, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [3D dub])
– ‘LINDA DE MORRER’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinespaço MAG [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port])
– ‘EXORCISTAS DO VATICANO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])

Volta em JP:
– ‘A DOCE VIDA’ (Cinespaço MAG [2D leg])

Só até quarta em JP:
– ‘HOMEM-FORMIGA’ (Cinépolis Manaíra [3D leg, 3D dub])
– ‘QUE MAL EU FIZ A DEUS?’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg])
– ‘MINIONS’ (Cinépolis Manaíra [3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘JOGADA DE MESTRE’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘SOBRENATURAL – A ORIGEM’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘VOO 7500’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘PIXELS’ (Cinépolis Manaíra [2D dub, 3D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])

Continuam em JP:
– ‘MISSÃO IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D leg, 2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘O CONTO DA PRINCESA KAGUYA’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘SOBRE AMIGOS, AMOR E VINHO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg])
– ‘QUARTETO FANTÁSTICO’ (Cinépolis Manaíra [2D leg, 2D dub]; Cinespaço MAG [2D dub]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘A ESCOLHA PERFEITA 2’ (Cinépolis Manaíra [2D leg]; Cinespaço MAG [2D leg]; Cinesercla Tambiá [2D dub])
– ‘CARROSSEL – O FILME’ (Cinépolis Manaíra [2D em port]; Cinesercla Tambiá [2D em port])

 

CAMPINA GRANDE (Cinesercla Partage)

Entram quinta em CG:
– ‘LINDA DE MORRER’ [2D em port]

Só até quarta em CG:
– ‘MINIONS’ [2D dub]

Continuam em CG:
– ‘MISSÃO IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA’ [2D leg, 2D dub]
– ‘QUARTETO FANTÁSTICO’ [2D dub])
– ‘A ESCOLHA PERFEITA 2’ [2D leg]
– ‘CARROSSEL – O FILME’ [2D em port]
– ‘PIXELS’ [2D dub]

 

PATOS (Cine Guedes)

Não enviou a programação.

 

 

 

REMÍGIO (Cine RT)

Continuam em Remígio:
– ‘DIVERTIDA MENTE’ [2D dub]
– ‘O EXTERMINADOR DO FUTURO – GENESIS’ [2D dub]
– ‘MEU PASSADO ME CONDENA 2’ [2D em port]

O tablóide carioca Meia Hora tem feito muito barulho nas bancas e nas redes sociais por causa de suas capas, que jogam com o sensacionalismo e o humor. O ponto alto foi o Prêmio Esso pela capa do 7 a 1. Agora, uma oportunidade de conhecer um pouco mais do jornal: o documentário Meia Hora e as Manchetes que Viram Manchetes já tem trailer. Estreia nacional: 6 de agosto.

Christine Fernandes

Christine Fernandes

Sem borda - 2,5 estrelasLara. Brasil, 2002. Direção: Ana Maria Magalhães. Roteiro: Ana Maria Magalhães e Rita Buzzar. Elenco: Christine Fernandes, Maria Manoella, Caco Ciocler, Tuca Andrada, Monique Lafond, Heloísa Périssé, Ana Beatriz Nogueira, Mariana Lima, José Celso Martinez Corrêa. Nos anos 1950, uma descendente de italianos cujos pais cometeram suicídio e que passou por um orfanato, começa a despontar como modelo e se torna uma das maiores musas do cinema brasileiro. Cinebiografia de Odete Lara, vivida por Christine em seu anos de estrelato, por Maria Manoella na juventude e por Luanne Louback quando criança. O filme tem um curioso pudor em mudar os nomes de personagens muito conhecidos, numa espécie de declaração de tomar as liberdades que achar necessária com os fatos (Odete Lara é sempre chamada apenas de Lara, há uma cena com a própria Odete em um filme passando na TV sem que fique claro se há relação na história ou não com a personagem de Christine e personalidades como Glauber Rocha também aparecem sob outro nome). A atriz participou de filmes importantes, teve uma vida conturbada e se afastou da atuação buscando uma vida mais tranquila e espiritual. O filme tenta captar isso, mas a falta de recursos por vezes fica muito evidente (por exemplo, em uma cena de passeata contra o regime militar). Mas é difícil pensar em uma atriz mais ideal que a linda Christine para viver Odete Lara. Manoella, por outro lado, parece deslocada, unidimensional e não rende.

Filme completo no Youtube.

Vladimir Carvalho é muita coisa e uma delas é esta: um dos melhores papos deste país. Qualquer conversa com ele pode ir longe e é tão agradável quanto informativa, educativa e inspiradora sobre a arte, o trabalho e o Brasil. Seus 80 anos, hoje, renderam a capa do Caderno 2 do Correio da Paraíba e minha matéria, em versão estendida, está aqui.

***

O cinema de verdade de Vladimir

Vladimir, em sua casa, em Brasília, com uma câmera do mesmo modelo que filmou "Aruanda" (foto: Vívian Corrêa)

Vladimir, em sua casa, em Brasília, com uma câmera do mesmo modelo que filmou “Aruanda” (foto: Vívian Corrêa)

Um tanto avesso a comemorações de aniversário (segundo ele, já há uns 30 anos), Vladimir Carvalho já tinha planejado passar o dia de hoje em Recife, trabalhando. Neste período, iria filmar entrevistas e ambientação para o longa que está rodando sobre o artista plástico Cícero Dias. Mas o seu cinegrafista se machucou e os planos foram cancelados. Assim, seus 80 anos, aos quais chega hoje, serão em Brasília mesmo. “No máximo, faço um almoço ou um jantar em casa mesmo”, conta. “Gosto de comemorar quando é trabalho, quando é a estreia de um filme…”.

Paraibano de Itabaiana, Vladimir é reconhecidamente um dos maiores documentaristas do país, com um trabalho sempre voltado à discussão do Brasil e questões de poder e trabalho. Esses temas estão presentes até em Rock Brasília – Era de Ouro (2011), seu filme mais recente. Seu legado também extrapola sua obra, passando por seu irmão mais novo, Walter Carvalho, um dos grandes diretores de fotografia do cinema brasileiro (de Central do Brasil, 1998, entre muitos outros) e que hoje também é um cineasta respeitado (de Raul – O Início, o Fim e o Meio, 2012, entre outros) – iniciado no fazer cinematográfico por Vladimir nos anos 1970. E, por extensão, o legado chega ao filho de Walter, Lula Carvalho, hoje também um premiado diretor de fotografia do cinema brasileiro (dos dois Tropa de Elite, 2007 e 2010, e de RoboCop, 2014).

“Vladimir é o documentarista mais completo do cinema brasileiro”, crava o crítico Carlos Alberto Mattos, que biografou o cineasta em Pedras na Lua e Pelejas no Planalto, volume da coleção Aplauso. “Digo isso pela variedade de dispositivos que ele já utilizou em seus filmes, da evocação lírica de O País de São Saruê (1971) à epopeia trágica de Conterrâneos Velhos de Guerra (1990); da ressignificação de arquivos em Brasília Segundo Feldman (1979) à busca pessoal de ressonâncias históricas em O Homem de Areia (1980) e Rock Brasília, só para ficar em alguns exemplos. Digo isso também pela disposição do realizador para tratar do antropológico, do cultural e do político sem traçar fronteiras muito claras entre cada uma dessas categorias”.

Vladimir, eu e Walter, no Cineport de 2014: irmão e sobrinho também são legados (foto: Suzy Lopes)

Vladimir, eu e Walter, no Cineport de 2014: irmão e sobrinho também são legados (foto: Suzy Lopes)

“Além da obra filmada e das reflexões sobre documentários, Vladimir exibe uma rara qualidade: um entusiasmo inesgotável – pelo cinema, pela vida”, adiciona Susana Schild, de O Globo. “Simples, direto, pés no chão – mas sempre tomado pela paixão”. “O cineasta de visão notável sobre a sociedade brasileira e sua história, cujas obras nos suscitam reflexão”, define o crítico cearense Pedro Martins Freire, do site Cinema e Artes.

“Eu tenho a noção de dever cumprido dentro das minhas possibilidades”, reflete Vladimir. “Eu só filmo se aquilo é um apelo que vem de dentro pra fora. Que, se eu não fizer, vou sentir um desconforto. Algo que está em acordo com a minha formação, visão de mundo. Por sorte, atravessei até aqui sem me subjugar”.

O mestre e eu, em sua casa, em 2013 (foto: Vívian Corrêa)

O mestre e eu, em sua casa, em 2013 (foto: Vívian Corrêa)

Sua produção atual sobre Cícero Dias, pintor pernambucano que viveu de 1907 a 2003, foi influenciado pelo modernismo nos anos 1920 e participou da cena cultural francesa dos anos 1930, também é algo que “veio de dentro”.

“Quando eu era garoto, vi uma discussão entre meu pai e um tio um tanto quanto reacionário, em que meu pai defendia uma exposição de Cícero Dias em Recife em 1948, exposição que foi um choque cultural na cidade”, lembra Vladimir. Com O Homem de Areia, sobre José Américo de Almeida, e O Engenho de Zé Lins (2007), sobre José Lins do Rêgo, o cineasta, que foi fundador da Escola de Arte Tomás Santa Roza nos anos 1960 (junto com nomes como Raul Córdula e Breno Mattos) acredita concluir uma trilogia informal sobre o modernismo.

Essa subjetividade no olhar e na escolha dos temas também é uma das qualidades saudadas do documentário de Vladimir. “Minha admiração por sua obra tem a ver também com a maneira como ele, muito antes da maioria, desmentiu os preceitos de objetividade e neutralidade que o documentário infelizmente herdou do jornalismo”, diz Carlos Alberto Mattos. “Seus filmes sempre foram engajados e pessoais. Vladimir fez da sua presença dentro da cena de muitos filmes o instrumento de afirmação do seu ponto de vista, ou pelo menos do seu desejo de investigar. São 80 anos de um cinema criativo, intrépido, mas gentil ao mesmo tempo. Como uma fruta plantada no Nordeste e colhida mais que doce no Planalto Central”.

C01A jornalista Maria do Rosário Caetano, da Revista de Cinema, chama a atenção para a relação muito próxima que Vladimir sempre manteve com a Paraíba, mesmo há décadas morando em Brasília. “Vladimir esteve, em sua juventude, em dois projetos que têm tudo a ver com a Paraiba: Aruanda (1960), de Linduarte Noronha, e Cabra Marcado para Morrer (1964, primeira fase), de Eduardo Coutinho. Depois realizou seus filmes mais importantes na Paraíba e em Brasília. No maior deles, Conterrâneos Velhos de Guerra, somou a Paraíba (o Nordeste como um todo) à nova capital. Seus conterrâneos que ergueram no Planalto Central, a ‘Tebas moderna’, o motivaram a construiu uma ‘epópera’ arrebatadora. A Paraíba está entranhada na alma dele”.

Outro dado que move o cineasta é a vontade de saber mais. “Porque vou filmar isso se não me acrescenta?”, pergunta, dando um exemplo de O Homem de Areia: vários anos antes do documentário, em 1966 ou 1967 (ele não lembra a data com precisão), Vladimir entrevistou José Américo para o Correio da Paraíba. O contato impactante ficou dentro dele até a filmagem do documentário, em 1979. “Nem sei porque me mandaram para essa entrevista, eu era muito inexperiente. Quando terminamos, Zé Américo pediu pra ver o que eu tinha anotado”, lembra. “Aí, pegou uma caneta e rubricou minhas anotações. ‘Pode mostrar lá para o seu chefe’, me disse”.

É o caso de Cícero Dias, curiosidade adormecida que desembocou no próximo filme, que deve ficar pronto até o final do ano. Curiosidade que vem desde menino, de modo que a declaração de Vladimir sobre a idade se justifica: “A ficha ainda não caiu. Não me habituei a ver esse senhorzinho de cabeça branca no espelho. Acho que é – como dizem? – crise de identidade (risos)”.

* Versão estendida de matéria publicada no dia 31 de janeiro, no Correio da Paraíba.

Top 10 - 01.16

– A foto mostra o top 10 da nossa eleição até agora. Até agora (de janeiro a julho, meses abertos à votação) foram computados 102 filmes que estrearam em João Pessoa. Desses, 55 atingiram o quórum mínimo de quatro notas. Um índice muito alto de “abstenção”, quase 50%.

– Após o empate, ‘O Lobo de Wall Street’, de Martin Scorsese, voltou à liderança por microscópica margem. ‘O Passado’ está somente 0,008 atrás.

– A grande novidade da lista é ‘Guardiões da Galáxia’, filme de julho que já aparece em 3º. Aliás, mostra o poder da Marvel no cinema atualmente: três filmes baseados em HQs da editora estão no top 10: ‘Capitão América 2’ está em 5º e ‘X-Men – Dias de um Futuro Esquecido’ em 10º. A decepção é ‘O Espetacular Homem-Aranha 2’, amargando apenas um 40º lugar.

– O pessoal continua preferindo o primeiro ‘Ninfomaníaaca’ (22º, média 3,318) ao segundo (31º, média 2,952).

Top 25 (até agora):

O Lobo de Wall Street – 4,28
O Passado – 4,272
Guardiões da Galáxia – 4,181
Blue Jasmine – 4,083
12 Anos de Escravidão – 4,074

Capitão América 2 – O Soldado Invernal – 4,047
Hoje Eu Quero Voltar Sozinho – 4
O Menino e o Mundo – 3,833
Praia do Futuro – 3,818
X-Men – Dias de um Futuro Esquecido – 3,789

Tatuagem – 3,785
Azul É a Cor Mais Quente – 3,739
Frozen – Uma Aventura Congelante – 3,7
Planeta dos Macacos – O Confronto – 3,555
Como Treinar Seu Dragão 2 – 3,5

Uma Aventura Lego – 3,454
Trapaça – 3,4
Sem Escalas – 3,4
No Limite do Amanhã – 3,4
Eu, Mamãe e os Meninos – 3,375

Noé – 3,272
Ninfomaníaca – Volume 1 – 3,318
A Culpa É das Estrelas – 3,222
Um Amor em Paris – 3,2
Uma Relação Delicada – 3,166

Entraram no top 25: ‘Guardiões da Galáxia’ (3º), ‘Planeta dos Macacos – O Confronto’ (14º), ‘Como Treinar Seu Dragão 2’ (15º), ‘No Limite do Amanhã’ (17º).

Saíram do top 25: ‘Malévola’ (caiu de 25º para 26º), ‘RoboCop’ (de 21º para 27º), ‘Walt nos Bastidores de Mary Poppins’ (de 22º para 28º) e ‘As Aventuras de Peabody e Sherman’ (de 23º para 30º).

– Filmes com três notas (faltando uma para o quórum): ‘Caminhando com Dinossauros’, ‘Namoro ou Liberdade’, ‘O Grande Herói’, ‘Um Plano Perfeito’, ‘Uma Viagem Extraordinária’, ‘Antes do Inverno’, ‘Inatividade Paranormal 2’, ‘Em Busca de Iara’, ‘Junho – O Mês que Abalou o Brasil’ e ‘O Homem das Multidões’.

A seguir, os meus melhores filmes de 2014, apenas entre os que estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa. Antes, a numeralha em torno do circuitão pessoense.

– 164 filmes estiveram em cartaz nos cinemas de João Pessoa em 2014 (379 estrearam no Brasil, segundo o levantamento da Abraccine). São 13 a mais que no ano passado, encostando no recorde de 2007 (165), marca de antes do fechamento do primeiro multiplex do MAG. O Boulevard faz esse acompanhamento desde 2006.

– A participação do cinema brasileiro é a melhor de todos os tempos. Chegou a 26,8% dos filmes em cartaz (44 no total). No ano passado, com 32 filmes, o cinema tupiniquim ficou nos 21,2%. Ainda estava bem porque, de 2010 para trás, a conta ficava nos 20 filmes e pouco mais de 10% de filmes em cartaz.

Rosamund Pike em "Garota Exemplar"

Rosamund Pike em “Garota Exemplar”

1 – GAROTA EXEMPLAR, de David Fincher

Uma trama de mistério que brilha no jogo de entregar e sonegar informação ao espectador. A plateia acompanha o tormento do marido (Ben Affleck) que pode ou não ter matado a esposa (Rosamnd Pike, excelente). E acompanha a leitura do diário dela, antes mesmo dos personagens do filme. Semanas em cartaz: duas. Crítica no Boulevard

Leonardo DiCaprio em "O Lobo de Wall Street"

Leonardo DiCaprio em “O Lobo de Wall Street”

2 – O LOBO DE WALL STREET, de Martin Scorsese

Scorsese ridiculariza as falcatruas do mercado financeiro e exige o máximo de Leonardo DiCaprio, talvez na melhor interpretação de sua carreira. Alucinado, é como se fosse um filme sob efeito de cocaína. Semanas em cartaz: sete.

 

Chiwetel Ejiofor e Michael Fassbender em "12 Anos de Escravidão"

Chiwetel Ejiofor e Michael Fassbender em “12 Anos de Escravidão”

3 – 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO, de Steve McQueen

O vencedor do Oscar mostra um homem negro que nasceu livre e é sequestrado e vendido como escravo. Sua luta é a de não se tornar um escravo por dentro. Michael Fassbender está assustador. Semanas em cartaz: três. Crítica no Boulevard

 

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em "Azul É a Cor Mais Quente"

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em “Azul É a Cor Mais Quente”

4 – AZUL É A COR MAIS QUENTE, de Abdellatif Kechiche

Dormir, comer, amar, chorar, fazer sexo: o filme de Kechiche mostra como que através de um microscópio os muitos detalhes da vida de Adéle, vivida pela revelação Adèle Exarchopoulos. Semanas em cartaz: três.

Bérenice Bejo e ???? em "O Passado"

Bérenice Bejo e Ali Mosaffa em “O Passado”

5 – O PASSADO, de Asghar Farhadi

De novo Farhadi traça filme de mistério e investigação sem sair do drama familiar, com peças a juntar e personagens com algo a esconder. Passou no Festival Varilux e depois entrou em cartaz rapidamente. Semanas em cartaz: uma.

Charis Evans e Scarlett Johansson em "Capitão América 2 - O Soldado Invernal"

Charis Evans e Scarlett Johansson em “Capitão América 2 – O Soldado Invernal”

6 – CAPITÃO AMÉRICA 2 – O SOLDADO INVERNAL, de Anthony Russo e Joe Russo

O filme tem muita ação e movimento, mas o grande lance é o contraste entre o herói de valores antiquados em um mundo complexo. Semanas em cartaz: sete. Crítica no Boulevard

"Planeta dos Macacos - O Confronto"

“Planeta dos Macacos – O Confronto”

7 – PLANETA DOS MACACOS – O CONFRONTO, de Matt Reeves

Esta continuação é tão boa (talvez melhor) que o primeiro filme da retomada da série. Pela primeira vez, um ator em captura de movimento surge em primeiro nos créditos. Com justiça, é Andy Serkis. Semanas em cartaz: cinco.

Cate Blanchett em "Blue Jasmine"

Cate Blanchett em “Blue Jasmine”

8 – BLUE JASMINE, de Woody Allen

Cate Blanchett foi quase unanimidade como a melhor interpretação feminina de 2013 (o filme só estreou em JP este ano) como a Jasmine, meio Blanche DuBois, de Allen. E ganhou o Oscar de melhor atriz. Semanas em cartaz: três.

Zoe Saldana, Chris Pratt e Dave Bautista em "Guardiões da Galáxia"

Zoe Saldana, Chris Pratt e Dave Bautista em “Guardiões da Galáxia”

9 –  GUARDIÕES DA GALÁXIA, de James Gunn

Heróis absolutamente desconhecidos do grande público e nenhum ator famoso, a não ser na dublagem de uma árvore e de um guaxinim. Mas com ritmo e humor, o filme foi um sucesso. E ainda tinha aquele awesome mix!. Semanas em cartaz: cinco. Crítica no Boulevard

Fabio Audi, Tess Amorim e Ghilherme Lobo em "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho"

Fabio Audi, Tess Amorim e Ghilherme Lobo em “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”

10 – HOJE EU QUERO VOLTAR SOZINHO, de Daniel Ribeiro

Uma bem sucedida versão em longa-metragem do curta Não Quero Voltar Sozinho, o filme tem um cativante trio de jovens protagonistas e é uma delicado e muito bem narrado conto sobre o primeiro amor. Semanas em cartaz: duas.

Vale lembrar também: Frozen – Uma Aventura CongelanteO Menino e o MundoTatuagemUma Aventura LegoRoboCopWalt nos Bastidores de Mary PoppinsEu, Mamãe e os MeninosUma Viagem ExtraordináriaEm Busca de IaraOs Filhos do PadrePraia do FuturoX-Men – Dias de um Futuro EsquecidoO Mercado de NotíciasSerá que?Magia ao LuarTim MaiaJogos Vorazes – A Esperança: Parte 1.

<< Meus melhores filmes de 2013
>> Meus melhores filmes de 2015

MAIS RETROPECTIVA 2014:

Sigam-me os bons (no Twitter)

dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Cenas da Vida

Páginas

Estatísticas

  • 1.314.084 hits
Anúncios